09 junho 2010

Diminuíram-se as dúvidas na selecção?

ACTUALIZAÇÃO (11/6): Era escusado, mas o rumor tem pernas para andar em Portugal e foi preciso alguém devidamente credenciado, como se não houvesse mais alguém e na própria Selecção, vir acabar com a polémica. De resto, como admiti, teriam sido normais os testes de prevenção, ainda na Covilhã, pelo que só teria valido a pena dar toda a informação em tempo útil e, quiçá, se os pés de microfone tivessem lucidez para antecipar a coisa e comunicá-la da forma mais normal possível. Deu no que deu, não havia necessidade...
O estranho caso de Nani e a previsível mas inútil chamada de... um jogador do Benfica tanto reclamado...




Talvez por agora a savana africana nos sugerir imagens como esta abaixo não se faça eco das dúvidas que deveriam, mas estranhamente estão ausentes, marcar a saída de Nani da selecção já na África do Sul e, simultaneamente, a sua substituição por Rui Amorim.






Mesmo assim, nos espaços habituais de maledicência, uns atrevidos que dizem gostar de futebol, e percebê-lo ainda melhor, alvitraram que poderia haver fogo por detrás do fumo com que se fez cortina, quase de silêncio e muito de verdades convenientes, à volta de Nani, não só um dos mais promissores jogadores actuais como um dos que poderiam fazer Portugal brilhar no Mundial.




É curioso, porque faz hoje 3 anos que Nuno Assis foi suspenso seis meses por doping. Um jogador do Benfica que foi depois vitimizado e absolvido pela Imprensa do regime, além dos órgãos competentes que pretenderam, e momentaneamente conseguiram, levantar tal suspensão. Os coristas destas cenas tanto repetidas defenderam o jogador, até o secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias, assumir que teria de haver suspensão e obrigou autoridades internacionais na matéria a intervir para se cumprir a pena. Pena foi que, por esse gesto de fair-play e estrito cumprimento de leis, além da imagem necessária a limpar o futebol, Laurentino Dias tenha sido, como responsável da tutela ainda que politicamente incorrecto face ao clube do regime que soltou os mastins para ladrarem em todos os altifalantes, mais vituperado que o infractor dopado e, finalmente, punido.




Amiúde passam-se coisas estranhas na selecção. Eu, de longe, não deixo de cismar. Quim foi afastado por nandrolona, salvo erro, em 2000, lançava-se ele no Braga. Em 2002 foi Kenedy já em Macau, a caminho da Coreia, recambiado por doping. Agora, a pretexto de uma lesão numa clavícula ainda em Lisboa, Nani é considerado inapto, mas convenhamos que muitas explicações são esfarrapadas e centradas em Carlos Queiroz: para que serve o serviço de Imprensa da FPF no local, cujos telefones se "perderam" para contactos essenciais, e especialmente a autoridade do grupo clínico que está na África do Sul?




Não sei se algum intrépido cronista de caserna, nos jornais de hoje, quis ser tão especialista como o João Manha a incriminar Queiroz por ter feito alinhar Ronaldo frente à Hungria, agravando-se uma lesão num pé que motivou paragem do jogador no Real Madrid. Não sou eu a levantar suspeitas, apenas apanho o que li entretanto pela blogosfera avulsa que está mais em cima das coisas da Selecção. Nem sei se JQM se atreverá a questionar, como faz António Boronha, como é que uma simples luxação (aparente) na clavícula pode deixar um jogador inapto para a maior prova da sua vida.




Mas a Selecção guardou a maleita em segredo total - algo que era impensável nos tempos recentes -, os jornalistas presentes nem se aperceberam nos treinos se Nani limitava os movimentos com o braço e ninguém desconfiou de nada, até porque Queiroz reiterou, antes e depois do jogo com os Camarões, que não queria ninguém lesionado e insistiu agora antes de defrontar Moçambique. Mas alguém já andava tocado. E ninguém se apercebeu, ainda que Nani tivesse falhado um último treino em Lisboa.




Entretanto, para adensar as dúvidas, a brigada do mosquito apareceu no campo português no habitual controlo antidoping rotineiro mas de surpresa. Tudo bom para a teoria das suspeições que os tremendistas sempre colocam à selecção quando as coisas não são do seu agrado... Já só falta adensar o mistério e, prevendo que a selecção tenha adoptado, preventivamente, e bem, controlos da sua lavra ainda em Portugal, alguém alvitre, como tem constado, que Nani acusara drogas e sabidos os resultados estaria agora de fora com uma alegada desculpa boazinha...




Centro de muitas atoardas, nem sei porque António Boronha não comentou, no seu blog, um parágrafo que só agora li na revista do Record para o Mundial, da autoria de António Oliveira, decerto a queimar as orelhas de ex-dirigentes e mesmo de directores actuais que estão na África do Sul. Reza assim:


"Sabemos, porque temos memória, que podemos contar com o profissionalismo, empenho e sacrifício dos "grandes" jogadores que compõem a nossa Selecção. E, embora a mesma memória nos deixe apreensivos relativamente a aspectos de direcção e organização, devemos, por agora, imbuídos da esperança de que a irresponsabilidade, inabilidade e incompetência não atinjam as proporções do passado recente, direccionar forças no sentido de apoiar a Selecção".


(nota: eu só escrevo em português recto porque não assumo nenhum acordo pornográfico para alterar a nossa língua comum, algo a que o Record se dispôs fazer eliminando os "c" mudos de várias palavras acima transcritas).




Mas a troca de Nani por Ruben Amorim talvez ainda reduza mais as possibilidades de polémica. Não porque o estreante (na selecção) jogador do Benfica duplique os representantes do campeão na equipa nacional, onde só estava Fábio Coentrão com toda a justiça e utilidade. R. Amorim foi dos mais falados para integrar a lista de uns quantos "seleccionadores de pacotilha" encartados pelo clube da Luz. Os potenciais seleccionadores que há em muitos de nós e chegaram a quantificar os números correctos de defesas, especialmente centrais, médios e avançados nos 23 eleitos para o Mundial devem dar voltas à cabeça como justificar a saída de um avançado por troca com um médio de características menos ofensivas, para não dizer defensivas.




Para não falar, ainda, dos 24 que foram à Covilhã e dos quais Zé Castro, como previsto, foi excluído, porque não se questiona, agora, o que fazer com 22 jogadores no Mundial? Pois, porque R. Amorim só pode ter sido chamado para conter a fúria (opinativa e furibunda, de facto)vermelha tão mal representada na selecção. Porque utilidade será muito diminuta: além de ser apanhado a meio das férias, parece que no Dubai, não tem nem movimentos afinados e muito menos ritmo de jogo, além de estar com níveis físicos muito inferiores aos dos colegas. Não será opção frente à Costa do Marfim já na terça-feira e dificilmente em cinco dias mais, até defrontarmos a Coreia do Norte, estará em condições desejáveis para o segundo jogo no Mundial. Como é inverosímil ser titular frente ao Brasil, a fechar o grupo G, então já ninguém questiona o que lá vai fazer um jogador além de número para completar os 23?




Pois é, é do Benfica e não se fala mais nisso que ainda o presidente anda a contratar um guarda-redes secundário em Madrid para substituir Quim que a malta do costume, dos complôs do "Snob" (conhecido bar lisbonense), quis impor à selecção.




Como ainda não tinha falado da selecção, o resumo até aqui, para mim, foi assim: caldo verde com Cabo Verde, cokctail com os Camarões e "muamba" (bem picante na 2ª parte) com os "Mambas" de Moçambique. Agora com menos um nos 23 e sem Nani que representa muitos, os catastrofistas poderiam sair a terreiro e condenar as muito menos hipóteses de sucesso da Selecção no Mundial. Mas estão calados que nem ratos. Ou a fazer as coisas por outro lado. Até o tempo lhes dar razão e recuperarem velhos factos (fatos para o Record e quejandos) que sustentem as suas oportunas opiniões.

12 comentários:

  1. Ele há coisas estranhas de facto em algumas decisões que agora se tomam. Porquê, conforme diz a troca de um extremo por um jogador mais defensivo?
    A justificação será o adiantar de Fábio Coentrão para a posição de extremo e o recuo de Veloso para defesa esquerdo a par de Duda? Será o de mudar o esquema táctico a 5 dias do primeiro jogo? Será para pedir desculpa pelo Quim?
    Queiroz deveria explicar a situação de uma forma clara ou então dizer que não tem nada a explicar e que o seleccionador é ele. Agora explicações atabalhoadas é que não.
    Esperemos que corra tudo pelo melhor.

    ResponderEliminar
  2. As questões aqui levantadas muitos de nós já as fizemos também. Parece tudo muito mal explicado, por mais óbvio que nos queiram fazer crer, ou, talvez, por isso mesmo. É muito estranho que um atleta com queixas não seja imediatamente sujeito a testes de diagnóstico que, a ser feito, teria sido de imediato conclusivo.
    Ainda mais questionável é, de facto, a chamada do vulgar R. Amorim, ainda por cima veraneante lá para o "quente" Dubai. Mais um polivalente? Extremo direito? Defesa? Ou, como diz o seu treinador, "ter jogado na melhor equipa portuguesa" e, segundo ele, ter feito uma boa época?
    Se tivéssemos em Portugal um jornalismo fiável e imparcial, muito me parece haver para esmiuçar. Assim, tudo continuará mal no "reino na Dinamarca".

    ResponderEliminar
  3. Quanto à lesão do Nani, lá estarão os médicos da FIFA para dissipar as dúvidas.
    Ao que consta no Público, o Amorim já tinha regressado de férias. Mas fico sem saber quem podia ter ido invés dele, uma vez que não deve ser o único em repouso nesta data.

    ResponderEliminar
  4. Quem devia ir em vez de R. Amorim?

    Ora aí é que bate o ponto. Porque, somando-se as várias lesões que acontecem por todo o lado, devia haver mais de 23 em estágio, todos a trabalhar. Os 6 de reserva, por exemplo, pelo menos até chegarem ao local do Mundial. Aí já os reservistas teriam tarimba e nível físico. Assim, o RA não conta para nada.

    Aliás, não faz sentido 3 g.r. na lista final. Porque, mesmo em caso de lesão, pode-se sempre chamar outro, logo podia haver mais um jogador de campo. São apenas pretextos para, com factos reais, se elaborarem as coisas de outra maneira.

    Era a este ponto que queria chegar.

    ResponderEliminar
  5. Agora: quem deveria ir.

    1) alguém com rodagem
    2) alguém com experiência e decisivo, que já tenha jogado na selecção porque... para fazer número qualquer um podia ir e, pronto!, foi um do benfas.
    3) com Quaresma fora de circulação, com Varela lesionado, oh azares dos diabos, só poderia ir Eliseu dos que estavam de reserva.
    4) já há aí figurinhas a corroborar a tese de multidisciplinaridade de CQ, apontando a polivalência de RA para lá estar.
    5) daí que, buscando as características de cada um, já vêem o RA à direita e o Paulo Ferreira à esquerda onde esteve muito mal em 2008 na Suíça, enquanto Duda e F. Coentrão poderiam jogar mais à frente e este último, por fim, a fazer de Nani.
    6) pois, mas sobra a questão de ter-se chamado mais um tipo de feição defensiva, quando muito se contestaou as primeiras escolhas por essa predominância.

    Isto é só para concluir com a imagem da pescadinha de rabo na boca.

    Tanto criticaram CQ nas escolhas que já adoptam a sua ideia-base-filosofia para justificar uma chamada que... não faz muito sentido. Enfim, é como outras passíveis de discussão mais ou menos acalorada e fundamentada mas que não se refere a um títular indiscutível e, portnto, vale o que vale.

    É este o outro ponto onde quero chegar e complementar a minha ideia desde as escolhas iniciais tão criticadas por uns quantos chico-espertos, os do costume.

    But, the last and not the least, sobram dúvidas sobre a lesão e inutilidade de Nani, ai isso sobram mas parece que o nacional-porreirismo não vai mais longe.

    ResponderEliminar
  6. Apaguei o meu comentário anterior porque estava muito mal escrito, e todo atabalhoado.
    Repito que acho que o Nani andou metido em químicos para melhor a definição dos músculos para exibir o corpo em revistas supostamente masculinas e não conseguiram em tempo útil eliminar (ou mascarar) do organismo dele a totalidade dos tais químicos que são ilegais e proibidos em provas de alta competição.

    Quanto ao R Amorim, é realmente uma coisa que não se entende. Não faz o mesmo lugar de quem foi substituir e nem sequer tem uma única internacionalização pela equipa A de Portugal. Também não vejo quem poderia ir em vez dele., agora ele ter sido chamado não sei se foi para agradar aos benfiquistas ou se foi por não haver mais ninguém disponível e se foi só para fazer número mas uma coisa é certa, tem pouquíssimas hipóteses de alguma vez jogar neste Mundial.

    Mas a coisa até é pior que isto, senão vejamos;
    e o Pepe porque é que foi chamado se nem tem ritmo competitivo algum e terá de certeza, nos primeiros jogos que fizer, problemas psicológicos com medo de se lesionar novamente no joelho?
    os tais três guardas-redes que por lesão poderia sempre chamar outro e nunca terá 2 deles no bancos de suplentes nos jogos?
    porque é que o João Pereira (Sporting) foi até pouco antes da convocatória sendo sempre aclamado na comunicação social como sendo um excelente lateral direito e de uns tempos a esta parte ninguém fala dele e termos na selecção dois coxos nessa posição?

    Um bom número de jogadores que estão na selecção em Africa cheiram um pouco a refugo e são umas escolhas estranhas, no minimo.
    Não estou muito interessado na selecção desde que perdemos UMA FINAL EM CASA PARA UMA EQUIPA COMO A GRÉCIA (2004), por isso também não me aflige muito estas estranhas opções e outras estranhas atitudes permissivas e complacentes para com as vedetas da selecção (chegar de helicóptero e jactos privados para se armar em ricos?!) e não me tirará o sono se perderem todos os jogos e se se vierem embora ao fim de uma semana.

    Atenção, não confundir a minha despreocupação com desejo de infelicidade.
    Quer percam tudo quer ganhem a todos, eu só vou ver jogos se puder e me apetecer e não me verão nunca de cachecol ao pescoço ou a discutir afincadamente os jogos e os jogadores e mesmo que ganhem o Mundial nem um viva me ouvirão da minha boca.

    Ganham eles aos 800 euros por dia só na selecção e os pedantes em Portugal é que lhes têm de dar apoio.
    Quer lá eu saber dos meninos riquinhos sem dois dedos de testa.
    Há muito português que pelo mesmo dinheiro que eles ganham (só o da selecção) conseguiriam marcar aos 5 golos por jogo e correr o dobro do que eles correm e ao dobro da velocidade.
    Deixa-los anda-los.

    ResponderEliminar
  7. Quanto a isso, tudo bem. Mas eu é que, sem gostar nada do gajo, e sem saber muito bem quem pode ir, não vejo melhor do que ele. Era só isso.
    Até pode haver, tava curioso.

    ResponderEliminar
  8. O meu pessoal anda todo na lua....

    pensem, pensem, então o homem que anda ás cambalhotas no no jogo contra

    os Camarões, e agora tem problemas de clavícula...........Meus Amigos

    Dóping,Doping....e nestas situações a equipe tem problemas???

    Vai daí o Queiróz não quiz arriscar.

    ResponderEliminar
  9. Replica,

    alegadamente, a lesão foi depois do jogo com os Camarões. Já em Lisboa, no Real Massamá, Nani teria tentado um pontapé de moinho ou de bicicleta - a informação é tão vaga quanto ridícula, porque quem faz um ou outro movimento há tanto tempo dificilmente é concebível que seja desastrado e caia desamparado - e caiu mal sobre o ombro. Esta é a versão oficial.

    ResponderEliminar
  10. Steve, vários problemas.

    Não sei, e custame aceitar, se Nani andou a tomar alguma coisa, para as fotos ou para o rendimento, é pura especulação e eu não queria entrar por aí. Limitei-me a evocar o que por alguns fóruns se adianta e ironizei em algumas coisas, ainda que não esteja disposto a pôr as mãos no fogo por quem quer que seja. Constato o que ouço, leio e o que alguns pensam pode ter ou não verosimilhança para ser aceite, mas há o bom princípio de admitir que algo está mal explicado desde o início, e isso é o mais importante, de forma que é pasto de outras especulações.

    Quanto aos 3 g.r., como os outros suplentes, todos estarão na ficha de jogo e podem ser utilizados. Há 11 em campo e 12 no banco, o que contradiz as Leis do Jogo mas a FIFA faz como quer no seu campeonato - mas esta é uma daquelas coisas que nunca ninguém discutiu e aceita-se como sendo bom e o melhor do mundo, mas as selecções no Mundial (e no Europeu) têm opções de banco que no resto da época futebolística mais ninguém tem, nem as mesmas selecções nas fases de apuramento...

    Quanto ao resto, vai no sentir de cada um. Com Nani, para mim, a selecção é uma coisa, sem Nani perde metade do potencial que, face ao quadro actual de recrutamento, já não é muito alto e susceptível de acalentar muitas esperanças.

    Dos 6 de reserva, o único para substituir directamente Nani seria Eliseu, com muito boa vontade, porque joga nas alas e virado para a frente. Mas podia escolher-se de outros jogadores.

    Da mesma forma, para substituir Deco há Danny - de quem muitos desconfiavam tamém por ter tido uma lesão grave - e até Simão pode fazer o lugar. Mas com Ruben Micael apto e se pudesse ter sido testado antes (com a China em Coimbra, mas lesionou-se), era uma opção. Como seria bom ter Varela agora por Nani, mas já disse isto no dia da convocatória e cairia o Carmo e a Trindade se mais 2 do FCP fossem chamados.

    A questão mesmo é perceber que não há muito por onde escolher. E quanto a "indiscutíveis" nem se fala, daí que as teorias deste e daquele como alternativas são o que são, conversa para boi dormir. E gente para fazer número.

    ResponderEliminar
  11. "A questão mesmo é perceber que não há muito por onde escolher. E quanto a "indiscutíveis" nem se fala."

    Ora nem mais.

    Não é à toa que o Zé Mourinho diz que só vai treinar a selecção qunado for velhinho. É que nos próximos tempos, não convém...

    ResponderEliminar