29 junho 2013

Orwell revisitado e o socialismo tuga em pleno fulgor

Não era esta a abertura, mas uma boa notícia merece destaque como tal. Em 10 anos este cabotino director herdou o Record com 92 mil de vendas diárias e fechou 2012 a 46 mil, exactamente metade. Ora, pela altura do aniversário gabou-se do feito. Pelo meio fez dois despedimentos colectivos. Agora que tocava aos seus pares, segundo a notícia, pôs a careca no cepo. Eu só duvidava, embora a dúvida existencial dele fosse qual dos três "desportivos" fecharia primeiro, se este fanático dos pópós saía primeiro ou rebentava com o jornal. Acho que está meio caminho andado. A herança era pesada e os capatazes que deixa lá acabarão o trabalho, sem dúvida. O engenheiro armado aos cucos e os entendidos de jornais da Cafeína demoraram 10 anos a perceber o logro, resta saber se mandarão embora os artistas que lá ficaram.
Ainda nos divertimos com o habitual faroeste do mercado do Benfica e dos pretendentes do Cardozo quais rosas transformadas em pão no regaço de uma qualquer vaca sagrada, enquanto os do Gaitinha inesperadamente se esconderam, e não chegaríamos ao pico da silly season, já com os clubes em vias de regressarem aos trabalhos, sem uma entrada de rompante do fanfarrão costumeiro. À maneira da casa e ao estilo tuga em que se confunde o "Ser benfiquista" e o fado socialista de enganar parolos à conta dos pregões da "ajudar os pobres", construir "o futuro" e reavivar os amanhãs que "cantam"...
 
"O canal da Benfica TV é aquele que tem que estar ligado em todas as nossas casas, se queremos um Benfica mais forte, mais independente" - disse Luís Vieira para assinalar o dia histérico histórico - depois de época sem títulos nem no futsal... - de a Benfica TV, a pagamento (10 euros mensais), como deve ser, entrar nos pacotes de Zon e Cª, depois do Meo e mais não sei quantos.
 
É bonito, a informação de modelo único trará benefícios à saciedade...
 
Aliás, a marcha imparável do socialismo já atravessou o Atlântico: informação, sim, mas selecionada. Até o US Army é forçado a aderir à proposta. Na Pátria da Liberdade, com Emenda a propósito da Free Press na Constituição, há que proteger a higiene mental da carne para canhão dos soldados...

Enquanto as tv's da paróquia continuam a dar sinais de agrilhoadas a uma agenda política de esquerda não se sabe porquê, os exemplos multiplicam-se na série: como controlar a Informação no século XXI.
 
 
No rescaldo de mais uma greve do(s) dos costume(s), também se indaga se este Governo é mesmo "neoliberal" enquanto distribui mal o mal pelas aldeias à boa maneira socialista: nem o pai morre (reforma do estado) nem a gente almoça (RTP leva-nos quase 3 euros mensais e não é privatizada). E até de figuras insuspeitas somos surpreendidos com dizeres de socialista autêntico, que é para aprendermos (?!) a não confiar absolutamente em ninguém e a lembrar sempre que um ex-político é sempre um político e um putativo candidato a político subjaz em qualquer declaração política mais ou menos surpreendente. É a pescadinha de rabo na boca, pelo entretenimento entre os perenes blocos ideológicos em que uns pândegos se revezam nos tais dichotes para os telejornais ou colunas de jornal só por encomenda.
 
Até na Liga o putativo candidato da arraia miúda verá em breve ser-lhe retirado o tapete. À maneira súcia socialista, Mário cara de anjo Figueiredo tinha um ardil mas os eleitores não são parvos e perceberam que lhes queriam roubar, mesmo o que era como Robin dos Bosques socialista, os direitos televisivos. Afinal, o Mário da Liga, compadre ou afim do guardanapo da Madeira, fazia as coisas por outro lado, como se centralizar os direitos tv sem os do Benfica adiantasse alguma coisa ou pudesse valer coisa alguma.
 
O troca-tintas da Liga nem percebe como cai no ridículo antes de perder a credibilidade. Fazia-se de Mário Chulares a apoiar "os pobres" (elegeram-no), mas tratava de assegurar controlar os cordelinhos do grande negócio: equivalente a sustentar uma Fundação com dinheiro dos contribuintes. Mas seria assim tão grande? Como um bom socialista, apregoou que os milagres dariam não para 70 mas para 165 milhões de direitos tv! À maneira socialista, pré-Memorando ou já com a procissão longe do adro da igreja, falar é fácil e esconder as próprias misérias e o Governo miserável que propiciou está aí para os desmiolados que se esquecem dos facínoras dos últimos anos. Figueiredo, afinal, queria mostrar-se um barão, um samurai e agora não terá coragem de cometer hara-kiri: já não tem nada a fazer a não ser figura de corpo presente mas bem pago.
 
E enquanto não conseguiu retirar a porcaria da taça da treta do calendário, mesmo no contexto de alargamentos para congestionar o panorama, pois o Benfica não pode passar outro ano com Jorge Jejum que se fiou noutras aventuras e nem a taça SLB ganhou, o Vieira esfrega-lhe nas trombas que o Benfica é que faz sombra sol ao mundo e entra de novo no Guiness Book of Records. 
 
Por falar em Liga: mudar o tipo de competição fazia sentido com outros direitos tv, mas quase todos lhe fizeram um manguito. Figueiredo, armado em Tózero Inseguro, quis dar uma de centralismo à moda de Lisboa, quiçá para o "efeito difusor" de distribuir desde o Terreiro do Paço os dinheiros que são pertença dos seus detentores maioritariamente a Norte, talqualmente os políticos e até o Odorico Paraguaçu se lembraria disso depois de inaugurar um cemitério sem a certeza de haver mortos na aldeia para enterrar. Tal como o Inseguro líder do PS, Figueiredo faz grandes esquemas mas não engana ninguém. Na família dos guardanapos, para não perderem o pé, convém não cair na má língua do Alberto João... Sempre é um porto seguro de interesses para os guardanapos se assoarem...
 
Isto de contar com o ovo no cu da galinha já o Kelvin demonstrou não ser de fiar.
video
 
Nada como um bom balázio para pôr as coisas na ordem, mesmo que a Ordem internacional avance no sentido de controlar a Informação, com ou sem Televisão. O Mundo está perigoso até porque o socialista francês no Poder há um ano não evitou a recessão e resta saber se os gauleses farão de brasileiros antes do Euro-2016 no Hexágono. E porque o maior socialista do planeta Obama faz coisas de outros tempos e políticas - embora fazendo como o Arménio dizendo que não sabia de nada nem orquestrara manifestações a cortar pontes com uns cordeirinhos de meia tijela - na maneira "socialista made in RDA/Stasi" de vigiar os cidadãos, quer pelo IRS quer pelas chamadas telefónicas.
 
Voltando á guerra vaca fria, há boa maneira socialista, prometendo mundos mas acabando nos fundos, pois anuncia-se o canal eleito para os prosélitos mas a pagar, que isto de Estado Social deve ser à medida do que se quer dele, pagando os benefícios. Sempre é melhor do que as sucessivas Operação Coração que dava para pagar sem nada ter. Ao menos há divertimento. Pagando, claro. Se as contas vão bater certo (para já perdem 20ME, os outros 20ME que garantiam ir ganhar com a pretensão dos 40ME anuais: kkkkkkkkkkkkkkkkk :)), no fim, será outra coisa, mas à maneira socialista tuga sabemos como acaba...

Mas se eu vincava que o Portugal contemporâneo é à imagem do Benfica, com a penúria do Sporting capaz de transformar merda castanhas em ouro como o outro a mexer no balde, entusiasmando os seus adeptos como se já estivessem na Europa outra vez, é mesmo ver o Portugal de hoje pelo retrovisor leonino e os viscondes falidos a darem-se ares de ricos...
 
Eu é que não resisto a meter a colherada, mas não sou político proibido de fazer promessas e isto é mais forte do que eu. Até porque posso falar por ser da ZON mas ter garantido o direito de não constar da grelha um canal que não quero ver e pelo qual sempre me fez recusar o Meo.

27 junho 2013

Vítor Pereira acena a Pinto da Costa

 
Não sei o que deu à TVI para seguir Vítor Pereira até Jeddah, mas a pequena reportagem de Hugo Cadete valeu a pena pela "mensagem" do treinador do FC Porto para Pinto da Costa. "Ainda não assinei [com o Al Ahly, onde se apresentou esta semana], tenho contrato com o FC Porto até 30 de Junho. Depois de terminar o meu contrato falarei", disse.
 
É giro, independentemente de ser verdade ou não que tenha assinado. O que sabemos, mais uma vez para mal da imagem do FC Porto que é bem diferente da que alguns grunhos vêem sem se mirarem ao espelho decerto com vergonha, é que Pinto da Costa foi sarcástico com Vítor Pereira ao dizer que este teria assinado contrato com outro clube enquanto o seu vínculo aos dragões findava apenas a 30 de Junho. A ironia, que nem sempre fica bem quando não se é verdadeiro e o sarcasmo acaba por ser insultuoso, é que Pinto da Costa disse-o solenemente, sabe-se lá se por piada ou para ser tão engraçado quanto atento, na apresentação de Paulo Fonseca. Ficou registado que, a dado momento, o FC Porto contratou um treinador sem desvincular-se do antecessor. Temos dois treinadores até domingo. Mas não é bonito.
 
O que terá Vítor Pereira, na costa do Mar Vermelho sem o assédio da bolha e com a imagem perene de Jesus ajoelhado para sempre no altar do Dragão de novo campeão, para dizer sobre a sua saída - porque da permanência só pode falar pelos dois campeonatos ganhos - é algo que nem imagino saia muito do trivial. Mas já disse que leva o seu contrato até ao fim e não rescindiu.
 
Cena pouco edificante, atendendo às ligações até emocionais entre as partes, reveladora da paz podre que arruinou uma história bibonita.

Nota: já não é a primeira vez e sempre me queixei disto, mas percebe-se que as ideias se repetem e há quem o faça repetidamente como é o caso destes...

24 junho 2013

Martelada em cima da hora

 
Já na absurda saída de Vítor Pereira do FC Porto, ironicamente, Pinto da Costa faz de Rui Rio (os bacocos que o adulam são meros pajens da corte de bobos) e o ex-treinador de artista cinematográfico em grande - e bem pago. Resta saber se vai extravasar quando... acabar o contrato! Ou já rescindiu?

Pinto da Costa disse que VP tinha contrato até 30 de Junho (mas já estava de férias...) e não podia assinar por outro clube, mas não se coibiu de apresentar um novo treinador lembrando que o outro, legalmente, ainda era do FC Porto. Nem o Rui Prantos se apercebeu e os grunhos portistas comeram e calaram.
 
Este post é só para marcar o S. João. No tocante ao FC Porto que fazia o S. João antecipado uns dias quando o campeonato nunca acabava antes de Junho, não há dúvida que Rui Rio, fechando as portas da Câmara aos êxitos do clube mais emblemático da cidade, acompanha simplesmente os tempos.
 
S. João é cada vez mais quando o FC Porto é campeão. E no andor dos últimos anos esteve o santo VP deixando Jesus ajoelhado. Os vendilhões do templo são aqueles que criticaram AVB e lhe puseram nomes e hoje vêem como VP "viu nas costas" de AVB as suas e o treinador hoje no Tottenham, afinal, enjeita o PSG e... o dinheiro.

Cá se fazem, cá se pagam. Contudo, porém e não obstante, mesmo com desconto de 75% da cláusula de 60ME, este gigante tão cobiçado, como todos são no clube dos derrotados, tem sempre mercado mas ninguém lhe pega e teme-se que fique, por fim, de abraços com Jesus... Ah, o Gaitinha também deve ser muito desejado em todo o mundo e arredores.  É só rir...

19 junho 2013

Queiroz e os talibãs de Lisboa

Quando ele partiu, referi sumariamente que Queiroz preferia os ayatollahs de Teerão aos talibãs de Lisboa.
Pois ao conseguir, como quando levou Portugal a ganhar na Bósnia em 2009, que o Irão volte ao Mundial no que é a 3ª qualificação alcançada do treinador português com selecções diferentes que nem Mourinho vencedor  na Champions por três clubes, os mullahs lisbonenses confirmaram a fatwa lançada sobre um dos mais carismáticos e conhecidos técnicos nacionais. O dia de ontem foi pródigo em ler a reposição dos Versículos Satânicos de escribas capitolinos tão verrinosos sempre e só contra quem não gostam porque não lhes liga nenhuma e, ocasionalmente, podem levar uns sopapos.

As edições online dos pasquins que reclamam tanto a Liberdade de Imprensa como a Verdade Desportiva tinham, ontem, após o apuramento iraniano conhecido às 3 da tarde, apenas meros despachos noticiosos, a maioria da Lusa que vale o que vale. Raríssimos jornais online verteram umas linhas da sua lavra e o correio da manha, na sua saga persecutória digna de um qualquer Octávio Ribeiro imundo, nem uma menção mínima apurou até à meia noite, sem faltar o lixo costumeiro a esse esgoto a céu aberto que sendo o diário de maiores vendas diz bem do nível de leitura e literacia informativa do País.

(afinal, esta manhã, o lixo do dia lá actualizou a coisa com a verdade distorcida como é costume: não há manguito algum, como se pode ver nas imagens disponíveis mas o correio da manha só dá sinais de vida para escrever isso, um nojo)
 
 
A par, as caixas de comentários em geral encheram-se de meia dúzia de aplausos e incentivos de quem provavelmente nem viu como o Irão superou a Coreia do Sul (vai para a 8ª presença consecutiva, desde 1986) no seu próprio reduto ainda que a equipa persa pareça ter ido à DMZ de Panmunjon sob ameaça nuclear dos irredutíveis do Norte e dessa façanha anacrónica da PDRK da dinastia Sung e derivados. Ironicamente, depois dos fogachos à Jorge Jesus do sul-coreano fanfarrão e basófias, o que se discutia à noite era de Queiroz fez um gesto obsceno para com o técnico homólogo, quando apenas limitou-se a apontar o punho firme e fechado e dizer "Toma", o que não é ofensivo e enquadra-se na troca de galhardetes que antecedeu o encontro. É só ir procurar a imagem que não pode dar mais pano para mangas do que a qualificação como vencedor do grupo.
 
Tivesse ficado Queiroz a ver o Mundial-2014 pela televisão, como rosnara um inabitual arremedo de antipatia sul-coreana da parte de Kang-Hee Choi, e não faltariam nem manchetes com o fracasso nem comentadores abundantes que se deleitam com as proezas da Selecção das Quinas sobre cujos tremeliques, desta vez, nem os mais basbaques subservientes de Bento poderão dizer que... a culpa é do Queiroz.

Da mesma forma, sem menção noticiosa sequer, mais um triunfo dos sub-21 espanhóis no Europeu da categoria onde faltou Portugal passa ao lado dos parolos modernos que por isso não sabem como fez Portugal para se guindar ao mais alto nível nos escalões jovens, pela mão de Queiroz e num processo que os artistas federativos e os mastodontes do imobilismo só capazes de jogadas rasteiras e politiquices baratas se encarregaram de destruir´.

A única coisa é que, quando falta a memória, soçobra o reconhecimento. Diz bem da impreparação e poder imberbe da matilha actual da pasquinagem lusitana. Os talibãs de Lisboa não deixaram de ter no império ainda do "amigo Joaquim" o foco pequenino de despeito do JN portuense onde o nível é elevadíssimo como se tem visto e o mullah Tavares também vai dando uma de muezzin de ocasião a chamar alguns crentes à oração da tarde...

Aliás, a projecção de talibãs também se vai alargando no Porto, a ver como a saída de Vítor Pereira foi tratada rumo ao sunismo de Jeddah, desta vez sem o sarcamos de moeda boa ou forte e sem se melindrar o clube porque o treinador foi traidor...

Não é Portugal um país de cínicos (não só os políticos, mas periodistas e adeptos ignaros seguem os tiques trauliteiros e sem piada) e, como no fecho dos Lusíadas, de invejosos?

18 junho 2013

Marca da ordem: Porto, Benfica, o espaço me(r)diático e a Esquerda reaccionária!

Foram 24 horas alucinantes e só poderiam impelir-me a quebrar de novo o jejum da escrita, com tanta coisa fresca relatada mas tudo a cheirar a bedum de velho. Bolor e nojo, sinais da decadência alarmante da desagregação desta sociedade sobrevivente a tanta maldada e mediocridade em Portugal.
 
A verdade é que, tal como se glorificaram as derrotas do Benfica e se impele o clube do regime a avançar para a Champions na Luz enquanto não se concretizam os anseios de vendas milionárias à Porto (verja-se onde anda a cláusula de 60ME de Empurra-Cardozo-se-não-puxas-a-camisola-do-Proença-e-levas-só-um-jogo-de-castigo) para se chegar à nova época e dizer que se aposta forte na vertente desportiva indo o clube a caminho da falência), agora o espaço me(r)diático, dominado pelas elites pós-25/4 do vermelhismo militante no Futebol e na Política, tornou uma derrota dos professores numa vitória dos que, como já sucede nos transportes e na FP em geral, conseguiram só impedir 20 mil alunos de fazerem exame.
 
Contudo, a Esquerda reaccionária do "beau monde", está aí em força. É um sinal dos tempos que leva o jose da Porta da Loja a actualizar, para os desmiolados e desmemorizados, o que era o Portugal de há 39/40 anos e o legado que nos deixou, este descrito com boa dose de Lóbi do Chá.. Temos, entretanto, o ex-MRPP convertido a presidente do CE, Durão Barroso, o José Manuel revolucionário estudantil do final dos anos 70, a chamar Esquerda reaccionária aos pategos franceses, tipo António-Pedro Vasconcellos e outros João Botelho subsidiodependentes, que querem proteger o cinema da globalização. E, por cá, os ex-MRPP que ainda subsistem nas Redacções desde esse tempo conturbado e vergonhoso que aos da época não esquece, transformam o êxito, em contexto de greve alargada (90% do universo dos professores, dizem os sindicatos, insuficientes para a eficiência desejada), de 75 mil alunos serem examinados em manchete de 18 mil que não puderam, porque queriam, fazer exame. O Manuel Tavares, um verme do periodismo lusitano, continua a tocar para a frente o bombo vanguardista da decadência do JN antes de Jaqim, "o amigo Joaquim", vender a patacos o império que dominou Portugal desde o Porto.
 
Já repararam que, da greve dos professores que ao regime de mobilidade se afirmam imobilistas, não há um título coincidente nas capas dos pasquins? É daqueles assuntos que dá para tudo e mais alguma coisa, mas sempre pelo lado negativo e não pela forma pedagógica e séria como o assunto merece ser tratado. É claro que, com sonsas Anas Lourenços na SICN e Clara de Sousa na SIC a rivalizar não em beleza mas em estupidez e ignorância com Judite de Sousa, a coisa só pode dar asneira desinformativa grave.O Zé Povo e a Maria Alice podem conhecê-las da tv, mas ninguém sabe bem as asneiras que debitam. Ficam para a fotografia que a posteridade tratará doutras coisas.
 
Ao invés, o inquérito "ao modo inverso do de Camarate" sobre as PPP; incriminam a corte de Sócrates que deveria ser alvo de intensa pesquisa judicial, agora que os biombos do regime do sonso Montero e do diminuto Noronha do Nascimento, protectores com a Cândida Almeida, do status quo que afundou Portugal, anda aí pelos fundos das capas onde, para o Marcelino pão e vinho, importante é a fronha do Martins dos Santos, que sempre foi mau árbitro, por causa de um jogo do S. Pedro da Cova.
 
Aliás, o Pífio Dourado foi sempre isso na origem, as tangas entre Gondomar e Sandinenses nas duas margens do Douro e os voluntaristas aferrados a coisas da arbitragem regional, como os chucialistas a "progresso", "crescimento" e "betão" para o Cavaco PM não se ficar a rir.
 
Na parte desportiva, com mais uma sessão de água Bento por causa de um chouriço pela Postiga para azedar a vodka russa, temos tido cenas delirantes.
 
Ontem, em zapping, ainda percebi que, um mês após do fim do campeonato, ainda há aqueles programas idiotas para ignaros sobre futebol palrado, quando não ódio vomitado e palermices recalcadas. Apercebi-me que, tanto quanto o derrotado Benfica continua nos píncaros, também o derrotado Mourinho anda em ombros pelos patetas da TVI. Verifiquei, estupefacto mas não surpreendido, que conseguiram puxar pelo lado "carismático" das conferências de Imprensa de Mourinho num ano em que foi torturado pelos periodistas espanhóis e, claro, à falta de êxitos lá se foi buscar as imagens do título de campeão espanhol dos "100 pontos" que o Barça acabou de igualar com dois meios treinadores em gestão precária. Mais idiota ainda, os galões de Mourinho viram-se em anúncios, "commercials", porque isto do marketing sobrepõe-se às notícias e aos factos para os quais a verdade estraga qualquer estória da treta que queiram impingir.
 
Entretanto, já passou tempo da inédita reportagem da Marca sobre o FC Porto. Não vão longe os tempos em que, com Nuno saco-de-mijo e soluçante Luz como "corresponsal en Lisboa", a Marca vituperava o Porto em 2008 onde se garantia que desceria de divisão antes de vender Pepe por 30ME e Falcao por 40ME aos dois emblemas maiores da capital espanhola. Nem o tempo de notícias forjadas a par com pasquim equialente de Lisboa em que se suspeitava do árbitro Bjorn Kuipers por causa do Porto-Villarreal. Sempre escarnecido na Marca, o FC Porto viu 2 páginas de consagração como Rei de Portugal em espaço nobre do jornal do regime espanhol. Uma surpresa que alguns dedicaram, estapafurdamente, a acerto do Marketing e Comunicação portistas, da mesma forma que o jornalista espanhol (presumo) acreditou ser novidade o "Team Manager" que o Milan tem desde os anos propulsores de Berlusconi (1988 em diante) e pioneirismo o modo de acompanhar e proteger a vida dos jogadores e seus familiares, algo em prática no Dragão desde os anos... 80. É verdade, a admiração é filha da ignorância e já há 30 anos que jogadores e famílias são acompanhados no FC Porto em termos de saúde, escola, assuntos privados, carro, casa. Aliás, admirados podem sentir-se os ex-Sporting, como Moutinho e os dois estrangeiros chegados em Janeiro vindos de um planeta definitivamente alienígeno...
 
E prontos, do Planeta Portugal dos Palonços de todas as idades é isto, não ponho sequer os títulos e as capas destas indecências imundas do que se vai fazendo por dar trabalho e não valer a pena, quer estiver atento apercebe-se e retém alguma coisa na catadupa de informações que faz a tal Sobre-Informação de fait-divers - repararam no CR7 de férias em Miami, na histérica SIC onde a vertente feminina dos noticiários não deu para perguntar pelos 3 anos do filho nascido na América com uma empregada de quarto de hotel ou de confeitaria - e a Sub-Informação que subjaz a este modo distorcido de comunicar perante um mundo mais informado e esclarecido onde os pasquineiros perdem credibilidade e vêem o seu sustento perigar, definitivamente ultrapassados e já incapazes de recuperar o passo: cambaleiam até cairem mortos, vão sendo zombies valendo-se de algumas cabeleiras vistosas e, no caso da Judite sem saber o que encontrar de tanto procurar, com visual cada vez mais exotérico em berrantes guarda-roupas em contexto dignos do cabo e não do "mainstream media" que vai pelo cano de esgoto.

Para rematar, mais desconcertante do que o Rascord fazer capa com um suplente do benfas desterrado junto ao Muro das Lamentações, a bolha mete o Porto ao barulho por Rui Patrício para safar o correio da manha que insitiu dois dias com o moço até ser torpedeado com um comunicado à Benfica? Bolas, o Benfica tem de ganhar alguma coisa, ao menos reconhecimento por manter o nível.

10 junho 2013

Paulo Fonseca

Se já há confirmação oficial, pois é Paulo Fonseca que devemos apoiar como treinador do FC Porto. Embora não esteja, em princípio, pelo blog para acompanhar a próxima época, devo dizer já que nem me aquece nem arrefece. E, afinal, não é por isso, um dos factores essenciais, que as assistências decrescem no estádio? Percebeu-se, nestes dias, o entusiasmo causado mesmo entre portistas... Mas posso lembrar que AVB fazia-me sentir o mesmo: nada, ou na melhor das hipóteses na expectativa, na pior sem grandes esperanças. O que já não é mau, mas pode ser pior se olharmos para o contexto "macro-económico" da competitividade interna, aliás já aqui abordado.

Não se percebe a demora em tratar da sucessão de VP e se o segredo era suposto durar até ao dia 12 a verdade é que, sendo também um nome entre outros há semanas conotado para o cargo, a verdade é que antes da confirmação oficial pelo FC Porto já toda a gente o dava como certo e seguro no Dragão. Segredo de Polichinello...
 
Parece-me, ainda, uma aposta de maior risco do que a que foi, como achei então, Vítor Pereira. E o risco acresce pela reformulação do plantel portista, que pode sofrer mais baixas ainda que seguramente a colmatar e esperemos que atempadamente. São as duas coisas juntas que me preocupam e que não me faziam inclinar para um treinador "tenrinho" e sem provas dadas a este nível. Não me venham falar do Pinhalnovense que atrapalhou o Porto de AVB na Taça ou da quase subida do Aves na época passada. O 3º lugar pacense, histórico e meritório sem dúvida, resultou mais da perda de Braga e, especialmente, Sporting. Jogar e treinar no FC Porto... nem no Benfica. Aliás, o desenlace com os respectivos treinadores é sintomático. A pressão, o peso, a responsabilidade estão no FC Porto.
 
Não vejo no currículo pessoal nem nos jogos do Paços de Ferreira, bastante desinteressantes frente a FC Porto e Benfica, motivos para me regozijar com a aposta, arriscadíssima, feita por Pinto da Costa. Preferia alguém com perfil já de certa tarimba, fosse Domingos ou Jardim, perceberia melhor até alguém já com um trajecto firme como Rui Vitória. Mas se é este, pois viva Paulo Fonseca e quem tiver de atirar a primeira pedra que o faça agora e não depois se as coisas correrem mal.
 
O Benfica chegou a um nível aproximado, em competitividade e qualidade de plantel, do FC Porto, mantém, bem ou mal, o treinador e apresta-se a reforçar o plantel que terá retoques mínimos.
 
Espero que corre bem, mas temo o contrário, na perspectiva de um portista. Pelo menos a manutenção de um sistema de jogo em continuidade, na base do 4x3x3, em vez do jogo de transições de Domingos, é bom augúruio. E o facto de Paulo Fonseca ter como exemplo o jogo do Barça... Resta saber se fará melhor do que VP, em títulos e em estilo de jogo.
 
Porém, fechando mesmo o blog salvo se outra Ilusão me forçar a voltar perante tanta trapaça benfiquista, estarei mais depressa aqui a dar os parabéns pelo sucesso, que desejo, do que vir reclamar que tinha avisado. Não sou desse tipo, mas a inquietude fica registada. Da mesma forma, alegra-me um pouco porque torcia muito o nariz a Domingos.
 
Les jeux sont faites.

Aproveitando, regozijo-me por no Braga ter sido feito um acto de contrição, com Jesualdo de volta. Fica bem.

05 junho 2013

Domingos

Faço um parêntesis no fecho do blog para antecipar o nome do novo treinador do FC Porto. Não que me agrade, não que me deixe feliz pela fraca encenação à volta da saída de Vítor Pereira e o adiar da divulgação do substituto para dia 12, exactamente daqui a uma semana. Nem é, sequer, para lembrar as palavra sde Domingos, que aqui registei, em Fevereiro de 2012 pouco antes de sair de Alvalade, entusiasmado a congregar adeptos e Imprensa à sua volta, como "infiltrado" do Norte e do Porto, sobre os "três ou quatro milhões de adeptos" do Sporting - obviamente um insulto aos adeptos portistas que Domingos tem obrigação de conhecer muito melhor e de ter uma ideia de quantos somos.

Aliás, enquanto treinador Domingos não me convenceu no curto trajecto interno, e a "boutade" do Corunha no início do ano, entre coisas que fui ouvindo desde os seus primeiros passos, na I Liga, em Leiria. Mas, prontos, é ele que devemos apoiar, não restem dúvidas quanto a isso. E o recrutamento de jogadores de cá não tem sido por acaso, numa louvável contenção de despesas que, de resto, entronca no objectivo primordial de renovar o título com um 11 titular renovado também pela saída dos influentes Moutinho e James. Por exemplo, para um jogo mais de transições, como se viu no Braga de Domingos, jogadores como Licá encaixam bem, um jogador que eu tinha dificuldade em inserir no contexto do modelo de jogo de Vítor Pereira. E a procissão ainda vai no adro...

Veremos se o Rascord vai falar de um Dragão bebé... e Domingos terá a boa Imprensa lisbonense que teve enquando durou o estado de graça. (por igual, o actual presidente grunho cairá em desgraça mal a bola comece a rolar, até lá vai atirando foguetes para os saloios de verde se babarem...).
 
Escrevi isto pelas 16h de ontem, há 10 horas, depois de obter de uma boa fonte de informação, casual mas bem relacionada com íntimos do ex-jogador portista, e de ter enviado mensagem a um amigo. Por sinal, A Bola já em Abril, por associação de imagens como a da prosa aqui, alvitrava Domingos
 
De resto, Pinto da Costa falou de um clube apurado para a Champions mas não que tivesse sido orientado pelo futuro treinador do FC Porto. Poderia, eventualmente, sê-lo, mas tal como o Domingos jogador que saíra do Tenerife para ir para Alvalade e foi chamado à razão a meio da A1, em Coimbra, para voltar atrás, também a ida de Domingos a Salonica para conversações com o PAOK que Fernando Santos treinou antes de assumir a selecção grega, vencedor da Liguinha grega de apuramento para a Champions, foi assinalada: não te comprometas, és o meu treinador.
 
E prontos, veremos se o bruxo de Fafe acertou, como com Licá, por exemplo...
 
Quanto a VP, lamento a forma pouco edificante como o processo de renovação se arrastou com falsas promessas através de contrato cuja duração nunca poderia ser pomo de discórdia, naturalmente. Se, alegadamente, como dizem as notícias plantadas junto de jornalistas patetas que comem a palha que lhes dão, sem substâncias nutritivas capazes de estimular dois neurónios que subsistam em certas redacções de pasquins em declínio acelerado rumo à morte vegetativa, o Porto oferecia dois anos e VP só queria um, o Porto não teria problemas em assinar só um ano e, porventura, depois renovaria; nem VP se melindraria ao assinar por dois anos, pois decerto incluiria uma cláusula para sair ao fim do primeiro ano se quisesse. Afinal, VP acabou de confessar na entrevista à Notícias Magazine que informou a "estrutura" que sairia se não fosse campeão.

Em suma, o FC Porto não atou nem desatou, mostrou-se, erradamente, estar nas mãos e preferências de VP, como se fosse possível estar dependente do treinador, este sai com um sinal de força mas, mesmo sem clube assegurado, ciente de que não o desejavam, pelo que é o FC Porto que perde em estatura - a sua "estrutura", que não engana ninguém! - e o treinador bicampeão tem a porta grande escancarada depois do reconhecimento dos adeptos comprovado em Paços de Ferreira, onde pareceu mesmo um sinal de despedida não obstante a cumplicidade com o presidente nos festejos já na varanda do Dragão, que me iludiram, mas também podia significar o inverso e precisamente a abertura para sair em grande. É claro que também até dia 12 não haverá palavras de VP, quiçá até assinar um contrato com o... PAOK! Seria uma forma airosa servindo a todas as partes e orquestrada por múltiplas influências, o que é sempre melhor do que usar a novilíngua do periodismo saloio que transforma catástrofes em projectos de futuro, despedimentos como o de Mourinho em saltos salariais porque o russo Roman continua louco e a inversão do mote quem aguenta mais tal como a dúvida sobre se a galinha nasceu primeiro do que o ovo...

A saída de VP mereceria outras considerações se eu já não as tivesse, ao longo do tempo, lavrado em total independência e consciência, liberdade e mesmo distanciamento que uns loquazes comentadeiros e bloguistas do efe-erre-á não têm nem imaginam como fariam bem calar-se. Fica a imagem para a eternidade mas subentende-se que, preferindo sair numa conjuntura de reestruturação do plantel, como também aqui já lembrei, não cai na asneira de Jesualdo Ferreira traído pela "estrutura" depois da dobradinha de 2009 e sem saber que Lucho, em final de Junho, e Lisandro, em Agosto, desfalcariam o FC Porto de forma irreparável. Os dois anos oferecidos a Jesualdo, ainda no fim da festa do Jamor, foram um presente envenenado que pagou caro depois. VP já sabia que James e Moutinho sairiam, porventura mais alguiém sairá e a reconstrução, com as ambições de sempre ao máximo, seria mais difícil e tornaria o fardo mais pesado ainda. Aos experts de modelos e tácticas ficarão as deambulações por terrenos escorregadios quanto a voltarmos a ter um jogo de transições, como com Jesualdo, em vez de posse, como VP vincou e prefere.

Enfim, até por VP não ter clube não há que atiçar a matilha que são certos adeptos como Pinto da Costa fez com AB, da mesma forma que a criticada saída de Falcao para Manzanares, que el Tigre sempre repudiou do início ao fim da sua aventura colchonera tão bem sucedida, tal como a depreciação do Chelsea quando seduziu Villas-Boas, agora foi mitigada pelos 70ME pagos pelo Mónaco que não mereceu comentários tão depreciativos do presidente. Pudera, desde que o FC Porto tenha tudo controlado não se chamusca ninguém e quem é da casa acaba por aceitar as regras do jogo sem engrandecer as partes, como tenho constatado.
 
Ah, e Pinto da Costa impõe a sua vontade quando Leonardo Jardim era o desejado... pela "estrutura".
 
O resto é conversa. Daqui a uma semana, porventura, comentarei se assim não for.

01 junho 2013

Kelvin a fechar


Achei inapropriado, apesar de verdadeiro o motivo e sincero o mote com o ridículo exposto, fechar o blog com o tema de ontem representando toda a merda que subsiste no País. Dessa ainda vou falar abaixo, a merda súcia e socialista que rende votos e perdura como o pernicioso benfiquismo que atazana mentes até despertas habitualmente mas que fatalmente caem no fado que ilustra, como antigamente, a história do povo que continua a lavar no rio...

Até pela capa de O Jogo,


pelo Campeonato Kelvin que baptizei,








video
pelo golo mais inolvidável nas competições internas e sei de milhares que o foram ou poderiam tê-lo sido

obviamente deixo tudo isso para memória futura e indelével, que os meios de difusão actuais farão perdurar para todo o sempre.
 
 Aproveito para desejar boa sorte ao Andebol e ao Hóquei para os títulos a obter deste fds, o Hóquei em busca do ceptro europeu a que eu assisti na 1ª conquista em 1986 (ou 87?).
 
Hoje despede-se o Mourinho a que alguns basbaques tugas dão atenção, sai sem honra e sem glória (a não ser, pela novilíngua, a de "não ter sido despedido" mas como "indo ganhar um salário superior no Chelsea"...) mas a fazer pouco de Casillas e mais uns quantos, porém poupando os tugas para o bentinho da equipa deles e vendo o Barça, provavelmente, fazer os 100 pontos na Liga que foi a sua única bandeira no campeonato da época passada oferecido pelos árbitros do regime para lá de Badajoz. E ao sair com estrondoso fracasso de Madrid, eis que se levanta como ia de Motta o balneário do Inter de Mou... E como dizia eu ontem, é curioso Mou sair de Madrid queixando-se da Prensa e dizendo que em Inglaterra o adoram e o canino Luis Suarez querer abraçar o Real Madrid queixando-se das mordidelas da Press além-Mancha...

E o Bayern que apareceu em três finais da Champions em quatro anos pode conseguir a Tripleta inédita na Alemanha, a nova máquina da ordem futebolística mundial em vias de mudar para Pep.
 
Do resto que nem seria bom falar, a insistência pateta e a insolência a par da demência do maior chulares da Democracia que não está suspensa nem pode ir a reboque da esquerdalhada ainda a sonhar com a Albânia que em 75 quis perpetuar em Portugal que sempre virou a costas a esse sentido peregrino mas decadente e anacrónico votando contra comunas e afins, ficam só duas memórias também de quem viveu estes tempos que muitos fazem por nem lembrar e a Imprensa do regime esconde como a avestruz: tirado da porta da loja que não deixa estas coisas passar de prazo.

Portugal precisa de ser outro país diferente do que se esgotou e de quem mais o explorou em benefício próprio: afinal, já havia desemprego, já nasciam bebés em ambulâncias por fecharem maternidades, até os swaps que, como as PPP, foram maioritariamente feitas nos horrores da Democracia suspensa do sócretinismo já passámos por tantas indignidades desde o 25/4/74 enquanto o imobilismo estatal quis mostrar-se intocado e intocável. É mesmo tempo de mudar de vida, mudando tudo a começar pela Constituição anacrónica que não dá de comer a ninguém e só garantiu benesses para a vida a um sector da população enquanto a outra, na sua vidinha sem ondas e com a reverência ao poder de antanho, se esfalfou sempre por viver dos seus meios e garantir a sua qualidade de vida, na sua maioria sem apoios do Estado. Este estado tem de acabar porque a durar só piorará a vida dos que restam e de quem quiser construir um futuro melhor. Enquanto se der ouvidos aos grandes beneficiários do sistema instalado haverá a percepção de a sociedade estar em tumulto mas essa, na maioria silenciosa de sempre, sabe que tem de trabalhar pra garantir o seu sustento.. É preciso condições para todos criarem um futuro melhor, sem divisões ideológicas nem fracturas sociais porque já bastam as que sempre houve e ninca trouxeram igualitarismo. No futebol é igual. Porque o regime foi sempre assim, só o FC Porto fez pela vida para subir acima da madiocridade caseira. E a realidade doméstica foi sempre criar FEUDOS e o tal estado dentro do Estado; arruinado este, o pequeno estado dos caciques locais revolta-se quando não faz farsa.... São milhares de exemplos destes que nos afundaram.

E a moral da história toda, para acabar em brincadeira, ainda que séria, no Dia Mundial da Criança:
Agradeço ao Miguel o incentivo a continuar mas, como expliquei ontem, eu já tinha terminado. E termino sem a certeza de Jesus e VP continuarem nos seus cargos mas com a novidade dos árbitros premiados e o Paulo Vigarista descer no último ano de actividade, o árbitro do Benfica-Estoril que permitiu ao Porto impor a primeira derrota ao Benfica...