06 março 2010

Empate não esconde exibição paupérrima

FCPORTO 2 - 2 OLHANENSE
Marcadores:Falcao ( 81´) e Guarin ( 94´): Djalmir ( 13´e 16´)


Equipa
: Helton; Miguel Lopes, Maicon, Bruno Alves e Alvaro Pereira; Tomás Costa, Ruben Micael e Belluschi; Mariano, Falcao e Rodriguez
Substituições: Tomás Costa por Varela (39m), Miguel Lopes por Valeri (64m) e Ruben Micael por Guarín (78m)

Se caso houvessem dúvidas, o resultado frente ao Olhanense, tratou de as dissipar: o FCPorto está fora da rota do título. E o plantel já tem a noção disso, embora não queiram transparecer cá para fora, quando são abordados pela comunicação social. A atitude demasiada desmotivada de alguns jogadores só leva a concluir que eles já deitaram a toalha ao chão, e que a derrota em Alvalade deixou bastantes mossas no balneário portista.

Com destaque para o capitão, uma figura que, neste clube e noutros tempos, sempre foi o último a abandonar o barco e o primeiro da dar o peito às balas, ora Bruno Alves nunca foi ao árbitro protestar pelas suas decisões, até pela decisão de ter levado um cartão amarelo num lance onde ele próprio é carregado, sendo a imagem de quase toda uma equipa que não tem forças para erguer a cabeça e para lutar contra as adversidades que os jogos lhes colocam, além de ter tido sempre uma atitude demasiada passiva com os seus colegas.

A equipa técnica, conjuntamente com a direcção, algo terá que fazer porque, apesar do campeonato estar completamente perdido, o FCPorto ainda está envolvido em 3 competições e ainda está a tempo de ter uma época aceitável, sendo necessário evitar o descalabro e acabar o resto do campeonato que falta com dignidade.

O golo de empate, marcado por Guarin, aos 94 minutos não apaga a paupérrima exibição, mais uma num espaço de uma semana, e naquilo que o FCPorto não fez durante toda a partida.

Apesar de ter começado com uma oportunidade de golo falhado por Falcao, quando o FCPorto se apercebeu já tinham dois golos de desvantagem, a partir daí a equipa sentiu-se completamente perdida em campo, a bola queimava nos pés de alguns jogadores e a equipa também começava a desperdiçar alguns golos.

Na segunda parte, a imagem dada pela equipa foi a mesma, passes completamente disparatados, jogadores que não eram agressivos, o Olhanense limitava-se a defender mas não era necessário correr muito, a equipa portista não punha velocidade nas suas acções ofensivas, por isso os homens de Olhão limitavam-se a tapar os caminhos da sua baliza sem necessário andar atrás da bola.

O FCPorto consegue nos últimos 10 minutos, dois golos fruto da insistência dos seus jogadores, Falcao mais uma vez demonstrou que é das contratações mais certeiras desta época, o colombiano até quase na defesa veio recuperar bolas, mas apesar dessa recuperação não se pode esconder o mau momento que a equipa continua a estar.

Agora segue-se o Arsenal, com esta atitude e motivação perdedora o FCPorto não vai a lado nenhum, por isso é necessário que isto mude, e o mais depressa possível porque a honra e o nome europeu do FCPorto vale mais do aquilo que nos últimos dois jogos a equipa mostrou.




24 comentários:

  1. Após assistir a esta pouca vergonha, nem tinha muita vontade de escrever sobre este jogo, mas cá vai: era importante voltar a seguir o rumo das vitórias, após a derrota em Alvalade. Apesar disso esse triunfo não se verificou esta tarde no Dragão, e o resultado começou-se a desenhar bem cedo com dois golos do Olhanense logo de entrada, que deixou todos os adeptos presentes num claro estado de frustração e indignação por o que se estava a passar.

    No 1º golo do FC.Porto, há uma clara falta de marcação e o golo do Djalmir deixa algumas dúvidas, se é com a mão ou com o braço, dou o beneficio da dúvida ao árbitro Cosme Machado.
    O 2º golo entrou pouco tempo depois e começou a complicar as coisas e de que maneira.

    O FC.Porto entrou muito mal e em termos ofensivos praticamente não existiu, não sabia o que fazer à bola, demasiados passes errados, demasiadas perdas de bola absurdas e quando chegávamos à área do adversário, não tinhamos ideias nenhumas, era engonhar engonhar, até perder a bola. E para aqueles que diziam que a Olhanense ia abrir as pernas, penso que o jogo de hoje calou muitos criticos (leia-se lampiões).

    Na 2ª parte, o FCPorto reagiu melhor e pode-se queixar da falta de sorte que teve: duas bolas ao ferro da nos dez minutos finais, a equipa azul e branca conseguiu fazer os dois golos por intermédio de Falcao e Guarin, assegurando assim um empate que soube a muito muito pouco, praticamente uma derrota. O Fernando faz mesmo muita falta...

    Há jogadores do FCPorto que não merecem vestir aquela camisola... Olhamos para os nossos jogadores que estão emprestados ao Olhanense, e concluímos que podiam ajudar e muito a nossa equipa, mas parece que continuamos a insistir em argentinos de valor desconhecido, em vez de apostar na prata da casa, só que isso já é outra conversa.

    Resumidamente, foi mais um jogo que os Dragões nos têm vindo a habituar ao longo da época, um pobre espectáculo de futebol, e coitadas das nossas mulheres portistas, que muitas devem ter ido pela primeira vez ao estádio, pelo facto de terem entrada gratuita e foram "massacradas" com aquele medíocre espectáculo, que em nada dignificou o bom futebol e o Porto.

    Que venha agora o Arsenal, e que seja o que Deus quiser...
    Contra os canhões marcar, marcar! Um Dragão não se rende!

    ResponderEliminar
  2. É isso, quando se está em baixo nem se protesta com o árbitro.

    A equipa já tinha entregue a sua alma em Alvalade. Agora, sem pingo de decência, os reflexos irão sentir-se nas outras competições, pois em vez de aguçarem sede de outras conquistas afundam-se numa mediocridade que ressalta a fraca qualidade de vários jogadores.

    Uns são conhecidos, o Tomás inenarrável Costa. Aquele passe para M. Lopes à direita que foi para fora já tinha acontecido no Restelo para a Taça. Jogador a pssar para trás e mal não é jogador.

    Outros são irreconhecíveis, o Rodriguez está uma lástima apesar de jogar esbaforido mas não lhe sai uma jogada de jeito e não lhe tem faltado força, só discernimento.

    Outros são surpresa, o Belluschi é tecnicamente dotado, mas de uma leveza de pluma que não se aguenta e perde bolas, falha passes fáceis, não catapulta, só retém e refreia o jogo.

    Outros são novidade, o Valeri continua a jogar a passo, não desenvolve, não pode fazer um pique com medo de se romper todo.

    Outros comprovam o que não valem, o Miguel Lopes não aproveita, está cansado e só mostra que não tem estaleca para saltar do Rio Ave, como muitos jogadores não têm categoria para sair de clubes pequenos para um grande e por isso a grande maioria que tem essa oportunidade fraqueja de uma forma retumbante e até chocante.

    E agora teima-se em pôr o Ruben Micael sempre e ele está de rastos, quer jogar mas não pode, a cada jogo perde fulgoir físico e neste não o pouparam para o jogo no Arsenal.

    Nada de novo, em relação ao que se viu há uma semana e isso sim foi novidade. Pelo que, até final, pesarosamente, vão mostrar-se todos os defeitos que um conjunto unido e motivado sabe esconder e tornar-se mais forte do que a soma das suas unidades. Neste caso, vão parecer-nos sempre cada vez piores do que alguma vez os vimos ou imaginamos.

    E isso é péssimo para as outras competições como disse.

    ResponderEliminar
  3. Este jogo, contudo, merece outras reflexões.

    A qualidade do jogo defrada-se a olhos vistos, e não só no tocante ao FC Porto.

    O Olhanense marcou dois golos em duas descidas à baliza, pouco mais ameaçou Helton e jogou para passar tempo, jogadores no chão, outra vez a maca, simulações, demora irritante nas substituições, nas reposições de bola, ajeita mais um bocadinho, demora outro tanto. No fim não ganharam como esperavam, porque demitiram-se de jogar e, com tristes figuras um pouco por todo o campo, não mostraram nem uma boa equipa nem bons jogadores.

    O árbitro é um imbecil que só fará, como muitos outros, mais infeliz a qualidade do jogo. Ninguém vai a um estádio para ver um árbitro e eles não entendem isso. Cospe Machado é mau e nunca melhorará. Depois de várias vezes a marcar falta contra um portista em compita com dois adversários, levantei-me e saí. Tem sido recorrente comigo, não suporto árbitros que dão amarelos a uns e não a outros por faltas antidesportivas e marcam faltas em inferioridade numérica especialmente sendo jogadores do FC POrto.

    Mas como a equipa não tem convicção, não joga, não protesta, afunda-se em campo o que nos gabinetes não se assume e as bancadas definham também sem capacidade para protestar.

    ResponderEliminar
  4. Apesar de tudo, um mau jogo com muitos golos e mais um empate em casa desta vez não com golo mal anulado de forma clara, mas ainda um golo anulado, numa bola cruzada de Bruno Alves que não sei se saiu ou não... Mas há um derrube a R. Micael após Falcao rematar ao poste e os árbitros que amiúde descobrem faltas na cabeça de um tinhoso, às vezes fazem vista grossa a lances evidentes de infracção. Este desgraçado nem a desculpa tem de o cabeço (inexistente) lhe perturbar a visão. É, sim, um perturbado por natureza, mas é da estirpe de árbitros à portuguesa, de merda, que temos e todos se contentam com isso.

    ResponderEliminar
  5. O JF pode perceber muito de futebol, mas a justificações que ele dá para os desaires são simplesmente confrangedores, acho-os até um insulto, o sujeito sacode a água do capote como não fosse ele tambêm um dos causadores do descalabro, os culpados da má época têm que assumir a responsabilidade.

    ResponderEliminar
  6. Uma entrada em jogo preocupante. Mais uma. Uma defesa desgovernada, um meio campo só com um jogador com qualidade para ser titular no FC Porto e um ataque entregue a Falcao com zero de criatividade e rasgo nas alas.
    A Olhanense entrou bem, aproveitou os brindes e fechou-se. Não esteve em cima do FC Porto os 90mins, nem poderia por limitações físicas. Uma equipa com alguns jogadores de qualidade, que em nada ficam atrás de muitos do nosso plantel.
    Mais bolas nos ferros e mais uma arbitragem manhosa. Reduzir o nosso empate a isso é alienação.

    Helton – Um espectador. Fez bem o seu trabalho. No segundo golo, um Gr de outro nível teria parado aquela bola.

    M. Lopes – Um jogo em que denunciou todas as suas dificuldades defensivas. É um jogador de qualidade, mas que precisa de muito trabalho. Disto isto, no primeiro golo não tem culpa alguma. O lance desenrola-se pela esquerda do ataque da Olhanense, os centrais derivam para esse lado e ele fecha ao meio (e muito bem!). Aliás, no momento do cruzamento é ele que está a marcar o Djalmir (os centrais?)…e quando vê que a bola vai para o Paulo Sérgio ainda tenta acorrer. Como sai da marcação ao Djalmir, este fica só para responder à assistência do Paulo Sérgio. Quem falhou? Os centrais que deixaram o Djalmir sempre só e o Mariano que deixou o Paulo Sérgio avançar pela ala. O segundo golo é um tremendo erro seu (não pode arriscar naquele momento, que metesse na ala a quem tem a responsabilidade de criar jogo), acompanhado de uma sofrível tentativa de corte do Maicon.

    Álvaro – Não é de ferro e já começa a sentir nas pernas o esforço. Não tem opção e isso não se pode prolongar no próximo ano. Ainda assim, foi o melhor da defesa e o único que emprestou talento e acutilância às alas até o Varela entrar.

    B. Alves – Mais um ponta de lança que fez dele o que quis. Até o Yazalde molhou a sopa. Não comanda a defesa nem ajuda a posicionar o Maicon. Muito fraco. Frustrado, vingou-se no Ukra.

    Maicon – Tal como o M. Lopes, tem boas qualidades. É um jogador a potenciar, mas não é melhor que o NA Coelho. Nem em termos de talento, nem em termos de “escola”. Tem culpa nos dois golos, mas não pode ser crucificado por isso, pois não teve quem o orienta-se. Jogou do lado do M. Lopes, o que não ajudou. Precisa de trabalhar a abordagem aos lances e o controlo de bola. Repito, não tira o lugar ao NA Coelho.

    T. Costa – Falhou onde menos esperava: no passe curto. É um jogador que não consegue acompanhar o ritmo de jogo, fica pasmo com a velocidade das coisas que passam pela sua zona de acção. Não é trinco e fez o que a sua qualidade permitia. Não é jogador com qualidade para o FC Porto.

    Micael – Jogou sozinho num meio campo amorfo. Levou com o Castro e teve uma luta bonita com este. Não tem culpa da falta de qualidade do meio campo, tentou, lutou…

    Belluschi – É um jogador da bola, não de futebol. Tem lampejos, tem momentos e imensos intervalos. Não acho que alguma vez vá ser o jogador que muitos queriam que fosse. É fazer como o Olympiakos.

    Mariano – Jogou melhor a defesa direito que a extremo ou como interior. Não surpreende. No esforço está lá, no talento muito às vezes. C. Fernandes teve um jogo descansado. Mais uma época de FC Porto?

    Rodríguez – O mesmo de sempre. Luta muita, criatividade zero. Vendável.

    Falcao – Não merece o rendimento que lhe chega das alas. Um senhor jogador tolhido pela mediocridade criativa nos flancos.

    Varela – Não fez um jogo de arromba, mas a única semelhança que tem com os outros alas é a camisola. É o único extremo de classe contínua do FC Porto.

    Valeri – Ainda demasiado intermitente e encostado à direita. Afundou-se num meio campo que não ganhava qualquer bola.

    Guarin – Mais um jogo. E um golo. Já sei que lhe vai dar muitos “créditos”. Mais um que não tem qualidade para esta equipa.

    ResponderEliminar
  7. Tenho pena de não ter visto o Sérgio Oliveira a 6. O rapaz não tem culpa de ter 17 anos, ser júnior e jogar mais que muitos do plantel.


    Quanto aos meninos da Olhanense. Os meus parabéns ao Tenga, porque não é fácil jogar contra aquela máquina de futebol chamada Falcao. Os outros estiveram ao seu nível. O Castro deu consistência ao meio campo, o Ukra mostrou o que é um extremo de categoria , o Ventura provou que tem qualidade para ser Gr do FC Porto (não digo, para já, ser titular) e o Rabiola ainda foi a tempo de chatear o Maicon.
    Só espero que não insinuem nada em relação à Olhanense. Por último, os meus parabéns ao J. Costa, estendeu o cobertor o mais que podia.

    ResponderEliminar
  8. Vai haver muita gente a falar deste e daquele do Olhanense que é do Porto e tem pinta, mas eu não distingui ninguém e da apreciação ao Olhanense e aos jogadores já comentei o que me pareceu justo.

    Achar que uma linha de 4 ou 5 médios, apostando nos magotes para trocar a bola em triangulações com portistas que não pressionam ou fazem-no mal, é das coisas básicas no futebol português, jogar a bola sem sair do sítio.

    Se é disto que pensam que o FC POrto se sevirá no futuro, piores dias virão. Não digo que Castro, que se limitou a marcar R. Micael, e Ukra, pouco visto de resto, não tenham alguma qualidade, mas espessura futebolística para jogar no FC Porto não vi. Já Rabiola pode vir a dar um ponta-de-lança, mas no FC Porto não aparece um Domingos, forte e amparado também, todos os anos, nem em décadas.

    E, por aqui, o futuro não é muito risonho. Bisonho é o modo como, depreciando justamente, os seus jogadores, alguns vão achar que melhoram as coisas apreciando os jogadores dos outros.

    ResponderEliminar
  9. pessimo, horrivel,lamentavel.
    jogamos algo e com o coração nos ultimos 15 mns!!
    poupámos 4 jogadores para o jogo da Champions e deu nisto.
    Não se entende porque não joga o Nuno Coelho e o maicon teve culpa nos 2 golos!
    Para terminar emprestamos o UKRA que eu tenho acompanhado com atenção e que tem grande categoria , mas ficamos com um Mariano que faz um jogo bom e 10 maus!
    Afinal para que servem os nossos olheiros?..para ir buscar uma camioneta de sul americanos!?
    Não auguro nada de bom para terça feira, OXALÁ ME ENGANE!

    ResponderEliminar
  10. " a derrota em Alvalade deixou bastantes moças no balneário portista."

    Normalmente costumam andar noutras paragens :)

    ResponderEliminar
  11. Zé Luis
    Concordo com o teu último comentário.

    Do olhanense, não vi ninguêm que tenha estaleca para pegar de estaca nesta equipa do FCp tirando o S.Oliveira que noutros jogos já demonstrou que pode ser uma mais valia, mas que ficou no banco.

    O problema do FCP é o sistema de jogo que se limita a fazer a bola chegar às laterais, progredindo por essa faixa de terreno até à entrada da área, e consequente cruzamento para o poste mais distante onde por vezes não se encontra ninguêm. As linhas vão ficando para trás após efectuarem o passe, e não acompanham a subida da linha da bola, para fazer pressão aos jogadores adversários.
    Enchendo o meio campo com 5 médios as equipas adversárias do FCP, sabem que nos ressaltos da sua defesa para o meio campo tem mais hipoteses de ganhar a bola porque normalmente só existem 2 jogadores do FCP nessa área, já que um dos outros acompanhou a subida do defesa lateral, e o trinco fica junto à linha do meio campo, porque os nossos defesas centrais não tem corrida para acompanhar pontas de lança velozes. Que falta faz um defesa tipo PEPE.

    O resto é uma confrangedora falta de criatividade para jogar em futebol apoiado, pelo meio campo em toques e progressões curtas, apostando sempre em futebol de correrias estapafurdias sem sentido.

    Outra situação que me causa confusão, é quando os nossos extremos com tempo e espaço para cruzar de primeira, tentam mesmo que não haja razão para isso partir para cima do defesa e só depois de o conseguir fintar, é que procede ao cruzamento.(?)

    Se poderiamos cruzar de primeira porque raio temos que fintar e refintar o defesa voltando novamente à quina da área para cruzar??? Não percebo.

    Mas de futebol de transicções rápidas, percebo pouco.

    ResponderEliminar
  12. Mais uma exibição frustrante com resultado a condizer.

    Parece que a época está completamente comprometida.

    Foi-se o título, o segundo lugar é cada vez mais uma miragem e a continuar com esta performance vamos levar poucas em Londres.

    Ficam as taças, mas até nessas, quem não é capaz de vencer o Olhanense em casa... não poderá ter grandes ambições!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  13. "nao nos podemos desculpar por tuneis ou arbitros, somos todos os anos os mais prejudicados, mas temos sempre força para ganhar!"

    Precisamente.

    O sermos roubados não é novidade desta época, já o fomos nas anteriores e mesmo assim conseguimos dar a volta.
    A equipa este ano não correspondeu, é um facto e a razão principal para a nossa má prestação.

    Obviamente que sem o APITO ENCARNADO os corruptos da 2º circular não teriam a vantagem que tem.
    Mas é nossa obrigação ultrapassar essa ajuda que é dada aos encornados.
    Espero bem que 4º feira a equipa saiba dar a prenda que os adeptos merecem

    ResponderEliminar
  14. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  15. Zé Luis,
    vinha aqui chamar à atenção para o infiltrado mas parece que já fizeste a limpeza

    ResponderEliminar
  16. E no andebol: 28-17 no Marítimo, liderança do campeonato por três pontos e um jogo a menos do que o Belenenses que é 2º.

    Offshore, mas não se deve dizer nada disto. Há meninos aqui que ficam furiosos se se desviam as atenções. Só gostam do futebol e aparecem nas horas más.

    ResponderEliminar
  17. offshore,

    apontar factos da perseguição dos árbitros e dos critérios da comixão xixiplinar não são desculpas, mas factos.

    Enumerá-los não minimiza as culpas próprias. Nem são desculpa, nem podem criar inibição de os mencionar.

    É que discordo sempre neste ponto e alertei para isto desde a 1ª jornada em P. Ferreira.

    Em 4 anos de títulos não foi por ganhar sempre que me inibiu de comentar as asneiras grosseiras dos árbitros. E nunca enjeitei nem a força da equipa para superar esses obstáculos, nem menosprezei o facto de esses erros anti-Porto persistirem, apesar das muitas vitórias.

    ão são desculpas, são factos. Há culpas próprias e sempre também foram escalpelizadas. Porém, há muito medíocre que se julga expert e superior aos demais adeptos e que acha que não se deve falar dos árbitros. Mas estes são parte essencial do jogo e, amiúde, constituem peças fundamentais na feitura dos resultados.

    Para esses palermas, para aqueles que querem encolher os ombros, para quantos desvalorizam que os maus resultados e o mau futebol também são culpa dos árbitros que actuam dolosamente, eu estou a marimbar-me. O jogo, todos os seus intérpretes (fora os ARD's...) merecem reflexão. E sempre a fiz, desempoeirado, objectivo.

    Poderia fazer-se uma longa, longuíssima resenha dos desmandos arbitrais desta época.

    Mas nada como ver e comparar imagens dos jogos do FC Porto e do Benfica e notar, de forma gritante, os critérios de arbitragem nas faltas, nos cartões, na rispidez ou amolecimento com que abordam jogadores de um ou outro clube.

    Esta noite foi mais um. Amarelos por mostrar ou tardiamente mostrados a jogadores do Benfica. Os do Porto levam cartões por faltas cometidas idênticas às que sofrem, como também se viu no sábado.

    São factos. E casos de estudo para se compreender a má arbitragem portuguesa. Que nunca será melhorada se persistir nos mesmos erros de princípio e honradez. Nem será percepcionada por quem quer fazer de conta que nada disto existe, é tudo inventado.

    Nao se pode ganhar sempre, de facto, mas nunca será permitido ganhar mais contra árbitros deste calibre, tão maus e sempre em pior estado por muito que lhes paguem.

    Nunca escondi o que sinto nesta matéria. E conheço árbitros que me conhecem há muitos anos e sabem que pensei sempre desta maneira.

    A forma de os ajudar se fosse boa como têm sugerido tinha-os feito melhores árbitros, mas não são só porque o Benfica, ocasionalmente, não fala deles.

    E há muitos anos defendo árbitros estrangeiros. Parece que o mais interessado na profissionalização, em especial do seu próprio cargo, já admite que possam fazer-se intercâmbios de árbitros na Europa.

    ResponderEliminar
  18. Zé,
    concordo em absoluto com o teu último comentário. Jogar constantemente contra catorze invés de com é para super homens, não para profissionais, por muito bem pagos que sejam.
    Quanto ao jogo, não vi e ainda bem. Parece que devia ir tudo para o banco durante o resto da temporada. Se não aguentam, ao menos que os NACs e os Sérgios ganhem minutos na 1ª liga.

    ResponderEliminar
  19. Zé,
    Mas a verdade é que não vejo o clube a responder, como eu penso que deveria, ao prejuízo que o apito encarnado nos tem causado.
    Pelo contrário, vejo uma passividade que me deixa bastante irritado.
    É óbvio que não vale a pena ir mostrar nada ao CD da Liga, mas há-de haver outras formas de conseguir denunciar esta vilanagem.
    se o orelhas faz as coisas por outro lado, respondemos na mesma moeda.
    Guerra é guerra.

    Ainda esta jornada o Braga foi prejudicado e o objectivo foi alcançado.
    Só não anulam golos e não expulsam jogadores do Sporting porque já estão a 20 pts, se não também não escapavam.

    ResponderEliminar
  20. Ainda há 2 Taças para ganhar (mais a CL, o que é mais difícil) mas penso que é de começar a pensar na próxima época.

    É tempo de apostar nos portugueses.

    Saídas absolutamente necessárias:

    Guarín
    Mariano

    Vendas ou empréstimos:

    Rodríguez
    Tomás Costa
    Farías
    Bruno Alves (é o que dá ficar com gajos contrariados)

    Regressos:

    Ukra
    Castro
    Renteria

    Compras:

    Paulo Machado
    Pizzi
    Maycon
    Cassiano (é isto não é?... aquele gajo do Paços de Ferreira)
    Diego Ângelo (já foi? então aquele tipo do Nacional, português...)
    Lima (do Belém)
    Nuno Assis (não pode ser?)
    Luís Aguiar
    Mossoró

    ResponderEliminar
  21. Queria acrescentar que ou Meireles arrepia caminho ou pode ser vendido/emprestado também.

    Estamos desde o início do campeonato à "espera" de Rodriguez e do Raul. Ainda para mais vemos o Bruno Alves desmotivado nesta fase... devia mesmo ter sido vendido.

    ResponderEliminar
  22. Foda-se!

    Renteria de volta?

    Não aguento, PSN, a auto-estima está assim tão mal?

    ResponderEliminar
  23. Invés do camião de argentinos, agora querem camiões de portugueses...

    ResponderEliminar