17 fevereiro 2011

Foi épico, foi em Sevilha, parecia 2003!


As boas memórias de Sevilha voltaram a criar fortes emoções com o triunfo muito sofrido num jogo altamente competitivo em que o FC Porto bateu o Sevilha por 2-1. Duro, intenso, em ritmo fortíssimo, com ocasiões de golo, emoção a rodos e até algum "sururu" em campo fizeram sempre lembrar o inesquecível êxito na Taça UEFA diante do Celtic na Cartuja.
O FC Porto conseguiu o melhor resultado das equipas portuguesas na Liga Europa mas a eliminatória está longe de ser decidida, apesar da vantagem caseira na 2ª mão, já na 4ª feira. Todas as equipas portuguesas têm, de resto, o apuramento em aberto. Mas os dragões, obrigados a uma actuação de raça e muita atenção defensiva, sob forte pressão do poderoso ataque dos sevilhanos, somaram pontos no favoritismo.
Sem dúvida que foi um jogo de nível da Champions, com muita qualidade defensiva e ofensiva mas o FC Porto algo intimidado nas divididas, sofrendo o assédio de um jogo que os locais procuraram tornar em despique físico. Muita velocidade nas alas, forte pressão no meio, excelente Fernando de novo, nem sempre consequentes as saídas para o ataque de Moutinho e, especialmente, Belluschi. O Sevilha jogou como se fosse pela vida, num frenesim que só a tarimba portista na Europa controlou com frieza.
E se Palop começou por negar o golo a James Rodriguez, também Helton evitou o pior em lances aéreos muito poderosos de Fabiano e Kanouté. Num jogo movimentado, frenético até, com alternância de domínio e à-vontade na partida, os primeiros golos saíram de bolas paradas (Rolando e Kanouté) e a sentença acabou por sair da dupla de substitutos que, entrando mal no jogo, acabaram por selar a vitória, na insistência de Cristian Rodriguez - rendendo Varela e com o sistema em 4x4x2 com o uruguaio e Hulk na frente - a que Guarín deu seguimento na recarga. AVB lançou a equipa que tãop bem actuou em Braga, Falcao voltou a não jogar mas Álvaro Pereira já entrou no final a render Belluschi após o 1-2.
O FC Porto sofreu defensivamente com muita variedade de opções ofensivas do Sevilha, a demonstrar que continua uma grande equipa e temível no seu reduto. Mas podia ter definido melhor algumas situações de ataque, até de 3 para 3, que podiam ter permitido ampliar a contagem no final.
Tudo em aberto, ainda, mais um grande jogo em perspectiva e desde já a antevisão de um confronto seguinte com o CSKA Moscovo vencedor no temível Toumpas do PAOK em Salonica. Mas só um melhor Porto poderá refrear a sede de vingança do Sevilha que tem a última oportunidade de salvar a época.
O técnico do FC Porto, que conta 8 vitórias em 9 jogos da UEFA, garante pretender ter mais domínio e iniciativa na 2ª mão, pelo que é de esperar a entrada de Falcao em detrimento de James, um menino algo perdido entre homens de barba rija na partida de alto temperamente de ontem. Se Hulk cair para um flanco, com Varela a demonstrar já estar bem e em velocidade de cruzeiro, o ataque portista poderá brilhar no Dragão e carimbar a qualificação.

16 comentários:

  1. Olá
    Rolando para a próxima eliminatória.
    SEMPRE FC PORTO.

    ResponderEliminar
  2. Efectivamente foi um jogo muito físico, com um deixa andar do árbitro que acabou por não correr totalmente mal, mas criou calafrios, porque em Portugal este tipo de confrontos é normalmente sancionado com falta, não este árbitro, que permitiu confrontos permanentes e duros e nem sempre foi imparcial...Mas o que me preocupou, foi a insistência do Sevilha no flanco direito, abusou da macieza e falta de tempo de entrada do Sapunaru e este, olhou muito mais para o jogo do que decidiu intervir com energia...

    ResponderEliminar
  3. Gostei muito da nossa equipa, mas alguém viu o Sapunaru a fazer algum corte? Gosto muito dele, mas...
    Enquanto isso, outros pensam que estão na liga e continuam os mergulhos. Tiveram sorte.

    ResponderEliminar
  4. Há que enaltecer os extremos do Sevilha e os fortes avançados no meio. Não é fácil parar aquilo tudo. Acho que o FCP aguentou bem o impacto e durante todo o jogo, porque foi em alta intensidade mas nunca de permanente ansiedade. A equipa está madura. Porém, reconheça-se, não tem estofo físico para muitos jogos assim.

    A este Sevilha o Braga de certeza que não eliminava... Tem muita qualidade em todos os sectores. No Verão menosprezou o Braga e não apresentou rodagem. Mas é uma equipa muito forte que pode voltar à Champions.

    Sapunaru de facto não andou acertado na abordagem aos lances, ao contrário do Fucile que voltou a mostrar a têmpera dos seus melhores tempos e o Jesus Navas até era mais perigoso que o Perotti.

    Mas foi um bom desempenho defensivo do Porto, melhor até do que ofensivo. De resto, não cometemos as faltas absurdas de Maxi Pereira que voltou a não ver cartões apesar de fazer falta em cada lance a que entra. Já para não falar dos cotovelos do Cardozo, autor de um golo e meio que devia estar expulso desde a 1ª parte. Ao invés, o Kuzmanovic que sentiu o jogo de cotovelo do Óscar das agressões acabou por sair lesionado num braço e foi da sua ausência que o Estugarda sofreu mais.

    O jogo físico amiúde ainda dá resultados...

    ResponderEliminar
  5. Amigo Zé Luis
    Grande arbitragem.Nem eu já estava habituado a uma arbitragem séria.Futebol.
    Imagino uma actuação destas na nossa liga.
    eles são tão parolos,
    que já não vale nada.
    Abraço
    Biba o Porto

    ResponderEliminar
  6. Caros portistas, sem dúvida este jogo teve de tudo um pouco, duro, intenso, um ritmo forte, com várias ocasiões de golo, emoção a rodos e até alguma escaramuça em campo. Uma arbitragem mediana, e com o fator sorte a bafejar os audazes. A vitória foi nossa e o resto é conversa.
    Cumprimentos,
    www.ultrasfcporto.com

    ResponderEliminar
  7. Tento ser o mais objectivo possível, uma vitória assim só tem sentido se tiver continuidade...O que passou é passado, agora temos que continuar a actuar como se nada tivesse sido conseguido.

    ResponderEliminar
  8. Grande arbitragem, sim senhor, também ajuda num grande jogo.

    Haja quem aprecie. E conheça.

    Aliás, estive para falar, antes do jogo, da confiança que me merece este Craig Thompson, dos melhores da actualidade que andam por aí.

    Deixou jogar, permitiu contactos, sim, ele é escocês e conhece o futebol assim, desde que jogado com virilidade mas seriedade e competitividade.

    Já o holandês da Luz, mais um a visitar as tabernas lá do sítio: dualidade de critério gritante nas divididas.

    Dos outros jogos do Braga e do Sporting não vi.

    ResponderEliminar
  9. Claro, meireles, não vamos embandeirar em arco, apesar de termos obtido o melhor resultado e em perspectiva o FC Porto, para mim, ser a única equipa capaz de passar a eliminatória. Mas está tudo difícil, o Sevilha impressionou-me de volta ao seu melhor.

    Já outros, sem meter medo a ninguém, andaram sempre com um feijão no cu.

    ResponderEliminar
  10. O resultado foi bem melhor que a exibição.o FCP entrou forte na partida, mas perdeu gás, depois falhava muitos passes nas saídas para o ataque e os laterais viram-se aflitos para travar os alas do Sevilha.
    Destaco as exibições de Fucile, Fernando e Otamendi que estiveram em grande plano.
    O FC Porto joga nas competições internas da mesma forma que joga na Europa , o mesmo não digo de uma certa equipa de vermelho que, na Europa realiza exibições muito descoloridas sofrendo derrotas ridículas e que para o campeonato, corre e esperneia com uma força fora do vulgar...Hum....Existem comprimidos que fazem milagres!

    Para quando o controlo anti-doping em todos os jogos do campeonato?

    ResponderEliminar
  11. Foi uma arbiagem melhor do que a gente está habituado, mas não percebi, por exemplo, o amarelo ao Moutinho nem ao Guarin, nem porque não viu dois apoios no otamendi, um que deu em golo, mas já viu um deste no meio campo. Coisas.
    Mas parar o jogo quando o Varela chocou com a cabeça era coisa que nunca se veria cá, lá isso era.

    ResponderEliminar
  12. Continuo a pensar que o resultado foi bem melhor que a exibição.

    Fisicamente não temos ritmo para aguentar este nivel e o Sevilla este ano está muitos furos abaixo do que pode fazer e à hora de jogo estavamos sem pulmão.

    O Fernando continua sem saber sair com uma bola nos pés, o Otamendi perdeu a maioria dos lances aéreos com o Kanoute, o Helton não transmite segurança nenhuma e o AVB continua a crucificar o Hulk colocando-o no meio e contra uma defesa que nao oferece espaços como as equipas pequenas de Portugal. Com isso o jogo tornou-se previsivel, pastelento e com muitos, demasiados, passes falhados por displicencia, falta de comunicaçao ou azelhice no miolo.

    O James tem classe mas está verdinho, o Varela fisicamente nao é o mesmo e o Belluschi e o Moutinho destruiram mais do que criaram...falta ali um elo mais incisivo com o ataque.

    Dito isso, acho que o apuramento é lógico porque um golo em casa e obriga o Sevilla a meter 3 e vão deixar espaços que o Hulk, com o Falcao de volta (espero) pode aproveitar melhor.

    Excelente arbitragem que levou os comentadores espanhóis ao desespero, desde um golo em offside do Rolando às faltas que em Espanha, como aqui, também se apitam sem sentido.

    um abraço

    ResponderEliminar
  13. Concordo que falta algum estofo fisico ao Porto para muito jogos destes, e é um ponto menos forte a explorar pelos adversários.
    De resto, Rolando uber-alles e um resultado melhor que a exibição; além de estarmos a jogar como os campeões, estamos tambem com a estrela que os acompanha!

    ResponderEliminar
  14. Bom dia,

    Ontem fomos felizes no resultado, mas fizemos por merecer.
    Lutamos imenso e defendemos bem a nossa baliza.
    Helton e Rolando foram imperiais. Otamendi, Sapunaru e Fucile fizeram um excelente jogo.

    Fernando, Belluschi e Moutinho lutaram bastante. James demonstrou alguma falta de experiência, e Varela e Hulk tentaram sempre desequilibrar.

    O Porto entrou bem em cada uma das partes do jogo, e criou oportunidades de golo, marcando numa de bola parada por Rolando.
    Após o golo do empate do Sevilha, que deveria ter sido invalidado por falta de Kanouté sobre Otamendi, o Sevilha encostou-nos às cordas e tivemos de saber defender, e conseguimo-lo e bem.

    Com a entrada de Guarin reequilibramos o jogo, e com o Sevilha todo balanceado para o ataque, num contra-ataque marcamos o golo da vitória.

    Foi um excelente resultado, mas na segunda mão temos de estar atentos, pois o Sevilha nada tem a perder, e conta com excelentes jogadores.

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  15. Num jogo em que a sorte foi elemento fundamental, o FC Porto lutou com raça e fez por merecê-la.

    Primeira parte de pressão alta, domínio, controlo e muita cabecinha.

    Segunda parte de menor pressão face à perda de força física, mais sofrida pela cavalgada sevilhana, alguma felicidade na obtenção da vitória, em momentos cruciais.

    Destaque pela positiva, a coesão defensiva, onde Rolando, Helton e Otamendi foram gigantes (por esta ordem)e pela negativa o incompreensível desbaratar de fáceis lançamentos do contra-ataque perigoso, por irritantes passes mal dirigidos de que abusaram Belluschi e Moutinho!

    Quarta-feira espera-nos uma missão ingrata pois o Sevilha patenteou grande capacidade ofensiva.

    Teremos de ser um Porto de boa colheita para prosseguirmos na prova.

    Um abraço

    ResponderEliminar