31 julho 2013

Outro Kiesczek e a RTP inútil e idiota ignorando um golo à Kelvin do histórico g.r. Bolat

Em 2010 critiquei aqui, e não reparei que alguém acompanhasse a questão e o significado da coisa, que o FC Porto tivesse contratado um g.r. estrangeiro para ser o nº 3 na baliza. Fi-lo logo no início da época. O frango de Kiesczek no jogo caseiro com o Nacional ditou a eliminação na taça da treta, a única competição não ganha com AVB. E, além da má política da SAD neste domínio, não eximi de culpas o técnico pela opção naquele jogo para a baliza.
 
Foi um erro crasso, antevisto e julgava eu reconhecido para não mais se repetir. De repente, ontem, apareceu Sinan Bolat a treinar no Olival. Temos Helton como o Vinho do Porto e um Fabiano de boa estatura para o futuro, além do angolano Kadu. Para quê um turco? Bolat tem a altura de Fabiano: é para aproveitar nas bolas paradas à falta de outros argumentos?... 
video
 
Entretanto, a RTP não só citou mal as notícias dos jornais, com o nome próprio ("Sinat") do g.r. do Standard de Liège, num mau costume de citar notícias dos jornais sem mencionar os títulos consultados graciosamente para jornalistas preguiçosos, como a falibilidade do estúpido serviço que dizem ser público mas está sempre ao serviço do Phoder e nos come os olhos da cara deu mais uma da sua imbecilidade.
 
Pois a RTP tinha até há pouco o exclusivo dos jogos da Champions e num desses anos, não há muito tempo, decerto passou um resumo com um golo do g.r. agora no FC Porto e que evitou, no último minuto, a derrota do Standard. Foi uma espécie de golo à Kelvin, nos descontos. Pois bem, alguém foi ao arquivo sacar a imagem ou há muitos casos de g.r. a marcar golos por aí fora, já nem digo só na Champions? E que tal a Wikipedia? Querem ver o golo no YouTube? São tão ignorantes e estúpidos no Monte da Virgem ou tão só a explicar confirmar que aquela treta deve ser fechada por imprestável e gastadora? Eu, por exemplo, sabia que tinha sido contra uma equipa holandesa e ficara 1-1 com golo de cabeça, mas podia ir ao arquivo e confirmar a data.
 
Duas estupidezes, diria Pinto da Costa se tivesse coragem de reconhecer a sua parte.

Já agora que falo disso, por onde andarão uns andarilhos da Imprensa futriqueira: atrás do Real Madrid como nos últimos anos por L.A. ou do Chelsea lá pelo Extremo Oriente aos "bobós" a Mourinho?

30 julho 2013

Das mentiras benfiquistas com tiques socialistas

Que pena estas capas, hoje, não terem refeito as contas, também parecem mesmo os socialistas a dizerem que os outros é que mentem...


Comprou por 8,5, vendeu por 8,6 mas não valeu apesar de a mentira durar um ano, volta a vender por 6 e querem ver que os afoitos jornaleiros da treta vão voltar a refazer as contas: como é, 8,5 x 13% + (1-x), ora isto dá, é só fazer as contas...



Numa altura em que também um ano depois se avalia quanto valeu Hulk (55ME, como era de ver, deduzidas comissões a cargo do FC Porto e não os 40 da Imprensa fraudulenta) e Witsel de quem os 40ME ao Benfica rendiam apenas 80%, confirma-se que esta coisa das contas não é com tugas estúpidos, intoxicados e enrabados ciclicamente pela Imprensa de sarjeta e comunicadores avençados do mais imbecil que há. De resto, os jornaleiros crédulos do ano passado dizem não perceber como isto acontece, tão distraídos são tendo por acidente a cabeça acima dos ombros mas muita palha no sótão, quando não piolhos e mau cheiro.
 
De resto, na senda dos êxitos anteriores, a propagação da onda de choque de um êxito visível, certamente "irrevogável" como o outro que hoje discursou em novo poleiro e a pedir diligência que não teve no ministério onde pouco magistrou, presumindo que o canal dos bimbos vai ser um sucesso êxito claro está, não há dúvida que Portugal e certos símbolos tugas está em boas mãos contas...
 
Deve ser por isso que, moral da história, o benfiquismo continua a ser confundido com o socialismo assolapados na mentalidade tuga sem nunca serem extirpados. Se Salazar deixou de herança pobres e benfiquistas, os socialistas fazem questão de mentir ao nível dos melhores credenciados. Enquanto o pau vai e vem folgam as costas e com pés de microfone venerandos pior do que antigamente não há dúvida da "claustrofobia democrática" e "défice de transparência" gritantes. Quem clama pelo 25/4?
 
É tão fácil acusar os outros de mentir. Afinal, a falácia dura há décadas. Mesmo que a verdade venha sempre ao de cima e a mentira fique com os azeiteiros do Portugalório serôdio ancorado no antigamente.

Ah, e ainda, um contributo da Deco para o consumidor - também por ridículos destes deixei a associação... Os benfiquistas que acham o FC Porto temer a tv dos bimbos não sabem das influências malévolas da Deco. Já não lhes bastara o Deco...

29 julho 2013

Kelvin revisitado

Não vi nada da "apresentação" a não ser uns pequenos resumos, praticamente sem som. Além do golo em fora-de-jogo, numa extraordinária abrangência das novas indicações para "aperfeiçoamento" da regra que decerto merecerá vivos comentários das partes alheias, lamento aquelas cacetadas sucessivas do Kelvin, no regresso ao Dragão. Um amigo vizinho, ontem à noite, contou-me que não gostou nada do que viu, apesar de os resumos mostrarem várias ocasiões de golo. Sobre o Kelvin, ainda lhe perguntei se foi ele a dar ou a receber. Ficaria mal em qualquer caso como mal fica a "erupção" do banco portista com a resposta de Nolito (nem sabia estar no Celta), feia mas compreensível e não menos agressiva do que as iniciativa e avanços do brasileiro.
 
O erro de arbitragem fica bem identificado, a atitude de Kelvin e do banco portista também mas mais alargado e, por isso, com muitos mais "culpados" e bem mais lamentável. Mesmo em pré-época.

Só agora, minutos depois de escrever, vi a capa do Record. É inusual e não é inusual. Não tenho ideia de algum "desportivo" no mundo fazer uma coisa destas num jogo de "apresentação". E tenho muita ideia do que se faz lá por fora. Mas no Record, passe quem passar, isto é sintomático. Digno de 1ª página. Amiúde, escondem coisas do género mesmo dentro e a capa fica vedada a tudo e mais alguma coisa de certas paragens: como sempre, é para vender em Lisboa, como qualquer diário regional. Foi a "apresentação" do Manha, que nem sabia de volta ao cargo já. A capa, em tese, é a de antigamente, bem arrumada e deixando de lado o layout de "anúncios" na mixórdia da anterior gestão em que o cabotino ex-director parece que saiu a glorificar-se mas sem mencionar ter entrado com 92 mil de vendas em 2003 e saído (este mês) com 46 mil em finais de 2012. Do facto-Kelvin, que já "paga" pelo 92º minuto de 11 de Maio, veremos se se mantém a tendência com outros clubes. Se se mantiver, acho bem. Igual para todos. Embora extemporâneo, feio mas é pré-época. Mas sei que o "critério" é difícil de manter. Impossível mesmo. O que diz tudo de quem perpetra um atentado destes. E quem se arrisca assim ao "suicídio" não comete outro acto de "terrorismo". De resto, há mais marés do que marinheiros. Ainda que alguns tenham andado no mesmo barco, como timoneiros, e talvez agora queiram andar ao desafio em títulos concorrentes a ver quem seduz mais o candidato ao título que tantas capas destas poderia ter tido nos últimos anos.

(ACT 19h: li entretanto, de tarde, O Jogo e o JN, sem sequer uma imagem do lance, o que acho tão mau e ao nível da exposição abundante do Record. Falta encontrar o ponto, mas consigo ficar tão indignado com um como com os outros. É esse o problema, de equilíbrio, de verdade, de isenção e imparcialidade mas nunca de encobrimento nem, em contraponto, de exposição pornográfica tão sujeita a faltas de "erecção" quando envolver outros protagonistas. O tempo o dirá. Até lá, já há quem comete o "excesso" e não toque na "ocultação". O costume, mas são esses os consumidores de informação, preferentemente palha, por isso nem aprendem nada nem os jornais vendem. E neste ponto é que lhes toca)

Por fim, após mais um fds sem saber do mundo, reencontra-se o nosso velho conhecido Portugal e sua Imprensa do além-Tejo, até à beirinha do Tejo.

Um resto de semana assim para mais ou menos agradável como seja.
 

24 julho 2013

A pescada que antes de o ser já o era...

A maioria dos blogues portistas continua fraquinha e com tendência para o autofagismo, para mais tardio com a vantagem de não se darem conta do atraso e de se irem perdendo aos poucos. Especialmente os seguidistas, mais ou menos pintistas pintados, esperam que o FC Porto diga alguma coisa e dizem alguma coisa. Sobre a arregimentação dos direitos televisivos de alguns clubes por parte da tv dos bimbos, foi preciso Pinto da Costa assoprar alguma vela para certas luzes acenderem... Este é só um caso e, contudo, só quando o presidente falar da passagem do Salv(i)o Conduto da RTP para a tv dos bimbos é que vão dar-se conta disso. E, contudo, o conduto está servido aí no post abaixo, mesmo que raramente por aqui venha actualizar alguma coisa. Como diriam certos portistas, isto da tv dos bimbos é uma forma de desviar as atenções da modorra do Torto Canal, em contraponto à revitalização que os bimbos querem dar à sua tvzinha: não vão marcar a agenda, mas dão os jogos, com Conduto ou sem Manha não importa.
 
E, enfim, o tema dos direitos do campeonato não é sequer de molde a acicatar apenas umas bicadas no rival e de permeio uns alertas na pasmaceira clubística lusitana que, fora isso, só os arrotos do leôncio falido quebra esporadicamente. Há muito que estava na cara que isto é tão fantochada como o patrocinador da Liga ser o do mesmo clube em causa. Também aqui, PdC reservou-se umas "bocas" já tarde e que nem aqueceram nem arrefeceram.
 
Eu pensava que, por tudo e mais alguma coisa, Pinto da Costa agiria a sério e não se limitaria a uns arrufos, sabe-se lá com que intenções. Mas essas, insondáveis, são apenas para os distraídos deglutirem, aí com a vantagem de poderem clamar "aqui d'el Rei" e sempre podem malhar na "oposição" da Imprensa dita desportiva. A verdade, como se costuma dizer, é que falando dos outros não se fala no "Projecto do ano" mesmo que, quando alguns acordam, a coisa do nosso lado seja mais prata que azul.
 
A parte mais condoída da questão, da parte precisamente do "amigo Joaquim", nada de bocas, nem de nada. Nos negócios, os que andam por dentro estão calados que nem ratos, como é do tom de família explicado pelo António e o famoso caso dos carimbos, de travessias do Zaire a nado entre crocodilos e de encobrimentos na FPF das abencerragens do costume. Em Portugal, na bola como na política, tudo é falso e encobrimento. Ou fogachos e balas apenas tracejantes. Só isso. O programa segue dentro de momentos. É capaz, sim, de alguém confundir com foguetório... Já agora,  quem está atento percebe o rol de elogios censura...

No que importa mesmo, o jogo na Venezuela terá mostrado que com Fernando em campo não há duplo pivot defensivo, até porque a rotina de Defour, tal como a do Polvo que aqui abaixo lembrei, é de descentrar-se, como dantes.
 
Digo terá mostrado, porque não vi o jogo mas ouvi o gajo da RTP dizer que também não viu usando a mesma expressão sobre Iturbe que "terá sido" o melhor em campo. Não vou repetir a questão do duplo pivot defensivo, pois está aí em baixo como "(ante)vi claramente visto", como o Luiz Vaz só com um olho. De resto, apreciei especialmente, além da continuidade de Varela (nos golos) talvez porque lha tenha faltado ao longo da época até redescobri-la quando e onde mais importava para ajudar a decidir o Tricampeonato, o facto de por três vezes a mesma peça da RTP, ao longo do dia de 2ª feira, ter tido a signa de "Imparável" quando era emitida, duas vezes (manhã cedo e no jornal da noite) de Lisboa e, com a bênção carliniana cautelar do Monte da Virgem, apenas de "Porto vence" na emissão do lado de lá do Rio Dourado... desculpem a queda para os pormenores sempre que apanho um fio condutor à meada em que se torna imperioso descodificar a informação televisiva tuga e correlativos.
 
Do mercado, sim, é verdade que Quintero está já com a nossa tropa, o presidente diz que não vem mais gente e Paulo Fonseca pode começar a definir o "modelo".
 
Cardozo continua na parada em exposição mediática e mundial para essa montras de luxo turca entre tapetes, Topkapis e nargilés para o "shisha" que dê fumo à coisa mesmo sem fogo, e parado está o bocado que querem vender com as hossanas e alvíssaras do costume nas tv's do regime.
 
E, helàs, dois anos depois de ter-se despedido de Alvalade em lágrimas e em manifesto adeus e um mês após nova despedida como sendo a última, parece que Rui Patrício continua tão vendável como qualquer Garay, Luisão e, especialmente, o galacticamente pretendido Gaitinha assoprado pelos mais grandes maiores clubes do planeta e arredores longínquos. Ah, agora é o Sálv(i)o conduto para amealhar uns necessários cobres no tempo de arrebanhar o vil metal que isto dos investimentos sem financiamentos, hoje em dia mais próprios do que alheios a juros altos e mais proibitivos, foi tão chão que deu uvas como promessas o To Zero Inseguro anuncia sócretinamente.

De resto, como o Verão é uma altura para ler, os seguidores da heterodoxia portista fazem-me lembrar o (confuso) feminismo empedernido, eis something completly different...

Ah, e voltando ao princípio e àqueles que se preocupam com as bocas do presidente e em especial a quem se dirigem, tomem nota que A Bola, ao que me contaram, voltou ao convívio e graças do Olival após vários anos sem aceder a treinos, isto enquanto uns se entretêm com os excrementos do intestino e demais flatulências mais ou menos Delgadas... 

16 julho 2013

Bruma no Verão

A novela parece continuar, própria dos amores fátuos da saison, enquanto as equipas mostram argumentos dentro e fora do campo. Os leôncios de Alvalade parecem já pintainhos, ao lado das gaivotas sempre indecisas e imprecisas com o lastro do incompetente messias em que acarditam. Entrementes, parece que o assobio para o ar vai deixar cair uns perdigotas nalgumas cabecinhas manipuladoras pensadoras...
Também no FC Porto, onde uns teimam em ser cegos e seguidistas e outros subitamente aduladores da precária Comunicação do clube em que vêem revelações tardias de efeitos com prosápia mas nenhuma utilidade superior, subsistem as dúvidas sobre o modelo do novo treinador.
 
O 4x3x3 puro, anunciado por Paulo Fonseca e que aqui comentei pela perplexidade das premissas, já foi. Eu tinha dúvidas de facto, agora tenho certezas: teremos variantes, o que é bom e não "mau", parece que o estágio revelou a opção, prudente a vários títulos, pelo duplo pivot defensivo do meio-campo. Não vi jogos, mal vi os golos em resumos, não leio crónicas, só quero as ideias, porque nesta fase só há, ou nem há, projectos, apenas sintomas do que pode vir, sendo que o mercado, ah, o mercado!, está aí para derreter todas as cautelas. Apanhei algumas dicas por O Jogo no intervalo de uma semana e picos.
Há meses, numa crónica do campeonato, antevia a reformulação total do meio-campo, já saíram Moutinho e James e temos substitutos de qualidade. Parece que, afinal, Fernando fica, de novo. Ora, se o Polvo fica, não acredito muito no duplo pivot de médios ao meio. Fernando tem tentáculos para aquilo e está rotinado. Paulo Fonseca insistirá na sua tese? Para já, "vinga" o 4x2x3x1, repito por prudência em vários sentidos. Caso se confirme, depois comentarei. Há sempre variáveis (4x1x4x1, 3x2x4x1) e o modelo pode ter várias configurações. Mas ganhar 3-0 ao Marselha parece bom, independentemente de destaques dados a outros resultados, fruto da época. Ainda há gente para encaixar e mandar rodar, mas parece bom o caminho pela frente.

Quanto à comentadeirice serôdia, encartada e encomendada, retomada na vertente desportiva, no caos campo político (e por arrasto, Portugal todinho insano) que as tv's propagam à falta de fogos de época, o João Gonçalves escreve melhor do que ninguém, com conhecimento de causa e claras definições do que isto é, o Portugal dos Pequeninos.

ACT
1) Ah, faltava esta que pelo visto nem é nova e ainda não dera brado. Les bon esprits se rencontre...

1-a) E ainda, já agora que falamos do diabo...

09 julho 2013

A verdade (com João Alves) 15 anos depois

Podem brincar com a situação, João Alves até se engana quanto à final da Taça (não foi com o Beira-Mar, mas com o Braga) em 1998, mas quando diz que "até li no Record" que era a segunda escolha de Pinto da Costa isto quer dizer que, ao cabo deste tempo todo sem jamais ter voltado a cruzar-me com João Alves ouço da boca dele o teor da notícia em que então não acreditei.
 
Acabou por chegar Fernando Santos, rumo ao Penta mas também a uma série da falhas clamorosas (Hexa e Champions) apesar de mais duas Taças de Portugal. Podia ter sido Alves. Mas que foi verdade, pelo visto e ouvido, foi.

Assobio para o ar

Não só (confirmo, embora não pareça) tenho pouca apetência e disponibilidade para escrever como muitas notícias me passam ao lado ou eu, deliberadamente, ao lado delas. De momento importa-me pouco o Ghilas ou os mexicanos, quando a bola rolar a sério será outra coisa.

 
Do que vou vendo e ouvindo em zapping, ontem apanhei uma notícia mas não a vi desenvolvida em lado algum. A SIC noticiou o início de procedimentos judiciais, ao menos isso, sobre o caso do Apito Dourado de Alvalade, o dr. Rogério Alves ´já veio defender o ex-PJ e o seu clube, naturalmente, mas a coisa parece destinada ao silêncio. E, contudo, tratou-se de um acto de corrupção que os lagartinhos nem ousam sequer olhar: eppur, si muove...
Não é nem Apito nem se vislumbra que termine pífio como o outro, mas tem matéria dourada para brilhar por uns tempos.
Nenhuma edição online, ontem, abordava o caso. Nem respigando da SIC, ou a SIC tá muito má de audiências. O Reles Tavares, de resto, esquece tudo o que tenha a ver com futebol, só aqui há dias falou que a FIFA era culpada de dar o Mundial ao Brasil e de desatar a levantar os problemas viscerais do socialismo local, do Lula e sucessora Dilma muito apreciados pelos socialistas tugas.
 
Les bons esprits se reencontre... OU não, continua a assobiar-se muito para o ar sobre o caso PPC. Se fosse com PdC já era diferente mas pode ser que tenham um caso de condenação por corrupção e só dêem conta no final. Como nas novelas, só que esta tem enredo e trama montados há muito. Os viscondes que se cuidem e não se descuidem os editores das notícias convenientes para o efe-.erre-ah,ah,ah com o bruno do carvalho... 

08 julho 2013

Projecto de ouro

Não é por nada, mas obviamente reconheceu-se que, apesar de ter saído aparentemente e oficialmente e bilateralmente a bem, o treinador bicampeão nacional não recebeu, pelo segundo ano, o Dragão de Ouro. Ok, o penta de Andebol é bom e é Obradovic. Ao contrário do pós-diferendo com a saída de AVB, desta vez o anúncio dos distinguidos foi logo após a época terminar, devia haver alguma pressa e não deixar para o Outono o que pode fazer-se já...
Talvez por isso, embora certa malta seja muito distraída, tenha passado despercebido a distinção do Projecto do Ano. Aquele que tem tudo para dar errado e que ao cabo de uma época de futebol deixou a maioria, se não todos, dos "apaniguados" de pé atrás com o "projecto" sem reconhecerem o que defini como o Torto Canal. Só o Santo António das Antas daria tanta indulgência, nem o Papa Francesco que de uma abébia de simpatia à SIC à boleia de um... rabino fez a estação do Balsemão pensar que escapou à excomunhão extinção.
 
Mas o que me parece mais mesquinho, embora não surpreendente nas Antas, não é menorizar Vítor Pereira nem sequer "conjecturar" com o "projecto". Mesquinho é perceber uma ciumeira com a tv do rival bimbo que pode não valer um chavo em deontologia e tecnicalidades jornalísticas, mas comercialmente é um projecto mesmo. Enfim...

Vá lá, no que mais importa o mercado, para refazer e reforçar o depauperado plantel portista, está bem e a reconstituição da equipa parece fazer sentido, apesar de um ou outro jogador de contra-ataque e não desequilibradores para o 1x1 que vinha fazendo falta ante defesas cerradas.

A verdade é que o Torto Canal não sai do sítio e na tv dos bimbos já se percebe a importância de Moniz no xadrez televisivo porque ele bem disse que não iria fazer sombra a Vieira...
 

07 julho 2013

Teoria da conspiradragão

O FC Porto, nas duas vezes que pôde fazê-lo na Luz, não falhou: uma vez foi mesmo, com AVB, e na época seguinte o golo de Maicon sentenciou de alguma forma o campeonato.
 
Pelo que deve questionar-se se isto sucede por acaso ou a Liga não está a fazer tudo para dar um ímpeto de esperança ao Benfica.
 
As teorias da transpiração que obrigam a muitos devaneios e outros tantos cálculos, indicam que em 2013-14 a Liga acaba por criar mais um problema ao Benfica a ficar dividido entre dois objectivos: precisamente ser campeão no Dragão e campeão europeu em casa.
 
Pronto, a brincadeira é um exagero, mas como Jorge Jejum quer fazer como na época passada "ir às finais e ganhá-las"...

06 julho 2013

Jorge Jejum de barriga cheia e mestre de Aimar

O José Manuel Ribeiro sintetizou tudo muito bem. Mas o reparo deveria acompanhar a súmula da entrevista de alguém, como nos comunicados da casa, a tomar drogas ou a abusar do álcool, e não em jeito de editorial.




 
De resto, da forma como tem em conta Oblak à vaidade de poder ter feito de Aimar um jogador melhor que com o mestre da táctica poderia aprender ainda mais, a basófia ainda bem que se vira para dentro.
 
 
"injemonia" é como aquele miúdo que pedia dinheiro para os "amendoins" querendo dizer diminuídos mentais. Enfim, ganhe ou perca, e mesmo perdendo muitas vezes, é como aquele professor que usou a mesma roupa durante 40 anos para tirar fotografias.

Acho que até o puto Portas, alcandorando-se agora a vice-primeiro-ministro para ter ainda mais cagança e dar-se ar de importante e homme fatale (o "e" surge aí et pour cause...), sabe mais de conquistas com impacto do que o mister chiclete.

Mesmo o sindicalista profissional Nogueira é capaz de igualmente pôr o Governo de joelhos como Jesus e atrasar o curso da evolução da Escola e da Educação melhor que se deseja - matérias em que o treinador do Benfica chumbaria e mereceria as orelhas de burro de algum superior hierárquico...
Bem fica uma coisa assim mas muitos portistas reviam-se na hipótese mirabolante, tanto quando uma vez Socolari ou depois o Bentinho que asperge moral, de o bronco treinar o FC Porto.

video
De qualquer modo, mesmo nunca vendo, cada entrevista de Jesus remete-me sempre para episódios semelhantes de Monty Phyton Flying Circus. Ou do(s) Marreta(s).

05 julho 2013

Mais "estilo Barça" que nunca, mas sem Messi, sobram os interiores

Ora bem, se já se percebera a falta de extremos de qualidade - e só a ascensão de Varela na parte final estimulou o ataque ao Tritulo - e desequilibradores no 1x1 contra defesas cerradas, fazendo empastelar o jogo pelo meio, o sinal de alarme pode tocar já com o anúncio de que o futebol portista viverá de interiores e o 4x3x3 para manter dispensará os extremos. Foi o que li hoje em O Jogo respigando uma entrevista de Paulo Fonseca à Revista Dragões. Os princípios gerais são para manter com o novo treinador, mas se já não tínhamos Hulk e acabámos de perder Moutinho e James, dois interiores por excelência, a reconstituição do plantel trará ainda mais dificuldades antes das próprias perante defesas cerradas quando a bola rolar a sério.
 
Paulo Fonseca só falta dizer que também aprecia o futebol do Barcelona, como AVB e VP, o melhor do mundo mas com tremendas dificuldades pela falta de extremos - e de um pilar na área para quando der jeito - que só o inigualável talento de Messi disfarça. Como não temos Messi, ainda que possa recuperar-se o mini-Messi Iturbe, e porventura Quintero será mais James do que Messi ou Iturbe, antevejo problemas se é para jogar pelo meio.
 
Além de Jesus delirar com a "hegemonia" que diz o Benfica estar tão perto de alcançar como o Sporting de Paulo Bento com quatro segundos lugares, todos os treinadores adversários agradecerão o afunilar do jogo portista. O pessoal é que está de férias e está farto de outras conversas, mas quando cair em si e ver os jogos apertados no Dragão, e mesmo fora, sem abre-latas pelas extremas, bem, já se deve antecipar os assobios.
 
Uma coisa é certa: faz sentido o 4x3x3 para um avançado-centro como Jackson, mas parece fora de tom o 4x3x3 sem extremos: um contrassenso um impossibilidade material? A bota bate com a perdigota?. E para um jogo com interiores, bem, também nos falta Iniesta e Cesc Fàbregas pelo menos, para a coisa fazer sentido. Ou será mais um 4x1x4x1? Ou 3x2x4x1 aproveitando o desequilíbrio de um lateral enquanto na outra banda o outro lateral refreia um bocado o ímpeto ofensivo? Dar-se-ia assim corpo a um jogo postado no meio-campo adversário, com pressão alta permanente, como quer Paulo Fonseca. Sobre os interiores, está fora da minha compreensão. Porque Barça mesmo só há um, com aqueles jogadores que vão dando, agora, algumas dores de cabeça menos agradáveis por a fórmula já não ser bem sucedida como dantes.

04 julho 2013

Benfica já em pânico: acaba o campeonato onde cedeu o último ao campeão

video´
É certo que, apesar das propostas milionárias dos maiores mais grandes superiores acima do mais maior grande e alto que é o próprio clube, num corrupio incessante de vendas e mirabolantes facturações, o Benfica está no auge, como sempre, com cada novo reforço, a substituir as vedetas vendidas a cada dia fruto do seu incomensurável valor de mercado mais arrasador que um peido do Portas, deslumbrado tanto quanto a bolha com a grandeza do astro-mor, uff, onde é que eu ía, e prepara-se para dominar o próximo campeonato, mais a Champions que terá de vergar-se ao factor casa, pelo menos até à última jornada, a dúvida é se será a da 1ªª volta, com mais uma tenebrosa visita do Dragão à Luz onde o que costuma falhar é a dita mas não a rega e o regabofe das vitórias morais dos locais,  ou se na última porque isto vai ser jogado até ao fim e até ao lavar dos cestos é vindima pelo que não há bela sem senão e um dia não são dias a não ser quando os astros se ajoelham perante uma realidade maior, pelo que é de esperar até deixá-los pousar, como de costume e por hábito que vai sendo antigo e conforme ao ditado popular de aprender a rir só no fim e a não deitar foguetes antes da festa, de modo que o campeonato será trepidante, sem cessar como este texto, até terminar seja como Deus quiser desde que Jesus ajoelhe outra vez, ámen com acento atrás de vendido ou no meio de não saber se ler o jornal ou dar corda ao relógio, sendo que o princípio já é tumultuoso e o Porto volta primeiro a receber o Sporting na 1ª volta mas isso se calhar nem é notícia porque o que importa é o resto da vida do campeonato que fica pendente para desespero dos mesmos de sempre.
 
ACT: tudo normal, sem excitações, no online da pasquinagem lusa, em Lisboa percebem que a última jornada pode ser e o JN, palonço e retrógrado, só olhou para a 1ª jornada, daí que seja vulgar ensaiar o modo actual de ver Camões porque em Lisboa tudo é moda e concreto, sujeito a passar de onda e não se pode perder a oportunidade, vendo sempre ao longe mesmo que só com um olho...

03 julho 2013

Vítores II

Algumas consequências das saídas dos Vítores. Gaspar, afinal, não é o Gasparzinho fantasmagórico, a não ser para assustar e afundar o Submarino Portas armado em lacrau às costas do sapo a quem pediu ajuda para atravessar o pântano para picá-lo a meio do percurso. Gaspar demonstrou que o Governo deveria ter-se demitido uma e outra vez de cada vez que o Tribunal Constitucional deu princípios para o Povo comer e beber nos seus laivos de governança programática. Gaspar demonstrou princípios, goste-se ou não dele(s). Portas apenas um que usa todos os meios para sobreviver. A cagança idiota de Portas, já quando foi ministro do Mar (!?) e ainda assoberbado com o caso dos submarinos, diz bem com o seu perfil: nariz adunco e fachada de respeito para pôr em sentido, e não só figurado ou figurativo, Maquiavel.

 
A Sócrates não trocaria um pneu furado e de Portas não receberia uma côdea de pão com receio de estar envenenado, como sempre esteve a sua permanência no Governo e sempre em busca de lá voltar abraçado ao PS com quem o PP se identifica e com ele andou aos beijos e abraços desde o contorcionista balofo Fretes do Amaral. Os Chuchialistas podem fazer o número de vitimização e de demagógicas manobras de diversão à moda do Benfica. Os paladinos do "Partido dos Contribuintes" mostraram ontem o que são e ao que andam e o seu ímpeto de reformistas do Estado vale o que vale quando Portas, com a incumbência, se retira ruidosamente qual serpente depois de atacar com veneno na ponta das intenções. Um nojo que o sonso Gaspar, deliberadamente ou não, acabou de expor. Portas morreu politicamente e deve ser responsabilizado pelos danos causados, maiores nos mercados como logo se sentiu.
 
Não contava com esta, até pela prosápia do "sentido de Estado" do ex-ministro dos submarinos... Um farsante a quem caiu a máscara nesta tragicomédia da política à portuguesa em que, profissional como o "Princípe" maquiavélico, Portas personifica o que de mau há e nos trouxe até aqui e sem alternativa à vista para endireitar o barco.
 
Pereira, de cuja entrevista não vi alguém debruçar-se sobre significados e conteúdo, confirma-se que saiu como derrotado apesar de aureolado como bicampeão. Já nem me interessa se o espicaçavam os duelos com Jesus, um pacóvio no altar da crendice saloia que faz manchetes de pasquins desacreditados e, à imagem dos figurantes da cena política, nunca há-de elevar o (seu) nível. Muito menos me alegra que Vítor Pereira venha dizer, passado todo este tempo, que Liedson chegou mal fisicamente, e muito pouco melhorou, ao Dragão em Janeiro. E, pior, percebendo, agora (?!), que Liedson não era o dos tempos do Sporting que, como então escrevi, lembro dos últimos tempos a mancar, e não a marcar, por Alvalade. Pereira surpreso? Que dizer da sua ingenuidade, para não falar ignorância, em antever a resposta do Levezinho resgatado a um dolorosa e incógnito fim de carreira? Eu queria era saber quem o chamou, quem viu nele uma alternativa a Jackson (fisicamente e até para inserir-se num modelo de jogo que nunca agradou a Liedson)? E, ao contrário da garantia do médico Puga, ninguém de bom senso, e com verdade em vez de sofismas, Liedson não chegou apto nem de longe, mas clinicamente foi caucionada a sua contratação com o desastre que se conhece. Mesmo que acidentalmente tenha participado no Minuto Kelvin do Campeonato.
 
As notícias dos últimos dias, que tenho apanhado no ar quando em viagens, motivaram-me para isto. Ontem, mais desprevenido e até pasmado fiquei. De resto, participei numa cerimónia em que, imodéstia à parte, fui um dos homenageados e no cocktail lá estavam uns melões a adornar as mesas dos acepipes. Não sabia que tinham sobrado do Benfica...
Por falar nisso, e juntando à cena política tuga, bem vindos à confusão: a Croácia à UE, as equipas a trabalhar com reportagens miseráveis e parolas no Seixal como uma oficina de automóveis de ostentação e o mercado serôdio de que um dia destes vou abordar.

01 julho 2013

Vítores

Gaspar afastou-se, Pereira também. As reformas do primeiro mal saíram do papel, queixando-se de forças de bloqueio mas aceitando a incapacidade própria de começar a tempo e horas, a bem dizer mal pegou no leme. Continuamos a pagar por isso. O segundo também herdou uma situação dificílima mas cedo teve a percepção do que era preciso: valeu-lhe não haver forças de bloqueio e ter um Hulk para ponta-de-lança "sem o qual não seríamos campeões".
 
Segui atentamente o percurso de ambos. Nas despedidas, acredito agora mais no primeiro a confessar a sua incapacidade e atavismo próprio. No segundo, a expressão de pensar num ambiente familiar na Arábia Saudita diz logo que ele não imagina o que é ver uma tv mais esquisita do que em Lisboa e pouco divertimento para a família. Logo, não me convencem as razões da saída e muito menos as da escolha pelo clube de Jeddah.
 
Gaspar sai como derrotado mas merecendo confiança e até alguma estima. Pereira sai como vencedor mas a esbanjar logo o capital adquirido ao ponto de dar pena.
 
Não contava nem com uma coisa nem com outra. Nem sequer após mais de um ano sem o consultar, por ser redondo e vagamente útil e, pelo que vejo, sem alteração alguma numa net sempre a sugerir mudanças, este recurso ao Maisfutebol, mesmo que por terceiros, me deixa alegre, nem sequer pela surpresa de o exclusivo escrito ter sido este. Esperava o bate-papo na TVI que lá se deslocou (consta que à boleia do sheik e não com cheque próprio) e mostrou uma imagem do técnico a verificar (a cor) o relvado (como acima, em Alvalade, em Riade costumam pintar de verde a superfície de jogo, o dinheiro não garante a relva viçosa...).
 
Se este calor abrasador nos afunda, as razões dos dois Vítores acho que me desanimam, porque esperava mais de ambos. E todos ficam a perder. Apesar dos erros de Gaspar, a Governação em geral é mais polémica do que a antipatia que o das Finanças suscitou. Igualmente mal-amado do seu público, incompreensivelmente, Pereira a alguns já deixa saudades e temo que sentiremos isso mais adiante. Os "milagres" feitos por ambos em condições dificílimas mereciam outras "despedidas". Esperemos que rapidamente não se dê pela falta de ambos, em vez de tolos regozijos que néscios sabem cantar à falta de melhor fazer.