30 dezembro 2010

Mundial, para fechar ou abrir o ano


Enquanto a generalidade da Imprensa lusitana focou, há dias, a atenção no pedido de desculpas de Blatter por ter aconselhado os homossexuais – com imagens alusivas de gay parade nas tv’s, o que diz tudo do enquadramento alinhado por um chico-esperto tão vulgar nas editorias da coisa -- a não se “aventurarem” em comportamentos desviantes no meio de uma sociedade muçulmana, por muita tolerância que tenha, quando o Mundial de 2022 se desenrolar no Qatar, houve quem percebesse o lado mais importante de uma conferência de Imprensa do presidente da FIFA na Áf. Sul. Isto foi, creio, na há duas semanas, e li isto na Marca:
http://www.marca.com/2010/12/17/futbol/futbol_internacional/1292588917.html
Pois é, eu bem alertei para os que temiam os 50ºC (e à sombra, dizem…) no Qatar para o Mundial-2022. Aqueles que esqueceram muitos jogos nos EUA em 1994 com 45ºC… E continuam a dizer mal da FIFA, do Blatter, do poder do dinheiro, das manobras de bastidores.
E. claro, em Inglaterra também começaram logo a ver o essencial. E como é que David Bond, editor de Desporto da BBC, começa a análise? Simples:

O mestre suíço continua a golear as críticas. Pois, o Mundial-2022 pode ser jogado no… Inverno. Toma lá. Outra novidade. Agora a FIFA “cede” à Meteorologia. Só faltava esta. Raios partam isto.
E, contudo, ela, a bola, gira. O Mundial de clubes não se joga no Inverno? Por sinal, nos vizinhos (do Qatar) Emirados, no caso o de Abu Dhabi? E o Inverno, em muitos países da Europa, não obriga a parar os campeonatos?
Então, quem comanda o futebol mundial não tem ideias? Claro que tem. A FIFA, a mim, normalmente surpreende pela positiva. Tem estratégias para tudo. Até escapou da bancarrota provocada pelo descalabro da ISL há uma década. E volta a ser pujante como nunca. Pois já é certo, para mim, que teremos um Mundial no Inverno. Porque não?
Podem crer, o Inverno naquelas paragens é frio, bem frio à noite, às vezes mesmo de dia. Há campeonatos parados em meia Europa. Na América do Sul os campeonatos acabam em meados de Dezembro, o mais tardar. Em África também. Joga-se ao longo do ano civil, normalmente de Fevereiro a Novembro. Idem na Ásia. Curiosamente, por causa disso, os europeus até podem tirar vantagens, pois o cansaço de uma época inteira recairá nos outros continentes e quem joga na Europa ainda mal levará a época a meio.
Em Portugal é que terá de se fazer uma pausa para além da quadra natalícia. Nada de mais. Como até a FIFA fecha a loja pelo Natal, é de crer, embora pouco se tenha adiantado sobre a matéria, que Janeiro será o mês indicado. Menos crível é jogar em Dezembro, quando ainda todos jogam na Europa (e a UEFA não fecha a Champions mais cedo). Muito menos na viragem do ano, precisamente por causa das Festas.
Deixaremos de queixar-nos do frio, de alguma neve. Equipas alemãs e do centro europeu, ou do Leste, continuarão a fazer pré-época ou meia-época na Turquia do sul, nas Canárias, no Algarve…
O Mundial é que se jogará no Qatar. Se Blatter o sugeriu, se Beckenbauer o admitira… O resto são paneleirices, como costumo dizer.
Entretanto, fora as reacções idiotas de gente cá da terrinha, a coisa é apadrinhada noutros sectores, como aqui: http://news.bbc.co.uk/sport2/hi/football/9310671.stm com o Sindicato de Jogadores internacional.
Uma bela reflexão no fim de um mês que começou com a excitação de quem acolheria os dois Mundiais a seguir sao Brasil-2014. E bem para fechar um ano e começar outro.

p.s. – já esgotou a paranóia dos votos alegadamente comprados para a eleição dos destinos dos Mundiais de 2018 e 2022. Os ingleses, claro, estrebucharam mais. Mas nem neles nem em lado algum vi perguntarem-se a simples questão, básica: tendo a Inglaterra recebido dois votos, um deles do seu Geoff Thompson com assento no CE da FIFA, para ser eliminada na 1ª votação; se Portugal manteve os 7 votos na 2ª volta, iguais aos da 1ª ronda; se a Rússia passou de 9 para 13 votos, captando dois antes cedidos à candidatura Bélgica/Holanda que tivera quatro antes e acabou com apenas dois – se dois destes foram, portanto, por fim, para a Rússia, em quem votou o inglês na ronda final? Elementar, até o caro Watson perceberia sem explicações de Sherlock Holmes…

3 comentários:

  1. É, o mais impressionante é que o Carlos Daniel disse - ouvi eu - que os projectos para o Qatar eram impressionantes, um outro mundo, com uma tecnologia avançadíssima, subterrâneos e cheios de ar condicionado!...-Afinal parece que o ar condicionado só não basta!
    Depois destas declarações, ninguém em portugal quer falar num campeonato realizado no Inverno... havia que dar o dito pelo não dito. Afinal perdemos a candidatura para algo que não é de outra tecnologia!...
    (É um erro muito grande fazer um campeonato na Qatar.Vai ser um campeonato dos adeptos super-endinheirados, um desfile de gente que só conhece o futebol porque está a dar...)
    Quanto a ser no inverno, é claro que o Blatter tinha que poder descalçar a bota, e contentar os europeus...mas não acho mal.

    ResponderEliminar
  2. Um próspero ano de 2011 com muita saúde, paz e felicidade, com muitos sucessos desportivos do nosso FC Porto são os meus votos.

    Paulo

    http://pronunciadodragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  3. Para si Zé Luís e para todos os seus, assim como para todos os amigos, um Ano de 2011 cheio de boas surpresas.

    ResponderEliminar