23 janeiro 2009

Onde pára o troféu ?

A Taça do Tri ainda não foi entregue! Pinto da Costa não calou a sua revolta e, numa entrevista, resolveu quebrar o seu silêncio afirmando que a Taça que visava premiar o Tricampeonato, conquistado sem espinhas pelo FCPorto, ainda não tinha sido entregue pelos senhores organizadores da prova, a direcção da Liga, e vai daí escreveu uma missiva ao Secretário do Desporto, Laurentino Dias (não foi este que recusou dar os parabéns pela conquista do Tri ao FCP?), a fim de intervir neste caso. Já Mourinho se queixou, por uma vez, que tinha sido bicampeão em Portugal e nunca tinha tocado no troféu, por isso nada de admirar deste país das bananas e dos bananeiros.

Uma palavra de apreço à, e chamemos-lhe na dificuldade de uma palavra positiva para definir tão caricata personagem, “capacidade de encaixe” de Gilberto Madaíl que, apesar de ter uma caixa de Rennie tomada e dos apupos/insultos que por norma lhe dedicam os adeptos portistas, cumpre a sua tão aborrecida missão de, em todos os inícios de época, lá vai ao Estádio do Dragão entregar a Taça correspondente a campeão, enquanto na Liga preferem os serviços do CTT, ou de uma qualquer empresa privada de entrega de correspondência, ou então esperam que alguém do FCPorto vá às Assembleias Gerais para levarem o troféu para o escritório.

Se formos vivos, pelo menos espero que vocês que são mais novos, ainda são capazes de ver o Benfica campeão, quando este dia chegar, vocês vão ver se a taça não é entregue logo.( Pinto da Costa)

Nem é preciso esperar por um futuro que, todos desejamos, seja muito longínquo. Basta recordar a época de 2004/2005, época onde ser campeão em Maio tinha maior importância do que o ser em Dezembro, e onde o SLB lá quebrou o seu jejum de 10 anos. Ironias do calendário, o SLB lá conseguiu ser campeão, da forma como todos conhecemos, no Estádio do Bessa, em plena cidade do Porto. A primeira provocação foi fazer um percurso pela cidade do Porto com um autocarro com o tecto aberto e sempre a cantar canções insultuosas para com o clube da cidade, e até com os cidadãos tripeiros. Imaginam só o que não diriam se o FCPorto fizesse isso de cada vez que vai a Lisboa buscar um título de campeão, provavelmente cairia o Carmo, a Trindade, o Terreiro do Paço e os Jerónimos.

No dia seguinte à partida que viria dar o título de campeão ao SLB, a Sporttv organizou a grande gala da Liga em homenagem os novos (falsos) campeões nacionais e a todos os jogadores que estiveram em destaque nessa época. Com uma cerimónia com pompa e circunstância hollywoodesca mas que mais parecia de taberna, transmitida e retransmitida pelo canal desportivo da TVCabo, a festa realizou-se em pleno coração da Invicta. Ficou-me na retinha três imagens: primeiro a “provocação” dos novos campeões nacionais que, em plena escadaria da Casa da Música, não se coibiram em cantarem bem alto, qual Coro de Santo Amaro de Oeiras por alturas do Natal, canções de júbilo benfiquista. Cena essa que ainda viria ser repetida em pleno palco, com o público a bater palmas.

A segunda imagem é o brinde entre Luís Filipe Vieira e António Oliveira, na altura Presidente do Penafiel. Oliveira, que não teve pejo em afirmar que estava disponível para a presidência do FCPorto quando o “rumor” de que Pinto da Costa iria ser detido, por causa do processo “Apito Dourado”, isto sem sequer saber se tal rumor era verdade e se o presidente iria se abandonar a presidência portista. Ou seja, e passe o exagero na comparação, ainda o rei não estava morto e já o seu súbdito queria ocupar-lhe o lugar.

Por fim, a última imagem é mesmo a frase de despedida do apresentador de serviço: um “até para o ano” todo sorridente. 3 anos depois, com 3 anos de conquistas portistas nem a festa foi mais realizada e agora sabemos que até o troféu não chega ao destino. Faz lembrar as grandes galas do Jornal Abol(h)a, uma Gala onde tanto os atletas do FCPorto arrecadavam todos os prémios de jogadores do ano, como os do Benfica arrecadavam os prémios dos jogadores revelação, excepção de um ou outro ano (de cabeça lembro-me de vibrar com a conquista de um dos meus ídolos de adolescência: Sérgio Conceição, de resto eram jogadores do Benfica que lá ganhavam os prémios revelação) como até davam o prémio Fair-play a Weah, um jogador que, meses antes, agrediu cobardemente Jorge Costa, originando que todo o plantel portista, presente na sala, fosse embora em solidariedade com o seu colega.

Pelo menos, nessa Gala, estava sempre Herman José em grande com o seu imparável “Estebes” que gozava com as derrotas de outros. Agora nem são precisas Galas, nem é necessário Herman José fazer de pantomineiro, esse papel cabe a quem governa uma Liga que tem a desfaçatez de ignorar todos os êxitos do clube que representa o seu país sempre ao mais alto nível, mesmo que queiram ignorar e desvalorizar os nossos feitos. Como responder a eles? Da forma como sempre o fizemos, dentro do campo vencendo os jogos, lutando contra tudo e todos. Quanto ao troféu...onde é que ele pára ?

19 comentários:

  1. Boa memória, parabéns Menphis.

    Quanto ao troféu, os ladrões levaram-no.

    ResponderEliminar
  2. Grande Menphis.

    De facto, essa gente é suja demais.
    Representam o nacional parolismo.
    Todos juntos, nuninhas, simuloes, orelhas e ruis azeiteiros, jornalistas e apresentadores de café.

    Nao teem respeito, sao invejosos e frustrados. Dai estas reacçoes terceiro-mundistas, com provocaçoes baixas e odios de gente pequenina que nao se sabe comportar.

    E é gente desta "dePUTAda" na assembleia da Républica.

    Esta tudo dito.

    ResponderEliminar
  3. Essa "gala" em que o Weah foi aplaudido de pé para receber o prémio fair play e o Jardel assobiado e insultado enquanto recebeu o prémio de melhor marcador foi das grandes palhaçadas que assisti.

    Por falar em palhaçadas, ao que parece, o SLB - Vitória para a taça da cerveja foi suspenso.

    ResponderEliminar
  4. Rui Valente no blog Renovar o Porto:

    António Pedro Vasconcelos, o realizador/actor

    Assisti, via Net, à repetição do programa Trio de Ataque da RTPN (N, de Notícias...), e mais uma vez, confirmou-se o que já vem acontecendo há largo tempo: há um menino bonito da casa (subsidiada pelo Estado/RTP), chamado António Pedro Vasconcelos a quem os moderadores têm a rasteira missão de privilegiar os tempos de antena.

    Se os leitores se derem ao trabalho (chato) de cronometrar os tempos de audição de cada convidado, percebem, sem dificuldade, que aquele cineasta de consumo interno está, além do clube que representa (o Benfica), também a ser levado ao colo pela comunicação social. Não se distraiam portanto, porque, não são apenas os árbitros as bestas negras do futebol português. A RTP (e não só) faz o resto.

    Rui Moreira, cujo carácter admiro, por ter a capacidade de tolerar o intolerável (passe a redundância), já deve ter percebido que, independentemente das eventuais palmadinhas nas costas da RTP e de tratar os seus colegas de debate amavelmente por amigos, não é propriamente a pessoa mais estimada naquele covil de cobras.

    O JP Vasconcelos, é das pessoas mais desonestas que conheço, mas também a que melhor o dissimula, talvez por força da sua experiência como realizador de cinema e da tarefa de ensinar os actores a fazer de conta que são personalidades que, na realidade, não são.

    No meio daquele ambiente aparentemente cordato, relativizando o papel de cada um de defensor do respectivo clube onde, naturalmente, cada qual puxa a brasa à sua sardinha, sobressai o papel do moderador que, nunca sendo capaz de o ser verdadeiramente, não deixa de desempenhar um excelente papel de ama seca invisível do Benfica.

    Reparei, particularmente, num episódio desta raposa moderadora (que não fica nada atrás no sectarismo, de Carlos Daniel), quando "deu" 17 segundos a Rui Moreira para falar, alegando falta de tempo, e quase lhe cortou abruptamente a palavra para a passar imediatamente para a jóia da coroa, JPVasconcelos e deixá-lo falar à vontade ....

    Outra atitude, muito pouco moderadora, de Hugo Gilberto, verificou-se, quando Rui Moreira relembrou a "Calabotagem" - facto que irrita notoriamente JPV - e o levou a lançar um daqueles à partes pouco recomendáveis a moderadores sérios dizendo ironicamente: "o Rui Moreira inventou uma nova palavra no léxico do futebol português" ou esta,"o Rui Moreira já lançou aqui algumas alfinetadas". Só ele, Hugo Gilberto, é que não ouviu falar de Calabote, o que, para um jornalista desportivo é um perfeito atestado de ignorância (ou de clubite aguda camuflada).

    Mas, o que mais enoja em JPVasconcelos, é aquele hábito cínico - para ser persuasivo -, de elogiar a boa educação e o civismo de Rui Moreira e logo a seguir dizer, quando este lhe fala daquilo que ele não gosta de ouvir: "lá está ele a fazer ruído". Decididamente, esta gente não tem emenda. Não tarda muito, acusa Rui Moreira de ser mal educado por defender as suas ideias. Para esta gente, boa educação é subserviência, é a aceitação silenciosa das suas "verdades".

    APVasconcelos, que gosta muito de dar-se ares de paladino da honradez, teve o descaramento de dizer que "se um dia tivesse o Presidente do seu clube, ouvido em escutas, e suspeito de corrupção que pedia imediatamente a sua demissão".

    Rui Moreira, esqueceu-se de lhe recordar que há uma denúncia supostamente de investigadores da PJ, entregue na Procuradoria Geral da República sobre Luís Filipe Vieira, que ainda não teve qualquer resposta. Essa denúncia, de funcionários da PJ, é tão credível como as que foram levantadas a Pinto da Costa, partiram de simples suspeitas e muito mal fundamentadas, porque até ao momento a montanha pariu um rato. No entanto, a Procuradoria ainda não deu qualquer explicação sobre o assunto. Por quê? Se não tem credibilidade, porque ainda não o disse publicamente? E seria bom recordar que as acusações de que LFV é alvo, são realmente graves, onde o tráfico de estupefacientes é uma das mais perturbantes.

    Sinceramente, tenho uma grande estima por Rui Moreira e acho que é demasiado sério e civilizado para se prestar a um convívio tão pouco elevado. Tenho a ideia de que a sua educação não sobrevive ao cinismo da entourage de um programa subvertido como é aquele. Mesmo dizendo o que é preciso, mesmo sendo pertinente, o "sistema" (que está ali e não noutro lado) abafa-o.

    Alguém percebe por que é que o António Pedro Vasconcelos está no meio, entre Rui Moreira e Rui Oliveira e Costa? Alguém percebe, que sendo o FCPorto tri-campeão nacional em título, se dê mais tempo de antena ao Benfica?

    O António Pedro Vasconcelos, seguramente percebe. A seriedade feita de encomenda para o Benfica acalmar-lhe-ia a consciência. Com essa, convive ele bem.

    PS
    Por toda estas pulhices centralistas, só descansarei quando no Porto se criar uma comunicação social francamente regionalista, onde a prioridade seja dada em exclusivo às coisas do Porto e do Norte.

    Aqui, garanto-vos, eu fecharia completamente as portas a esta "democracia". Mandava-a de férias. Pelo menos, restava-me a honra de não brincar com a Democracia, a verdadeira. E se o Poder Central não sabe ser democrata, e nos quer fazer crer que é, eu não me daria a esse trabalho, nem à vergonha de mentir ao país.


    acrescento o que o rui moreira sempre se esquece qd o cineasta vem com aquela de "se tivesse um presidente que tivesse sido ouvido nas escutas". então rui moreira e a famosa escuta do filipeviera com o valentim a escolher um arbitro para a taça do "joão pode ser ferreira"????????????

    ResponderEliminar
  5. menphis parabens pelo texto, mas querendo brincar um bocadinho com o presidente e com a situacao, para que quer ele a taça, para a por numa arrecadacao qualquer?

    ResponderEliminar
  6. FCPortosempre : olha-me só esta frase

    "então esperam que alguém do FCPorto vá às Assembleias Gerais para levarem o troféu para o escritório. "

    percebeste :) ? LOL

    ResponderEliminar
  7. entendi menphis. ja tinha entendido, quis so provocar um pouquinho.

    olhem-me esta noticia:
    Benfica-V. Guimarães suspenso, recurso do Belenenses aceite

    O recurso apresentado pelo Belenenses com efeito suspensivo foi aceite pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), fornecendo a informação ao clube do Restelo através de fax.

    Confirmado o efeito suspensivo do recurso interposto pelo Belenenses, o encontro das meias-finais da Carlsberg Cup entre Benfica e Vitória de Guimarães já não se vai realizar na data prevista podendo inclusive nunca chegar a realizar-se se entretanto o Belenenses ganhar o recurso.

    e agora, como vai ser, nao se vai a alvalade?

    ResponderEliminar
  8. Penso que irá se partir para uma outra solução que não a ausência, até porque isso tem custos. O que poderá ser é passar por uma ida de uma segunda equipa, mas até lá, muita água vai passar debaixo pelas pontes.

    ResponderEliminar
  9. Federação suspende realização do jogo Benfica - V. Guimarães

    ResponderEliminar
  10. Olha só faltava a questão dos "efetivos":



    http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Desporto/Interior.aspx?content_id=1076543



    É que não nos querem lá!

    ResponderEliminar
  11. "A RTP (e não só) faz o resto".

    Além de subscrever, totalmente, a crítica que oportunamente o FCPOrtoSempre respigou, de resto um tema já abordado neste e noutros blogs, há outra questão sumamente importante que não pode passar em claro.

    Ser do clube do regime.

    Esta incomoda sempre o APV e Rui Moreira fica-se pela rama, não atira com casos concretos, lembra-se de o Salazar vetar a saída do Eusébio. Há uma panóplia de acontecimentos que documentam o que era o clube do regime.

    Mas isto sou eu a falar, que também reparo na incapacidade de RM responder à prosápia dos outros dois. Espero que o autor desse bem estruturado e fundamentado escrito não seja acusado de "criticar" RM.

    Sobre esse excelente texto, aliás, gostaria de fazer outra observação ao que é ser do regime.

    Esta questão do Benfica é notória. A do condutor do programa bem nítida, de resto na esteira do antecessor e "mentor" Carlos Daniel.

    Os mentirosos vêem-se à distância e eu aqui já abordei o jornalista Hugo Gilberto.

    Mas se o autor deste artigo aqui trazido está preocupado com pluralismo, democracia, representatividade, num potencial canal de televisão do Norte...

    ... já nem lhe digo para tirar o cavalinho da chuva, que ela está a cair a potes, face ao que está para suceder ao que resta da Imprensa no Porto pela tomada de poder de João Marcelino no grupo de que o JN é o porta-aviões e o DN o Titanic mas em que o porta-aviões leva um rombo e o grupo Controlinveste se prepara para... deslocalizar, de algum modo, O Jogo para Lisboa.

    Já devem ter lido sobre os despedimentos em curso na Empresa de que o JN é o farol.

    Adiante.

    Sobre a RTP-N, não de Norte, seguramente; não de Notícias, decerto; hoje de manhã enojou-me, em parceria com a Antena 1.

    Primeiro, nos comentários aos títulos dos jornais, de há umas semanas para cá desapareceu um crítico, literário e não só, com o espírito desempoeirado e a verve nas resenhas políticas e editoriais, como é Eduardo Paz Barroso. O melhor era à 6ª feira, embora goste imenso de um moço da Visão que ainda esta semana ali comentou.

    Em vez do excelente Eduardo Paz Barroso, tem aparecido um chefe da Lusa, Domingos Amaral, que tem muito de politicamente correcto.

    Logo a seguir, na Antena Aberta (RTP-N e A1), um jornalista do CM, João Vaz, mais do mesmo politicamente correcto, para não dizer tudo a favor do Governo.

    Enojei-me e, claro, mudei de canal.

    A opinião do Norte, um comentário desinteressado e não alinhado têm faltado e vão rarear, cada vez mais, porque poucos se apercebem da censura, que começa na autocensura e não é entendida pelo leitor/ouvinte/telespectador comum.

    Se este não tem capacidade de mudar de canal, se não percebe o que se passa diante dos seus olhos, também não se dá conta do desvario totalitário e da deriva autoritária que o País tomou.

    Passa-se com o tempo de antena do Governo, com esse ministro da propaganda SS (Santos Silva), do tempo dado às respostas e audições dos ministros (veja-se o escândalo da Educação), também do destaque dado ao Benfica em pré-falência.

    É a face da mesma moeda, não as duas face de uma moeda. Porque em Portugal só falta mesmo o partido e o clube únicos. Senão impostos por decreto, eliminando a Democracia aos poucos, pelo menos abafando os não alinhados.

    ResponderEliminar
  12. Povo mais forte,

    obrigado por trazer aqui essa pela do JN, que desconhecia, mas que levanta a interrogação que aqui deixei, precisamente antes do Porto-Setúbal.

    Aliás, deixei várias interrogações sobre o "pretugês" do regulamento, não só essa, como também antevi que o termo usado "goal-average" daria bronca se chegasse a vias de esse factor de desempate ser empregue.

    Ora, por sinal não levantei ruído sobre o "goal-average", porque não estive precupado em virtude de não afectar o FC Porto no apuramento para as meias-finais nem no domingo passado sabia sequer do resutlado do Guimarães para fazer contas.

    Mas li no regulamento que aplicavam o "goal-average" pensando ser "diferença de golos", conceitos muito distantes na letra e no espírito.

    Que se lixe, que se lixe o regulamento, que se lixe o termo "efectivos", que se lixe o "goal-average".

    Ao contrário do que muitos mirones deste blogue que pensam alguém fazer isto por profissionalismo, nem sempre temos tempo para ler tudo, pensar em tudo, avaliar e analisar tudo.

    Não li o JN nem qualquer jornal, hoje, por falta de tempo que é um bem precioso que muitos pensam sobrar aos outro para fazer várias actividades como, imagine-se o descaramento, escrever em blogues e pretender analisar algumas coisas destes mistérios da bola redonda que escapam a muitos vulgares mortais para quem, efectivamente, devemos convencer-nos de que estamos a dar pérolas a porcos.

    sic transit gloria mundi

    (já dizia o Rei Herodes, ou te calas ou te f..es)

    ResponderEliminar
  13. Mas um contributo tão simples como este do Povo mais forte pode desencadear uma "investigação" e um debate.

    O que reforço a necessidade, fundamental em democracia se for entendida como um dever de idadania, de participar, seja em instâncias e acções cívicas seja em debater problemas em blogues ou colunas de jornal destinados a leitores.

    O problema é que há muita gente que não tem esforço em dar uma sugestão, em trazer um tema para enriquecer isto e envolver-nos a todos. Há os voyeurs que só aparecem para criticar e, afinal, como o Povo mais forte comprova, asta tão pouco para abrir o debate e aguçar o apetite de trocar ideias.

    Eu, por sinal sobre as burrices e imundícies várias do regulamento da Taça da Liga comecei a aperceber-me destas porcarias todas pelo Sou Portista com Muito Orgulho, que respigava passagens do regulamento. Ao cheirar-me a esturro, fui eu ler o regulamento no site da Liga. E não estu nada admirado desta merda toda.

    Estou quase como o Pedroto:

    quem viu, viu; quem não viu não pode ver.

    E só concebo um blogue pela capacidade de interactividade inerente em que o autor de um post debate e comenta as interrogações que muitos podem levantar.

    ResponderEliminar
  14. esclarecimento da liga sobre os efectivos.

    Questionada sobre o eventual incumprimento do FC Porto, a Liga remeteu para o comunicado 55/07-08, de 24 de Setembro de 2007, em que esclarece a "obrigatoriedade de utilização de jogadores", onde no ponto 2 escreve: "Por 'efectivamente utilizados' entendem-se os jogadores que fizeram parte da formação inicial ou foram suplentes utilizados".

    Sendo assim e como tinha discutido com o ze luis na altura dos convocados, haviam 5 jogadores que preenchiam os requisitos, mariano, guarin,p.emanuel, benites que tinham jogado com o nacional e farias que na jornada anterior tinha entrado contra o maritimo.

    ResponderEliminar
  15. Já começo a dar razão a quem escreveu os 5 P´s.

    Agora é o Meirinho taberneiro, que afirma que o FCP deve ser excluído da Taça da Cerveja. Porra devem estar com um medo do caraças...mas nós só participamos naquilo para rodar jogadores ó entendido das leis!!!

    Por este nem o FCP participava na Liga dos Campeões???
    São uns cromos pegados.

    Afinal somos uma equipa que mete respeito, mesmo que os jogadores às vezes não sejam tão bons efectivamente como poderiam ser.

    Vejam a confusão que o jogador da Acádemica arranjou, coitado!!!

    Só as cores das nossas camisolas já os assustam....

    Como é possivel querermos que o nosso FCP seja um colosso europeu num País de invejosos e preguiçosos.

    Ainda ontem no jogo dos pasteis, em 2 situações claras de golo, numa passaram a bola ao Luisão e na outra, fizeram um remate para a bandeirola de canto.
    Mas acham que somos todos parvos?

    E o Suazinha que passa a vida a enganar o árbitro?
    Fica só com um amarelo e depois pode cometer mais 5 vezes seguidas a mesma situação?

    E o Luisão? Com um amarelo provoca mais uma falta perigosa numa entrada por trás à perna do adversário, ficando a trocar sorrisos com o árbitro e pronto...menos uma exclusão.

    E assim se transforma um campeonato balofo, com uma equipa profissional a 100%, num campeonato altamente competitivo.

    Continuem assim, que ainda o Vitor do Apito consegue realizar a sua profecia...ninguêm presente nos estádios.

    ResponderEliminar
  16. Quanto ao troféu, acho que foi vendido pela taberninha, para pagar a factura do REYAS, do SBestas.

    É jogar para ganhar com toque de classe e não caír nas provocações dos de Braga, pois não se esqueçam que apesar de "amigos", estes nunca vão deixar de ser primos de sangue, dos outros bermelhos da capital.

    O Mestre que se deixe de tretas de lateralizações com atrasos de bola para os defesas, e aproveite mas é os flancos pois os defesas laterias do Braga, sobem muito no terreno.

    Rapidez de execução é o que é preciso.

    Primeiros 15 minutos a bombar em força e defender o 2 a zero até ao fim com unhas e dentes.

    Se vai para lá com a estratégia de ver no que vai dar...arrisca-se a levar na tabuleta e ainda ficar com o Lisandro excluído.

    Vamos lá ao trabalho com alegria e paixão, pois o FCP é que é o Campeão, ou antes TRI...Campeão.

    ResponderEliminar
  17. "amordaçado" é a palavra ideal para explicar aquilo que fizeram ao Presidente. Na inauguração da delegação de Cesar, Pinto da Costa lançou umas farpas mas não pode mais, é pena pois é nestes momentos altos do sistema que fazia falta uma voz de revolta!



    http://www.ojogo.pt/24-338/artigo775912.asp



    http://www.ojogo.pt/Directo/NoticiaHoraFutebolNacional_futfcpdecpintodacosta_240109_106219.asp

    ResponderEliminar