19 fevereiro 2009

Nos 9 anos do roubo de Campo Maior prejudicar o FC Porto não dá pior nota

A notícia da Lusa sobre a nota dada pelo observador do árbitro Pedro Proença, no Porto-Benfica, deve ser lida a começar pelo fim.

Porque é paradigmático do pulsar dos corações da bola.


Uma crónica de costumes, porque a moral chuta-se para canto.

Porque a moral da história é que prejudicar o FC Porto ainda não dá a pior nota de um observador a um árbitro. E a moral é que importa, tal como a isenção, o respeito, a auto-estima, a idoneidade, a honestidade que um jornal e um jornalista devem ter aos olhos do público, qualquer que ele seja.

A notícia é/era que a arbitragem de Pedro Proença foi anotada com 2,4 no Porto-Benfica. A informação factual relevante. Até pelo ruído seguinte ao jogo, não só pelas capas capciosas da Imprensa Destrutiva. Já nem se fala na ridícula tentativa oficiosa de manipular a CD da Liga a reclamar castigos a Lisandro e Bruno Alves.

Mas se observarmos além do fulcro da notícia, vem uma resenha comparativa de más notas recentes a árbitros. E Pedro Proença, o único conotado com um prejuízo do FC Porto, tem entre todos a melhor nota.

Alarves replicaram na tv que a nota “não foi pelo penálti marcado contra o Benfica”. Que lata! Não! A nota foi pelo penálti não marcado para o FC Porto! Mas diz a notícia:
"A nota 2,4 é, segundo o critério da escala de avaliação, uma nota insatisfatória, consequência de uma grande penalidade não assinalada com influência no resultado e um cartão amarelo não exibido.

Segundo as normas e instruções para observadores, "um árbitro que não assinale uma grande penalidade e esta tenha influência no resultado a nota máxima é 2,5". A Pedro Proença ainda foi descontada uma décima pelo cartão amarelo não exibido a Sidnei.

Nesta temporada, cheia de casos de arbitragem, a avaliação de Pedro Proença está longe de ser a pior. Elmano Santos foi avaliado com 2,1 no Belenenses-Benfica, enquanto Pedro Henriques (Benfica-Nacional), Paulo Baptista (Benfica-Braga) e Paulo Costa (Braga-FC Porto) tiveram 2,3."
Do observador do Braga-Porto já aqui registei que a nota dada a um árbitro-auxiliar, Vítor Carvalho, que assistiu a todos os lances polémicos da partida junto dos ataques das duas equipas, dependeu de ter validado mal um golo ao FC Porto (Hulk) e invalidado mal um golo ao FC Porto (Tomás Costa). O observador, aliás, só viu um dos três penáltis reclamados pelos bracarenses e logo um lance de bola no braço, eventualmente, que se viu mal e a maior distância possível a que se encontrava, na bancada, o observador, face ao canto mais distante da área (curiosamente, tal como o observador do Porto-Benfica confessou não poder ver bem por ser precisamente no lado mais distante do seu ponto de visão).

Esse observador escreveu que a nota “é penalizada pelo golo de Hulk e beneficiada pela anulação do golo de Tomás Costa” (sic). É revelador que, entretanto, alguém tenha esmiuçado que o observador em causa no clássico é dos piores classificados entre os seus pares. Aceitemos como verdadeiro, mas não invalida que o observador tenha o direito de concluir a sua observação do clássico como o fez. Pode ser mau, desde que não seja desonesto. E face à desonestidade que campeou a inverter a gravidade dos lances polémicos no Dragão com influência no resultado, as capas dos jornais e os dislates televisivos falaram por si.

Isto convém evocar numa altura em que se celebram 9 anos da maior fraude num jogo de futebol em Portugal, a arbitragem de Bruno Paixão no Campomaiorense, 1 – FC Porto, 0, a 19/2/2000. Uma arbitragem, volto a lembrar, que mereceu nota 3 de um jornal como Record, depois de o árbitro setubalense ter negado 4 penáltis ao FC Porto, claríssimos, permitido agressões (além de agarrões) do central José Soares a Jardel, todos na área, e invalidado um golo a Jardel sem razão absolutamente nenhuma.


Os recentes casos de arbitragem, aliás na esteira dos múltiplos casos todos neste século sem equiparação a qualquer outro jogo, de que se tenha ouvido falar se porventura não passou na tv nos últimos 20 ou 25 anos em que os títulos do FC Porto são postos em causa pelos invejosos e raivosos dos costumes, já me fizeram alinhavar a lista dos resultados mais falseados no campeonato português.

Sem eu conseguir lembrar-me de erros flagrantes e repetidos para o mesmo lado a viciar resultados, como já se viu neste curto andar do século XXI, sem comparação com jogos visionados nos anos 80 ou 90 com erros em escala, tirei estas conclusões:

15 PIORES ARBITRAGENS QUE JÁ VI NO CAMPEONATO

1 Campomaiorense-FC Porto (1-0), 1999-2000 (19/2/2000)
Bruno Paixão (Setúbal)

2
Benfica-Braga (1-0), 2008-2009 (11/1/2009)

Paulo Baptista (Portalegre)

3
Benfica-Belenenses (1-0), 2000-2001 (15/10/2000)

Isidoro Rodrigues (Viseu)


4
Sporting-FC Porto (0-1), 2002-2003 (11/1/2003)

Lucílio Baptista (Setúbal)


5
U. Leiria-FC Porto (1-0), 2006-2007 (26/1/2007)

Elmano Santos (Madeira)

6
FC Porto-Sporting (2-2), 2001-2002 (12/1/2001)

Martins dos Santos (Porto)


7
Benfica-Sporting (2-2), 2001-2002 (15/12/2001)

Duarte Gomes (Lisboa)


8
Sporting-FC Porto (1-1), 2003-2004 (31/1/2004)

Lucílio Baptista (Setúbal)

9
Sporting-Nacional (5-1), 2006-2007 (3/2/2007)

Duarte Gomes (Lisboa)

10
Benfica-FC Porto (1-0), 1999-2000 (1/4/2000)

Martins dos Santos (Porto)

11
Benfica-Leiria (1-1), 2004-2005 (16/4/2005)

João Ferreira (Setúbal)

12
Rio Ave-Benfica (0-1), 2003-2004 (19/3/2004)

Paulo Paraty (Porto)

13
Boavista-Gil Vicente (2-0), 2005-2006 (17/10/2005)

Elmano Santos (Madeira)

14
Benfica-Braga (1-1), 2007-2008 (24/2/2008)

Jorge Sousa (Porto)


15
Guimarães-Benfica (1-4), 2001-2002 (23/3/2002)

Duarte Gomes (Lisboa)
Os detalhes de cada jogo revelarei com mais espaço e tempo.

Até lá, quem quiser opinar e fornecer outra lista pode complicar factos, datas e resultados.

38 comentários:

  1. Estimado José Luís:

    Pode-se invocar jogos de Taça?

    Então acrescente-se:

    -FC PORTO-1- slb- 2 (2004)Final da Taça de Portugal

    Lucilio "Calabote" Baptista

    -FC PORTO-0- calimeros- 2 (2008) Final da Taça de Portugal

    Olarapio Benquerença

    Há ainda o slb-Oliveirense (Bruno Paixão);

    Taça da Liga:
    Estrela-slb- Taça da Liga (Duarte Gomes) e calimeros- FC Porto- (2009) Carlos Xistrema

    ResponderEliminar
  2. Mais um brilhante post do Zé Luis!

    Jogos em Alvalade são sempre um roubo!

    Já não me lembro de ir a Alvalade sem ser roubado!

    Vou tentar puxar pela cabeça!

    Mas olhem, este ano os Lampiões de Merda- Portinho , roubo que akilo não foi!

    ResponderEliminar
  3. esqueci-me do calimeros- FC PORTO (1-1 e 4-5 em penalties) 2008-2009 (9-11-2008)

    Bruno Caixão. Bem ao nível de Campomaior

    ResponderEliminar
  4. Zé Luís escrevi isto em comentário a propósito da pouca vergonha e das campanhas que se fazem contra o F.C.Porto:

    «Meus caros estas campanhas estão a atingir uma dimensão, como não há memória.

    Esse comportamento vergonhoso do Pedro Pinto da TVI, que o Labaredas faz referência, é um exemplo, mas podia deixar-vos outros: quando do Benfica/Braga, Mesquita Machado, presidente da Câmara minhota, como devem estar recordados, fez várias acusações.
    Deve ser coincidência, mas o C.da Manhã tem andado a atacar todos os dias, Mesquita Machado, acusando-o de tudo e mais alguma coisa.

    O Observador do árbitro Pedro Proença deu-lhe nota negativa, mas porque prejudicou o F.C.Porto e não, porque prejudicou o Benfica. Ora, logo a máquina de propaganda vermelha, saiu a terreiro e acusou o Observador de tudo, colocando em causa a sua capacidade e dizendo que tinha ficado mal classificado.

    Isto meus caros, tem efeitos e faz com que aqueles mais fracos mentalmente, pensem duas vezes, antes de tomarem decisões contra os vermelhos, mesmo que essas decisões sejam correctas e justas.

    Há entre os portistas quem diga e alguns comentários vão nesse sentido, que não devemos ligar, devemos ver outros canais, passar ao lado disso, porque os cães ladram, mas a caravana passa, etc.
    Eu não penso assim e dentro das minhas possibilidades e dos meios limitados que tenho - apenas um blog -, nunca me vou cansar de denunciar todas estas poucas vergonhas, mesmo que isso tenha um impacto muito pequeno.
    Se na blogosfera, nas páginas dos leitores nos jornais, no café ou em qualquer outro lugar, todos os portistas fizerem o mesmo, as coisas vão mudar.

    Os teus posts vão nesse sentido e por isso te felicito.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Eu fico-me pelos jogos de campeonato.
    Por duas razões:
    1) salvo a recente Taça da Liga, de resto com a medida (profilática? arbitrária?) risível de não haver observadores de árbitros, é no campeonato que a Liga tem nomeado árbitros, os da Taça de Portugal são nomeados pela FPF, tal como a Supertaça (salvo erro), pelo que o critério homogéneo só pode ser atribuído a uma comissão de arbitragem;
    2) são os títulos nacionais que alegam estarem viciados.

    Repare-se, por exemplo, que mal se falou, na Taça da Liga, dos jogos em que Benfica e Sporting foram beneficiados.

    Do que resultou que venceram os 3 jogos disputados e tiveram direito à semifinal em casa. O Benfica teve um penálti perdoado em Guimarães e um golo invalidado ao Belenenses na Luz, fara 5 pontos e nem sabemos se se qualificaria mas não seria decerto um 1º classificado. O Sporting teve aquele fora-de-jogo quilométrico em Vila do Conde.

    A piada disto é que se proclama que a arbitragem está muito melhor, mas igualmnte é contestada como nunca. E para os que reclamam que no anos 80 ou 90, quando os campeonatos eram mais repartidos pelo menos com o Benfica, é que havia corrupção e resultados viciados, haja quem se lembre sequer de uma crónica de jornal, à falta de jogos televisionados, que referissem três e quatro ou mais erros graves de arbitragem em qualquer jogo.

    Pode ter havido um penálti mal assinalado, um golo irregularou outro lance polémico, que os há em quase todos os jogos. Mas não hava, ao contrário do que as aventesmas do regime propagam, os resultados viciados nem à escala homérica que há agora nem com a quantidade de erros grosseiros e graves que se verificam hoje em dia.

    Foi por acaso que os 15 casos que identifiquei se registaram dese 2000 para cá, a começar pelo inenarrável jogo de Campo Maior. Porque por mais que me esforce, e tenho uma memória de elefante, não descortino jogos tão adulterados como estes.

    Para manter um nível de imparcialidade, aponto vários jogos que a mim mesmo, como portista, me enojaram, envolvendo outros clubes rivais e não só.

    A curiosidade maior, para a qual desfio a memória e até a criatividade dos adeptos de bancada, é identificar algumas particularidades destes jogos, que tiveram, nalguns casos, factos históricos relevantes a que, na altura da denúncia completa das manigâncias destes jogos,darei relevo quando os discriminar um a um.

    Se fosse um editor televisivo, poria no ar as imagens destes jogos fraudulentos para se perceber a enormidade do arbítrio que campeia no sector.

    O Campomaiorense-FCPorto devia ser repassado todos os anos para se perceber a monstruosidade que foi o jogo. As poucas imagens que restam na internet não retratam, além das agressões e agarrões de José Soares a Jardel, os penáltis roubados ao FC Porto e o golo anulado a Jardel.

    E até já estarão esquecidos, a maioria, de Pôncio Monteiro ter pedido a irradiação de Bruno Paixão, ao que o coro das vigens ofendidas negou em uníssono mas hoje reconhecem que este árbitro é uma nódoa imensa no sector. E que é assim há 9 anos e já disse, de viva voz, que não se preocupa com algum castigo (leia-se "jarra") porque tem "mais 11 anos para estar na arbitragem".

    É por estas e por outras que em cada ano relembro o episódio de Campo Maior. Que, apesar de toda a arbitrariedade e com reflexos na classificação final do campeonato (ganho pelo Sporting), numa jornada em que os leões empataram e o FC Porto podia ter ampliado a vantagem na liderança, o Record conseguiu ser o único jornal a não ver como o árbitro prejudicou o FC Porto, deu-lhe nota 3.

    ResponderEliminar
  6. Caro Vila Pouca, as histórias podem ter duas versões, como há jogos de "duas partes distintas", no futebol há muitas opiniões e temos de marcar as nossas.

    Cá estaremos, para isto e muito mais.

    Convém é que a onda cresça, que osadeptos se manifestem, que apoiem, que registem para poderem denunciarpor outros meios ou que tragam casos novos para serem avaliados, comentados e difundidos.

    ResponderEliminar
  7. Esse jogo ficará para sempre na memória de quem o viu, para mim, claramente o mais incrível de todos...
    Tudo foi permitido aos tipos de Campo Maior. Foi um daqueles roubos de Igreja, um golpe à la Calabote.
    Fosse ao contrário e ainda hoje fazia primeiras páginas.

    ResponderEliminar
  8. Os artigos do Zé Luís são brilhantes! Sempre no alvo! Parabéns.

    ResponderEliminar
  9. Pois é, caro Zé Luis, mas foi essa "figurinha" do guilherme Aguiar, que para prevenção da minha saúde me fez deixar de ver o "dia seguinte", quem empenhadamente defendeu a "GRANDE PROMESSA" da arbitragem portuguesa, do bruno paixão, após o roubo do século, logo a seguir ao do calabote dos anos 50!!!
    Do primeiro, apenas tenho relatos, deste vi ao vivo e a cores.

    Estamos muito mal representados, genericamente falando, nos media... e com a actual política comunicacional do clube, que até pode ser estratégica, sentimo-nos órfãos, pelo menos, desamparados, desconfortados, perante a avalanche vermelha.
    Resta-nos, pelos meios que pudermos, defender as nossas convicções e denunciar os corruptos avermelhados dos 6 milhões da treta, que afinal já são só pouco mais de 2 milhões.

    ResponderEliminar
  10. Anos noventa, benfica - Porto, penalty de Preud'homme sobre Zahovic, apitador foi o Lucilio Baptista. Este marcou-me.

    Por falar em borra botas, lindas as declarações do palhaço do Scolari à Bola. Até merecem primeira página.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  12. acho fantástico como não há uma única má arbitragem em vitorias do porto... tens que começar a ver mais futebol

    ResponderEliminar
  13. Não me lembro do ano do jogo, mas ouve um Belenenses- Lampiões em que o fiscal de linha validou um golo aos lampiões, numa bola em o guarda redes do Belém defende em cima da linha....resta dizer que o fiscal de linha estava colocado em cima da linha....mas do meio campo, salvo o exagero...ao que parece tinha olhos de àguia...

    ResponderEliminar
  14. Vamos por partes:

    "foi essa "figurinha" do guilherme Aguiar, que para prevenção da minha saúde me fez deixar de ver o "dia seguinte", quem empenhadamente defendeu a "GRANDE PROMESSA" da arbitragem portuguesa, do bruno paixão, após o roubo do século, logo a seguir ao do calabote dos anos 50!!!".

    jdm, e não só. Eu já disse que as escutas do Apito Dourado me deixaram perplexo com muitas coisas. Não sobre o putedo, que é "treino" vulgar no futebol e ninguém pode atirar a primeira pedra.

    Mas uma das escutas a Pinto da Costa apanhou o presidente do FC Porto a concordar com a promoção de Bruno Caixão a internacional.

    Esta é que eu gostava de perceber e acho, sinceramente, escandalosa.

    Outra, dragãolisboeta:

    "Estamos muito mal representados, genericamente falando, nos media... e com a actual política comunicacional do clube, que até pode ser estratégica, sentimo-nos órfãos, pelo menos, desamparados, desconfortados, perante a avalanche vermelha".

    Também aqui, pelo ostracismo que o FC Porto votou muitos jornalistas, há culpas no cartório.

    E ainda:

    "Resta-nos, pelos meios que pudermos, defender as nossas convicções e denunciar os corruptos avermelhados dos 6 milhões da treta, que afinal já são só pouco mais de 2 milhões".

    Essa vai merecer-me um post, quando houver oportunidade.

    ResponderEliminar
  15. "benfica - Porto, penalty de Preud'homme sobre Zahovic, apitador foi o Lucilio Baptista. Este marcou-me", Donnie Darko.

    Caro amigo, até o António Oliveira se ajoelhou junto à linha lateral a suplica para os céus: "Como é possível"?.

    O FC Porto até ganhou 2-1 (Jardel e Jorge Costa), um exemplo em que uma vitória do FC Porto, como a de Alvalade com Lucílio Vigarista que surripiou 4 penáltis, não deixou de ter um prejuízo de arbitragem.

    Mas neste caso não houve mais casos de monta para vituperar o resultado, ao contrário desse jogo de Alvalade.

    ResponderEliminar
  16. recordo-me tb de um ben7ica/PORTO em que o Clayton corria isolado pra baliza e, dentro da área, é atropelado por trás por um defesa, derrubando-o e passando-lhe por cima.

    era treinador o Oliveira, q até se ajoelhou à beira do relvado, de mãos postas a olhar pró árbitro e sem acreditar no q tava a ver.

    esse jogo já é dos que estão assinalados em cima?

    ResponderEliminar
  17. "não há uma única má arbitragem em vitorias do porto".

    Presumo que queira dizer, carraspana, que o FC Porto não foi beneficiado em jogo algum, não é?

    As que indico acima foram vitórias do FC Porto com erros de arbitragem que mais o prejudicaram.

    Mas um penálti assinalado ou por assinalar e corriqueiro no futebol, não vou por aí. Agora, 4 penáltis por assinalar, é preciso ter lata!

    De qualquer modo, queira apresentar sugestões - com dois ou mais erros flagrantes de arbitragem - de jogos em que o FC Porto tenha sido beneficiado, porque penso ser essa preocupação.

    Ou, então, diga se algum dos roubos mencionados sofre qualquer objecção. É que eu vejo mesmo muito futebol há muitos e muitos anos e nunca vi nada como agora sucede com a dimensão assustadora dos erros dos nossos árbitros que têm, recorde-se, condições que nunca os predecessores tiveram.

    ResponderEliminar
  18. ah, parece q a minha pergunta afinal já tinha resposta :)

    terá sido então o Zahovic e não Clayton :)

    ResponderEliminar
  19. "Belenenses- Lampiões em que o fiscal de linha validou um golo aos lampiões, numa bola em o guarda redes do Belém defende em cima da linha", Alceu.

    O árbitro foi Vítor Pereira, salvo erro o g.r. azul era o Marco Aurélio e defendeu a bola em cima da linha. Vítor Pereira confiou na indicação do seu auxiliar que não podia ver o lance, pois estava no lado oposto ao do corpo do g.r., junto ao poste mais distante, deitado sobre a linha de baliza. Foi um golo de intuição...

    Vítor Pereira veio depois pedir desculpa. Todos os jornais mostraram a boa defendida e parada sobre a linha de baliza, a tv também.

    Mas esse foi um caso isolado, ainda que decidisse o resultado (0-1).

    O que acho inadmissível é ter 3 o 4 casos a favor da mesma equipa num só jogo.

    E decerto muitos destes roubos que elenco passam-vos ao lado, não associam figuras de clubes ou mesmo que casos do jogo os marcaram.

    Há muita gente que precisa de ver mais futebol.

    ResponderEliminar
  20. labaredas no fcporto.pt:

    Já estão a investigar?

    Há um tema no ar que continua a intrigar o Labaredas. Será que as autoridades competentes já recuperaram as declarações recentes do ex-presidente da Assembleia-Geral da FPF acerca da visita do Sp. Braga à Luz? Já estão a investigar o seu teor e possíveis implicações? Perdoem esta chama de curiosidade, mas não parece normal se as palavras de Mesquita Machado passarem em claro.

    O ex-presidente da AG da FPF afirmou ter «conhecimento de que teria havido influências externas para que o árbitro fosse alterado». Perante isto, já entraram em campo os justiceiros do costume? Ou será que há colours que a razão desconhece?

    ResponderEliminar
  21. "parece q a minha pergunta afinal já tinha resposta :)

    terá sido então o Zahovic e não Clayton :)", nobigdeal.

    Não, são jogos diferentes. O penálti sobre Zahovic não assinalado e pelo qual Oliveira se ajoelhou, incrédulo, foi em 1996-97.

    O Clayton interveio num Benfica-Porto, marcado um golo de canto directo, Bossio tirou a bola da baliza, havia 11 ou 12 minutos, o Porto perdeu 1-0, um "chouriço" do Sabry antecedido de falta, mas esse jogo está mencionado na lista, apitado por Martins dos Santos (Paulo Januário o fiscal-de-inha que na bandeirola de canto não viu o golo olímpico), um dos jogos em que uma vez um manhoso perguntou, alarve, que "um dia ainda perguntarão se Martins dos Santos apitou algum Benfica-Porto" (?!) e o mafioso presidente do Benfica disse na semana passada que o Benfica "tinha sido muito prejudicado no passado por Calheiros e Martins dos Santos".

    Eu tenho a contabilidade dos jogos do Benfica dirigidos por esses (e outros) árbitros e o mafioso jagunç da instituição da treta está a veicular uma mentira, mais uma no seu rol de barbaridades.

    Um dia farei essa contabilidade, porque há árbitros do passado que podiam ser maus mas não eram tão maus como os actuais.

    ResponderEliminar
  22. tb me recordo desse "golo olímpico", aliás, tenho guardado no pc a imagem virtual emitida nessa noite pela rtp onde se vê que a bola entrou.

    mas tb tava com a ideia que nesse penalty em que o Oliveira se ajoelhou a rezar tinha sido com o Clayton.

    engano meu, a memória já não é o que era :)

    ResponderEliminar
  23. Zé Luis, esse jogo nao ficou 0-1, mas sim 1-2.
    O Benfica perdia por 1-0, quando é validado esse golo em cima da linha e logo de seguida Edgar faz o 1-2 em fora de jogo.

    ResponderEliminar
  24. Noé Rocha, inteira razão.

    Fiz confusão com outro jogo com Vítor Pereira, ficou 1-0 mas foi na Luz. O golo fantasma foi no Restelo em 1997. O jogio anterior, na Luz, com o mesmo árbitro, foi em 1995.

    ResponderEliminar
  25. Ó Zé e o Carlos Valente? Lembras-te daquele jogo que perdemos nas Antas 2-0 com os golos do César Brito? Como se chamava o bandeirinha que tinha um defeito no braço e na segunda-parte, estava sempre a levantar a bandeirola e não deixou o Porto fazer um ataque?

    Ai o Carlos Valente...

    ResponderEliminar
  26. Falta um jogo com o santa clara arbitrado pelo emanuel camara da Madeira

    ResponderEliminar
  27. Esse jogo em que o Clayton marca o golo de canto directo, roubou-nos o titulo. E é preciso nao esquecer essas coisas "menores". O golo do Benfica é ilegal (como se ja nao basta-se roubarem-nos um golo limpo).
    Imaginem de a imprensa fosse imparcial e fizesse o mesmo burburinho que fez naquele lance do Baia ja no novo galinheiro. Esse que nenhuma imagem (nem virtuais), mostram que a bola entra. Ou por outra mostram todas que a bola nao entrou.

    Esse jogo do canto directo mal invalidado, tirou o titulo ao Porto em mais uma roubalheira indecente. Lembro-me vividamente do critério de cartoes nesse jogo nojento.

    Para provar a indecencia da comunicaçao social portuguesa, o "pseudo-departamento" de comunicaçao do Porto so precisava de mostrar numa conferencia de imprensa as capasa de jornal desses dois jogos.

    De seguida, mosrava as capas de jornal da semana passada, com imagens esclarecedores do pénalti clarissimo sobre o Lucho.

    ResponderEliminar
  28. E até vou deixar aqui aquilo que para mim é mais importante:

    O critério disciplinar dos arbitros e a parcialidade com que o utilizam nos jogos do Porto.

    Como se ja nao bastasse a roubalheira de foras de jogo e penalties, temos o critério disciplinar.

    Uma compliçao de todos os amarelos mal mostrados a jogadores do Porto e amarelos que ficaram por mostrar a adversarios, dava uma complilaçao maior que do "Saving Private Ryan".

    Como em Portugal nao ha Tom Hanks nem Spielberg, a coisa fica perdida pelo nevoeiro das mentiras monocromaticas vermelhas e brancas.

    ResponderEliminar
  29. Ao ler o texto de ontem do Labaredas, fui à procura das imagens do cabrao do pivot da TVI.
    Que coisa nojenta.

    ResponderEliminar
  30. Tens razão Zé Luís aquele jogo em Campo Maior foi uma vergonha tremenda! Gostava de saber qual foi a nota atribuída ao Bruno Calabote...

    ResponderEliminar
  31. Vila Pouca, esse foi dos primeiros fiscais-de-linha, como então se chamavam, que comecei a fixar. Porém, assinalar foras-de-jogo não é nada do outro mundo, nenhum serviu para anular uma jogada de golo iminente.

    Aliás, esse jogo teve uma série de erros próprios do FC Porto, como a substituição do Jão Pinto (salvo erro) ao intervalo, para entrar o Baltazar - cuja aquisição em Janeiro inviabilizava o pretendido com essa contratação, que era jogar na Taça dos Campeões -, passando Paulo Pereira da lateral-esquerda para a direita e desguarnecendo o flanco, coberto pelo médio André, por onde o Benfica rompeu para o primeiro golo.

    Mas Carlos Valente, verdade seja dita, até poupou um penálti ao FC Porto, não teve tomates para marcar falta de Aloísio sobbre V. Paneira (ou César Brito), salvo erro.

    ResponderEliminar
  32. Baby_Boy, esse jogo do Santa Clara-FC Porto salvo erro não deu em directo na tv, lembro-me de Octávio, o treinador, ter contestado um penálti escabroso marcado contra o FC Porto e de ter denunciado que o Emanuel Câmara era uma "encomenda" por ser familiar do António Henriques, do CA da FPF.

    Mas um lance polémico não chega para a lista dos maiores roubos quando tantos jogos houve commais de dois e três erros clamorosos da arbitragem.

    ResponderEliminar
  33. O Belenenses-Benfica (1-2) apitado pelo Vítor Pereira e aqui trazido peo Noé Rocha, em virtude da falsidade do resultado com dois erros prò Benfica a virarem o marcadór, é digno de figuar nesta lista de maiores fraudes em resultados do campeonato.

    Tinha a ideia do golo fantasma no 1-0, mas como já confirmei, esse 1-0 foi na Luz e o golo fantasma foi no Restelo, a que se juntou o golo irregular de Edgar.

    Sei a jornada, vou apurar a data desse jogo ai por Outubro/Novembro de 1997.

    ResponderEliminar
  34. Boas, é a primeira vez que comento e como Portista convicto que sou comungo da mesma teoria de que o FCP é sempre um alvo a abater por muito que tentem passar a mensagem justamente ao contrário. O que mais me chamou à atenção foi de facto aquele jogo de Campo Maior e a forma incrível como se consegue manter este mariconço do B.Paixão a apitar ainda hoje. Depois confirmar, porque sou filho de um portista nascido em 1924 e como tal o meu pai passou os largos anos de jejum "impostos" pela teia que se estendeu também ao futebol. Há muitos anos atrás, sem TV e já com comentadores chicos-espertos que só relatavam o que lhes convinha. O FCP armava sempre boas equipas mas esbarrava sempre nos altos desígnios da nação que mandava ganhar alguém de Lisboa. Felizmente o meu pai ainda teve tempo de saborear imensas vitórias do FCP, já na era democrática, com o novo espírito indomável do Dragão a comandar o futebol Português. Ontem como hoje mantém-se a tendencia de ostracizar o FCP e por isso há que estar constantemente alerta com os Paixões, com jornaleiros tendenciosos e muito mais que há por aí. Hoje à noite esperamos mais uma vitória rumo ao Tetra. Saudações da Pérola do Atlântico cada vez mais azulEbranca

    ResponderEliminar
  35. Zé Luís, faltou pores na conta 1 penalti de Rogério Matias sobre Domingos, com uma joelhada na coxa que o pôs no chão a torcer-se com dores. Foram portanto 5 os penaltis que ficaram por marcar a favor do Porto. Deve ser record nacional, pelo menos.

    ResponderEliminar
  36. 100 % de acordo com o post.Talvez acrescentasse nessa lista a arbitragem do Hélio Santos no tristemente célebre Estoril-Benfica

    ResponderEliminar