06 dezembro 2010

Esta(va)-se mesmo a ver, não está(va)?


De exuberante a irritante, de conquistador em Viena a sofredor no Dragão, de uma vitória concludente e enfática no modo e pelas circunstâncias do jogo a um triunfo tremido que esteve quase a custar dois pontos. O FC Porto pode alegar, como fez Vítor Pereira no final, o cansaço da Liga Europa, mas não deve sujeitar-se a incompreensão se quisermos aferir o potencial portista com o das grandes equipas europeias que também jogam diversas competições e duas vezes por semana.
Com Elmano Santos a ficar na história do futebol português, quiçá mundial, com um (duplo) feito difícil de igualar, o FC Porto viu quase esfumar-se um triunfo suado, sofrido a ritmo lento, pagando caro a falta do segundo golo tão procurado na 1ª parte mas sem busca incessante após o intervalo. Os sadinos também podem ficar na história do futebol português neste ano da desgraça das arbitragens lusitanas e acabaram por desperdiçar um penálti no último minuto, depois de o terem convertido mas com o árbitro a mandar repetir por não ter, claramente, dado o apito para a sua marcação - e a forma como enfatizou o gesto que ficou por fazer retira quaisquer dúvidas sobre a legitimidade da sua decisão.
O FC Porto deu o estouro na 2ª parte mas tal não pode justificar, até por (mais uma) lesão de Rodriguez ter permitido preencher o miolo com R. Micael, a perda da posse de bola e tão má gestão da mesma. Para mais quando, após meio tempo sem acercar-se sequer da área de Helton, os sadinos abriram o jogo na 2ª metade da partida, deixando espaços que os pachorrentos portistas não exploraram. O lado esquerdo voltou a ser uma lástima e Emídio Rafael uma nulidade que não se aguenta mais, incapaz de fazer um passe em condições e já lá vão vários jogos. Com Rodriguez trapalhão e azarento, fosse a falhar um golo (defesa impensável de Diego) ou a lesionar-se outra vez, mais Hulk muito vigiado e Falcao sem jogo concreto servido por médios que não se aproximaram dele, o futebol portista podia ter resolvido na 1ª parte, mas Diego (outra parada fenomenal a remate de Moutinho) e a barra penalizaram a eficácia.
Sobrou o susto, a par da lentidão de processos. Estava mesmo a ver-se que o FC Porto ia passar mal e corria o risco de um lance imprevisto deitar tudo a perder. A verdade é que, depois de ter justificado a vitória no 1º tempo, o líder destacado do campeonato teve sorte em não ver mais reduzida a sua vantagem na frente da Liga. Crime ou castigo, certo é que o 1-1 parecia inevitável e dois pontos ao ar pela primeira vez perdidos no Dragão, tivesse Jailson marcado tão bem a penalidade que Elmano Santos mandou repetir.
Está, ainda, mesmo a ver-se que, por causa destes desplantes, devaneios e relaxamentos mais ou menos conscientes, o FC Porto dá mote para manchetes que não deseja e discussões sobre bondade de decisões de arbitragem que só existem quando alegadamente o favorecem. O FC Porto pôs-se a jeito até para a questão final de reportagem, legítima mas pouco sensata, de saber-se se foi beneficiado ou não. Uma questão legítima, de mais um repórter da TVI no flash-interview, à qual Vítor Pereira evitou responder com o argumento que outros gostam de usar quando as coisas não lhes agradam. Podia, sim, ter respondido que não se vê que benefício ou prejuízo pode ter uma equipa que tem uma penalidade a favor e outra contra, qualquer delas discutível, tão mal marcadas como bem assinaladas. Daí a questão, embora legítima, ser insensata, porque se erros ou acertos houve foram igualmente repartidos.
Certo, também, embora contribua pouco para mudar as coisas e desvie as atenções do essencial do jogo a que Vítor Pereira aceitou responder, é que temos polémica para poder eternizar-se, jogando com palavras ou factos mas sem sairmos do sítio.
Isto depois de em escassos dias termos visto um golo leonino ao FC Porto em flagrante irregularidade ser dado como praticamente legal e, na Luz, na 6ª feira, um fora-de-jogo milimétrico e mais passível de passar em benefício do avançado como preconiza a regra em caso de dúvida, que dava o 1-1 do Olhanense, ser anulado com toda a precisão do mundo e sem levantar alaridos ou queixumes quanto a verdade desportiva.
Talvez fosse interessante discutir se, por não querer ou não poder, é bonito ver uma equipa sem chegar com a bola à área contrária. E, depois das críticas dessa atitude pouco afoita, porventura merecendo mais simpatia, se justifica arriscar tudo, acabar com quatro avançados como glosou Manuel Fernandes, quando é verdade que a perder por um mais vale arriscar a ver se se salva alguma coisa. Quase sucedeu o pontito ao V. Setúbal e até o mereceria, porque tal esteve iminente mesmo antes do fatídico último minuto. Crime? Ou castigo? Como diz o outro, o futebol "é isto".
Se o FC Porto, a quem se perdoam poucas coisas enquanto se minimiza mutíssimas, tem de gerir o esforço e até as expectativas (muitos assobios nas bancadas, as pessoas não ficam satisfeitas com jogo tão reles e a levar com tempo feio demais) entre jogos a meio da semana e ao fim-de-semana também tem, como deitando um olho no cigano e outro no burro, de olhar para os árbitros que aparecem...
Elmano Santos acaba praticamente o ano como começou: em Janeiro, recorde-se, marcou um penálti no último minuto frente à U. Leiria, que Helton defendeu para garantir o 3-2 depois de dois golos irregulares dos leirienses e dois golos mal anulados a Falcao. Elmano Santos não fica só na história por ser capaz de fazê-lo no Dragão, por duas vezes no último minuto, a ameaçar a vitória portista e em campeonatos consecutivos. Consegue-o no mesmo ano civil. É obra.
O V. Setúbal, por sua vez, acaba praticamente o ano a perder no Dragão por desperdiçar um penálti. Em Janeiro de 2009, para a Taça da Liga, teve dois a favor, qual deles o mais estapafúrdio, um convertido e outro não pelo mesmo jogador, aquele baixinho sem idade que não deixou saudades a ninguém e até já esqueci o nome.
Digam lá, independentemente das manchetes da Imprensa Destrutiva de amanhã, quantos árbitros existem em Portugal capazes de marcar ou dois penáltis num jogo contra um grande - e o FC Porto teve vários nos últimos anos - ou dois penáltis no último minuto em jogos no mesmo ano ainda que em campeonatos diferentes?...
E, agora, por fim, vão buscar as teorias da conspiração e do benefício, do apito e dos azares, dos proteccionismos e do que se quiser fazer de conta que é sério. Só para entreter, claro. E só para os desavergonhados que se calam quando seria suposto falar da verdade desportiva de vez em quando em dúvida cá na paróquia onde é difícil ser regedor numa freguesia assim.

16 comentários:

  1. Jogo péssimo como que a justificar uma paragem para férias...Um penaltie muito duvidoso que na esteira dos duvidosos lances de Alvalade, apenas atesta a paupérrima qualidade destes árbitros e das imagens televisivas...Quem prepara os jogos, não fará tudo o que está ao seu alcance...Ou fará, mas na pior perspectiva.
    -Dois pontos roubados em Alvalade, dois pontos repostos no Dragão!
    -Raios partam esta Moralidade...


    Afinal, talvez Fucile mereça um descanso muito prolongado...

    ResponderEliminar
  2. Afinal, talvez Fucile mereça um descanso muito prolongado...

    meireles, é uma opinião. Tirando do contexto, parece acertado.

    Fucile fez uma óptima 1ª parte. "Rafa" não. Fucile jogou em Viena (à esquerda), "Rafa" não.

    Por termos um "Rafa" não, foi preciso meter o Sapu e mandar o Fucile adaptar-se à esquerda. Não é fácil. Acho é que não temos alternativa a Álvaro. Isso é indiscutível.

    Tudo o resto pode discutir-se.

    ResponderEliminar
  3. Do penálti, não confundo este jogo com o de Alvalade. Este jogo teve um penálti para cada lado. Ambos discutíveis, acho, tanto para o lado do bem assinalados como do mal marcados. Ambos os dois...

    Em Alvalade foi campo inclinado só para um lado.

    Nem moral nem semelhanças.

    ResponderEliminar
  4. Zé Luís, quando falo do Fucile faço-o porque de vez em quando este rapaz passa-se dos carretos...Em Guimarães, ou hoje por exemplo...Na primeira parte, teve um amarelo perfeitamente desnecessário...Na segunda parte e nos momentos finais fez um penaltie parvo...Porque se percebia e sabia que na parte restante, o árbitro ia aproveitar toda e qualquer oportunidade para repor o equilíbrio no resultado...E eu até apostava nele -no Fucile, não no Elmano- na esquerda da defesa na ausência do Álvaro Pereira, mas assim, é mesmo de temer a ousadia...Porque eu também pensava que o André ia utilizá-lo já no jogo do Sporting e não fez...Só por isso, mais nada, ou talvez porque eu quero sempre ganhar sem nenhumas polémicas e o Porto tem capacidade para isso... -O Penaltie a favor do Porto é para mim duvidoso porque as imagens que foram disponibilizadas não permitem tirar todas as dúvidas-já o mesmo não acontece no do Setúbal-, daí eu achar que não foi feito um bom trabalho televisivo e condições para isso, não faltaram de certeza...Porque retirar as hipóteses de eliminar todas as dúvidas é também um método para se poder criar conflitualidade e confusão...E eu quero transparência total e absoluta!

    ResponderEliminar
  5. Ó Rafa, isto não é Coimbra, nem tão pouco a Academia de Alcochete!!
    - Vai para casa, mas pela sombra...

    Quanto ao Fucile,
    - Não tenho palavras...

    Bem, o Rodriguez...
    Só visto, pois contado ninguém acredita...
    - Redondo ZERO à esquerda.

    Como conclusão, acho que o que aconteceu hoje não tem paralelo, nem com os piores dias do Jesulado.

    ResponderEliminar
  6. Caros amigos, hoje o jogo não foi tão bonito como o habitual, e por pouco não víamos dois pontos a desaparecer. A arbitragem também não ajudou, foi uma autêntica aberração. O que mais me chateia no meio disto tudo, é que vou ter que aturar durante a semana algumas galinhas, dizendo que fomos levados ao colo por Elmano Santos, e que é a fruta etc… Nós é que levamos com eles foda***
    Cumprimentos,
    ultrasfcportomatosinhos

    ResponderEliminar
  7. A ideia com que eu fico é que, para os atletas, o campeonato terminou com a estrondosa vitória sobre os lampiões.

    Daí para cá, os jogos realizados não tiveram a mínima qualidade, frente a adversários nitidamente mais fracos (Sporting e Rapid incluídos).

    A excepção foi mesmo em Viena, face às difíceis condições climatéricas.

    Por isso, ainda que reconheça o desgaste provocado no jogo anterior, não posso deixar de estar decepcionado com o comportamento da equipa.

    A vitória de ontem foi muito lisonjeira.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  8. Já os oiço a dizer que o arbitro beneficiou o Porto!!
    Se o jogador do Setubal não tivesse falhado o penalti , esqueciam-se logo de tudo o que se passou ao longo do jogo e não me refiro aos penaltis (bem ou mal) assinalados.
    Se forem sérios, analisem tecnicamente , a actuação do arbitro!
    O menor desempenho não foi por causa do cansaço, houve sim desconcentração e a exibição menos conseguida de Rafa, Belluschi, do Rodriguez e até do Helton que, fez 3 ou 4 passes completamente disparatados...

    ResponderEliminar
  9. O jogo de ontem foi fraquinho ... independentemente do jogo com o Rapid poder ter influencia no cansaço de alguns jogadores, não vejo justificação para não termos arrumado o jogo logo na primeira parte. E graças a estrelinha de campeão é que conseguimos os 3 pontos.
    Espero que tenha servido de lição

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  10. Bom dia,

    Previa-se um jogo que se complicaria com o decorrer do tempo, pois o esforço físico de Viena iria se reflectir no rendimento de alguns jogadores. O mais evidente foi o de Falcao, que estava completamente esgotado quando saiu. Mas também temos de dar mérito ao Setúbal que na segunda parte entrou afoito, com um jogador veloz Zeca, a causar muitos problemas, e a jogar com o passar do tempo e o enervar dos nossos jogadores.

    Na primeira parte entramos bem, dominantes, e poderíamos ter resolvido o jogo, não fosse a nossa ineficácia, ou as excelentes intervenções de Diego.
    Acabamos por marcar num lance que na minha opinião não é penalti, apesar de existir um ligeiro contacto físico, um pousar de cotovelo de Collin nas costas de Falcao. Eu sou apologista que o futebol sendo um jogo de contacto físico, não se podem marcar penaltis por qualquer disputa de bola.
    Também o alegado penalti de Fucile é inexistente. Existe uma luta de braços dentro da área e Henrique deixa se cair. A falta existe sim à entrada da área com Fucile a agarrar com ambos os braços Henrique.

    Na badalada anulação do penalti e consequente repetição, falta saber qual o motivo que levou o árbitro a tomar tal decisão.
    Estavam jogadores dentro de área, e por conseguinte, tal poderia ser um motivo para mandar repetir o penalti, aliás vê se o árbitro em dialogo, a mandar sair da área alguns jogadores. Mas como quem está em violação da grande área é um jogador do Porto, não há motivo para a repetição. http://www.youtube.com/watch?v=FkpOTmu1vZE
    Por sua vez o árbitro indica que não havia apitado, tal como afiançou Pitbull.
    Este é um péssimo árbitro, tornou complicado um jogo fácil. Ele não teve intenção de prejudicar FC Porto ou Setúbal, ele apenas é um árbitro que não vale nada. Quem tem coragem para marcar um penalti duvidoso no minuto 89, não o mandaria repetir se quisesse beneficiar uma equipa e prejudicar outra.
    Quanto aos nossos jogadores, gostei da garra de Moutinho, Guarin, dos nossos centrais, de Hulk e de Cebola (primeira parte).

    Fucile mais uma vez cometeu uma idiotice, tal como aconteceu em Guimarães, que nos poderia ter custado mais dois pontos perdidos.

    Villas Boas ao tirar Rafa, foi porque Fucile não conseguia parar Zeca, e não porque Rafa estivesse mal.
    Mas Fucile foi ao outro lado borrar a pintura.

    Quanto ao pouco público no estádio, é compreensível, face às condições atmosféricas e dia da semana.

    Abraço

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  11. O árbitro mostrou o cartão amarelo a Otamendi que, como é claramente visível nas imagens, não comete qualquer infracção. LOGO, o penalti é inexistente, porque, como a ninguém restam dúvidas, se o Elmano tivesse considerado falta no agarrão mútuo entre Fucile e o jogador sadino, teria que ser fora da área.

    Ainda bem que houve penalti; tive mais gozo em "ver" estragada a noite e o dia de hoje aos milhões de infiéis, do que senti quando vi a bola a ir a caminho do Dolce Vita.
    Como sempre, excelente post.

    ResponderEliminar
  12. Paulo, sobre o Fucile não parar Zeca, deves referir-te apenas ao lance em que este foge pela esquerda após um passe longo de Collin. Fucile distraiu-se com o jogador nas suas costas, tal como em Guimarães no golo de Faouzi em que faz-se mal à bola e não elimina o lance.

    O Zeca apareceu nas costas dos centrais e lá foi Rolando recuperar para ele não marcar frente a Helton.

    Esse problema, detectado pelo Vítor Pereira, resulta apenas de falta de atenção, que o tr. adj. também referiu. Foram muitas bolas bombeadas para as costas da defesa, muito jogo directo.

    Quanto à falta de Fucile no penálti, é discutível. Tal como no penálti do Porto. Não pode escamotear-se que há contacto, em qualquer dos lances, ninguém ficou porém convencido que tenha sido o suficiente para os jogadores se atirarem para o chão. O Henrique pelo menos não foi. O Falcao foi empurrado nas costas, o Collin não tinha necessidade de se colar a ele até porque no cruzamento não está em cima de Falcao. O Fucile está ombro a ombro, empurra para aqui e para ali, com o jogador do V. Setúbal.

    É como diz o silva da costa, ainda bem que houve um penálti para o V. Setúbal e no último minuto. E ainda bem para o FC Porto que não foi convertido.

    ResponderEliminar
  13. Um jogo, no mínimo, estranho.
    Uma primeira parte bastante boa, e aquela segunda parte... Foi o que se viu. Com um pouco de sorte conseguimos segurar a vitória.

    33 jogos sem perder é obra, a ver se ultrapassamos esta marca, que é por sua vez um record conseguido na época de José Mourinho.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. E para ajudar à festa só faltaram as declarações do manel fernandes (que não devia fazer comentários depois do jantar) e da besta do presidente do Setúbal a arrasar o Jailson...pena foi ter ficado calado quando o Hugo Leal falhou na luz.

    ResponderEliminar
  15. A verdade é que os dois são muito duvidosos e as imagens são menos esclarecedoras no que envolve o do Porto, mas o meu ponto de vista é este: -Prefiro ser penalizado que favorecido e julgo ser isso que me permite passar sem nenhuns sobressaltos estas questiúnculas...
    O Fucile é um bom jogador mas como defesa perde as estribeiras muitas, demasiadas vezes e claro é penalizado...Acho que poderia ser um complemento excelente de Álvaro Pereira ou de Sapunaru...Mais à frente é menos perigoso, para nós...O Rodriguez promete mas desilude logo de seguida, lesiona-se com enorme frequência.
    O Elmano Santos é um crápula, marcou o lance do penaltie talvez por indicação do líner -ele até estava bem mais posicionado que as câmaras televisivas- e depois percebia-se que iria marcar contra nós logo que pudesse, só não entendi porque nos deu uma segunda chance a finalizar o desafio, não deve ter mesmo apitado da primeira vez, quis fazer uma de merdança e impor-se perante o País, mas lixou-se!...
    Hoje os nossos "queridos inimigos" tiveram muita sorte, verdadeira sorte de mijões...

    ResponderEliminar