31 outubro 2013

Isto seria uma boa notícia: Paulo Bento deixaria a Selecção!

Não sei se esta "ideia" vai em frente, se Fernando obtém naturalização ou alguém está a extrapolar a coisa para além de o jogador abrir, como "europeu", o mercado que interessa e de momento lhe está vedado. Mas como Paulo Bento já afirmou que, por ele, não chama "naturalizados", e agora que entramos em Novembro com o duplo Portugal-Suécia a pairar por aí, coincidia com o "Dia dos Mortos" ou "Fiéis Defuntos". Até já tinha isto preparado para amanhã, mas O Jogo deu mais força à coisa e tirou uma conclusão que, de momento, vejo inviável, embora em Janeiro...
Até parece um gabinete de comunicação a elaborar uma "petição pública" de apoio à iniciativa e incentivo blá, blá, blá... Mas não, O Jogo faz capa com declarações do próprio e até diz que "a Selecção também o quer". Óptimo!
Fernando por Portugal significaria um novo seleccionador. Pode ser que a Suécia ajude um pouco. Mas tenho dúvidas que o objectivo de Fernando seja esse, ainda que, com nacionalidade portuguesa, fosse claramente o melhor 6 possível de encontrar. Ganharia a Selecção com Fernando e com a saída de Paulo Bento.

ACT: li esta tarde em O Jogo que Paulo Bento aceitaria naturalizados mas nunca forçaria que algum interessado se apressasse a naturalizar-se. Para mim é a confissão de que prescinde deles e não a admissão de que, com gosto, os aceitaria. De qualquer modo, acho muito estranho esta pressa e, para mais, já com o pensamento na Suécia. Não acredito que PB convoque Fernando para os próximos jogos. Estaria a "dizer" que precisa desesperadamente de alguém para a posição e renegaria, assim, a sua posição de princípio. E acho que PB é um homem de princípios, apesar de achar também serem discutíveis as suas opções e justificações. Pelo que só vejo Fernando na Selecção, mas nunca no Mundial-2014, com Paulo Bento fora do cargo o que só poderá suceder se falhar o Brasil. Suécia nos ajude...

30 outubro 2013

A lógica, a "mémoire" e a dúvida

Ia jurar que já vi pior daí para cá: sei lá, tipo...
- autocarro de adeptos incendiado (noutro local que não Alvalade) em Lisboa
- bancada de estádio vizinho incendiada por adeptos do Sporting fazendo perigar a estrutura de betão
- mesmo pouco antes de "Jamor'1996", dois adeptos do Sporting morreram ao caírem do passadiço sobre a Porta 10A quando invectivavam e cuspiam a entrada da equipa do FC Porto (era Robson) 
 
Mas também me pareceu que os vândalos do Sporting - afinal há-os "encartados", que até se dão bem com o famoso Madureira, e os "marginalizados", que se armam aos cágados à imagem do presidente roufenho que, lá está, não se viu mas voltou a fazer-se ouvir... - iam fazer o Dragão ficar na história por algum motivo retumbante de pouco edificante. Como em quase 10 anos nunca houve um, lá se arranjou.
Podia ser o velho, o rapaz e o burro. Porquê? (perguntaria Mourinho, insistindo na retórica)

De facto, não há vergonha. E devia perguntar-se porquê isto nunca sucedeu antes, nunca lhes deu vontade de armar confusão, jamais ameaçaram bater ou fazer-se notar na Alameda dos Campeões Europeus. PORQUÊ? A pasquinagem lisbonense que responda e elucide o País, pois parece que aquela gentalha é conhecida a Ribatejo e Alentejo.
 
Manha, manha, isto é uma merda, assim não vais lá, a turba leonina da antiga chefia é massiva, reconheço, mas ou impões-te ou acabas noutro qualquer dos arredores de Serpa...
 
Assim, no fim, lavas mais branco a nódoa negra que manchou o Dragão para todo o sempre, com uma capa assim suja. Que ninguém percebe, afinal. Quem foram os perpetradores? Inocentes? Ou comandados, que nunca se viram por estas bandas nem fizeram tal alarido? Leste, até no correio da manha ladrão que pediu em tribunal indemnização à vítima do seu assalto por este lhe pregar uns tabefes??
 
 
Isso é jornalismo bacoco ou perfil de "spotter" básico e intuitivamente calculista?
 
O Octávio manco da tola distribui as suas pérolas pelos confins da Cofina?...
 
Gostei de alguma coisa no comunicado do Sporting, além dos parágrafos sobre o jogo e a forma como foi preparado.
 
O Sporting, com precisão cirúrgica, mesmo dizendo-se tapado por todos os lados, entaipado e sem se mover nas catacumbas da caverna do Dragão, percebeu que jornalistas dos 3 diários (ditos) desportivos foram maltratados ou condicionados. Gostei, a sério, que um clube se preocupe assim com todos, por acaso os "desportistas" que vão jeito apaparicar para depois aparar o jogo que interesse ao presidente deste novo PREC... Alguns outros foram "poupados" no meio da confusão, valha-nos isso.

29 outubro 2013

França reage contra Blatter porque ignorou Ribéry!

Ouvi na rádio do carro, ao fim da tarde, que anda meio mundo, todo o mundo, Portugal inteiro, algum Portugal, certos jornaleiros, alguns pasquineiros, alguém chateado por Blatter ter dito preferir Messi a Cristiano. O homem mais poderoso do futebol mundial, um dos homens mais influentes do Mundo, não pode ter uma opinião. Ouvi, por acaso, a RR e ela ouviu a sopeira, o presidente da FPF que ganha 16 mil euros por mês sabe-se lá porquè, o Chico e a Maria, o Cervantes e o Crocantes, o Mendes e o Mentes, até o Evangelista, só faltou, era um cliché da Renascença, o Brejnev Amândio do Carvalho.

De repente, depois do Porto-Sporting e paneleirices lisbonenses do habitual mau perder, temos outro Calimero, as carpideiras tugas e várias virgens ofendidas.
 
Que "chirivari", metando obviamente a reacção do Real Madrid - o clube do século XX para a FIFA sem que o Barça se revoltasse - e de Ancelotti que secundou a do presidente Florentino. Fiquei estarrecido com mais um potencial "romper de parceria estratégica" por uma simples mijadela fora do penico.
 
Nem de propósito, a vítima foi outro Calimero preferido das virgens ofendidas tugas. Cristiano Ronaldo expressou-se no FB, o agente Mendes falou por fora e parece que todos os portugas se solidarizaram, como boas carpideiras que são: contra a Troika, contra o McDonalds, contra a pacatez habitual do Dragão mesmo em dia de jogo, além da crise, do défice e da crise e do défice, que pensam ser coisa para se resolver com dois dichotes em jornal e umas larachas nas tv's.
 
Uma tempestade num copo de água. Até parece que Blatter disse preferir Ibrahimovic a Cristiano. Ui, imaginem o que não seria em vésperas do duplo Portugal-Suécia! Imaginem o que os suecos diriam se Blatter disse preferir Portugal no Mundial-2014!
 
Blatter não falou na Argentina para agradar à plateia local. Falou em Inglaterra, nem sei onde, e mais ou menos informalmente, ante uma plateia de jovens nem sei porquê. Não falou, por exemplo, de preferir Bobby Charlton a Eusébio, ou Alex Ferguson a Mourinho. Podia ter sido simpático para com a audiência e falado de Rooney e do M. United que continuou a ganhar mesmo sem Cristiano. Podia ter falado da longevidade de Giggs. Ou até da emergência do Tottenham de AVB.
 
Mas Blatter falou de coisas de dimensão mundial, como sempre considerou, e voltou a enfatizar, Cristiano e Messi que até acha iguais em categoria, com estilos diferentes mas ambos "excepcionais" que são. Isto num contexto em que saiu a nomeação para a Bola de Ouro, que Messi vem ganhando há quatro anos a Cristiano, mas num ano em que Ribéry, um francês, foi eleito o Melhor da Europa e provavelmente ganhará o FIFA Player of the Year Award para 2013.
 
Pensar que, numa questão de gosto pessoal, do carácter da pessoa à forma de estar em campo, Blatter preferindo Messi a Cristiano é "dirigir" a votação da Bola de Ouro para o argentino é estupidamente próprio dos portugas ignaros. Ao jeito, voilá, de Mourinho achar que a UEFA influencia a votação dos melhores no continente quando se trata de votos de 52 jornalistas, capitães e treinadores nacionais de todas as federações europeias.

Parece que a França reagiu violentamente, porque Blatter ainda aflorou o nome de Ibrahimovic mas esqueceu Ribéry!
 
A Bola de Ouro é votada por gente de 202 países, daqueles patuscos como Djibouti que há um ano votaram em Cristiano a Moçambique que preferiu Messi. E há gente que confunde tudo como se fosse uma campanha maquinada para "desrespeitar" o jogador português. Ou Mourinho, já agora.
 
Ora, se a cerimónia dos prémios tem tido notoriedade mundial tem sido, precisamente, por Cristiano, como Mourinho, faltarem, desrespeitosamente, a tais actos. Coisa que mais ninguém fez e ambos até já reincidiram. E isso devia refrear considerações avulso, emocionais e irracionais de quem não leva em conta os factores em jogo. Quem não se dá ao respeito? Cristiano tem mostrado respeito pelos votantes e os concorrentes nomeados? Irá à próxima Gala ou já tem o pretexto para não ir?
 
Já agora, o Scolari enfureceu por Diego Costa ter preferido, finalmente, a Espanha ao Brasil para jogar, a despeito de ter exercido coacção e chantagem com uma pré-convocatória do brasileiro que ao futebol se deu a conhecer em Penafiel e, fugazmente, em Braga. Scolari, lembram os espanhóis, até representou Portugal e vibrou quando teve de ganhar ao Brasil.

A estupidez pode ser muita, mas a coerência anda em contraciclo.
 
Já anda aí a competição para ver quem tem razão entre o Carrilho e a Carrilhona. 
 
Quem pediu a camisola: Lucho ou William Carvalho?
 
Quem são os "Casuals" do Sporting: tresloucados marginais ou inocentes imberbes da Linha ou da Margem Sul?
 
Os dilemas de quintal deste Portugalório insano, é claro, foram quase abertura de Telejornal. É o que há.

ACT: Ah, Blatter parece que pediu desculpa por causa do "cabeleireiro" de Cristiano. Penso que, não sendo original, as desculpas foram para quem primeiro falou do tema e nunca foi criticado: Diego Armando Maradona que nem morre de amores pelo presidente da FIFA...

Sporting encarregou Sócrates de novo "mémoire" sobre a Tortura no Dragão


O Sporting diz que teve "azar". Um comunicado patusco, serôdio e saloio, que dá para desdobrar em várias "nutícias" - lembram-se da moçoila numa tv privada que lia as núticias enquanto tirava sutiãs, sem tuítes, para mostrar as mamas entre o âmago dos assuntos e o clímax do "finale", além dos inevitáveis "preliminares" e "fait-divers"? - em pasquins como o Rascord.
 
Aquilo foi uma violência tão pegada, tantos e tão chocantes os lamentos, que o Rascord se esqueceu de referir quem foram os desordeiros que diz terem sido apedrejados, ontem, sendo que entretanto soube-se quem eram e o que andaram a fazer. Tudo bons rapazes, de famílias boas ("roupas caras", diz-se), a que não faltava, viu-se na turba, uma (suposta) menina de "kispo" rosa... E o comunicado dedicou-lhes um parágrafo inteirinho...
 
A bolha, que também deve fazer capa hoje, dá destaque ao que se pensava ser arma do roufenho presidente: "a desestabilização".
 
Percebe-se que o relato do jogo, na óptica lunática leonina, seja resumido a dois parágrafos de bola e, no resto, um anátema sobre a Tortura, para mais em Democracia, como se o Sótraques fizesse um "mémoire" sentado no poltrão Dragão. com a plateia que gosta de o rodear. Mas ele, entre todos os irremediáveis defeitos, é benfiquista e, enquanto Primeiro-Sinistro, achava, na sua distraída tese de ciência económica, que o Benfica campeão (como em 2005 quando chegou a S. Bento) melhorava a produtividade de Portugal e o PIB subia - o que a realidade veio demonstrar ser uma falsidade, o título e o PIB do socialismo estroina.
 
O "mémoire" de Sócrates é um mimo! Digno de um engenheiro armado com um "canudo" tirado a um domingo só mesmo elaborar quase 200 páginas em francês académico (kkkkkkkkkkkkkkk) e, qual aborto, 9 meses depois de confessar mon français cést trés mauvais, comme vous pouvez voir". Tão a ver como se onfunde o ouvir com o ver? O nosso inginheiro é um míster, carago! E há tantos que acarditam nele como na "nobreza" (sic) que o Sporting diz ter, lá no final do seu comentário ao jogo. E o inginheiro tem tanta boa Imprensa como o Sbordem tem boa Imprensa...

Isto, nas mãos boca pernas penas de Carolina Salgado tinha dado um best-seller, agitado a PGR até pela solidariedade feminina que assistiria a Joana Marques Vidal e, obviamente, ressuscitado o Alvaláxia com uma apresentação e assinatura da autora para adeptos com Barbas...

É claro que a boa Imprensa publica qualquer merda. Já quem tem espinha direita e não anda com paninhos quentes e palmadinhas nas costas como os bestuntos ex-PGR e pSTJ, assume uma postura heróica contra a... Tortura socrática que os apaniguados do costume já vão adocicando alegremente...
 
Basicamente, o comunicado diz:
 
 - Ontem teve lugar mais um jogo da primeira Liga. Infelizmente não vencemos pelo que, naturalmente, não podemos estar contentes. Cometemos vários erros que acabaram por ditar a sorte do jogo.
- Durante o aquecimento da nossa equipa, as bolas que iam para a bancada desapareciam.
 
Partantos, tiveram "azar" e "as bolas iam para a bancada". Duvido do primeiro qualificativo, mas confirmo plenamente a certeza do segundo. O jogo mostrou menos um e mais este. Vá lá que não reclamaram do penálti nem do amarelo por mostrar nesse lance e que, a somar ao cartão depois visto por Maurício, deveria levar à expulsão do central leonino. Mas imaginem o que não se escreveria se o Sporting acabasse com 10 além do 1-3...
 
Prontos, a lenda do Natal pode nem se concretizar, apesar de alguns enfeites "comerciais" já se verem por aí.
 
Mas fiquem a saber que o Calimero comemorou este ano longos e vibrantes 60 anos. It's an injustice, it is...

28 outubro 2013

Auf Wiederhörer...

Eles falaram, falaram; deram capas, muitas capas; até temiam alguma coisa, temiam...
Jogo não se viu, passaram a 5 pontos e caíram um degrau.
Como haviam cortado relações institucionais, não apareceram na tribuna VIP por motu próprio.
Agora podem ficar a falar de voz grossa para algum rebanho aí à solta; não se distinguirão de qualquer manif habituada a debitar os velhos clichés e a perder mais audiência. Já não enganam ninguém. Ficam assim:

Um "idoma" estranho. Parece o alemão e dos alemães, muitos "estupores" deste país de falsos dótores e inginheiros, "bandalhos" e "criminosos" infelizmente escapados à Justiça pelos "amigos do alheio costume", dizem mal, fazem agit-prop de século XIX e destratam quem faz por emprestar dinheiro a um País, um Povo, um Estado falido como o português. Um palrou demais e eu estou numa que vou ganhar antes de Paulo Fonseca pôr o Porto a jogar um futebol decente, minimamente convincente. video
 
Como estou a aprender alemão, sozinho, pois aí vai a saudação devida a quem se faz "ouvir" (örher): auf widerhörer. Porque já nem os vemos (sehen, na variante auf Wiedersehen que se aplica a adeus a quem se vê e é conhecida a oração), tão longe estão, de forma que talvez um dia voltemos a ouvi-los, perdidos entre a urze e os cogumelos que vicejam nesta época. Atentem no tom roufenho da criatura e ouçam se não é de algum modo familiar...
E tácticas "familiares", ditas "campanhas" quando são "negras" ou "narrativas" quando são "brancas", devem deixar os autores e actores a falarem sozinhos...

E agora mais duas semanas de masturbação até ao clássico da Taça

Prontos, quase me palpitava que a nova ordem de cavalgaduras entronizada ia fazer das suas. Lá descobriram um novo 2º classificado, após semanas a borregarem no outro, e já têm uma nova vaca de ouro para os crentes adularem.
 
Vamos ter mais duas semanas de insanidade. Que começam com a "identificação" de "adeptos do Sporting" (não percebi aquilo, mas parece que ainda ninguém os tinha fisgado assim) alegadamente recebidos à pedrada. Estão a ver o comerciante assaltado que vai a tribunal porque o ladrão foi sovado e pede uma indemnização? É coisa dos últimos dias. Também recente, e recorrente, è o PS acusar o Governo de desvario, fazendo tábua rasa do seu próprio distintivo percurso até ao precipício da bancarrota que, como disse um deputado na AR, não cá crédito, só cadastro. E assim vão as glórias da Imprensa de sarjeta. O FC Porto, entretanto, respondeu, umas vezes dá-se ao trabalho, noutras alheia-se completamente. O Torto Canal continua a não servir para nada.
 
O clássico da Taça é a 8 ou 9 de Novembro mas vamos ter uma competição pela idiotice mais premiada para os ruminantes, plácida e bovinamente, se entregarem à campanha dos clubes regionais e saloiices avulsas. Depois de duas semanas de fantasia, teremos duas semanas de masturbações reais.
 
Já o FC Porto voltará a ser notícia para a semana, em perdendo na Rússia para dizer adeus à Champions. E se, na véspera, na Grécia, o Benfica for de vela, mais se acentuará o catastrofismo virtual em que vive esta gente serôdia e macambúzia.
 
Pelo que, com capas destas e na sequência das duas últimas "ultracorantes" semanas, é coisa de dizer auf Wiedersehen, porque em breve voltaremos, infelizmente, a ver-vos.

Pois foi uma bela má recepção aos flibusteiros

Não alinho nas tretas que se ouvem e escrevem e não estou convencido que o Porto jogou bem nem que, agora, vai passar a jogar melhor. Há pontos positivos: Varela está bem e tem lugar, o treinador já percebeu melhor o onze a lançar - falta ver com Quintero como será - e até já faz atempadamente substituições que seguram a equipa.. Há até 5 pontos de avanço sobre os dois rivais de Lisboa. Mas continuo sem perceber as confusões do meio-campo e tão mau trato e posse de bola que deixaram por mais de uma hora o jogo incerto, impreciso, desinteressante, convidativo à truculência dos choques (quando não se solta bem a bola, caem-nos em cima os adversários), até um disparatado pontapé prà frente de parte a parte que na maioria dos jogos ingleses já não se vê. A vitória, trabalhosa mais do que trabalhada porque o adversário estorvou e o Porto não deslumbrou, é tão indiscutível como bastou meia-hora para tirar dúvidas e passar o exame.
 
A 1ª parte foi um horror, tal o vazio, e a 2ª melhorou quando o Sporting, sem criar perigo, empatou casualmente, fazendo despertar o monstro mas precisando da reinvenção de Danilo num Hulk improvisado. Continuando a permitir muitas coisas ao adversário, felizmente sem veneno nem lanças de jeito a atirar, o FC Porto deixou o Sporting acreditar que podia levar alguma coisa do Dragão e faz ainda os "visitantes" suspirar, dos croniqueiros plantados ao treinador Jardim, que jogam taco-a-taco e olhos-nos-olhos, quando muitos confundem discutir o jogo, o que o Sporting fez com a passividade portista, mas não pensar em discutir o resultado, fora do seu alcance. No final, ouvi muitos "ses" que só vincam a ideia de aquilo andar à mercê de uma providência e não garantindo êxito: o Sporting não só saiu mais pequenino do cotejo do que ouvi falar, como tem "muita massa" para comer, ainda que alimente a intelligentsia indígena com jeito para propaganda, reuniões de tupperware e conselhos às primas tal qual fazem os políticos, quando nos faltam governantes, e precisamente os vencedores de banha-da-cobra, quando precisamos de valor acrescentado para sermos levados a sério e podermos exportar talento e ganhar dinheiro.
 
E tanto o Porto, assim, não me convence, e fracassará na Europa onde tais devaneios são punidos severamente, como o Sporting me desiludiu, pois julguei antes ver ali algo substancial que não tem. Como as equipas estão fracas em geral, o Sporting esticou o pescoço e mostrou-se aos basbaques da Imprensa servil mas aflita para vender o que lhe resta de alma, que talento já não o recupera e muito menos a credibilidade.
 
E as equipas estão tão fracas, em geral, que, note-se, os "europeus" que não ganharam um jogo a meio da semana conseguiram todos vencer: Porto, Benfica, Estoril. Hoje jogam Paços-Guimarães, não dá para ganharem os dois... Como os pormenores escapam aos desatentos, lá vamos fazendo de conta que isto é importante e sério.
 
Com todos os defeitos, muitos, e debilidades, várias, que tem, pois o Porto, mesmo em apenas meia hora final, pôs o Sporting no seu sítio e, como lhe era devido e tal foi solicitado, dedicou uma bela de uma "má recepção" aos flibusteiros de segunda que no final nem miaram...
 
O campeonato corre agora um de dois riscos: o Porto embalar e distanciar-se mais, pelo menos do Sporting que ainda só gatinha mas alguém o viu em cima de uma montanha, tornando o "campeonato sem competitividade"; ou o Porto descambar em virtude de o seu jogo não assentar e uma frustração europeia comprometer o ânimo. Até Janeiro se saberá, calhando o Porto visitar a Luz a fechar a 1ª volta e o mercado estar receptivo a Fernando que voltou a mostrar não se dar bem com um parceiro ao lado, sobrepondo-se tarefas e meios em zona que pede um Polvo só, enquanto os flancos não sustentam o distanciamento progressivo para a concorrência e um Jackson carente de ser bem alimentado na área.
 
Para já, com Varela de volta ao seu nível mais alto e dando coerência ao ataque portista que dela carece, Paulo Fonseca perderá a veleidade de se dispersar com Licá e Josué em simultâneo, comprovadamente pouco, sendo que nenhum é verdadeiro extremo. A vantagem é já se ter visto os laterais chegarem à área, o que são péssimas notícias para os adversários. E Danilo feito Hulk é bem pior que Carvalho armado em Ciclope a pavonear-se ser valentão e perguntar "quantos são?, quantos são?".
 
O jogo faleceu ao 2-1 e foi enterrado ao 3-1 para tornar mais desagradável e vincar a superioridade manifesta de uma equipa de homens face a uma equipa de putos instigados por um garoto armado aos cágados. Pior recepção não podia haver, para quem estava a pedi-las.
 
Falta só o FC Porto, além de PF se libertar dos que "vêem falta de frescura física" na equipa (uma estupidez que já aqui abordei, o problema é de organização e modelo de jogo) entregar o melhor futebol que nos convença a todos que pelo Natal já se podem encomendar as faixas. É que isto está tão em baixo que jogar tão pouco, ainda que melhor esta noite, como o Porto joga, e já com 5 de avanço, serve para andar lá em cima até vir alguém dizer que o rei vai nu e o interesse esvai-se sem competitividade.

As lagartixas também podem queixar-se de lhes permitirem jogar na raspadinha, resgatando o dinheirinho indevido a vícios insuportáveis. Só os estúpidos acreditam que a árvore das patacas existe, já não basta lembrar aos verdinhos a tradição do Natal...

27 outubro 2013

Sporting já fez o Dragão ser notícia por desacatos

Só muito tarde vi na tv as imagens de tumultos às portas do Dragão. Nem sabia que tal sucedera e, no fundo, tão-pouco me interessa. Sei que, pela primeira vez em quase 10 anos de estádios modernos ainda sem ocupantes civilizados em grande parte de alindados espaços, algum módico de violência fica associado ao mais belo, e sossegado, estádio do País. E sem saber o que originou algumas cenas de pancadaria de rua, que não de verdadeiros adeptos da bola, nem conhecendo os protagonistas e muito menos os instigadores, friso que o responsável por tudo isto está devidamente identificado, tem a mania de falar grosso e sobre tudo, põe lacaios a fazer comunicados a responder a colunistas de jornal e por pensar que lhe deviam vénias cortou relações institucionais entre o seu clube e outro que agora calhou visitar cheio de bazófia, dizendo-se sem medo mas sem coragem para andar por aí: soube, sim, que não terá feito mais propaganda barata pelos tascos das redondezas por temer alguma coisa.
 
A estúpida e inacreditável campanha do presidente roufenho de Alvalade não só teve a diminuta expressão em campo do parco futebol leonino como, na rua, deu frutos indesejados mas expectáveis a extensão do linguarejar grosseiro que fala mais alto que a voz de ronco distante de algum Ciclope, reduzido a um olho no meio da testa por defeito genético e deslocalização abusiva, digno de viver em cavernas. De resto, ao rastilho extenso de longos dias 100 deixar de falar, para acabar a miar em campo e a "passarinhar" após o jogo mas sem tuítar, pode juntar-se a campanha mediática de coisa nenhuma em que a soberba vazia e inútil, de cinco pobres reis de gente, dava páginas de absurdo desfasamento com a realidade com tudo para um e nada para outro, como é exemplo, além dos exemplos da fanfarra dos últimos dias e do mais famoso ataque violinístico da era moderna à custa do modesto Alba, o que se segue, coitado do Vítor...


E por merdas assim se vão sujeitar-se à morte destinando... e muita piolhice proliferando.

Conclusão após o 3-1

Foi preciso o golo, fortuito, do Sporting para o Porto, sem jogo, se enervar e partir para a vitória. O Sporting cria perigo em bolas paradas (livre, defesa de Helton, canto, golo de sorte). O Porto vê aparecer Danilo como o Hulk, desequilibrador e a marcar, que não temos. Lucho sentencia, em contra-ataque. Com o 2-1, Paulo Fonseca refresca bem: Licá por Josué e Defour por Herrera. Mas continuo a achar gente a mais no meio-campo para trocarem tão pouco, e mal, a bola. Todos os defeitos do Porto à vista, mas mesmo assim é muito para um Sporting que, na verdade, não se percebe bem que jogo joga: é inútil.

Duas coisas na 1ª parte

O Porto joga pouco, mas ganha (bem). O Sporting nenhuma das duas. São os dois 1os classificados e percebe-se a razão de o campeonato ter pouco interesse. Apenas o de ganhar. Uns sabem, outros pensam-no. Ainda vai uma grande diferença.
 
William Carvalho varre Varela na construção de uma jogada de ataque no início do terreno defendido pelo Sporting, não há cartão. Varela varre William Carvalho apenas à saída da área do Sporting e recebe cartão. Percebe-se a razão de os árbitros portugueses terem tão má fama cá dentro. Lá fora ninguém lhes liga, já agora. Não há tão grande diferença.

26 outubro 2013

Do sutiã aos punhos de renda no clásico...

Os truculentos jogos, à base de mind games, entre Madrid e Barça na era pouco gloriosa mas muito espalhafatosa de Mourinho, vieram-me à memória, até porque vi-os todos, depois da luta em punhos de renda desta tarde no Camp Nou. Poucas faltas feias, pouco jogo também, mas uma intensidade tremenda que evitava as balizas. E, contudo, além do duelo habitual Messi-Cristiano, agora tínhamos Bale-Neymar. Ganhou só Neymar, apesar de o chapéu de Alex ser de três pontas e outros tantos pontos.
 
Também depois do "sutiá que tuíta", iniciei-me na via do "passarinho" com um tweet sobre o Clasico que me soube a muito pouco. Talvez quando as cuecas da Bárbara Guimarães "tuitarem" também as coisas se revelem em todo o esplendor, mas foi isso que faltou no Camp Nou. Muito jogo a meio, alguma parcimónia, poucas oportunidades mas muito alarido no final. Quer dizer que o Madrid perdeu, queixando-se de penáltis para aqui e para ali, obviamente há um claro sobre Ronaldo e também há um de Pepe a Fàbregas. Mas de penáltis sobre Ronaldo, iguais, tive o Barça em cada um dos jogos da época passada com o Madrid - e não houve tanto alarido...
 
O Madrid falar de penáltis e do árbitro Undiano Mallenco é algo que se associa, mas não pelas razões invocadas pelos madrilenos. E é claro que se no final se fala de penáltis é porque o jogo foi pouco interessante, não obstante a luta cerrada a meio campo e, aqui sim, sem porrada de criar bicho como Pepe e Sergio Ramos (que devia ter sido expulsado) se habituara e ainda bem que Arbeloa e Xabi Alonso estiveram ausentes...
 
Mas acho que o Madrid não esteve a menos do que o Barça, que emperra o jogo na transição ofensiva. Ancelotti esteve bem no aspecto táctico e em geral o Madrid esteve mais coerente, ainda que sem contundência porque Bale voltou a desiludir. Acho que o empate era justo, Benzema atirou à trave com 1-0 e o empate esteve mais perto do que o 2-0 mas a surpresa Alexis lá surgiu de forma menos provável. Apreciei a entrada de Jesé e, com Morata, não percebo porque Florentino gasta tanto dinheiro em avançados quando tem dois da casa muito bons - mas se não fosse isso, o presidente galáctico não era a mesma coisa... Como não é a mesma coisa este futebol do Barça que já não me prende como na era de Guardiola. Os treinadores fazem diferença, afinal...
 
Ficou a precisão dos golos de Neymar, vendo o buraco à maneira de Ronaldinho, e de Alexis e as vãs tentativas de Benzema e Cristiano.
 
Tal como o PS na vitória pífia das Autárquicas, não acho determinante esta vitória menos brilhante do Barça. Mas, tal como os penáltis hoje reclamados pelos de Madrid, há muito falatório superficial e num jogo de pequenos pormenores e sem grandes coisas para além dos golos o apelo da discussão dos penáltis prevalece à falta de melhor jogo e muitos punhos de renda num clasico até amistoso demais para Mourinho querer ver.

O que faltou na fanfarra leonina?

O Moutinho dizer que queria que o Sportem ganhasse. Aí era capa para chapar na cara de alguém. Assim, enquanto o título e as declarações coerentes que a mim não surpreendem e a outros servem para achaques e bílis à solta, desaparecendo dos radares das edições online, ruminam o ressabiamento costumeiro e continuam a julgar-se da mais alta estirpe moral e ética. Com título mas só nobiliárquico, ainda que empalidecido por uma delapidação patrimonial e ruína financeira de arrepelar os cabelos.

O que uma mera pedra - chamam-lhe maçã podre mas rendeu uns 11ME e mais uns trocos que tão cedo não obterão da sua fileira de diamantes a quem nunca emprestaram o brilho de títulos de grande relevo - no sapato provoca a quem julga que forma jogadores e homens como se tivessem de confundir o lugar onde porventura nasceram com a terra onde realisticamente se realizaram e triunfaram, financeira e desportivamente.
Os pacóvios não se miram ao espelho ou então perguntam se há alguém mais pacóvio do que eles.
 
A Imprensa dita Desportiva, de resto, sempre alimentou ódios, com estima, em vez de vincar coisas normais da actividade, hoje "industrial, de um sector volúvel, empresarial e inflacionado. Mas isso era ela também evoluir, valorizar-se e, pedagogicamente, crescer fazendo boa Informação. Porém, não seria a mesma coisa, pois não?...

25 outubro 2013

Passado é para museus e isto agora não resolve nada

Eu também vejo o golo de Kelvin e ainda há dias retomei a discussão sobre a razão da sua ausência na Champions em favor de um russo mancom macambúzio e molengão. É só mais uma atirada para fora... que nem ao próprio elogiado aproveita. Quanto à "boutade" presidencial, dita à porta do museu até se compreende.
 
Se o museu tem o "Momento K", tal é a inovação e inventiva depois de tanto se ter glosado o "Minuto Kelvin", pegando numa conhecida marca.
 
Certo é que nada resolve nos muitos problemas de densidade ofensiva que a equipa acusa.

Lá vai leão...

O Record não desarma e, vai daí, ao tom gongórico das últimas semanas - sem imaginar-se como seria se fosse ou se se tornar domingo no 1º classificado - acresce um registo leonino de golos com dupla evocação.



 
Presumo, e não é difícil fazê-lo sem risco de erro, que os 27 golos na temporada incluem 5 ao Arouca, na estreia dos neófitos na I Liga, e os 8 ao Alba para a Taça (competição que nem arrancou em muitos dos países "comparados"), apenas amadores do regional de Aveiro de onde vem também o Arouca.
 
Em sequência, em cada jogo Montero marcou 3 golos, o que é assinalável e mais ainda, embora com alguma zombaria devida, por esses 6 golos, ao neófito Arouca e aos amadores do Alba, repita-se, já o fazem à frente de não sei quem.
 
Quanto não vale estar ausente da Europa para alguém fazer notar o crescimento do leãozinho.
 
O Dragão dirá de sua justiça.

24 outubro 2013

Eles estão ali...

O Cristiano Ronaldo disse ao marcar o 1-0 à Juve: "Eu estou aqui, caralho!". Fica à consideração sobre o destinatário da mensagem, mas não deve ser difícil imaginar ainda que os pasquins não dêem largas à sua verve criativa. Isto num tempo em que Mourinho voltou a falar de Ronaldo, um e outro de espanhóis como lhes dá jeito e Queiroz relembra no Irão como era lidar com Ronaldo no Mundial-2010 onde não esteve nem sequer passou pela qualificação...

 
É pena que os pasquins enjeitem polémica de "maiores do mundo". Em tempos, aquele "Vai tomar no cú" de Rochemback a Peseiro, quando o substituiu num Porto-Sporting (3-0 em 2004), dava tratamento VIP e não era maquilhado, nem que fosse, como foi, apenas no dia seguinte de algum modo a limitar os danos.
 
Já o Roberto, agora do outro lado, disse: "Caralho, eu estou aqui!". O seu erro nem é monumental nem novo e os benfiquistas sabem-no bem. Os portistas também, ainda que duas ou três situações de receber um centro-remate do Olympiacos da linha de fundo não tenham redundado como no 0-1 de Guarín a 20/4/2011 para a festa do título da Luz e o apagão respectivo.
 
O erro de Roberto serviu para mascarar o facto de o árbitro ter transformado um livre fora da área num penálti um pontapé de baliza no canto que deu o frango golo. Ainda dizem que Jesus não faz milagres... Até os pasquins negam as evidências...

Brincalhões

Andam a pôr os lagartinhos nos píncaros, com capas gloriosas, que até já os deixam jogar a Taça UEFA - mas é só em Futsal, uff!, mesmo assim, com tantas pernas abertas, é de rir e chorar por mais, deveras...

23 outubro 2013

Estilo Fonseca e um treinador na história

Sim, comparativamente com a merecida derrota anterior em casa, esta custou e doeu mais e foi bastante injusta, a equipa portista bateu-se com denodo mas, mais uma vez, com erros clamorosos e falta de jeito muito devido ao desastrado estilo imposto pelo treinador. E, se para já ainda é cedo para vislumbrar se Paulo Fonseca ganhará alguma coisa de jeito no Dragão, embora lhe tenha já dado "guia de marcha" e mantenho a minha opinião, a verdade é que duas derrotas em casa para a Champions nunca tinha sido conseguido. O treinador, enfim, entrou na História... parece que a bluegosfera não deu conta disso, veremos os pasquins amanhã.

A uma hora do início do jogo o JN online não dava uma linha sobre a coisa. O Metro na Trindade "furara" um "pneu". E o temporal da noite anterior deixara estragos. O dia ainda acabaria pior.
 
A expulsão, inatacável, de Herrera diminuiu o potencial da equipa mas reforçou a solidariedade e espírito colectivo que engrandece os clubes e o próprio jogo. Foram duas aos ferros, mais um par de boas defesas mesmo após o 0-1 da parte de Lodygin no final. Ok, mas erros como Mangala e Otamendi, para mais face a Hulk, tiveram, de novo, não são admissíveis e são já recorrentes. E depois do amarelo Herrera sair da barreira é pedir a expulsão. Estupidezes, dirá Pinto da Costa enquanto espera que, antes de Ghilas, ser, como outros no passado, um grande jogador o treinador o ponha a jogar...
 
Fernando foi um monstro, provando que chega para as encomendas sozinho no meio em vez de atamancarem a zona com outro gajo. Mas esta forma de jogar, agora de novo com os dois debutantes de início, Josué e Licá, não dá jogo a Jackson. Assim não vamos lá, apesar de, com este espírito e garra, a equipa em 11 contra 11 poder surpreender e devolver o resultado ao Zenit lá. Tem de ser, porque já me pareceu sentenciado o lugar na Liga Europa depois da vitória pífia em Viena. Assim o escrevi, a equipa tem de mostrar mais na Rússia e até poderia, enfim, beneficiar do relaxamento do Atléti na última ronda. Em casa deve dar para ganhar aos austríacos... Mas até lá...
 
Podemos lamentar muito infortúnio, a equipa teve bravura mas pouco discernimento e de novo isso é problema de treino e de treinador. Infelizmente, de novo com uma arbitragem pouco "caseira" como a anterior com Webb: este Tagliavento também só traz maus ventos, não os corta... Mas a equipa está verde e o treinador hesita demais nas substituições. Lá entrou Ghilas depois do estrago feito atrás e depois de um jogo desgastante, com 10 por 90 minutos, as outras deviam ter sido antecipadas. A leitura do banco voltou a ser tardia e a recorrência de um jogo comprido, com a equipa muito esticada, é contraproducente. Um treinador pragmático, sagaz e experiente punha a equipa a jogar atrás, nestas circunstâncias o 0-0 era bem melhor e nada hipotecava.
 
Fazia-nos falta, com VP, um jogo mais pausado e curto, com bola de pé para pé, pedindo contra-ataque puro e simples: ah, mas faltam velocípedes e nem se sabe por onde anda Quintero, de novo... Com 10 e a esticar o jogo e a equipa, o cansaço vem a seguir. O 0-1 já não surpreendia, apesar de imerecido face ao coração enorme da equipa e uma entrada de Varela que melhorou, em contraciclo com o anterior desaire europeu. O que fazia o Zenit? Era tudo atrás e quatro na frente, sem meio termo. Aqueles do ataque impunham o Porto recuado e o jogo portista teria de ser directo e pedia Ghilas só com Jackson na frente, bola comprida e sem desguarnecer a defesa. Nem carne, nem peixe, Otamendi lá foi apanhado fora do lugar no golo. Enfim... isto não sucede por acaso, tenho-o dito.
 
Mas é isto que há e domingo há mais emoções, esperemos que bem positivas. Mas o prazo de validade do treinador, como antevi, esgota-se rapidamente.
 
E um treinador que, depois de deixar Kelvin fora da Champions (porque lho permitiram também) para mais em troca de um russo manco, sem saber o significado de Kelvin depois do golo ao Benfica, diz apenas que Hulk tem uma "história bonita" no FC Porto - definitivamente é não saber onde caiu. Hulk, de resto, semeou o pânico na defesa portista e assistiu Kerzhakov para o golo fatal. Hulk foi Incrível e nunca imaginámos o terror que infundia no adversário até o termos pela frente.

Paulo Fonseca não conhece a História do FC Porto. Infelizmente, já temos a sua marca e o futuro não é risonho. Isto tem custos e começa a ser como o desgoverno e cada um à sua maneira desafinado, estragando os sacrifícios feitos.

22 outubro 2013

Mas é o Porto que dá audiências?

Champions, 3ª jornada, TVI transmite mais um jogo do Porto, depois de Viena e do duelo ibérico com o Atléti. Não sei o que é isso das audiências: a mim nunca me perguntaram que programas vejo ou, até, o que acho deles. Portanto, estou a zero. Nas audiências, porém, como nas vendas de jornais, confirma-se que o FC Porto é atractivo na tv, e não é responsável pela queda abrupta dos jornais. Factos.


 
Não sabemos o futuro - che será, será... - e se a 2ª volta trará à TVI os jogos do benfas em sinal aberto. Creio que os resultados desta ronda determinarão a estratégia de quem seguir a seguir...
 
Isto das audiências, que muitos jornais se preocupam em informar a populaça que só vê tv e não os lê a eles, é algo muito caricato até, como pode ver-se em títulos gongóricos como este do "arraso" do sócas no programa do hermann feito basbaque perante uma caricatura digna dos seus sketches humorísticos ou pérfidos às vezes. É que o recorde do Hermann ao sábado anda num limiar baixo, comparativamente com a concorrência, mas na linha do que vale o falso inginheiro ao domingo com a pateta de serviço a aparar as baixezas de carácter do ex-Primeiro Sinistro.
 
De resto, em mais um daqueles programas que adorei não ver, o registo de audiências é genericamente assim para o mauzinho. Mas tal como o Relvas não logrou o golpe de aniquilar a RTP e o sucessor Poio Maduro difunde a nova ordem passista de deixar andar e reforçar o modelo de contribuição, pelo visto igualitária e não anticonstitucional, de fazer pagar o zé povinho que não liga àquela treta Renitente em Travar Prejuízos, também não se percebe o que faz a longevidade de certos programas e certas pitonisas do regime assolapado agora em Fado, Fátimas e Futebol no que a selecção ainda excita os rapazinhos basbaques na mixórdia.
 
Entretanto, como nunca iria ler uma entrevista do sócas e muito menos ao Espesso e sua pitonisa com "Cheiro do Mal" que é uma versão efeminada do Chulares é Fixe, lá retive algumas coisas do ex-estudante de Paris - ah, a vida é bela e a CGD emprestou-me 120 mil euros estando eu desempregado e sem ter garantias para justificar o crédito - que não se lembra como o sinistro das Finanças proclamou - é um traidor! - ao País não ter dinheiro para FP e pensões e reformas e, por isso, conclui que não era preciso nenhuma Troika e que ele e só ele se opôs a chamada de urgência do dinheirinho que é preciso - e ninguém mais se deu conta do ar de satisfação que o mesmo Sótraques a anunciar que tinha negociado para o bem de todos os tugas um Memorando que era uma maravilha...
 
E, prontos, no fim de tudo isto, depois de a criatura ter falado do seu "preconceito" (andou a ler Freud, conta) contra o Fado e a melodia triste e passadiça que lembra outros tempos sombrios e austeros como ele não gosta (quem gosta?), lá acabou o fadista de serviço, como as pitonisas da tv, a cantar um Fado daqueles de morrer.
 
Tudo pelas audiências, nada contra as audiências, vivam as audiências - se souberem o que isso é.

21 outubro 2013

Só por causa de uma coisa...

... gostava que saísse a Suécia. A França era demais para irritar CR7, a Islândia de menos mas serviria essencialmente para a exaltação de PB. A Roménia nem é carne nem peixe, fica assim para o mais ou menos. Portugal gosta mais do 8 ou do 80.  Parece que à 1 sabe-se.

20 outubro 2013

Jesus julga-se o Hulk a pensar ser imprescindível e poder perder o título como o que ganhou em 2010

Jesus do Benfica é o Tózero do PS. Ideias nulas, bacoradas pífias, insulto à inteligência de quem por azar calha de ouvi-los. Depois, a veneranda CS tem os microfones e respectivos pés à disposição a difundirem barbaridades.
 
O Tózero quer discutir o OE com mais antecedência. Ora, quer fazer-nos esquecer as barracadas do PS no Governo, quando entregava OE fora do prazo e, amiúde, com suportes informáticos vazios, de pen's a cd's... Quanto à Europa, o Tózero faz tábua rasa do que nos fez chegar até aqui e a comandita que se agota atrás dele esteve lá toda sem excepção, até incluiu o sinistro dos Santos...
 
O treinador do Benfica, ao qual qualquer achaque dirigido a Pinto da Costa é um triunfo em capa de pasquim, também quer ter a sua "sentença" não só antecipada como "livre de perigo". Mas, felizmente, nada de científico ou que se assemelhe a avanço da Humanidade em termos evolutivos, se lhe pode associar. E, de resto, antes de treinadores mascarem chiclete de boca aberta, já os de Neanderthal palitavam os dentes!
 
O mais engraçado no bronco do treinador do Benfica é que, ao não querer uma "pena severa", julga-se importante por o presidente do Porto lhe dar importância ao pugnar pela aplicação de Justiça. Embora Pinto da Costa anteveja Justiça lá para o Verão. E isto é a desportiva, porque a civil, ui, ui... como diz o outro "há uma Justiça a Norte e outra a Sul".
 
Jesus acha que ao "quererem" retirá-lo do banco, eventualmente por muito tempo, pensa que o julgam influente.
 
Bem, os últimos 3 campeonatos falam por si e a última época foi um "sucesso".
 
Já quanto à época de 2009-2010, quando a "Playstation" continuou a vigorar, Jesus faz como o Tózero e desliga-se da realidade e das ocorrências dentro de portas. O Benfica, ao colo da Liga e dos árbitros, foi campeão contra o Braga e mais contra o Porto que acabou em 3º Coincidentemente, dois adversários penalizados por incidências em túneis, coincidentemente também em situações ambas favoráveis ao Benfica, mesmo no caso fora de portas (na Pedreira).
 
Ora, Jesus acha-se importante porque pensar que o temem ao serviço do Benfica e que a sua ausência pudesse favorecer os adversários. Julga-se o Hulk, mas não com o receio, inexistente, de levar uma sanção pesada, vá lá uns cinco meses que o seu hooliganismo reiterado e público justificam.
 
Jesus sabe que sem Hulk o Porto perdeu mais hipóteses de ser campeão e o beneficiado foi o Benfica e Jesus, que pareceu um técnico, como diriam alguns apaniguados da retórica da treta, "melhor do que o Mourinho".
 
Talvez ao Benfica, afinal, coubesse bem uma penalização severa de Jesus, para poder lamentar-se no final, eventualmente, por lhe terem sido eliminadas as hipóteses de ser campeão. É que sabemos que sem Hulk o FC Porto até perdia jogos e com Hulk não sucedia, ou era muitíssimo raro.
 
Com Jesus o FC Porto tem tido mais alegrias que tristezas e até o deixa, ocasiinalmente, ajoelhado.
 
Mas se não fosse este Jesus, como é que os pasquins fariam capas e tornariam aparentemente transcendental um tipo sem uma ideia útil ou um pensamento coerente, tal qual o Tózero?
 
A não ser que esteja a pisar a "linha vermelha" e a cismar com o "cisma grisalho", pedindo que Pinto da Costa, depois de Scolari há tempos e de Paulo Bento recentemente, venha dizer que com ele Jesus nunca será treinador do FC Porto. Até porque sossegaria os benfiquistas, tementes que o seu técnico seja, ano após ano, alvo do interesse portista. Mas aliviaria a carga salarial do Benfica sem pressão para renovar com o seu técnico se for afastada, por bula papal, a hipótese de haver redenção para gajo tão estúpido. Cabe a Pinto da Costa dar-lhe a excomunhão urbi et orbi.

À parte: enquanto um tal Fezas Vital vai por estes dias a julgamento no âmbito do caso BPP, agora é Arroba da Silva condenado por falsificação de cheques. Adivinham de que clube foram directores?

19 outubro 2013

O que diziam a Mourinho quando estava no Porto?

Mourinho acusa, clara e profundamente, o fracasso que passou em Espanha. Um dia glosa que fez 100 pontos e marcou 120 golos para ganhar um campeonato. Nos restantes dias, talvez para enfatizar um recorde que na última época, um ano depois dele, o Barça igualou com facilidade (100 pontos), fala mal de tudo em Espanha. Pudera, nem por ser do Real Madrid estava a salvo do profissionalismo e integridade clubística em ética, da Imprensa mesmo afecta ao clube, pois corrigiam-lhe os remoques e não perdoavam tergiversações.

Com as devidas proporções, parece o velho despeitado que busca vingança e dispara para todo o lado com um ou dois ódios estimados e nem assim muito antigos.


 
 
Ou o Real Madrid, por supuesto, não tem a representatividade em Espanha que se diz ter ou algo deste calimerismo de Mourinho, afinal habitual no seu narcísico perfil em que se vê triste a olhar para o espelho de água e espera lágrimas de todos à sua volta a encherem a maré, o torna sempre e sempre mais ridículo.
 
Estava morto por voltar a Inglaterra mas nunca deixa de olhar para trás. Pelo fracasso que nem uma Liga de recorde, depois igualado, atenua. Uma mente distorcida, um desfasamento com a realidade, um alheamento do mundo à volta e um afunilamento da personalidade. Mourinho é um triste, vê-se no banco em que nunca demonstra alegria nem cria empatia. Distante e frio, até glacial, a ver o jogo, Mourinho vá achar um dia que está a mais no futebol.
 
E é pena, porque ele de facto revolucionou o jogo na forma de treinar e de o jogar. Aliás, sintomático é:
- no FC Porto fala-se de falta de alegria no jogo, de jogo sem alma, de jogadores fora de sítio, de "quebra física" (que estupidez!), de falta de ligação, em suma do que eu já descrevi por estes dias de FALTA DE ORGANIZAÇÃO DE JOGO no sentido mais amplo e que, isso sim, denota falta de trabalho do treinador Paulo Fonseca no sentido de não passar a sua ideia de jogo como razão de o FC Porto jogar tão pouco e/ou mal. Atempadamente apelidei a transfiguração do jogo do Porto de jogar (sem nexo) à Real Madrid.
- na selecção a bitola anda pelo mesmo nível, falou-se ultimamente dos mesmos problemas, de falta disto e daquilo, de falta de ligação, de jogadores "alheados", de futebol fraco, é tudo verdade e resumidamente espelha-se, embora não tenha origem, no que se fala, e eu falo, do FC Porto actual.

E se o FC Porto joga mal, a Selecção joga mal. Há uma década que a Selecção joga na base do bloco do FC Porto. Azar de PB e talvez dessincronização com o FC Porto de PF: PB aposta no 4x3x3 quando jogava em 4x4x2 no Sporting e o FC Porto abandonou o 4x3x3 para o 4x2x3x1 de PF: será uma explicação para a Selecção não se impor? Mas, então, o treinador faz o quê? Paulo Bento está há dois anos a impor um estilo e agora perdeu o toque, mantendo quase os mesmos jogadores?
 
Ora, faria bem a muitos experts lerem, se nunca o viram, um livro notável que descreve o sistema Mourinho, o método de treino, a abordagem da "periodicidade táctica". Quatro alunos, aliás brilhantes, de Futebol no FCDEF montaram o livro "Mourinho, porquê tantas vitórias".
 
Repito, ao ouvir e ler tanta barbaridade sobre o jogar e a qualidade de jogo ou os "defeitos" apontados para pobres exibições, lembro-me sempre desse livro que voltei a relê-lo.
 
Nele, além de marcar a sua notável diferença para os métodos de trabalho dos outros treinadores em Portugal, logo quando chegou ao FC Porto, Mourinho diz claramente que nem treinadores nem jornalistas, em geral, perceberão puto do que é o seu trabalho e do conteúdo do livro que ele permitiu fazer ao conceder entrevistas e olhares aos seus métodos.
 
 
Mais: Mourinho enfatizou que para os que pedem tempo para as suas equipas deve ser por andarem a perder tempo com tudo menos a ORGANIZAÇÃO DE JOGO que preside a todos os exercícios e baliza o seu método da "periodização táctica", onde se distingue o que é a "táctica" do que é "trabalho táctico".
 
Ao anunciar, em Janeiro de 2002, que naquele ano não daria mas na "época seguinte vamos ser campeões", Mourinho levantou um coro de críticas entre vernáculo bem português que agora usa em relação ao que diz os espanhóis lhe chamarem. Sim, de filho da puta a vai levar no cu, corrupto e cosi via, Mourinho era isto para os portugueses. Infelizmente já se esqueceu. E até avinagrou, tornou-se ácido e antipático a quase toda a gente. Parece que, em contraciclo, os que o odiavam antes em Portugal são agora os alegres marialvas basbaques que o adulam e aceitam tudo o que diz e faz. Os tristes que não percebem os males que afectam o futebol portista se calhar também nunca souberam deste livro e não entendem, claro, porque o FC Porto joga pouco e mal. Como outros, são sabichões sem lerem, fiando-se como os técnicos do passado no empirismo com dose q.b. de experiência feito mas letra morta no futebol de hoje.

Só os mais distraídos, para não dizer ignorantes, são capazes de achar que, ao fim de vários meses de trabalho e praticamente com os mesmos, ou os mais influentes, jogadores no seu seio a "culpa" não é do treinador quando as coisas correm mal. Ora, é isso precisamente que Mourinho defendia e suponho que defende ainda, embora no futebol é tudo muito volúvel, mais do que mercados financeiros... Achar que Paulo Fonseca não tem culpa ou Paulo Bento não tem culpa é dizer, sub-repticiamente, que a culpa é das respectivas senhoras da limpeza. O curioso, no caso portista, é que nunca muitos adeptos conseguiram perceber que havia boicote e má formação dos jogadores há dois anos, atribuindo a culpa a Vítor Pereira (Coimbra foi há dois anos, note-se bem) como se fosse dele a responsabilidade da gestão de mercado depois da era vitoriosa de AVB. Quando se via em campo que os jogadores não corriam e boicotavam o trabalho colectivo, a culpa era do treinador. Hoje, que se vê os jogadores esforçados, a correrem, a suarem mas a jogarem como se não se conhecessem, acumulando erros de principiante, aparentemente temos equipa esfrangalhada e futebol aos repelões mas a culpa não é de Paulo Fonseca, de resto com a diatribe do sistema táctico a implantar à revelia das especificidades dos jogadores. Idem para Paulo Bento, que não perdeu nenhum jogador essencial (o Porto ainda perdeu Moutinho e, vá lá, James que eu não apreciava muito) e, para muitos e para ele, tem o melhor do Mundo - embora seja a quem dá toda a liberdade para fazer o que quer e causa perturbação no movimento coordenado colectivo que também desfigura o futebol praticado. Ora, Paulo Bento não só não evoluiu como técnico, a não ser alcandorarem-no a um patamar que não justifica, como a cada diz que passa o futebol piora e não há um jogo de jeito, em toda a qualificação, para valorizar. Um nojo em todo o sentido, mas quando se tem boa Imprensa e muitos louvaminheiros encartados mas ignorantes, dá no que dá. Parabéns e boa sorte.
 
Como disse há muito, o mito Mourinho morreu. Apenas só esperneia em má-educação e ressabiamento, também uma certa forma de ser português em que ele se revê e em que muitos se revêm nele.
Sic transit gloria mundi. Ou, como disseram os romanos do Papa Urbano VIII, dos Barberini (sec. XVII), que sacou o bronze das placas que revestiam o Panteão para Bernini erguer as colunas em espiral do baldaquino de S. Pedro, numa alusão à pilhagem: Quod non fecerunt barbari, fecerunt Barberini (o que não fizeram os bárbaros, fizeram os Barberini).
 
Creio que Mourinho está em boa companhia. Até faz lembrar a decadência senil do Marocas e o flibusteiro tresloucado que só tem uma forma de que falem de si.. Acidentalmente, bebe um copo com os ingleses. Também está bem.

18 outubro 2013

Record do azar

E prontos, no dia em que, há 38 anos, sob intenso nevoeiro (eu estava lá e não vi nada, o golo foi na baliza "norte" e eu estava na bancada "sul"), houve um golo ilegítimo num Porto-Sporting (2-3), fazendo o Record mais uma campanha para dar ânimo ao Sporting, já que é o que está a dar mesmo sendo 2º classificado, lá sucede um golo entrado por fora e na Alemanha.
 
Apanhei o vídeo após a transmissão do Roma-Nápoles esta noite, mas já está no youtube. Sem nevoeiro, sem risco algum de visibilidade, vendo-se bem que a bola foi para fora roçando a rede lateral da baliza para entrar num buraco ao fundo dela, na cabeçada de Kiessling num canto e em que o marcador até deita as mãos à cabeça por ter perdido um golo, eis que o árbitro internacional Félix Brych valida o golo.
 
Ou seja, no melhor pano cai a nódoa. Na Bundesliga, normalmente o campeonato mais "limpo" do mundo!, também acontece disto. Aliás, Brych depois ofereceu um penálti ao Hoffenheim numa falta fora da área, parecia o Rui Silva de Vila Real... E os da casa até falharam, num lance caricato, o penálti em que por duas vezes, por jogadores do Leverkusen, a bola foi ao poste da sua baliza...
 
Mas, bem, o Record continua na sua senda de contar estórias da treta e por causa do clássico que fervilha nas redacções pasquineiras, decerto evocará o que sucedeu com o famoso Leão de Santarém que o Sporting levou na sua comitiva à China, depois de ter apitado a finalíssima da Taça Sporting-Porto ganha pelos leões (2-1). Até por ter sido mais recentemente, em 1978. Quem era o árbitro depois apelidado de Chinês e que não causou pruridos na Imprensa da época mesmo seguindo na comitiva leonina com a fatiota oficial do Sporting?
 
Ou querem ver que os Costas dos Castelos se esquecem?...

nota actualizada (o árbitro era Mário Luís) - sobre o golo que não entrou, os pagantes online do Record não devem conhecer a verdadeira história. Mas se o Record perguntar ao seu "comentador" António Oliveira, então capitão portista que incentivou o apanha-bolas a meter a bola na baliza sorrateiramente, ele saberá contar tudo e (o jornal) merecerá não só a assinatura online como o caché que lhe pagam como colunista. Eu até já ouvi os dois protagonistas, à minha frente, contarem o caso: o apanha-bolas era um benfiquista ferrenho, doente e bêbado já agora, enquanto adulto, e tornou-se assalariado, 19 anos depois daquele jogo, do então "patrão de Imprensa" que abominava o Record e não se queixava da omnipresença da Olivedesportos. As voltas que a bola dá. Mas isso é para quem sabe e pode, não para quem quer.

Dos jornalistas

Ainda e propósito de tratamentos jornalísticos retratados em baixo, temos este recordar de factos que até gente sem préstimo, como os livres (ah, ah, ah) condicionados jornalistas angolanos, à semelhança do seu Estado corrupto (nem o Marocas  Chulares poupava a famiglia dos Santos que, como ele, não "abandona um amigo" abaixo disso, mas também já se esqueceu e cala-se que nem um rato sem defender Portugal, porque sempre foi um cobarde desse tamanho como o sapo inchado ante a vaca que pretendia imitar) e sua Justiça pindérica a falarem do Estado e da Justiça de Portugal, não se refreia em citar:
Sic transit gloria mundi

Já agora (ACT), a propósito disto e em sequência:
 "da “metrópole” chegavam carradas de analfabetos que mal passavam o Equador eram logo transformados em jornalistas".

os angolanos parecem não saber quem anda por lá agora mesmo, um director de Informação e da área desportiva com licença sem vencimento da RTP, a dar-se ar de doutor em acção de formação de jornalistas e por seis meses. Não admira que o jornalismo angolano seja avençado avançado como o da "metrópole".

Por cá, de facto, é só pregos no caixão...

 

Conteúdo para bem pagante Recordar, replicado em Público e difundido na RTP

Faço uma leitura diagonal das notícias, vejo os títulos, demoro 5 minutos a apreender o essencial das notícias mas há amiúde 5 minutos de enriquecimento brutal como os que anteontem à noite passei de relance no Rascord. Ó Manha, com esta merda não sais do estado vegetativo! Pagar por conteúdos miseráveis, bacocos e até falsos?
Veja-se bem a "abertura" do online que diz tudo da imbecilidade reinante e de como os pasquins se afundaram sem que o "digital" dê lucro e mostre resultados a não ser de estalo:
A UEFA não tem competência para julgar o diferendo do Porto com o Nuno Louco, isto segundo o presidente da FPF que recebeu o agravo de volta. A notícia recalca e a abertura diz de processos de acusações recíprocas. Mas o último parágrafo desmente-o e Fernando Gomes diz nada saber sobre a posição da UEFA quanto aos insultos racistas do camaleão da AFL.

Lendo a notícia de princípio ao fim, de resto aproveitando a difusão noutros meios noticiosos, percebe-se que algo está mal, mas pelo menos da notícia em si não se pode extrair a conclusão reduzida no título. Pois no tocante a este caso ridículo do Estoril-Porto na tribuna alegadamente VIP e galhofamente presidencial, não é que o Público tira a mesma conclusão, indevida, do Rascord? É isso, a merda é do domínio Público também. Mas também se pode "mirabolar" a notícia de agência e trabalhá-la de forma igualmente descuidada, subvertendo tudo sem o menor traço de suspeita - se não tivermos visto a notícia de agência au complet - como fez o DN... Ontem mesmo, ouvi ao almoço a RTP tirar a mesma conclusão: os dois casos de mútuas acusações terão sido recusados pela UEFA, mas a notícia só fala do caso do pacóvio lisboeta que se queixou de uma bojarda. Sobre o FB do mesmo energúmeno, tal como diz o presidente da FPF, pois não se pode extrair conclusão alguma, Fernando Gomes diz nada saber. Enfim, extrapola-se algo de uma notícia que até sugere o contrário. Ela pode estar mal redigida, e a culpa é de quem extrapolou indevidamente; ou estar bem redigida e ser factual, e a extrapolação sai ainda pior, pois é falsa a conclusão e o caso Porto-AFL "continuará em aberto". Isto é só um exemplo do tal "estado de arte" replicado na pasquinagem e afins com o ambiente deletério que se sabe e a desinformação intoxicada ser autenticamente do Terceiro Mundo e não do chamado Quarto Poder.

Este é um caso com erros distribuídos por ários OCS. Mas o Rascord, na mesma página online, tem mais da sua imbecilidade reinante.
 
 
A banalidade bóstia bósnia no seu esplendor. Não tem muito que saber, mas por ali não deve estar uma curiosidade que fez despertar, antes de tudo, a Bósnia no futebol: só faltou ganhar à Dinamarca em casa, no último jogo (perdeu 1-2), para a Bósnia ter-se apurado para o Euro'2004 em Portugal. Não acedi, não pago o acesso, ao texto completo, mas aposto singelo contra dobrado que isto não figura lá. Pois, a única coisa que se sabe é que fez dois play-off com Portugal... Mas este "artista" é um "artista" que tem "escola" de prestidigitação, subversivo quando convém e que baixa as calças quando deve nem que seja à custa da irmã.

17 outubro 2013

Das coisas "chulares são fixes" que não passam nas tv's

Ele são agressões na Luz e arredores, de partir dentes e cachaços a árbitros até virar a sopa na cabeça de um adversário quando não corrido à stickada...
As mordomias de quatro reis de mel coado.

Ainda ontem, as estúpidas tv's não alinhavam uma notícia nova ao jantar, 24 horas depois de apresentado o OE'2014 ainda se espantavam por a despesa representar a fatia (75-85%) que é suposto para o défice não aumentar e os cortes no Estado terem, sempre, de passar por salários, reformas e pensões. Surpresa mesmo, dos pivots idiotas que só lêem o que lhes põem à frente às peças com vozes encomendadas mas de gente que não sabe, como diz Medina Carreira ante a inusitada supresa da sempre admirada Judite de Sousa, "fazer contas". Uma de Sousa que tem concorrência para burra do liceu da de Sousa da SIC, idiota até dizer chega, por muito que o excelente Editor de Economia Gomes Ferreira ensine àquela gente ignara às ordens do papão Balsemão...
Mas, lá está, de novo, com paneleirinhos como o director de Informação da SIC, de que nem lembro o nome, e panelas de pressão do bacalhau seco da Constança Cunha e Sá que por muito "indignada" que pareça a espumar pela boca o pouco húmus que tiver dentro não engana ninguém.
Enfim, para rematar, ouvi de raspão, em zapping, um bacoco do Torto Canal a dizer que Postiga marcou ao Luxemburgo de pé esquerdo...
Vá lá a gente acarditar no que vê e ensandecer com o que... "houve".
O que é, no regime que muitos julgam ser do mais alto labirinto gabarito e defendido pela CRP e seu TC a soldo da Esquerda, é sempre uma Boa Imprensa de certos canalhas. Mas como sempre os bons esprits se rencontre...