30 setembro 2008

Arsenal 4-0 FCPorto

Van Persie 31' e (48') , Adebayor 40' e 71'(gp)Equipa: Helton, Sapunaru, Rolando, B. Alves, Benitez, Fernando, R. Meireles (Hulk 64'), T. Costa, Guarin, Lisandro e C. Rodriguez (Candeias 79')

De olhos nos olhos



Convocados:
Benítez, Bruno Alves, Candeias, Fernando, Guarin, Helton, Hulk, Lino, Lisandro, Lucho, Mariano, Nuno, Pedro Emanuel, Raul Meireles, Rodríguez, Rolando, Sapunaru, Stepanov e Tomás Costa.

Arsenal - FCPorto, 19H45 - RTP1

PS: Não se esqueça que têm hoje até às 17h15 para actualizar as vossas equipas do UEFA Fantasy Football

29 setembro 2008

Jogador da Bancada Época 2008/2009 - 5º Round


PS: Em comentário coloco os nomes dos jogadores que actuaram neste jogo e o treinador. Só necessitam de copiar, colar na vossa caixa de comentários e atribuir a vossa nota (de 0 a 10).

26 setembro 2008

FCPorto 2-0 Paços de Ferreira

R. Meireles 13' e Hulk 73'Equipa: Helton, Sapunaru (Candeias 57'), Rolando, B. Alves, Lino, Fernando, R.Meireles, T. Costa, Lisandro (Hulk 70'), E. Farias (Guarin 57') e C. Rodriguez

31.816 espectadores

Poupança de "Lucho"


Convocados:
Benítez, Bruno Alves, Candeias, Farías, Fernando, Guarin, Helton, Hulk, Lino, Lisandro, Mariano, Nuno, Pedro Emanuel, Raul Meireles, Rodríguez, Rolando, Sapunaru e Tomás Costa.

FCPorto - Paços de Ferreira, 21H15 - RTP1

24 setembro 2008

Jogador da Bancada Época 2008/2009 - 4º Round

PS: Em comentário coloco os nomes dos jogadores que actuaram neste jogo e o treinador. Só necessitam de copiar, colar na vossa caixa de comentários e atribuir a vossa nota (de 0 a 10).

23 setembro 2008

São os árbitros do regime

mas explique quem souber

Os 4 pontos de atraso do FC Porto já são a referência da Liga: a notícia é o Benfica ter igualado o tricampeão na tabela… Um é manancial das análises, por ser anormal, não as arbitragens bafientas, que são normais. A silly season é mesmo para d(o)urar toda a época de apitos em riste

O FC Porto não ganhou nos seus dois jogos fora do Dragão e, embora sem ser exclusivamente por isso, perdeu uma liderança de 1000 dias que para muitos é um cabo de trabalhos para perceber. No seu reduto, afinal, já coabitam a impaciência que marca as emoções dos adeptos rivais com a procura desenfreada de explicações mesmo que elas saltem à vista de todos. Mas como o futebol não é uma ciência, muito menos exacta, lá temos de conviver com o erro, além do sarcasmo de, tão rara é a oportunidade, apoucarem a capacidade da nova equipa de Jesualdo.

A Imprensa do regime tem aquela faca de dois legumes: se não der para o Sporting, que dê para o Benfica. Calam-se os erros de arbitragens que já cavaram posições firmes na classificação. A agora mais jovem equipa do FC Porto não merece a contemporização que teve, anos a fio, a dos jovens leõezinhos, por muito que fossem envelhecendo - para além de todos serem alvos apetecíveis do mercado internacional sem a caixa registadora ter movimento para tanta fama. E o orçamento mais gordo dos dragões já não é motivo para atirar à cara quando depois de 25 milhões na época passada em reforços, o Benfica, sem a sublimada (ah, está alta, nós nem queremos ir lá) Champions, gastou outro tanto agora, com a chegada de craques ao ponto de rebuçado para ver quem era o melhor: Balboa afinal é medíocre, Aimar um semideus na sua família apenas, Reyes só parece a súmula dos craques todos num só, Suazo já é o imprescindível mas pode não chegar a tempo se vierem derrotas com Sporting e Nápoles…

Também fiquei irritado com o ritmo indolente e incompetente da primeira hora de jogo portista em Vila do Conde. Culpa tanto dos jogadores como do treinador que criticou, justamente, a falta de atitude deles. Mas ele é o único com capacidade para mudar as coisas logo pelos 20', se quiser ver...

Jesualdo gastou o dobro do tempo para perceber como mudar: a Benitez não deram ainda tempo de assentar, mas Fucile é o desastre ofensivo (e técnico) da época passada; Rodriguez não deu uma para a caixa e já está no registo sem influência que se via no Benfica, além de ter perdido o sentido do jogo interior e diagonais para a área; Hulk se é avançado não pode jogar a 10; ficaram defesas a mais na 2ª parte para tão poucos avançados do Rio Ave; e se era para chuveirinho mais valia adiantar um central – mas isso dava azo a questionar a dispensa de Adriano, sendo que para vários extremos não temos um ponta-de-lança alto e encorpado mas sobra o Farias…

O que faz a diferença
Mas nunca percebi, em tantos anos a ver futebol, onde acaba o demérito de uns e começa o mérito de outros. Como é notório, salvo nas já raras excepções de jogo de sentido único e domínio de 90' sem oposição, não é preciso mais de 30' a jogar bem para se justificar uma vitória - algo que por vários factores não sorriu ao FC Porto no domingo.

Nunca saberei, decerto, se é imerecido ou carente de justificação ganhar um jogo só por "jogar" a sério 30'. Já vi jogos de massacre de 90' sem vitória, 40 cantos a favor e 93 remates sem golo. Mas está na moda achar que jogar só 30', mesmo com abundância de jogo e de oportunidades, não é suficiente para valer uma vitória. Compare-se, porque é palpável, o que foi o Benfica e o FC Porto nos dois jogos caseiros do Rio Ave: no primeiro jogo, os vila-condenses foram sempre atrevidos, criaram ocasiões de golo, marcaram primeiro e o seu guarda-redes contribuiu para o golo do empate; no domingo passado, não só Paiva esteve intransponível como o treinador Eusébio meteu três trincos e deixou só na frente dois jogadores (Evandro e Chidi) e meio (Livramento). Talvez por isso, desta vez o Rio Ave não teve uma situação de golo clara (remates de longe não são oportunidades de golo), na 2ª parte quase asfixiou e teve uma arbitragem favorável que negou um penálti ao FC Porto.

Jamais alguém explicará, creio eu, se o que o FC Porto fez em 30' não compensa o que deixou de fazer nos primeiros 60'. A crítica é justificada ao que não se fez, mas não é justificação por si só para o resultado.

Ou alguém ousará dizer que pesa menos no resultado um penálti flagrante não assinalado (podia não ser convertido, mas foi inegável a mão de Gaspar) do que 60' de inoperância total?

É politicamente correcto dizer que "tem de se jogar 90’" - mesmo que isso nada garanta.

Fica bem comentar que "dar meia parte de avanço" é meio caminho para não se ganhar.

Cai melhor criticar os jogadores, que são profissionais pagos a peso de ouro, do que os árbitros por um insucesso, alegando o seu amadorismo (pago a peso de ouro, convém lembrar), quando a única diferença é que estes não vivem, exclusivamente, da tarefa de arbitrar – e se o fizessem, seguramente não teriam emprego…

Os do apito passam sempre incólumes, mas quando convém: ainda no clássico da Luz isso se viu, apesar do "cachaço" de um pobre diabo no árbitro-auxiliar.

Branqueamentos
Três jornadas apenas, uma liderança à condição isolada mas aproveitada para enaltecer o Sporting que vai na sua quarta época de terapia do sono e joga pior do que “cuspir na sopa”. Dois jogos fora do FC Porto muito penalizado pelas arbitragens e nenhum ROUBO em 1ª página no jogo de Vila do Conde, como já foram títulos em situações análogas de Benfica e Sporting alegadamente prejudicados.

Temos, por isso, mais do mesmo. Nas análises, sempre muito frias, pretensamente objectivas sobre o FC Porto, em contraste com a aceitação, sea como sea, das vitórias leoninas ou benfiquistas. Nas arbitragens, nos penáltis, nos critérios disciplinares.

Que os comentaristas do regime banalizem o óbvio, é algo a que já nem se liga.

Mas que o treinador do FC Porto, seja qual for, não aproveite as reuniões de árbitros para as quais são convidados e interessados directos, como foi neste Verão, para chamar a atenção das discrepâncias que nos deixam assarapantados semana após semana, já é imperdoável: um golo na própria baliza.

Nos jogos do FC Porto acontecem coisas de bradar aos céus: aquele fora-de-jogo a Sapunaru frente ao Belenenses, em que estava isolado para dar o golo a Lisandro com o g.r. fora da baliza, é criminoso.

É tão discutível saber se o onze de Jesualdo devia ter Mariano ou Hulk, Benitez ou Fucile, Fernando ou Meireles a trinco para entrar Guarin, como saber se Bruno Paixão deve apitar, se Pedro Proença é isento, se Duarte Gomes vê bem (ao perto e ao longe) e se raciocina até…

Bruno Paixão
Os coca-bichinhos das tácticas, das linhas curtas, do jogo interior, das famosas transições que só o são para quem tem condições técnicas (passar e receber) não querem sujar as mãos com o podre da arbitragem que influencia decisivamente os jogos e retira a verdade desportiva em metade deles, por estimativa minha.

Mas não podemos tolerar que, depois do critério disciplinar de Jorge Sousa no Benfica-FC Porto, tenhamos um ainda mais gravoso de Pedro Proença no Rio Ave-FC Porto.

E que Nuno Gomes tenha agredido um jogador do FC Porto e outro do P. Ferreira e só levou um amarelo de cada vez.

Ou teremos de levar sempre com Bruno Paixão a perdoar um penálti ao Sporting em Braga e outro ao Benfica em P. Ferreira (onde na época passada ofereceu a vitória encarnada numa falta inexistente sobre Léo de cujo livre deu golo)?

O Bruno Paixão que não viu a mão de Tonel na Supertaça da época passada em Leiria, viu (bem) a mão de Tiago Valente na Mata Real a favorecer o Benfica.

Digam que sistema é este em que Bruno Paixão marca uma falta ao contrário contra o Braga para perdoar o empurrão de Postiga a Meyong na área leonina. Edson levou com um pontapé, involuntário mas faltoso e na área dá penálti, de Ruben Amorim.

Mas não é só o mesmo árbitro com critérios diferentes. Há uma falta de critério em árbitros distintos.

O derrube de Gaspar a Hulk não foi sancionado por Pedro Proença para um livre perigoso junto à área vila-condense, tendo o portista levado um amarelo por simulação.

O sócio Pedro Proença
Não é novo, este sócio benfiquista na arbitragem. Pedro Proença começou a travar o campeão europeu FC Porto em Braga, no 1º jogo da era-Fernandez: Jaime jogou a bola com a mão na área, tirando-a do caminho de Quaresma, com o árbitro a dois metros, ele que assinalara antes um derrube de Quaresma a Wender de cujo penálti deu o empate nesse jogo (1-1). O Pedro Proença que no decisivo Benfica-FC Porto de há duas épocas, em que uma vitória da casa dava a liderança, perdoou um penálti ao Benfica e permitiu o golo do empate em fora-de-jogo. Pedro Proença cuja fama vem de longe, de empates portistas na Académica (1-1 em Taveiro) e no Dragão com o Belenenses (2-2) em que expulsou Mourinho… O mesmo árbitro que esteve num Sporting-FC Porto (1-1) no primeiro ano de Jesualdo…

Mas qual é a super-equipa que pode resistir a isto, a arbitragens sistematicamente prejudiciais para o FC Porto? A equipa tem defeitos de crescimento, de entrosamento, de conhecimento e todas as decisões, marcadamente injustas, que sobre ela exerçam são mais gravosas ainda. As bolas nos postes fazem parte do jogo e o FC Porto até nisso foi infeliz em Vila do Conde. Os erros de arbitragem também são do jogo, mas alguns são, além de grosseiros, “pertinentes”, cirúrgicos, quase naturais, diria a julgar pelas nomeações feitas nesta fase em que, com um calendário difícil de início, o tricampeão está a refazer meia equipa.

Já nem me importa se a Imprensa do regime reconhece que o FC Porto é prejudicado. Não consigo é encontrar explicação para ser sempre perseguido. Os efeitos do Apito Dourado até já passaram. A incompetência dos árbitros e de quem os dirige, orienta, nomeia e até exalta ainda dura e não tem fim. Vamos já actualizando os penáltis distribuídos pelos três grandes (ou não marcados, como ao Sporting e ao Benfica) e percebemos que a classificação poderia ser outra. Mas não podemos equacionar como é possível marcar-se um penálti como Duarte Gomes fez no Académica-Setúbal, um erro clamoroso sem justificação e que serviu até para o registo histórico de os estudantes ganharem aos sadinos em casa ao fim de 10 anos.

É destas marcas que vive a Liga do taberneiro Hermínio. Fora o contorcionismo disciplinar que distorce nos gabinetes o jogo antes de se entrar em campo.

22 setembro 2008

Céu ou Inferno? Pessimistas ou optimistas?

(Nota prévia: Este texto foi escrito antes do empate do FCPorto em Vila do Conde)

Tenho lido bastantes análises sobre a vitória com o Fener e sobre o F. C. Porto para este ano.

Uns são demasiado pessimistas e até parecem esquecer que o Porto venceu o jogo, outros demasiado pessimistas e parecem querer tapar os olhos a alguns problemas que a equipa apresenta já de forma recorrente.

Eu não me enquadro nem nos pessimistas nem nos optimistas... Acho que nem tudo é mau e que não estamos condenados ao insucesso, nem sou tão optimista ao achar que a equipa este ano é melhor que a do ano passado, ou mais técnica, ou mais imprevisível como já por aí li sem perceber em que fundamentos se baseiam para essa análise.

É óbvio que perder de assentada: Assunção, Quaresma e Bosingwa é um rombo grande. Até porque Quaresma é só dos melhores extremos do mundo e Bosingwa dos melhores laterais do mundo, e é natural que isso faça mossa a qualquer equipa.

Como tal analisemos de forma clara e fria e sem ter qualquer tipo de pudores a apontar as falhas e as nossas fraquezas até ao momento...

As laterais são fracas. Isso é um facto aos olhos de todos. Nos últimos 4 golos que sofremos, 3 foram do lado do Sapunaru. Apesar do seu papel no 3º golo contra os turcos, também é um facto se ele a defender para um lateral que já foi central demonstra falhas graves do ponto de vista defensivo, a atacar também não o faz com grande qualidade técnica ou sequer com muita frequência como fazia Bosingwa ano passado.

Do Benitez nem vale a pena falar, sempre que joga, é ver o Bruno Alves a perder a cabeça com ele de tantas vezes que ele ou é comido ou está mal posicionado. Do Benitez não esperava muito, afinal era suplente no Lanus, não era no Porto que se ia revelar um craque. Culpa de quem o trouxe e não tanto do Jesualdo… Ele insistiu com ele no inicio em detrimento do Fucile, não sei se até mais para dar um recado para o Fucile para não se relaxar…se bem que o Fucile ao ver o seu rival, deve-se ter sentido mais relaxado que nunca…

Um destes dias um cronista do jogo escreveu e muito bem, que muitos olhos se concentram na esquerda da defesa, mas que os números provam que Sapunaru tem cometido mais erros. Não significa com isto que Benitez não seja mau, porque felizmente tivemos Fucile para o jogo com o Benfica para jogar na esquerda.

O Porto jogou muito bem os primeiros 30 minutos contra os turcos., quando teve a bola, quando atacou o Fener... Agora quando eles detectaram que podiam explorar os nossos laterais, aí foi complicado, tal como foi no jogo com o Sporting na Supertaça, em que globalmente estivemos bem só que o Sporting sempre que acelerava o jogo pelas laterais dava cabo de nós. O problema com o Fener agravou-se com a saída de Mariano. Não por ser o jogador em si que é pouco mais que uma nulidade como extremo. Um extremo tem que ser capaz de passar no um para um, ter fantasia, ter qualidade no passe, ter qualidade técnica e não apenas ser esforçado mas inconsequente como é Mariano.

A grande diferença é que Mariano é extremo já preparado para jogar na Europa e Hulk que entra para o seu lugar está mais habituado a jogar ou como referência no ataque ou então com total liberdade sem preocupações defensivas. Coloca-lo no lugar do Mariano o que fez foi que se Sapunaru já nos duelos directos sofria muito, nesse momento deixou de ter o apoio do extremo nesses duelos e pior foi porque se estendeu uma avenida também para ser massacrado por Roberto Carlos mesmo com 36 anos.

Sobre o Tomás Costa, entrou bem mas não é craque nenhum. É um jogador raçudo e esforçado mas que não tem a qualidade técnica de Guarín, a classe de Lucho e não tem o estofo de Raul Meireles que são com quem ele concorre para jogar neste Porto... Depois ainda há Pélé que é também melhor que Tomás Costa mesmo jogando mais avançado no terreno se preciso.

Num post anterior discordava por completo sobre as críticas e principalmente dizer que nada tem a ver com Assunção. Aí concordo com o blogueiro Nelson Barbosa, eu acho que o Fernando pela idade que tem e pelo que já joga com a idade dele e pelas suas características físicas, pode ser melhor até que P. Assunção que demorou anos para ser o jogador que é hoje. Fernando na champions foi para mim dos melhores em campo, exactamente porque me faz lembrar Paulo Assunção em vários jogos do Porto, principalmente com Adrianse... Parecia invisível, que não estava lá, mas fazia o trabalho essencial para que a equipa funcionasse ou para anular o adversário... Alguém viu um jogador chamado Alex em campo...? Pois... Deviam pensar que não foi por acaso... Mesmo nas alturas em que o Fener atacou mais o Porto, Alex não estava lá para dar o toque de magia e qualidade porque foi totalmente anulado por Fernando, numa grande exibição ao secar por completo um grande jogador, já com o Benfica tinha sido um grande jogo de Fernando, agora já são dois e é um aviso a Pélé que se quer o lugar terá que lutar por ele.

Os laterais são o nosso maior problema. Esse e o não termos extremos para o 4-3-3... Rodriguez joga melhor na estrutura de 4-4-2 quer como interior, quer jogando atrás dos avançados quer como 2º avançado como se viu na luz aonde tem mais espaço e menor marcação para fazer diferença com a sua velocidade.

E do outro lado Mariano é uma nulidade. Não tem criatividade um extremo no 4-3-3 tem que fazer o que fazia Quaresma, passar no um para um, fazer golos, assistências, dar impressibilidade ao jogo. A única forma de melhorarmos isso é rotinar cada vez mais o Rodriguez e de uma vez por todas afastar Mariano do onze e apostar em Tarik que é o único extremo do plantel mais parecido a Quaresma em termos criativos, ou ate dar mais minutos ao Candeias e ver no que dá.

Nos jogos contra os grandes nesta Champions esta equipa pode ser mais compacta em relação ao 4-4-2 do ano passado, por ter várias opções para o meio campo, e se calhar nesse 4-4-2 acabamos por conseguir proteger mais os laterais povoando mais o meio campo, e tendo médios interiores que impossibilitem que os laterais tenham que ter tantas vezes que lidar com o adversário directo ao atrapalharem a sua acção.

Dizer que este Porto é mais imprevisível a atacar é o que mais me choca... Julgo exactamente o oposto... Com jogadores nas alas verticais como Mariano e Rodriguez somos é demasiado previsíveis no ataque. Com Quaresma na esquerda e as suas trivelas e constantes deambulações para o meio, e com as subidas frenéticas de Bosingwa e a sua velocidade o nosso jogo era bastante mais imprevisível para o adversário que nunca sabia muito bem de onde vinha o perigo...

O que esta equipa pode conseguir ser, com trabalho nesse sentido, é mais coesa no 4-4-2 do que era no ano passado porque tem mais opções para esse sistema táctico. No meio campo já não tem que usar Quaresma como 2º avançado o que era um desperdício sendo ele dos melhores extremos do futebol mundial e o obrigava a jogar numa zona aonde contava muito pouco e ás vezes era mesmo menos um e agora temos Rodriguez que se adapta muito bem a essa função e complementa bem Lisandro.

E a maior diferença é no meio. Antes tinhamos que jogar com médios como Kaz ou até adaptar o Cech para o 4-4-2. Agora podemos ter um 4-4-2 equilibrado, compacto, com várias alternativas sem precisar de ser defensivo ou medroso. Podemos jogar com Pélé ou Fernando a 6, Meireles e Guarín como interiores e Lucho mais adiantado. Podemos depois confundir os rivais e torna-lo mais ofensivo ou defensivo consoante o momento do jogo, a necessidade e as características do adversário. Podemos fazer entrar Hulk para jogar com Lisandro e baixar Rodriguez para jogar como 10 e passar Lucho para interior direito, posição aonde mais se destacou no River,ou até passar Rodriguez para interior esquerdo, posição que fez em alguns jogos fez no Benfica.

Se o quisermos fazer mais defensivo (espero que não), Jesualdo pode optar por colocar Fernado atrás com Pélé numa posição interior no desenho mas que na prática pode auxiliar Fernando e ao mesmo tempo dar mais músculo ao meio campo e maior recuperação de bola e libertar mais no outro lado Meireles e Lucho no meio. Este tipo de colocação de Pélé poderá servir contra rivais específicos... Por exemplo contra o Barcelona, com quem o Sporting jogou, podia servir para auxiliar o lateral e não permitir que o Messi recebesse a bola desde o meio campo com tanta facilidade e partisse para cima do lateral.

Várias configurações que nos permitem mesmo sem ter a mesma criatividade e a qualidade técnica que tínhamos ano passado com Bosingwa e Quaresma, ter no entanto mais soluções para - tal como falou Jesualdo- sermos uma equipa diferente e tentar ser o mais competente possível.

Há fórmulas de atenuar o problema nas laterais, mas os jogadores que cometem os erros, esses serão os mesmos e convém que eles melhorem o seu rendimento mas principalmente que a Sad disponibilize já em Janeiro um reforço a sério seja para lateral direito ou esquerdo. Se assim for a outra lateral será ocupada por Fucile e a equipa fica assim mais forte defensivamente, porque pelo meio vejo a equipa muito forte com a dupla Rolando/Bruno Alves e ainda com o experiente capitão Pedro Emanuel no banco para casos de necessidade.

Concluindo… Quando me fazem a pergunta “Então o F. C. Porto este ano está mais fraco que o do ano passado?” Geralmente hesito a responder… Está mais fraco para já. Como é óbvio porque a equipa do ano passado não tinha nenhum reforço integrado e Jesualdo não teve que por a jogar a titular os Marianos, os Bollatis, os Kaz, os Luis Aguiar e Edgares que a Sad lhe deu porque ainda tinha matéria prima de anos anteriores a explorar, e ele soube explorar e espremer tudo o que tinha muito bem. Ao ter que integrar tantos jogadores novos este ano, a estrutura demorará mais tempo a consolidar-se e é óbvio que é muito por isso que ele pede paciência aos adeptos. Este ano não podia fazer como no ano passado e apostar nos jogadores que já tinha e conhecia bem. Tinha este ano, obrigatoriamente, que colocar no onze reforços que ele próprio nem devia conhecer. Nenhum dos reforços tirando Rodriguez e Rolando que eram efectivamente aqueles que Jesualdo conhecia e aqueles que conheciam o futebol portugês foram os únicos que até ao momento se conseguiram impor de forma absoluta no onze sem serem criticados.

Este Porto sem Quaresma perde um jogador de classe mundial que só pela sua presença em campo movia várias atenções para si mesmo e isso era excelente porque libertava a equipa e ao mesmo tempo porque ele nos dava aquela dose de magia, de criatividade e de improviso para surpreender adversários bem posicionados e para resolver jogos encravados.

Agora temos uma equipa diferente, que apesar de obrigar a um 4-3-3 mais previsível e não tão técnico como o do ano passado com: Tarik, Quaresma e Lisandro é uma equipa que pode crescer. A capacidade técnica diminui com as saídas de Bosingwa e Quaresma isso é um facto. Em termos de capacidade técnica e de improviso, e de dose criativa estamos mais fracos pelas suas saídas. Mas como já provei a equipa pode ter dificuldades quando tenha que assumir o jogo porque nas faixas Mariano não é um portento de técnica e Rodriguez é muito vertical e sente-se como que preso e encurralado por vezes na esquerda e desaparece do jogo. Mas a liga portuguesa com os adversários que tem permite-nos que mesmo assim ganhemos os jogos com o plantel que temos sem grandes problemas.

Na champions com o 4-4-2 afinado para esses grandes jogos e se os laterais subirem de nível acho que esta equipa com grau de sorte que a do ano passado não teve pode até quem sabe chegar mais longe na champions… Ano passado tínhamos um grande onze, faltava-nos banco. Mas tínhamos no onze vários jogadores capazes de jogar em qualquer grande equipa da Europa e podia mesmo ter chegado mais longe na champions, mas caiu de forma algo inglória e azarada com o Schalke. Esta equipa para os jogos fora, na champions com grandes adversários que são o calcanhar de Aquiles de Jesualdo, pode ser mais competente e ter mais soluções e aí ser mais forte do que era a equipa do ano passado nesse tipo de condições. Como tal e se tiver o grau de sorte que a equipa anterior não teve pode até chegar mais longe na champions e renovar o título nacional na mesma… depois em que ficamos? É melhor ou pior que a da época passada? Ás vezes o sucesso baseia-se noutros factores até mais aleatórios.

No ano passado esmagamos no campeonato e caímos na champions nos oitavos. Este ano podemos ter mais dificuldades em vencer o campeonato, mas vencê-lo e conseguir trepar um degrau a mais na Champions…Aí esta equipa passa a ser melhor ou pior que a anterior…? Nem sempre as melhores equipas e os melhores planteis com jogadores com maior qualidade individual são aquelas que ganham mais… Porque depende muito de vários factores, como os rivais, a sorte nos sorteios, a própria forma como a equipa sendo mais forte ou menos forte tecnicamente expõe as suas fraquezas ou as esconde e como explora os seus pontos fortes e como se consegue superar a si própria como equipa nos momentos chave da época.

Lembro-me que para mim um dos maiores planteis de sempre que o Sporting já teve em termos técnicos não ganhou a liga esse ano, e a sua única conquista foi uma taça de Portugal com o Marítimo na final… Uma equipa com: Figo, Capucho, Balakov, Stan Valcks, Peixe, Paulo Sousa, Juskowiak, Iordanov. Ou o Benfica com: Futre, João Pinto, Isaías, Paulo Sousa, Mozer, Rui Águas, Vítor Paneira, Veloso que também só ganhou uma taça de Portugal. E curiosamente o Sporting voltou a ser campeão num plantel com jogadores como: Di Franshceschi, Acosta, Mpenza e César Prates foram os jogadores decisivos. E o Benfica acho que nem vale a pena falar daquela equipa tão fraquinha que foi campeã com Trapatoni.

Por isso, isto do ser melhor equipa ou pior que a do ano passado, ás vezes em termos de títulos e resultados, que é o que nos interessa, pode ser muito relativo, porque cada época é uma época e as condicionantes e os próprios rivais mudam e outras exigências se colocam, e não podemos viver de hipóteses e do passado e sim olhar para o futuro e com aquilo que temos, tirar o máximo de proveito que nos aproxime do sucesso.

21 setembro 2008

Rio Ave 0-0 FCPorto

Equipa: Helton, Sapunaru, Rolando, B. Alves, Fucile (Lino 59'), Fernando, R. Meireles (Candeias 83'), Lucho, M. Gonzalez (Hulk 59'), Lisandro e C. Rodriguez

20 setembro 2008

19 setembro 2008

Pressionar como um bloco em meia hora e sofrer o dobro do tempo


Finalmente a Liga Milionária começou com uma vitória. E logo em ano platinado de queixinhas.

Foi um grande resultado, com uma exibição na primeira meia hora que deixa água na boca e permite antever periodos de grande futebol quando a equipa estiver mais entrosada e quando fisicamente se atingirem os niveis desejados.

Vencemos contra uma equipa recheada de valores e gente experiente que sabia muito bem o que andava a fazer em campo. Fomos das poucas equipas que conseguiu a espaços, um domínio tão avassalador nesta primeira jornada. Outros exemplos são o Manchester e o Real Madrid com este último a jogar contra um adversario muito mais fraco e que, apesar disso, não produziu um resultado mais volumoso que o nosso.

A profundidade nas alas não é a mesma do ano passado. Isto é apenas disfarçado pelos rasgos do Rodriguez. E é perfeitamente normal nesta fase. Os laterais e os médios-ala são todos novos. Acho que é um factor a ter em conta antes de se criticar o rendimento dos laterais. As alas são inteiramente compostas por jogadores novos e sem qualquer experiência de Liga dos Campeões.

Há muita coisa a melhorar defensivamente, principalmente dentro da área perante livres ou cruzamentos perigosos. Vimos muitas vezes os adversários aparecerem em vantagem na área para finalizar depois de cruzamentos bem medidos (saidos dos pés de grandes jogadores).

Lisandro falhou oportunidade soberana para sentenciar o jogo e ele próprio sabe, melhor que ninguém, que não pode voltar a ter um momento daqueles num jogo da Liga dos Campeões onde os pormenores tudo decidem. Isso não apaga a sua enorme exibição.

Como houve muito mais aspectos positivos que negativos importa salientar alguns dos positivos.

Este Porto é uma equipa menos previsível ofensivamente do que a do ano passado. Consegue jogar num espaço muito mais curto, em 30-40 metros, sem se desarticular nem esticar muito em campo. Isto foi para mim, o que de mais importante ficou deste jogo. Aquela primeira meia hora deixa antever um Porto mais compacto, porque é mais fléxivel. Todos trabalham para todos. Na primeira meia hora pressionámos alto e como um bloco.

E foi por isso que voltei a gostar do Tomás Costa, numa altura em que as pernas faltavam em ambos os conjuntos, e com o Porto a pagar a factura daquela primeira meia hora avassaladora, o jogo “estendeu-se”. Aragonés assim o pretendia nos últimos 10 minutos. O jogo partiu, com o factor sorte a poder ditar (mais do que a qualidade das equipas) o resultado. Tomás Costa entrou para evitar que, com o jogo partido e o campo a “alongar-se”, os dois do miolo turco não distribuíssem jogo nem fizessem passes a rasgar a nossa defesa. E foi ele que ajudou Fernando nessa tarefa (e muito bem) quando a frescura já não existia. Para além disso ainda saiu a jogar 2 ou 3 vezes com clarividência.

Estes dois últimos jogos confirmaram que ganhámos uma equipa. Jogadores muito novos como Sapunaru, Rolando e Fernando foram lançados às feras e apesar dos arranhões sairam vivos e mais capazes. No seu primeiro clássico e no seu primeiro embate Europeu, Rolando e Fernando estiveram quase irrepreensíveis e Sapunaru mostrou no lance do terceiro golo a sua capacidade competitiva. Bosingwa levou 3 anos para se fazer no lateral que hoje deslumbra a Europa.

Acabar o jogo com apenas 3 jogadores de campo (!) oriundos do plantel da época passada e apresentar este rendimento, é obra. E isso deve-se muito a Lucho. Pela primeira vez realizou uma verdadeira pré-época e o resultado está á vista.

Há obviamente muito a melhorar, mas esta equipa tem uma margem de progressão enorme e tem tudo para ser uma equipa muito sólida e compacta.

Sobre o público do Dragão não há muito mais a dizer do que já foi dito. Seria uma discussão para dissertações e teses sociológicas. O comportamento dos públicos no futebol tem muito a ver com factores sociais e com a cultura dos povos. O ambiente nos estádios portugueses é, na generalidade, assim para o pobre. Não fossem os Super Dragões e os funerais eram apoteóticos.

Liga Portistas de Bancada - Top ten - Fim da 1ª Jornada



Equipa da Jornada: Popes ( Pedro Machado) - 85 pontos

18 setembro 2008

Marcar cedo para... cedo sofrer

FC Porto 3×1 Fenerbahçe
Lisandro 11', Lucho 14', Guiza 29' e Lino 92'Equipa: Helton, Sapunaru, Rolando, B. Alves, Benitez, Fernando, R. Meireles (T. Costa 65'), Lucho, M. Gonzalez (Hulk 60'), Lisandro e C. Rodriguez (Lino 90')

38.709 espectadores

Esta partida de bom teve apenas o resultado, uma vitória aliás que permitiu ao FC Porto entrar a ganhar na Liga dos Campeões pela primeira vez em 5 temporadas.

Julgo que todos os portistas terão ficado apreensivos com o desenrolar da partida de ontem, uma partida que os primeiros 13 minutos pareciam antever uma goleada. Mas comecemos pelo princípio: para a importantíssima recepção aos turcos, Jesualdo optava por manter a base da equipa que havia defrontado o rival Benfica, a contar para a Liga Sagres. Desta forma, Rolando era o titular no centro da defesa junto a Bruno Alves, e Fernando era o elemento mais defensivo do meio-campo, permitindo a Raul Meireles adiantar-se no terreno e apoiar o ataque como tão bem sabe. Do lado esquerdo da defesa, a entrada de Benitez justificava-se previsivelmente pelo castigo de Fucile para jogos europeus, ao passo que Mariano entrava para as faixas ofensivas, já recuperado de uma lesão que o apoquentou por cerca de um mês. Eram estes os predicados portistas para a jornada inaugural da liga milionária, uma equipa que naturalmente contava com Lucho como o “pensador”, Lisandro como o homem-golo e Rodriguez o mago criativo. E aliás, foi disto que vimos na primeira metade da primeira parte, uma turma que entrou para esmagar e para resolver cedo.

A pressão ofensiva era de tal ordem que os turcos não tinham definitivamente capacidade para a suportar, de modo que não foram precisos mais do que 2, 3 lances ofensivos para que o golo de Lisandro abrisse o marcador. Foi extraordinária a rotação de Meireles que, na quina da área, cruza para Lisandro que ao se libertar dos defensores encosta para o golo. Era possível ver nos jogadores portistas a crença de que era possível resolver cedo uma partida complicada, e este golo servia para animar as hostes, de tal maneira que o ritmo não abrandou, pelo contrário! Dois minutos depois, e sensivelmente do mesmo local, Cristian Rodriguez ganha o lance ao defensor euroasiático e coloca a bola com peso, conta e medida para o pontapé certeiro de Lucho, um disparo em jeito de volley. 2×0 para os portistas, e posso confidenciar que neste momento senti um misto de alegria e ansiedade: não era a primeira vez que víamos desaires europeus iniciar-se desta forma. Infelizmente, as minhas previsões não estavam muito longe da realidade, e rapidamente a descompressão se apoderou dos atletas azuis, que confiavam ao sector defensivo a responsabilidade para segurar os 2 golos de vantagem. Aos 26′, um Lisandro fisicamente mais solto teria certamente “arrumado” com a partida, isolado frente a frente com Demirel, mas pouco depois surgia um momento crucial na partida: para Boral, foi tremendamente fácil ultrapassar um ineficiente Sapunaru, que com um cruzamento bem medido permitiu a Alex reduzir para 2×1.

Nas bancadas, cerca de 38 mil espectadores roíam as unhas com o imprevisível baixar de ritmo dos 11 azuis-e-brancos. O intervalo chegava, e parecia evidente que os turcos eram uma presa fácil para os portistas. Contudo, e à boa imagem lusitana, parece sina entregar o ouro ao bandido e o golo de Alex surgia como um enorme atentado a uma vitória que parecia mais do que certa. E os primeiros minutos do segundo tempo - talvez estrategicamente - eram entregues aos portistas, que por pouco não conseguiam alargar a vantagem por Mariano. Contudo, e aos poucos, a história repetia-se. Os turcos com enorme poderio pelas alas ganhavam invariavelmente os lances no 1 contra 1, beneficiando também da inoperância defensiva de alguns elementos portugueses. A certo ponto, era gritante a forma como o Porto era incapaz de virar a partida para o seu lado, passando rápido e mal, agindo de forma imatura e precipitada. Fernando, uma tentativa de Jesualdo em recriar aquilo que era a função de Paulo Assunção na época transacta, foi um elemento confuso, medroso, incapaz de “limpar a casa” como a posição assim o exige. Também Benitez e Sapunaru, nas alas, não pareciam conseguir lidar com a pressão e por diversas vezes utilizaram a falta como arma mais fácil. É justo dizer que o 2×2 esteve bem perto de acontecer por esta altura, onde 2 ou 3 lances de enorme perigo (quase todos eles protagonizados pelo veteraníssimo Roberto Carlos) não foram concretizados por mero azar, ou pelo esforço de alguns elementos portistas - Rolando esteve insuperável neste particular.

A entrada de Hulk aos 60 minutos (para lugar de Mariano) parecia querer sacudir um pouco a pressão, e de facto aquilo que o Brasileiro fez foi bem feito, segurando a bola, retirando aos turcos a possibilidade para lançar mais algumas transições venenosas. O atacante foi vital nesta fase final da partida, ganhando cantos, faltas, quando o meio-campo (já com Tomás Costa) era literalmente incapaz de segurar a vitória. Quando o jogo se encaminhava para o final, Sapunaru fez no ataque aquilo que foi incapaz de fazer defensivamente durante toda a partida: um rasgo pleno de entrega física, e um passe esplêndido para o recém-entrado Lino fechar as contas da partida, com um remate certo e colocado. O jogo terminava assim, com um golo e com 3 pontos amealhados (fazendo do Porto líder do grupo G), mas com a sensação de que o amargo de boca poderia ter sido uma realidade. Que faltará a este Porto?

Artigo também publicado em www.jogodearea.com

17 setembro 2008

FCPorto 3-1 Fenerbahçe

Lisandro 11', Lucho 14', Guiza 29' e Lino 92'Equipa: Helton, Sapunaru, Rolando, B. Alves, Benitez, Fernando, R. Meireles (T. Costa 65'), Lucho, M. Gonzalez (Hulk 60'), Lisandro e C. Rodriguez (Lino 90')

É para ganhar

Convocados
Benítez, Bruno Alves, Candeias, Farías, Fernando, Helton, Hulk, Lino, Lisandro, Lucho, Mariano, Nuno, Pedro Emanuel, Raul Meireles, Rodríguez, Rolando, Sapunaru e Tomás Costa
FCPorto - Fenerbahçe, 19H45 - SportTv

16 setembro 2008

Dupla vitoria


"TAS iliba FC Porto e arrasa Apito Final
No acórdão da sentença que determinou a participação do FC Porto na edição da Liga dos Campeões que hoje se inicia, o Tribunal Arbitral do Desporto destroça a UEFA e põe em cheque tanto a Comissão Disciplinar da Liga como o Conselho de Justiça da FPF. O documento, que demorou todo este tempo a redigir - a decisão foi anunciada a 15 de Julho - chegou ontem aos clubes envolvidos, mas só trouxe motivos para ser bem recebido pelos dragões. No mínimo, a norma que o excluía da Champions vai a enterrar.

O painel de juízes do TAS nem chega a aprofundar a violação do princípio da retroactividade, ou seja, a decisão de excluir o FC Porto da Liga dos Campeões por actos ilícitos cometidos antes da existência dessa regra - uma das principais armas de defesa dos dragões. Para o Tribunal Arbitral, o regulamento viola vários outros princípios, a começar pelo da proporcionalidade.

Levada à letra, diz o TAS, a alínea d) do ponto 1.04 exclui perpetuamente os clubes que cometam actos ilícitos. Em lado nenhum, ressalvam os juízes, está determinado que a exclusão seja de um ano (ou dois, ou três) como pretendia o instrutor da UEFA no processo inicial. Outra falha encontrada é a do desrespeito pelo princípio da igualdade de tratamento: os clubes só sofreriam a sanção coincidindo o ano da condenação com o ano do apuramento para a Champions. Sem apuramento, não há castigo.

Mas o TAS rapidamente põe de parte a norma, já feita em pedaços, por entender que nem é necessário discuti-la: o FC Porto não preenche os requisitos para ser castigado por ela. O painel afirma que os critérios não ficaram estabelecidos, mesmo que a UEFA pudesse decidir apenas com base na decisão dos órgãos portugueses. "As duas decisões do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol e da Comissão Disciplinar da Liga Portuguesa", concluem os três juízes, "não demonstram com a certeza necessária que o FC Porto ou o seu presidente estiveram envolvidos em actividades ilícitas". E, na opinião do TAS, mesmo que provassem, a UEFA tem meios para julgar a culpabilidade do FC Porto autonomamente e não pode estar vinculada às sentenças da Comissão Disciplinar ou do Conselho de Justiça.

O outro tema forte do Apito Final - se a condenação do FC Porto transitara ou não em julgado - foi considerado pouco importante pelo Tribunal, que no acórdão diz "perceber" a decisão de não recorrer tomada pela SAD portista, dada a irrelevância dos seis pontos perdidos. Até porque "ficou provado que o recurso do presidente aproveitava ao clube".

Para o tricampeão português, este acórdão pode ser o salvo-conduto que faltava, dado estar ainda no ar a possibilidade de uma futura exclusão da Champions. O TAS fica pelo menos comprometido com esta decisão, que terá forçosamente reflexos em hipotéticos recursos, mas o mais certo é que a UEFA retire, ou substitua, a alínea d) do ponto 1.04 dos regulamentos da Liga dos Campeões e da Taça UEFA. E uma nova redacção que possa afectar o FC Porto atingirá também Milan, Juventus, Fiorentina, Marselha, etc, etc.

Benfica e Guimarães pagam dez mil euros aos tricampeões
Para além das custas do processo, que o TAS já endereçara a Benfica, Guimarães e UEFA na sentença resumida de 15 de Julho, cada um deles terá de pagar ao FC Porto dez mil euros para ajudar às deslocações e emolumentos dos advogados."
in O Jogo


"Pinto da Costa indemnizado
O tribunal de primeira instância considerara válida a detenção do presidente do FC Porto, em 2004, à porta da Judicária, mas o recurso para o Tribunal da Relação reverteu a sentença. Foi dada razão parcial a Pinto da Costa, que se traduz, de acordo com a SIC Notícias, no pagamento de uma indemnização, pelo Estado, no valor de 20 mil euros."
In O Jogo

Porque será que a Bola, o Record e o Correio da Manhã que tantas 1ªas páginas fizeram dos recursos do clube da Luz para a Uefa, para o TAS, tendo feito até primeiras páginas a dizer que o Porto não ía à Liga dos Campeões, não dão honras de 1ª página ao acordão do TAS...?

ADENDA
A quem interessar, o acordão da sentença do TAS já pode ser consultado aqui.

3ª edição Liga da Bancada - 2008-2009


Hoje inicia-se a época 2008/2009 da Liga dos Campeões e com ela começa também um dos mais interessantes e participados passatempos futebolisticos da internet, o UEFA Fantasy Football.

Este ano o Portistas de Bancada vai fazer a sua terceira edição da Liga da Bancada, sendo que as duas anteriores tiveram enorme sucesso. A edição da época passada contou até com um número recorde de participantes, tendo atingido os 114. Até ao momento estão já inscritos 45, mas espero muitos mais nesta 3ª edição. Para isso conto que todos se inscrevam nesta liga e adiram à Liga Portistas de Bancada. Conto até que os que nunca participaram arrisquem experimentar este jogo mostrando assim o treinador de bancada que há dentro de cada um.

Para quem ainda não se inscreveu ainda está a tempo, até às 19h30 ainda podem iniciar a participação ou mudar as suas equipas sem qualquer penalização. É só ir aqui e o código de acesso à Liga da Bancada é o:

69022-13662

15 setembro 2008

Liga dos Campeões - Sorteio


Calhou-nos um dos grupos mais equilibrados na Champions deste ano. Mas, ainda assim, nem o Arsenal está assim tão acima do Porto, -principalmente depois das saídas de Hlbe e Flamini-, nem o Dynamo Kiev e o Fenerbache são assim tão fracos e tão abaixo do F. C.Porto.

Apesar disso, como sempre, temos que assumir o nosso favoritismo e mesmo com um plantel mais fraco, em princípio, relativamente à época passada, temos a obrigação de passar a fase de grupos.

Gostava de poder dizer que podíamos chegar aos quartos de final -no ano passado podíamos mesmo-, mas depois do amargo de boca do ano passado esperava-se uma aposta mais forte este ano na Champions e na verdade o Porto não investiu para fazer uma grande champion… Optou antes por garantir os mínimos e ganhar a liga portuguesa.

O Fenerbace do ano passado surpreendeu e chegou aos quartos de final. Mantém um plantel forte, com muitos brasileiros de qualidade, um deles o Alex e o outro o Deivid ex-sporting que na Turquia se lembrou de começar a jogar à bola. Este ano conta ainda com o reforço Guiza melhor marcador da última liga espanhola e ainda o treinador campeão da Europa Aragonés. Um orçamento que supera o do nosso F. C. Porto em termos de reforços para esta época. Uma equipa que devemos respeitar mas não temer...

Tal como o Dynamo Kiev apesar da boa prestação na pré eliminatória em que eliminou de forma convincente uma das melhores equipas do cada vez mais forte campeonato russo, Spartak de Moscovo. O Dynamo vale mais pelo seu colectivo e pela sua enorme experiência, assim como as dificuldades que os rivais atravessam a jogar no seu estádio. É composto por alguns dos jogadores que compõe a selecção da Ucrânia que não vive uma grande fase e alguns africanos e um ou outro brasileiro mas sem grande qualidade. No entanto golearam um Spartak de Moscovo que tinha um bom plantel e que partia como favorito.

Estes países, principalmente a turquia têm evoluído bastante, as suas ligas têm tido uma injecção grande de capital que lhes têm permitido recrutar bons jogadores principalmente ao mercado sul americano... E não falo de Bollatis, falo de alguns craques da liga brasileira e argentina.

Outra dificuldade extra campo, será o clima gelado que encontraremos em Kiev e o ambiente infernal criado pelos adeptos do Fenerbace.

Será fundamental vencer todos os jogos em casa ou no pior dos cenários, vencer 2 e empatar com Arsenal.

Apesar do sorteio, temos que assumir somos o F. C. Porto, 2 vezes campeões da Europa e seja com plantel mais forte ou mais fraco: com Quaresma ou Mariano, com Assunção ou Tomás Costa, com Bosingwa ou Sapunaru, quando aquela camisola azul e branca ás riscas entra em qualquer campo do mundo é para ganhar e é para impor respeito. Obviamente que se não passarmos a fase de grupos será um fracasso. Não nos contentamos com 3ºs lugares, prémios de consolação, nem inventamos desculpas como outros...

Gostei que o Sporting este ano ficasse no mesmo pote do Porto e que até tivesse mais sorte no sorteio... Já estava farto das desculpas de Paulo Bento para os insucessos na Champions... Já não pode dizer que a culpa é de estar no pote 3. Este ano saiu-lhe a sorte grande. O grupo mais fácil . Não há desculpas.

Pena que ao Chelsea não lhe tenha saído para além da Roma, o Zenit e o Atlético de Madrid. Era o que desejava para Scolari... Mais uma vez a sorte esteve com ele, mas na champions não bastará pôr os jogadores a ouvir Roberto Leal e veremos o que vale Scolari como treinador de facto e não como alguém que aproveita o trabalho dos clubes... ele que tanto gosta de provocar o Porto e o Mourinho mas sempre aproveita o trabalho dos dois... No euro 2004 foi a base do Porto de Mourinho que o safou na fase de aperto e em que ele teve que dar o braço a torcer para não ser eliminado logo na fase de grupos... Agora vai herdar a estrutura e a equipa que Mourinho construiu e ensinou a ganhar. E quem foi ele contratar para reforçar o já de si fortíssimo plantel do Chelsea??? Bosingwa e Deco, ex jogadores do F. C. Porto... Já para não falar do Carvalho e Paulo Ferreira... Para quem dizia que o Porto ficava lá longe e que por isso não ia ver jogos do clube...

Que comece a Champions e se diferenciem os fortes dos fracos. Que o F. C. Porto prove mais uma vez que com mais sorte ou menos sorte, o nosso lugar é estar todos os anos entre os melhores clubes da Europa.

12 setembro 2008

Foot-ball Club do Porto


A gente abre a revista Dragões e lê:
- A revolução do Dragon Force
- Vitalis Park é a casa-mãe do Dragon Force
- passando a marca a assumir a condição de Main Sponsor azul e branca
- UEFA
Champions League
- o coordenador de Scouting
- 120 agarraram o
Dragon Dream
- temos as Business Companies, as Executive companies, as Season Vip companies, Platinium sponsors e Gold Sponsors
- pedem-nos para renovar o
Dragon Seat

Vamos a fcporto.pt e temos a área de Investor Relations.

Nos jogos da liga dos campeões os ecrãs no estádio informam-nos dos goals, shots on goal, fouls committed, ...

Se quisermos telefonar podemos utilizar o Dragão
mobile.

Temos uma
racing team para Superleague Formula.

Sim eu sei que coisa e tal, o inglês é que está a dar, somos um clube do mundo (aliás o maior clube do mundo!), que as nossas origens tiveram inspiração inglesa, que a Constituição ainda ostenta na frontaria o Foot-ball Club do Porto, mas o que é demais é moléstia. Dá para respeitar, mais um bocadinho, a nossa língua? Obrigado.

Ah! é verdade! e temos
uma versão em inglês do sítio fcporto.pt que é de uma pobreza franciscana.

João Saraiva in Reflexão Portista

10 setembro 2008

O Dia Seguinte


O dia seguinte é um programa de entretenimento. Para quem não acompanha é um programa que tem por objectivo falar de tudo menos de futebol, e em que os comentadores vão para lá receber o cheque mas não para falar de futebol de facto, porque desse eles entendem pouco e muitos nem os jogos vêm antes de ir para lá…

O último Dia Seguinte levantou grande celeuma por causa de um vídeo…ou melhor, dvd, o Benfica adopta as novas tecnologias desde que enviou um ao ministro que a enviou pela janela… Mas o Benfica tem um bom stock, por isso logo arranjou outro, já não o envia é a ninguém minimamente com dois dedos de testa com medo que da próxima vez, em vez de ele voar pela janela é atirado à cabeça de quem o leva..

Fernando Seara. Autarca. Eu se fosse de Sintra ficaria preocupado como o autarca local tem tempo para ler: a bola, record, ojogo, france football, cock sportif, marca, as, e ainda uma série de livros internacionais sobre posicionamento das câmaras nos jogos de futebol e ainda visionar dvds que o Benfica lhe manda… Eu apenas sou estudante e já para mim ler OJjgo e ler o portistas é cada vez mais difícil por efectiva falta de tempo…quanto mais se fosse o máximo responsável por Sintra…

O Fernando Seara é neste programa a extensão de LFV e sua direcção…Não foi por acaso que aquando das eleições quando todos os benfiquistas pediam Seara, viu-se Seara selar o pacto com LFV e o apoiar… Sabia que ser presidente do Benfica poderia matar as suas ambições políticas e sujeitar-se-ia a pressões que a sua oratória não resolveria…

Na segunda-feira Fernando Seara apenas provou aquilo que já há muito tempo sabíamos. que ele era no "Dia Seguinte"... A voz oficial do Benfica, e aquele que manda as mensagens necessárias para dentro e para fora do clube e que diz aquilo que LFV e seus pares não podem dizer pelas funções que ocupam e com a audiência regular das 2ª feiras á noite.

Lembrem-se de Seara e de como a opinião sobre Camacho mudou radicalmente e como o começou a atacar, logo ele que o defendia sempre tudo a que lhe dizia respeito... Reparem como ele sabe sempre como, quem e quando vai acontecer tudo a que do Benfica diz respeito… E quando ocasionalmente é surpreendido por algo de que não estava à espera ele sempre afirma com convicção… “na próxima 2ª trago a explicação pra tudo o que se passou”. E porquê? LFV já lhe estava a fazer a cama e esperava que Seara a preparasse e influenciasse o pensamento dos benfiquistas...

LFV não sabe só de pneus…Sabe cada vez mais que não basta ter lugares na Liga, que não basta pagar a alternadeiras, não basta repetir na televisão mil vezes a mesma coisa, não basta “fazer as coisas por outro lado“ quando compete com o F. C. Porto que está habituado e cresceu ao longo da sua história habituado a lutar contra tudo e todos, que cresceu habituado a começar a perder 1-0 mal passava a ponte…

É um clube que pela sua história e cultura desde cedo aprendeu a não se lamuriar pelas dificuldades… aprendeu a que neste país não basta ser melhor, é preciso ser muito melhor e talvez por isso seja ainda dos poucos símbolos que existe na cada vez mais empobrecida( em termos latos) cidade do Porto.

LFV, percebeu a importância da comunicação…ou então alguém percebeu por ele. Da mesma maneira que ele tem que lhe ajeite o nó da gravata, alguém lhe deverá ter dito a importância de ter alguém estrategicamente colocado num programa de opinião que passe a mensagem que o clube quer passar mas não pode… É isso que tem sido a missão de Fernando Seara desde que LFV chegou ao poder. Um nobre e digno mensageiro, um fiel escudeiro de LFV e a sua trupe..

Isto foi importantíssimo… Porquê? Porque assim é uma forma de tornear a suspensão do presidente do Benfica e também é forma de o poupar a papeis ridículos que só menorizam o cargo do presidente do Benfica como a invasão de estúdios de televisão… Agora o levar de uma cassete fornecida pelo próprio Benfica é basicamente uma forma mais sofisticada de invadir estúdios de televisão... Dou os parabéns ao LFV, ganhou um pouco mais de classe. Agora ao invés de invadir estúdios, envia vídeos pelo seu assistente.

O Fernando Seara é de todos os que lá estão o que leva a lição mais bem estudada... Quando o assunto é atacar o Porto ele ironiza, ele acusa, ele faz de tudo. Quando é do Benfica que se trata a critica....bem aí ele leva literatura estrangeira, fala do contexto sócio-económico-cultural mundial e que é "preciso analisar e estudar estes temas em termos globais" etc etc etc...

Depois quando das poucas vezes que o Guilherme Aguiar e o Dias Ferreira lhe acertam bem, ele aí não deixa ninguém falar e demonstra uma péssima postura falando por cima de toda a gente, como aquela criança que tapa os ouvidos e começa aos berros porque não quer ouvir o que não lhe interessa...

O Aguiar é que tem culpa de se preocupar mais em falar da Liga e do seu tempo na liga ( mais de 80% da sua participação é sobre a liga e comparando ao seu tempo) do que em defender o clube e de ir para lá documentado para defender o clube como fazia o Pôncio Monteiro e o seu famoso arquivo.

Aliás eu proponho que o Doutor Guilherme Aguiar se mantenha no programa, mas como comentador oficial da Liga de Clubes e de tudo o que ela faz ou decide e depois arranjava-se um que de facto fosse comentador afecto a defender o F. C. Porto como o são o Dias Ferreira no seu jeito algo truculento em relação ao Sporting e o Fernando Seara com especiais regalias em relação ao Benfica.

No último programa Guilherme Aguiar esteve, no entanto, bem ao dizer :"isto agora é assim? Agora vale trazer cassetes?" E o jornalista da sic, tal como o que aceitou uma invasão de estúdio de LFV, engoliu em seco e fez de conta...

Vindo de quem andou o programa inteiro a defender a igualdade de tratamento de todos, não me parece igualdade de tratamento uns levarem cassetes ainda para mais oficiais do clube e outros não.

Supostamente aquele programa serve para ouvirmos a opinião de simples adeptos de Porto, Benfica e Sporting e não de representantes oficias dos clubes, porque aí façam igual para todos e coloquem lá também gente ligada ao F.C. Porto e ao Sporting e não simples adeptos que não levam mensagens do seu clube mas apenas a sua opinião. Seara há anos que se serve do programa como um canal privilegiado de comunicação interna e externa do Benfica...

Se o Pinto da Costa desce a um balneário nem que seja para pedir desculpas é o fim do Mundo... O LFV faz o mesmo e ele diz que isso não tem importância... Os sumaríssimos afectam a igualdade de tratamento dos clubes, mas quando é o Bruno Alves a fazer uma entrada dura aí é uma vergonha não haver sumaríssimo... E o Aguiar mais anjinho é, porque ainda vem falar da conduta impecável do Nuno Gomes e quase deixa escapar que ele fez uma entrada assassina para vermelho... Ele aligeirou para alaranjado...

Sobre o vídeo em si, que o Benfica mandou o Seara levar para o programa...Nem sei porque se dá importância, dá-me vontade de rir... Aquilo foi uma agressão????? Semelhante à cotovelada do Luisão..??? Quando diziam que a entrada de Nuno Gomes foi para laranja e não vermelho???
De horas e horas de visionamento exaustivo de tudo e mais alguma coisa para pegarem com o F. C. Porto o melhor que arranjaram foi: dois delegados da liga que foram com o Pinto da Costa até ao camarote e uma camara interna do clube que a kms de distância demonstra uma simples picardía entre Nuno Gomes e Rodriguez…? Devo lembrar que os critérios dos sumaríssimos são claros e passam: pelo não visionamento do lance pelo árbitro, mas não só, passa também por uma situação em que se coloque em causa a integridade física do atleta... Ora não me parece que aquela picardía e aquele toquezinho (se é que houve) do Rodriguez coloque em risco a integridade física do Nuno Gomes... Isto comparado a uma cotovelada... Bem, se calhar agora vão chamar o médico do Benfica para provar que uma coceguinha no pé pode dar lugar a uma lesão gravíssima... E aí teremos centenas de sumaríssimos por jogo...

Não se deve dar tanta importância a tudo isto…,eu vejo o programa mais numa de diversão... Ver o Seara, como ele estrebucha quando tem que defender LFV e os seus, e quando o Aguiar que por acaso até fez os regulamentos da Liga, afirma que pela interpretação do Ricardo Costa podia se tratar ali de situação de coacção, aí o Seara berra, fala por cima e até aperta mesmo o pescoço ao Aguiar para que ele se cale e entra numa de humorista e lembra que ele até era de Gaia...Tudo para que não se fale do tema da coacção que era aquele em que ele não podia fugir... Sim senhor Seara, um venenoso mestre da comunicação e dos “mecanismos” e “fenómenos” (duas palavras que ele gosta de utilizar muito) de falar durante muito tempo sem dizer nada quando antevê que algo do seu clube se falará e ao mesmo tempo sempre venenoso e incisivo quando se trata de atacar os outros e com as suas meias palavras para que não possa responder pelo que diz nem comprometer-se a si e ao seu clube…

Obviamente que a invasão do Diabo de Gaia não se tratava de coacção, mas para quem condenou o Boavista por descidas do Valentim ao balneário do árbitro... e agora acha que não há problema nenhum em o presidente suspenso do Benfica fazê-lo... Para quem considera que o Boavista mereceu a descida de divisão e interpretou os regulamentos de uma forma parcial para condenar o Boavista e de forma bastante protectora em relação ao Benfica…

A questão dos árbitros essa foi tratada… E obviamente que a sua coragem ao não parar o jogo e assim poder dar origem a uma condenação pesada ao Benfica será pagada com juros… Até ao balneário desceram para o agradecer pela coragem…

Se fosse no Dragão era um cobarde que estava feito com o Pinto da Costa e que não parou o jogo para que o F. C. Porto não fosse prejudicado, tal como o Gonçalves Pereira terminou a reunião do CJ para beneficiar o Porto mas, os restantes membros não a continuaram apenas até ao ponto da condenação de Pinto da Costa e Boavista porque queriam beneficiar o Benfica…

Como sabemos o que LFV disse ao árbitro, e como sabemos que não o poderá ter coagido com a sua atitude e palavras para que fosse brando no relatório…? É que isso dá segundo os regulamentos da liga direito a pelo menos investigação e inquérito para saber se não se tratou de coacção sobre a equipa de arbitragem que pode não se verificar apenas durante ou antes do jogo, mas também depois, aquando do momento do árbitro escrever o relatório…

Porque não se investiga isso?

Ninguém ainda me explicou foi onde estavam os delegados da liga para deixar alguém entrar no balneário do árbitro sendo algo absolutamente proibido esteja o presidente suspenso ou não... É verdade eles estavam a prestar subserviência ao acompanhar Pinto da Costa á tribuna presidencial... Ou estariam antes preocupados a ver que caminhos percorria Pinto da Costa, para terem as facas bem afiadas na comissão disciplinar da liga caso ele desse um passo em falso...? Onde sobravam delegados da liga na bancada presidencial, faltavam onde eles deviam mesmo estar, no balneário dos árbitros...

Mas vivemos em Portugal... e como disse e bem o Guilherme Aguiar... Se LFV e o Benfica já pediram desculpas, pronto, já está o caso resolvido não há nada a fazer…

Inteligente por parte do Benfica, pois com o apoio da comunicação social com essa imagenzinha a lupa de uma coceguinha do Rodriguez no Nuno Gomes conseguiram desviar as atenções daquilo que efectivamente importava... que era de um adepto ter invadido o campo e agredido um árbitro, com a comissão disciplinar da liga a resolver a questão com uma simples multa...

Ao invés de se criticarem os regulamentos, ao invés de se criticar a Liga como quando o F. C. Porto perdeu os 6 pontos e muitos desejavam mais... agora discute-se é se o Rodriguez com aquele toquezinho visto ao microscópio agrediu ao não o Nuno Gomes...

O Rolando abriu o sobrolho com o cotovelo do Cardozo... Cardozo que já no ano passado sentiu a diferença entre dar cotoveladas na liga portuguesa em que não acontece nada e na Uefa aonde é logo expulso...? Já que estamos nesta brincadeira de ver quem envia mais imagens, que tal enviar a imagem que prova que um sobrolho não se abre sozinho... Muito menos quando se salta com um jogador que tem historial em gostar de jogar muito com os cotovelos...

Doutor Seara, esta fica para você citar no dia seguinte, podemos chamar isto de "mecanismos e fenómenos de manobras de diversão para distracção das massas"... Tem a palavra mecanismos e fenómenos que o doutor tanto gosta e tudo... Veja lá se há algum autor francês que tenha feito alguma tese sobre o tema...

Estou a gostar... faz lembrar os tempos dos "Donos da Bola" e estas pessoas não se apercebem que quanto mais nos atacam, quanto mais difícil nos fazem o caminho mais nós superamos os nossos próprios limites e nossas próprias forças... Isto só nos faz mais fortes, continuem por favor. Isto só me dá mais confiança que este ano, mesmo com alguns negócios mal calculados e algumas perdas importantes no plantel, mesmo com os rivais ligeiramente mais fortes, mesmo assim teremos o tão ambicionado tetra. Porque o nosso clube é muito mais que a soma das individualidades, é muito mais que o 4-4-2 losango, ou o 4-3-3 e está acima de sumaríssimos, pareceres e opiniões de platinis... Somos o F. C. Porto, o clube da cidade invicta, o que já de si diz muita coisa. Nada disto nos destroi ou minimiza, só reforça a chama do Dragão... Os adversários que se preparem para saírem chamuscados dela... No sítio certo, não na sede da liga, não no balneário de nenhum árbitro ou por detrás de um painel de um programa de televisão qualquer... serão derrotados. Serão derrotados onde sempre foram e devem ser... onde se fazem campeões e onde se conquista a glória... no campo.

Preparem-se, a resposta do F. C. Porto seguirá num campo próximo de vocês seja em Portugal ou por esta Europa fora...

09 setembro 2008

Platini


«Não tem lógica o F.C. Porto estar qualificado para a Champions, eu luto contra a batota, contra a corrupção e, se for provado que isso existiu, então vamos castigar»

É tempo de uma reacção forte por parte do clube contra Platini.

Estou farto deste político do futebol e da sua capa de defensor da ética para atacar o nosso clube. Se no dicionário necessitasse de um sinónimo ou exemplo de hipocrisia colocaria lá o nome deste senhor francês…

Devíamos exigir um comunicado oficial do clube repudiando este senhor e já agora fazendo alusão a que a Juventus de Platini, é o único clube nesta champions a par do Marselha efectivamente condenada por corrupção activa e não o F. C. Porto.

Porque o senhor Platini não lamenta a participação da Juventus?

Porque o senhor Platini não nos fala de como é que a Juventus ganhava campeonatos no seu tempo?

Porque não nos conta como a Juventus ganhou uma liga italiana ao Napoles de Maradona após um jogo dos mais escandalosos da história do futebol italiano em que Maradona é ceifado o jogo todo e no final ainda o atropelam dentro da área nas barbas do árbitro...?

Porque o senhor Platini não nos fala como ganhou a Taça das Taças contra o Porto?

Não podemos admitir que um Platini qualquer venha sujar o nosso nome, ainda para mais uma pessoa que não pode falar em corrupção porque jogou e fez nome no clube mais corrupto do futebol italiano como a história recente comprova.

Só tenho pena que apenas os jornalistas do regime façam perguntas ao senhor Platini...

Gostava que um dia um jornalista sem ser dos do regime perguntasse ao senhor Platini porque ataca o Porto que ainda nem condenado por corrupção foi,-e se for-, será por tentativa e não corrupção activa,-e não condena a Juventus que foi condenada por corrupção activa, desceu de divisão e mesmo após a descida continuam a sair histórias cá para fora muito pouco abonatórias em relação á Juve...

Não é desculpa o facto de dizer que a Juventus já não foi um ano á champions e que por isso já cumpriu seu castigo… A Juventus não foi á champions esse ano porque desceu de divisão.

Na interpretação do dúbio regulamento da Uefa, se aceitarmos que se pode retroagir a aplicação das suas normas para uns, teremos que retroagir para todos. Este ano foi o 1º a que a Juve após a condenação por corrupção se candidatou á participação na Champions e não vi nenhum inquérito feito para saber se a Juventus cumpria ou não com os requisitos legais…

Será porque foi na Juventus que Platini se distinguiu como o melhor jogador da sua época...? Custa-lhe admitir que pelos argumentos que utiliza para o Porto, todos os trofeus individuais e colectivos que conquistou na época foram imerecidos...?

Não me espantaria que perante esta sumidade da ética e do nojo e repulsa que manifesta pela mentira desportiva e pela corrupção, o presidente da Uefa irá de seguida entregar as 3 bolas de ouro consecutivas que conquistou enquanto jogador… Afinal falamos de alguém que não admite mentira no desporto… 3 bolas de ouro conquistadas num clube corrupto foram também uma falsidade. Espero que ele as entregue á France Football. É o mínimo perante a ética em forma de pessoa.

Será que não gosta de falar da Juventus, porque foi lá que desde cedo Platini estabeleceu a rede de influências que o fez escalar no futebol europeu em termos políticos até presidente da Uefa...?

Porventura o senhor Platini prefere falar do F. C. Porto para não ter que dar explicações aos pequenos países que nele votaram para presidente da Uefa, enganados pela promessa de Platini de presença de mais clubes desses pequenos países e menos das grandes ligas na liga milionária… algo que ate ao momento não se verificou nem se vai verificar.

O senhor Platini esquece-se que a Uefa não é ele.

Ele não é do comité de disciplina e este tipo de pressão que faz sobre os orgãos de disciplina afecta gravemente o princípio da separação de poderes que deve imperar e aindependência dos orgãos disciplinares relativamente ao presidente da Uefa.

Mas não me surpreende… Este senhor está habituado se calhar á escola da Juventus esse sim um clube sério.

Como este homem pode pedir seriedade e verdade, sendo ele próprio que tenta influenciar por todos os meios pessoas e órgãos que devem ser independentes em relação a ele…? Estivesse ele em Portugal e já andava há 2 anos sob escuta e estava a ser acusaso por trafico de influências… Este não fala em código, este diz com todas as letras o que quer e pressiona á frente das câmaras.

O senhor Platini esquece-se que a Uefa são os clubes, os grandes, os que lhe dão o dinheiro para ele lá estar e que faz da Uefa uma galinha dos ovos de ouro.

E os grandes clubes já demonstraram de forma inequívoca o seu apoio ao F. C. Porto.

O F.C. Porto não tem que ter medo do senhor presidente da Uefa, nem se deve preocupar com ele. Mas o senhor Platini devia pensar duas vezes antes de afrontar de forma parcial e persecutória um clube da dimensão mundial e com o peso no aparecimento do G14 como o F. C. Porto.

Tento na língua senhor Platini, nunca ouviu dizer que quem tem telhados de vidro não deve atirar pedras...?

O que me entristece é que este ano mais do que nunca por causa de Platinis, o F. C. Porto devia ter investido mais que nunca no plantel para brilhar na Champions e lutar para fazer a surpresa de 2004 e assim calar todas estas vozes e deixa-los incomodados ao ter que admitir a superioridade do nosso clube.

Teriam que entregar o troféu ao clube que queriam expulsar da competição à semelhança do que tiveram que fazer com o Milan há dois anos atrás...

Mais do que nunca,,mais até do que ganhar a liga, a champions deveria ser o grande objectivo do ano.

Ao invés disso o investimento foi curto e ao invés de reforçarmos ainda a estrutura do ano passado, perdemos 3 grandes jogadores e não os substituímos á altura e ainda gastamos dinheiro desnecessário noutros.

Não se achou importante fazer um grande investimento este ano para calar tudo e todos na Champions.

Com o plantel existente, só podemos exigir os oitavos de final e nada mais. Uma pena.

Se no ano passado podíamos exigir mais na champions a Jesualdo, este ano não lhe deram as mais valias, os jogadores necessários para triunfar na Champions, jogadores de créditos firmados e com experiência no futebol de alta competição...Jogadores que chegem para serem titulares indiscutíveis e que trouxessem já uma bagagem competitiva suficiente para se adaptarem o mais rápido possível ao ritmo que iremos encontrar na champions.

Apelemos então ao espírito de sacrifício de todos,e que mais do que nunca, mostremos a toda a Europa o que é o F. C. Porto e que o nosso legado e a nossa história é bem mais digna e gloriosa que o senhor Platini e as suas ridículas declarações.