18 fevereiro 2009

O momento da equipa

O futebol de Jesualdo nunca foi atraente, mas foi-o quase sempre eficaz, salvo momentos de puro azar como o do ano passado nos oitavos de final da Liga Milionária. Estou com o treinador (que às vezes faz de relações públicas e elemento da SAD), até ao fim (eu que cheguei a pensar que o melhor era ele ter dito adeus em Outubro). No entanto penso que é muito importante trazer para a discussão algumas questões que devem ser analisadas.

No último jogo, em que um qualquer Coentro desmioladinho fez uma festa galinácea por ter marcado um belo golo, o Porto mais uma vez não teve meio campo e o que mudou verdadeiramente o rumo da partida foi a entrada de Lisandro. A provar que quando se mexe na equipa deve mexer-se bem e não mal.

Tal como em Belém, onde Lisandro entrou e fez um passe de morte para matar o jogo, as suas movimentações são e foram decisivas para partir a defesa adversária. Sem Lisandro a equipa é uma sombra de si própria, pelo que ele joga e faz jogar, pelos espaços que cria para que os outros dois da frente tirem rendimento do seu repentismo e da sua explosão.

As asneiras tácticas foram desta vez diferentes das do jogo com o Benfica mas igualmente castradoras do futebol da equipa e do domínio que esta pode ter do jogo.

Já fomos testemunhas de muitos erros posicionais. Todos nos lembramos decerto dos primeiros meses da época. Primeiro foi o posicionamento do Rodriguez. Depois foi o do Hulk.

Encontraram-se as posições ideais para os dois e a certa altura o futebol da equipa (antes do Natal) tinha ligação e velocidade, mesmo com o Lisandro e o Lucho em sub-rendimento. Já muitas vezes falei do posicionamento dos dois em Istambul e em casa com o Arsenal.

Já se viu onde podem render os dois (Hulk e Rodriguez), mas neste momento, regressamos a um fosso antigo, entre as linhas de meio campo e ataque que fazem do Porto uma equipa lenta e sem explosão ofensiva. Lembremo-nos que o nosso meio campo não tem transportadores de bola e nem "panzers" de primeira linha. Na hipótese ínfima de o treinador decidir de uma vez por todas juntar as linhas e colocar estes dois jogadores onde eles podem render, então pode ser que voltemos ao rendimento pré-natalício, senão prevejo muitos dissabores até final da época.

A gestão disciplinar do plantel é uma lástima. Estamos com 4 jogadores, habituais titulares, em risco de exclusão. Isto leva a uma gestão obrigatória, mas quase cómica do plantel. Por isso tantas dificuldades, apesar do Lucho estar a subir a olhos vistos e do Meireles estar a voltar à sua melhor forma (será que a subida de rendimento de um ter a ver com a do outro?).

A somar à juventude de muitos e à gestão agora necessária de alguns, as falhas de posicionamento revelam-se suicidas.

A importância dada ao Farías esta semana é justa, mas não deve ser menor que a dada às opções do treinador. Farías não é o avançado de que o Porto precisa. Rendeu mais porque jogou na sua posição natural mais de 90 minutos e porque São Bruno se lembrou, numa jogada de raça, bem à central do Porto, de subir pelo flanco e arrancar um cruzamento com conta, peso e medida, que o rato de área aproveitou. Estas ocorrências intermitentes são próprias de jogos contra uns Coentrozitos, não acontecerão contra Atléticos de Madrid. A falta que não faz Adriano...

Quando olho para Guarín e Tomás Costa, vejo dois jogadores que nada evoluíram desde que chegaram ao Porto. Não por falta de valor, mas por falta de minutos e de quem os faça evoluir. Quando olho para o nosso banco e vejo Guarín, Tomás Costa, Farías e Mariano e depois vejo outros quatro jogadores como Adriano, Ibson, Alan e César Peixoto, que foram esquecidos ou emprestados, facilmente descortino a diferença de valor e de soluções que o nosso banco teria. No jogo com o Benfica, na falta de nervo do treinador para modificar o posicionamento do meio campo, soluções para partir a defesa contrária precisavam-se.

Não vou aqui falar do caso do Luís Aguiar, porque sinceramente para mim a sua situação é algo confusa (alguém da bancada que explique por favor de uma vez por todas se o passe ainda é do Porto ou não) e um ano a jogar com regularidade está-lhe a fazer muito bem. Não vou perder tempo a falar do Renteria porque acho que não é opção que venha acrescentar algo ao plantel. Pode ser que esteja enganado. Mas há “muito boa gente” a jogar por outros emblemas que seria muito útil a este plantel.

Tem sido uma época difícil, muito irregular. Situação expectável dada a inexperiência do plantel. Mas não é com as opções que o banco oferece, as substituições que temos operado e a ridícula gestão dos cartões amarelos que se verifica, que podemos ver os jogos com a certeza de que tudo corre com estabilidade e com a confiança habitual de que se à equipa faltar engenho, a estrutura e a raça tratarão do resto.

Espero que a maioria dos cartões seja “limpo” na véspera da primeira mão da meia-final da taça de Portugal e que a partir desse momento o núcleo duro da equipa se mantenha. Seria quase caricato e amador que uma equipa que levou tanto tempo e esforço para ser trabalhada se visse agora, novamente “amputada” e a perder processos que tão bom resultado deram no passado, porque imagine-se, a questão dos cartões amarelos não foi bem equacionada.

Tanto tempo para encontrar estabilidade táctica e uma equipa base, para depois essa estabilidade se perder, ou porque a posição de algumas pedras fundamentais volta ser o que não deve ou porque as substituições são uma lástima, ou pela impossibilidade de utilizar A ou B porque as questões disciplinares não estavam na agenda.

Estabilidade precisa-se.

P.S. Apesar de devermos ser críticos, devemos apoiar quem entra no campo para representar as nossas cores. O público do Dragão é manifestamente uma vergonha. Um bando de burgueses ignorantes. O Mariano e o Tecla podem não ser os jogadores que o Porto precisa, mas quando jogam devem ser acarinhados e apoiados como qualquer outro. Com tanto assobio e falta de apoio não há aquisição que resista.

26 comentários:

  1. Na mouche, Soren, como complemento ao que se tem evidenciado. Acho que a análise da época do FC Porto não tem sido melhor tratada noutro lado que não aqui, na bancada dos indefectíveis que sabem o que é o bom jogo, compreendem as vicissitudes do futebol, gerem as insatisfações que os solavancos provocam, apesar de esperados nesta época, e sem deixarmos de apoiar apontamos com sentido construtivo as lacunas que naturalmente existem nesta fase de remodelação da equipa.

    ResponderEliminar
  2. Só para dizer que gostei da conferência de imprensa de hoje do Prof. Jesualdo, curto e grosso...como merecem esses merdas que se auto intitulam de jornalistas.
    Ficaram ligeiramente aziagos, os dois sebosos da SIC.

    ResponderEliminar
  3. se não me engano, neste jogo contra o Rio Ave os assobios começaram ao 8º minuto de jogo (!)

    uma lástima...

    ResponderEliminar
  4. Tenho quase a certeza que o passe do Luis Aguiar não pertence ao Porto, já que não exercemos o direito de opção.

    Acho que a análise à época está bem feita. A juntar ao problema das opções julgo que a atitude mental não tem sido a mesma que estamos habituados.


    Não me conformo com o jogo com os encornados. Aqueles ultimos minutos tinhamos que marcar nem que fosse à cabeçada e ao pontapé.

    No tempo do Mourinho estavamos a perder 0-1 ao intervalo e este chamou, salvo erro, o massagista para lembrar aos jogadores o que aquele jogo representava. Viramos para 2-1.

    A culpa não será só do professor, também os verdadeiros jogadores à Porto rareiam.

    Infelizmente não vejo dentro de campo um lider como um João Pinto, Paulinho Santos ou um Jorge Costa. O Lucho é muito politicamente correcto para ser capitão e o Bruno Alves está demasiado preocupado em jogar limpo para não ser mais crucificado. A excepção parece-me o Meireles, a forma como abanou o fiscal de linha no jogo com o Rio Ave é de capitão.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Soren, o Luis Aguiar no início da época 2007/08 veio para o FCPorto emprestado por um ano, com o FCPorto e ter o direito de opção no final desse período. Fez a pré-época no FCPorto e foi depois emprestado ao Estrela da Amadora. No final da época passada o FCPorto não exerceu o direito de opção em ficar com o jogador e o Luís Aguiar resolveu a vida dele, assinando pelo Braga.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  6. Já critiquei o nosso treinador várias vezes mas também não acho que deva sair antes de terminar a época. Nem acho que a equipa esteja a jogar mal. Depois daquela semana negra em Outubro em que perdemos 3 jogos, conseguimos 11 vitórias e 3 empates nas competições que nos interessam (liga e champions). Os dois primeiros empates foram manifestamente injustos em relação ao futebol apresentado.
    Para mim o principal problema tem sido a quebra de produção nas segundas partes do jogo, devido ao menor rendimento de Lucho e Meireles. Dado o passado do argentino já nem acho estranho, no caso do português a quebra física fez com que o treinador o substituísse em 7 dos últimos 8 jogos.

    ResponderEliminar
  7. «Quando olho para o nosso banco e vejo Guarín, Tomás Costa, Farías e Mariano e depois vejo outros quatro jogadores como Adriano, Ibson, Alan e César Peixoto, que foram esquecidos ou emprestados, facilmente descortino a diferença de valor e de soluções que o nosso banco teria.»

    O que é que Ibson, Alan e César Peixoto fizeram com a camisola do Porto? Estes sim, ao contrário de Guarín e Tommy, que só tiveram 212 e 612 minutos na liga, tiveram muitas oportunidades e não justificaram a sua permanência no Porto. É muito mais fácil jogar em clubes onde a pressão de vencer não é inibidora de arriscarem a cometer erros.

    ResponderEliminar
  8. «Farías não é o avançado de que o Porto precisa. Rendeu mais porque jogou na sua posição natural mais de 90 minutos e porque São Bruno se lembrou, numa jogada de raça, bem à central do Porto, de subir pelo flanco e arrancar um cruzamento com conta, peso e medida, que o rato de área aproveitou. Estas ocorrências intermitentes são próprias de jogos contra uns Coentrozitos, não acontecerão contra Atléticos de Madrid. A falta que não faz Adriano...»

    Não entendo essa comparação. Se formos a analisar os golos marcados na liga, Farías tem um rendimento superior ao de Adriano.
    Adriano marcou 19 golos em 3019 minutos, uma média de 0,57 golos a cada 90 minutos.
    Farías marcou 9 golos em 991 minutos, uma média de 0,82 golos a cada 90 minutos.

    ResponderEliminar
  9. Aristodemos,

    Esse nao era o tema principal do post.
    Como sabe as estatisticas apresentam muitas falacias.

    Para mim o Adriano é um avançado que desgasta as defesas adversarias e oferece presença na area com equipas fisicamente fortes como sao as da Liga dos Campeoes. Farias nao.

    Para mim o Alan é muito mais repentista e explosivo que o Mariano. A extremo para mim era uma opçao muito mais valida. Defensivamente o Mariano é melhor.

    O Ibson é um craque de todo o tamanho. Tem lugar no onze deste plantel de caras.

    O César Peixoto tinha sido uma opçao muito valida para a lateral esquerda pelas razoes que todos os Portistas conhecem. Ainda hoje, seria titular.

    Nao falei destes 4 nomes por acaso. Mencionei-os porque tenho ideia de como poderiam ser muito uteis ao plantel.

    Nao disse que o Guarin e o Tomas Costa (para mim principalmente o primeiro, se tiver quem o faça crescer tacticamente), nao teem valor. Os 4 jogadores que mencionei sao jogadores feitos.

    Tudo isto tem a ver naturalmente com politicas de contrataçoes e opçoes do treinador.

    Mas o que é mais importante nesta altura é olhar para o que pode ser feito para corrigir a performance do meio campo e a forma como a equipa faz pressao sobre a bola. Ja o fizemos bem esta época e deixamos de o fazer. A questao dos amarelos também tem que ser resolvida e rapido.

    ResponderEliminar
  10. Amigo, apoie à divulgação, ajude-nos a ajudar quem precisa.

    http://www.vilarealsport.com/2009/02/ajude-o-ernesto.html

    Obrigado

    ResponderEliminar
  11. Soren disse...:
    «Como sabe as estatisticas apresentam muitas falacias.»

    É o que consta, mas gostava de ver um mau avançado com melhores estatísticas do que um bom. Para mim o que conta para um ponta de lança é o número de bolas que mete no fundo da baliza. O resto é que é falacioso porque não conta para o totobola.

    ResponderEliminar
  12. esta temporada braga é a melhor equipa portuguesa na minha opinião.o jogo de milão foi verdade... parece-me a equipa com melhor e mais futebol...

    ResponderEliminar
  13. Bem, este Braga joga futebol.. Com os dispensados/emprestados do FCP e dá gosto ver..

    Por mim, Jesus no banco do FCP na próxima época.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  14. labaredas no fcporto.pt:

    Jornalista de café

    Podem acusar o Labaredas de plágio, mas a reprodução até não deixa de ser irónica. «Por incrível que possa parecer», há um jornalista (?) de TV que lança uma notícia com a sua opinião e deixa os factos para segundo plano. Ontem, quem viu o Jornal Nacional da TVI ficou a saber que o pivot acha «incrível» o que devia merecer-lhe unicamente equidistância. É o que dá a clubite aguda.

    Trata-se de mais um vermelho por dentro e por fora. Nunca o escondeu. Escusa é de o demonstrar no cumprimento de tarefas profissionais que lhe exigem isenção, rigor e objectividade. Que era mau a escolher clubes já todos sabíamos. Descobrimos agora que também deixa a desejar enquanto jornalista.

    «Pedro Proença, árbitro do F.C. Porto-Benfica, teve nota negativa pelo seu desempenho no clássico, mas, por incrível que possa parecer, em causa não está o penálti inexistente que permitiu ao F.C. Porto empatar a partida».

    «Incrível?» «Inexistente?» Não terá confundido o estúdio com a mesa do café?

    ResponderEliminar
  15. Sem duvida Aristodemos, tem toda a razao, alias ha 1 época atras o Adriano fez muitos adeptos Portistas ganharem o totobola.
    E nao foi so com os golos que marcou, porque um ponta de lança é muito mais do que isso.

    ResponderEliminar
  16. Soren disse...:
    «Sem duvida Aristodemos, tem toda a razao, alias ha 1 época atras o Adriano fez muitos adeptos Portistas ganharem o totobola.»

    Por outro lado o Porto não conseguiu ganhar nenhum dos 4 jogos da champions em que o Adriano jogou.

    «E nao foi so com os golos que marcou, porque um ponta de lança é muito mais do que isso.»

    Contabilizando as assistências Adriano tem uma média de 0,24 por 90 minutos enquanto Farías tem 0,36.

    ResponderEliminar
  17. Aristodemos, leve a bicicleta, nao ha problema.
    O Farias como sabemos pura e simplesmente nem joga na Liga dos Campeoes. Jogou 2 ou 3 vezes e o resultado esteve à vista. Lembro-me daquele grande jogo na Alemanha o ano passado.

    Nao acho que seja um avançado com qualidade para jogar no Porto. O Adriano, pelas suas caracteristicas fisicas e de luta intensa durante os 90 minutos, seria muito mais util.

    Esta é a minha opiniao, nao o estou a tentar convencer de nada, fique la com a sua ideia.

    Espero que daqui para a frente o Farias seja tao feliz como foi no passado Domingo e que um dia se possa vir a revelar quase tao importante e decisivo quanto foi o Adriano ha duas épocas atras.

    ResponderEliminar
  18. Alguém me explica isto:


    "Liga indefere reclamações de FC Porto e Boavista
    INEXISTÊNCIA DE CIRCUNSTÂNCIAS OU MEIOS DE PROVA NOVOS
    A Comissão Disciplinar (CD) da Liga indeferiu as reclamações apresentadas pelo FC Porto e o Boavista no âmbito do processo Apito Final, julgando 'improcedentes' os pedidos de revisão dos clubes portuenses, por considerar que não existem 'circunstâncias ou meios de prova novos'"

    Como?

    ResponderEliminar
  19. miguel_canada disse:
    «Alguém me explica isto:


    "Liga indefere reclamações de FC Porto e Boavista
    INEXISTÊNCIA DE CIRCUNSTÂNCIAS OU MEIOS DE PROVA NOVOS
    A Comissão Disciplinar (CD) da Liga indeferiu as reclamações apresentadas pelo FC Porto e o Boavista no âmbito do processo Apito Final, julgando 'improcedentes' os pedidos de revisão dos clubes portuenses, por considerar que não existem 'circunstâncias ou meios de prova novos'"

    Como?»

    A CD decidiu como sempre faz, contra o FCP, contra os factos, contra a lei. Qual é a dúvida?

    ResponderEliminar
  20. Jorge Jesus na conferência de imprensa após o jogo da Uefa:
    "...Por fim, Renteria: "Tivemos paciência no início, porque não estava a jogar tão bem como agora, mas aos poucos está a mostrar que é um avançado de futuro para o FC Porto."

    http://www.ojogo.pt/24-364/artigo781182.asp

    Com esta frase, quase aposto que já está mais do que contratado para a próxima época...
    Acho que percebe imenso de futebol, põe as equipas a jogar mt bem (ainda me recordo do Felgueiras há uns anos atrás), mas a postura e o discurso "meio-bronco" são uns contras que podem pesar na decisão de o contratar ou não.

    E a "estória" acerca do sms do Bruno Alves...alguém sabe mais alguma coisa do que transpirou?

    ResponderEliminar
  21. Nesta fase da época, a conversa do Jesus interessar ao FCP só interessa ao sportem e aos galinholas.

    Parece que o Bento também não fica em alvalade e o Quique oferece-se todas as semanas a clubes espanhóis quando o que na realidade quer, é vir treinar o FCP.


    Falemos do Jesus em Maio-Junho. Digo eu, que sou apenas um rato.

    ResponderEliminar
  22. Nesta altura da época não adianta pedir a cabeça do treinador ou pedir aquele ou outro jogador.

    Sou um critico confesso do nosso treinador, é verdade que tem ganho, mas a mim não me enche as medidas só que agora nesta fase é apoiar incondicionalmente e esperar que chegue o fim da época com mais um ou uns titulos no bolso e desejar boa sorte para o resto da sua carreira e esperar pelo novo treinador.

    Quanto aos jogadores, concordo que temos alguns emprestados que poderiam ser uteis no plantel e até melhores que alguns dos que incluem o actual plantel mas os que temos são os que eu apoio e só espero que o treinador os ponha a jogar nos sitios deles e que nos dêem muitas alegrias.

    SAUDAÇÕES PORTISTAS

    P.S. Estatisticas aparte, gostos aparte o Adriano seria muito mais impportante para o plantel actual do Porto que é o Farias.

    ResponderEliminar
  23. "Acho que percebe imenso de futebol, põe as equipas a jogar mt bem (ainda me recordo do Felgueiras há uns anos atrás), mas a postura e o discurso "meio-bronco" são uns contras que podem pesar na decisão de o contratar ou não.
    "

    Essa epoca que falas do Felgueiras com o JJ não é bem assim. Se a memoria nao me falha faltavam menos de 10 pontos na 2ª volta para garantir a permanencia e não obteve nem metade...

    ResponderEliminar
  24. "...Por fim, Renteria: "Tivemos paciência no início, porque não estava a jogar tão bem como agora, mas aos poucos está a mostrar que é um avançado de futuro para o FC Porto."

    - Eu não vejo absolutamente nada nesta frase que demonstre uma hipotética vinda do Jorge Jesus para o FCPorto.
    O que leio é um treinador a garantir que o empréstimo de Renteria ao Braga foi benéfico para o jogador porque pode jogar com regularidade, progredir e ter as oportunidades que precisa para se tornar, um dia, num jogador com nível para jogar no clube que possui o seu passe.
    Nada mais.

    ResponderEliminar