06 maio 2010

Pechisbeque para sempre

Os adeptos portistas e flavienses terão de ir ao Jamor para a final da Taça de Portugal.
Não é ainda oficial e público, mas os clubes sabem já que a FPF não aceita a mudança de cenário que os clubes propunham. O Chaves pôs Braga como prioridade, o FC Porto aceitava qualquer estádio a Norte excepto Guimarães, pela antipatia criada recentemente com os vimaranenses.
Não é, sempre, com estados de alma que as coisas se resolvem, mas algumas não se alteram a não ser com estados de alma mais fortes que se oponham a intolerável pesporrência regulamentar que, em vez de beneficiar o futebol, penaliza os adeptos, os respeitáveis espectadores que são cada vez menos tidos em conta nestas matérias.
Eu acredito mais que, como suspeitei há um ano após ver a final do patrocinador, num templo a cheirar a Fátima, Estado Novo e outros símbolos do passado e decorado com cores pascais, o dinheiro do "sponsor" da prova influi nisto e, claro, os clubes têm de aceitar. Clubes conduzidos pelo cheiro do dinheiro não podem furtar-se ao cumprimento das suas obrigações desportivas no amplo teatro de negócios que vilipendiou o futebol.
É, portanto, assente que o pechisbeque do Jamor vai perdurar, por muita vontade que os clubes finalistas manifestem em jogar noutro local, mais próximo das suas raízes e dos seus adeptos que era legítimo, racional e óbvio poupar a desgaste financeiro maior e escusado, só para se cumprir um preceito que alguém teima em não mexer na legislação.
Soube ontem ainda de um amigo flaviense que a FPF confirmou o Jamor, depois de o FC Porto ter transmitido ao Chaves a vontade de também jogar no Norte com a excepção referida de Guimarães. Acho lamentável, porém, que o FC Porto não tenha pública e formalmente dado a sua opinião, depois de os flavienses terem lançado a opção/preferência que é conhecida.
Aos adeptos resta-lhes, na sua liberdade, ceguir cegamente ou romper definitivamente uma direcção que só eles podem fazer mudar no futebol. Aos adeptos portistas por maioria de razão das inúmeras finais em que invariavelmente, nos últimos 15 anos, o FC Porto participou, cabe-lhes marcar presença, sob pretexto de seguir a equipa mas sem contornarem a forma bovina como acabam por ser conduzidos. Ou protestar e não comparecer.
É, ainda, lamentável que o FC Porto seja pronto a criticar a Liga, por estratégia política, se marca uma Taça da Treta para o Algarve, mas não se furtando a ela; e não erga a sua voz contra a prepotência federativa em que a AF Porto em que se filia devia lutar, nas assembleias federativas, para contornar este problema e tornar a final possível fora do Jamor em casos de manifesta impropriedade de ali se jogar como este ano.
Frente ao P. Ferreira, que quis jogar no Jamor há um ano, já se viram muitas clareiras no sector destinado aos seus adeptos e em que os portistas não chegaram a preencher, como sucedeu por exemplo em 2003 com a U. Leiria. Mas no ano da tripla Campeonato-Taça-UEFA, a final chegou como apogeu de uma época ímpar. Na época passada o FC Porto chegou lá campeão. Este ano, com várias desilusões, será interessante ver a afluência de público. Desta vez não estarei lá, nem nunca mais.
Fica o regime com o seu pechisbeque preservado. Bom proveito.
ACT. (6ª feira) - Veja-se a voz do FC Porto na matéria. Ironia. E cobardia. Glosa com as dificuldades das gentes de Chaves, mas marimba-se tanto como os que sugere que se marimbam para o assunto. Já nem falo dos adeptos do FC Porto. O FC Porto, nitidamente, perdeu a voz.
Tomem nota do excerto da entrevista de hoje (simultânea no "Grande Porto" e no "I":
Sendo entre dois clubes nortenhos, acha bem que a final se jogue no Estádio do Jamor, a tantos quilómetros de casa?
Essa polémica não leva a lado nenhum, mas há de facto uma grande incoerência. Se o estádio tem condições para uma final da Taça de Portugal, porque é que a selecção nacional não joga lá? Até já houve um morto num Sporting-Benfica e eu até já estive lá cercado dentro de um autocarro há muitos anos, portanto, não se pode dizer que não há perigo. Eu sei que este ano, dado que o país está próspero, que a gasolina está barata e que as auto-estradas são de borla, Chaves vai lá cair em peso, porque não tem desempregados e toda a gente é rica. Fazer mil quilómetros para ver um jogo de futebol não é sacrifício nenhum...

11 comentários:

  1. Se calhar já leste isto mas de qualquer forma aqui vai mais uma que se pode guardar, ou então não pois já era óbvio demais, e que justifica muito do que tem sido o "bom trabalho" deste senhor e as suas famosas decisões.

    http://www.ojogo.pt/26-126/artigo862884.asp

    ResponderEliminar
  2. Jamor? Jamais !!!

    Nem para treinar rugby...

    http://www.record.xl.pt/noticia.aspx?id=f0405153-610e-4f35-be77-56f6f913d550&idCanal=00002438-0000-0000-0000-000000002438

    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Adolfo,

    por acaso acabei há pouco de passar os olhos pelos desportivos. Li isso, mas vale o que vale e não me incomoda porque não me surpreende.

    Mas se a edição do jornal faz manchete com o profe a poder processar o larápio, por maioria de razão o larápio pode processar o jornal por isso. E mesmo sendo 2 versões contra a dele, e até ficar tudo em águas de bacalhau, o larápio tem todo o direito de protestar contra a violação de confidencialidade, digamos assim.

    Isso, para mim, é folclore. Como seria se o larápio dissesse ser do Leiria e Marrazes - porque creio que há um árbitro que se confessa depto desse clube.

    ResponderEliminar
  4. Donnie Darko,

    não tinha lido essa, mas também não me surpreende.

    Do estado do relvado, que é o que me interessa em termos de futebol, já o descrevi na final de 2009: ainda o encontrei pior do que o costume e achei inacreditável.

    Agora, aquele relvado não acho desapropriado para o râguebi, sinceramente, porque a sua irregularidade e o facto de se apresentar seco e com sulcos não impede um jogo em que basicamente se joga com as mãos e para ressaltos no relvado já basta a bola ser um melão, com os seus "devaneios" e mudanças de curso, fintando os jogadores.

    Portanto, não vejo porque o râguebi possa queixar-se. Quanto às condições da sauna, do balneário, do ginásio e dos acessos ou outra coisa dos bastidores, para o adepto comum não conta porque não lhe diz respeito.

    A quem diz respeito, aos jogadores, técnicos e responsáveis máximos do futebol deviam zelar para que jogassem nas melhores condições. Claramente essas nunca existiram e nunca existirão, porque para o futebol o estádio está votado ao abandono, como se sabe, e querem fazer da final da Taça a amarra inamovível que valorize e perpetue o pechisbeque.

    Essa é a vergonha que os participantes e interessados devem responder. O FC Porto, como digo, cobardemente calou a sua voz. Cobardemente, repito.

    Os adeptos, se se sentirem defraudados, simplesmente não devem ir. Eu já tomei uma decisão e nunca mais lá volto.

    Posso admitir que se um clube finalista é de Lisboa queira fazer prevalecer o regulamento, se um que não seja de lá (P. Ferreira) queira lá jogar, pois que remédio.

    Agora dois clubes que não querem l´á jogar e, ainda por cima, o mais fraco e menos "respeitado" e com menor voz de afirmação é que dá a sua opinião no sentido de preferir outro palco, e o mais pintado e mediático, com projecção e capacidade de se fazer ouvir e sentir, cala e consente, este clube não tem mais moral para falar do assunto.

    E seque-o apenas o adepto que quiser. Aliás, como muitos portistas sócios ou não, há muito concordámos que estes corpos directivos não me/nos representam de forma alguma. Quem os quiser que os compre. Isto acho uma traição. No dia 16, consoante as presenças, lá veremos quem adere ou não adere.

    ResponderEliminar
  5. Quanto à final da Taça não me vou alongar muito. Apenas lamento, nomeadamente a "vontade" do nosso F.C. PORTO em continuar "calado". Parece pela sua praxis, não ser mais aquele clube "guerreiro" que tanto nos distinguia.

    Antes, éramos pró-activos, hoje somos pouco mais que passivos, nesse domínio da (estratégia) de Comunicação. São os factos quer o dizem, com muita pena minha.

    Claro, que ser-se "guerreiro" hoje e com o mesmo General que tantas e tantas vitórias nos tem proporcionado, não é fazer da mesma maneira que ontem, mas a praxis tem deixado muito a desejar e nós (os adeptos), nomeadamente os que estão a sul, a sofrer... ataques soezes e inqualificáveis dos batoterios do regime.

    Afinal, o que é que custava, se tal fosse necessário, que os dois clubes se acertassem com antecedência pública e notória e mandassem a final no estádio do Estado Novo às malvas?!... Garanto que a cor do dinheiro passava a sufocar a FPF (que encontraria solução a preceito em tempo útil) e não os clubes. Mas para isso era necessário (vontade para) outra estratégia...

    Mas tudo bem, além do sentido de justiça e bom senso em realizar-se a final a Norte, Portugal não está em crise e os portugueses/adeptos o que têm mais é dinheiro para gastar e esta deslocação a Oeiras vai contribuir para isso, não é?!
    Então, não se vê que é mais económica para a esmagadora maioria dos adeptos em causa?!

    ResponderEliminar
  6. jdm, creio estarmos de acordo, resta a consolação aos portistas de Lisboa e sul do País terem a oportunidade mais ao pé da porta.

    O objectivo, aliás até decorrendo da opinião que o jdm a propósito manifestou quando há tempos falei do Jamor em Braga, não é menosprezar os portistas do sul, mas alertar para o massacre financeiro de quem, quase ano a ano, tem de suportar para acorrer a Lisboa. Não é fácil e muito menos cómodo, à maioria das pessoas do Norte não lhe interessa e só mesmo por "obrigação" clubística e afeição se deslocam.

    Mas algum dia isto terá de acabar e fico curioso por ver que adesão terá esta final, entre muitas outras que bastas vezes deixaram quase o Jamor às moscas.

    Se tal suceder este ano, que sirva de lição para todos.

    Se tal suceder assim mesmo, já me palpita que o FC Porto poderá aproveitar a oportunidade para zurzir a FPF, mas acho isso de pouca consolação e, como digo, sem moral para falar. Os clubes têm de defender os seus interesses e direitos, mas devem fazê-lo falando e agindo, não reagindo.

    Como digo, cabe aos adeptos forçarem uma mudança de paradigma.

    A muitos faz sentido a final no Jamor, aos mais importados e interessados como nós não faz tanto sentido assim, especialmente como é o caso presente de ambos os clubes não desejarem o Jamor.

    E se posso respeitar, não concordando, que com o Paços lá teve de ser, agora acho inadmissível que opondo-se os dois clubes não se encontre uma alternativa satisfatória.

    Mas isto, como digo, deriva:
    1) da teimosia federativa e simbolismo a esconder o centralismo;
    2) e a força do patrocínio, não tenho dúvidas que hoje em dia pesa e muito, até porque há dinheiro em jogo e bem mais do que na Taça da Treta e é normal que o sponsor dite as suas leis. Só que deveriam ser assumido por todos e não fazer... apenas porque sim.

    Esta atitude é que também não acato e acho pernicioso mas, lá está, os adeptos é que devem "pronunciar-se" e a sua ausência ou presente o dirá.

    Penso que a situação é claríssima mas carece de um esclarecimento.

    A voz é dos adeptos. Estejam eles conscientes e unidos, sem subjugação aos ditames centralistas.

    ResponderEliminar
  7. troca de links pf
    saudações Portistas
    Obrigado
    http://templododragao.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  8. Olá Zé Luís, parabéns por mais um texto. Gostaria que se comentasse aqui no blog o rumor de que Paulo Bento será o próximo treinador do FC Porto. peço desculpa por ser completamente "off-topic" mas tenho duas informações, dadas como adquiridas, que Paulo bento adquiriu casa no Porto recentemente e já inscreveu as filhas num colégio da nossa cidade para o próximo ano lectivo.

    Carlos Teixeira
    Sócio 111394.

    ResponderEliminar
  9. Carlos, esse assunto já tem barbas, não sei, não acredito que seja e espero que a ser alguém novo não seja esse.

    Jesualdo tem mais um ano de contrato e não me admiraria se continuasse. A vir um novo, português, prefiro Carlos Carvalhal, já o disse há muito tempo e do outro ex-Sporting nem falo sequer.

    ResponderEliminar
  10. Não há 2 sem 3.
    EU ACREDITO

    O crime não compensa
    É bom ver que ainda há desportos em que vence a melhor equipa.


    Sporting de Espinho conquista título de Voleibol.

    Belenenses conquista Taça de Portugal de Futsal.

    http://oantilampiao.blogspot.com/

    ResponderEliminar