27 abril 2009

Lisandro sabe como derrubar muros

FCPorto 2-0 V. Setúbal
Lisandro 61' e 66'Equipa: Helton, T. Costa, Rolando, B. Alves, Cissokho, Fernando, R. Meireles (Guarin 90'), M. Gonzalez, C. Rodriguez (Tarik 85'), E. Farias e Lisandro (Rabiola 88')

34.602 espectadores

O FCPorto continua, de vitória em vitória, na caminhada rumo ao Tetracampeonato, um título onde, acredito cada vez mais fortemente, com maior ou menor dificuldade não virá a fugir, visto que a equipa portista prova, em quase todos as partidas, ser a melhor equipa deste campeonato.

Num jogo onde o FCPorto iria encontrar um adversário, certamente escaldado pela goleada sofrida na jornada anterior, a jogar à defesa, na procura de um pontinho que seja na luta pela manutenção, a equipa portista cumpriu o que lhe era pedido, vencendo de forma justa, pecando apenas por escasso, perante tanto domínio.

E o tão exigente mês de Abril, onde a equipa efectuou uma série de jogos intensos , num curto espaço de tempo, acaba com o FCPorto a um pequeno passo de poder festejar o Tetracampeonato e com a presença garantida na final da Taça de Portugal, acabando por ser um mês positivo, apesar da meia desilusão de ter sido afastada da Champions League, e de ter perdido, até ao final da época, dois dos seus jogadores mais importantes. Por isso, mais importante do que jogar bem, para o o FCPorto era essencial uma vitória para acabar o mês positivamente, e não perder a vantagem que tem sobre o segundo classificado, antes duma deslocação tradicionalmente complicada, sendo isso o que aconteceu e o que fica de mais importante desta partida.

Jesualdo Ferreira sem poder contar com Lucho e Hulk, continuou a apostar nos argentino Mariano Gonzalez e Ernesto Farías, surpreendendo na defesa, Tomás Costa viria a substituir o lesionado Sapunaru, em detrimento de Fucile.

O jogo começou vivo, de parte a parte, muito movimentado, o FCPorto, a jogar contra o imenso vento agreste que se fazia sentir, começava a pressionar e o Vitória tapando todos os caminhos da sua baliza, aproveitava, de quando em vez, a velocidade de Bruno Gama e o talento de Leandro Lima para poderem chegar junto à baliza de Heltón.

A equipa portista, apresentava um futebol, um pouco confuso, muito lenta, os passes sucediam-se na tentativa de ultrapassar uma equipa que apenas tinha missão como defender, a equipa de Setúbal estava com quase todos os jogadores remetidos à defesa, não se preocupando minimamente com o ataque.

À medida que os minutos se encaminhavam para o intervalo, o FCPorto parecia pouco capaz de ultrapassar o muro construído pela equipa de Setúbal, apesar da pressão, não existiu uma oportunidade flagrante de golo para a equipa portista, embora a bola andasse sempre a rondar a baliza do guarda-redes sadino, faltava uma pressão mais forte e mais alta, o carrossel atacante portista era lento e pouco eficaz, criando pouco perigo no ataque, parecendo uma equipa deveras irritada consigo própria.

Na segunda parte, tudo muito diferente, a equipa entrou mais rápida, muito mais pressionante, a jogar declaramente com 4 avançados, levando a que o Vitória não conseguisse passar do meio campo, Jesualdo Ferreira e os seus jogadores perceberam o que tinham feito de mal na primeira parte, sentindo-se que a qualquer momento o golo iria aparecer, o FCPorto rematava de todas as maneiras, mas o golo tardava.

Até que, numa jogada de colectivo, Farias dá a bola a Lisandro, que numa excelente jogada individual, tira Auri do caminho e vendo a saída do guarda-redes setubalense, rematou, de forma subtil, para o fundo das redes, marcando um golo que o FCPorto já procurava a algum tempo.

O mais difícil estava feito, passados 6 minutos, Mariano Gonzalez ganha espaço para um cruzamento, atrasando para Lisandro Lopez que empurra para a baliza, alargando a vantagem portista.

A partir daí, o FCPorto baixou o ritmo, como lhe convinha, gerindo os minutos que faltavam, esperando uma reacção setubalense, mas, mesmo em desvantagem de dois golos, Carlos Cardoso não arriscou um bocadinho, preferindo defender muito, esperando que o golo caísse do céu. O FCPorto geriu sempre com tranquilidade, procurando até alargar a vantagem, com destaque para uma jogada empolgante de Rodriguez que poderia resultar num golo fabuloso, mas a bola foi embater no poste.

Até ao fim, registo apenas para Jesualdo Ferreira que aproveitou para tirar da equipa Lisandro Lopez, Cristian Rodriguez e Raul Meireles, dando minutos a Tarik Sektioui, Guarin e possibilitando ao jovem Rabiola se estrear no campeonato com a camisola do FCPorto.

Findo, até ao final do campeonato, a série de jogos de 4 em 4 dias, o FCPorto poderá preparar convenientemente, de forma mais descansada e tranquila, a deslocação à Madeira, um local tradicionalmente difícil, donde, se, como espero, o FCPorto vencer poderá, definitivamente, encomendar as faixas de Tetracampeão Nacional, apesar de ainda receber, na jornada seguinte, um sempre perigoso, Nacional. Mas, convicção de adepto de bancada, o definitivo teste para a encomenda das faixas será feita na próxima jornada, passando com sucesso, é começar a preparar a festa.

PS. O que dizer desta notícia? É a resposta para alguns portistas politicamente correctos, peregrinos da Santa Isenção, que queriam isenção na minha crónica da semana passada, sobre a visão de um lance. Vão buscá-la aos próprios jornalistas que têm uma conduta profissional a cumprir, depois venham pedir a quem perde o seu tempo a escrever uns bitaites com visão de adepto, sem quaisquer obrigações de ser parcial, como é um verdadeiro adepto de bancada.

27 comentários:

  1. Lisandro, excepcional.
    Desisti de ver os programas da noite sobre o Desporto.
    O 25 da Abril, nas suas comemorações, permite ver sem nenhum nevoeiro, a cambada da clientela imoral e sabuja que enche as nossas televisões.
    Num dia em que o 1º lugar estava em jogo, voltaram as divagações sobre outras matérias, numa clara tentativa de minorar o esforço do Porto e submergir a realidade em contos fanatasiosos...É uma geração que vai desaparecer -eu sei, demora e muito- e assim naturalmente, irá ser substituida pelo desgaste do tempo...Não merecem o meu esforço. Mas para já, é o que temos e como é difícil digerir esta tropa.

    ResponderEliminar
  2. O essencial foi conseguido, ganhámos e isso é o mais importante. Ficam no entanto alguns pontos quanto a mim importantes: o Setúbal colocou uma carruagem e não um autocarro à frente da baliza, Lucho faz realmente muita falta na construção de jogo, Mariano (já podemos considerar patológico) deveria ter saído mais cedo (mesmo tendo feito o 2º golo) tarik aqueceu uma eternidade e o jogo precisava de mais desequilíbrios, teria sido melhor o Fucile na direita, Rabiola fez por merecer mais oportunidades em apenas 5 minutos e finalmente o Lisandro, simplesmente arrasador, corre, vai lá atras dar ajuda, faz diagonais, vai à linha cruzar e ainda aparece na zona de ponta de lança a decidir o jogo, simplesmente genial e um exemplo do que deve ser um jogador de luta constante. Agora há que ganhar ao marítimo num jogo sempre complicado.

    ResponderEliminar
  3. "escaldado pela goleada sofrida na jornada anterior, a jogar à defesa".

    Tal como a observação que fiz antes do jogo, se escaldado estavam os sadinos, muito empertigados como se fossem mais uma equipa, à Estrela, a jogar para a Europa, era por terem recebido meio mês dos 5 em atraso, o que é notável e um exemplo para o País!...

    O jogar à defesa acresceu com a presença daquele animal em campo, "Sou um animal em campo", dissera na sua apresentação, que convenientemente não jogou contra o clube que o emprestou.

    Há Zorros que não vêem, mas ele é tão trambolho que de estorvo se tornou num aliado da confusão defensiva dos sadinos.

    Mais zorro zarolho foi o árbitro, que se lhe tivesse dado um amarelo por cortar a bola com a mão, que ia para Rodriguez, ainda na 1ª parte, com a falta marcada, o cartão era devido, ele seria expulso na 2ª parte.

    ResponderEliminar
  4. A equipa esteve algo tensa na 1ª parte: pela falta da explosão de Hulk e a precisão de Lucho, mas não adianta chorar sobre o leite derramdado, para isso bastam os bentinhos e os ceguinhos...

    Mas acima de tudo porque veio mais um Trofense jogar ao Dragão. A táctia do Setúbal foi 1-9-1, com o guarda-redes, nove jogadores atarantados a defender e o avançado sozinho mas a portar-se muito bem na luta desigual travada sem apoio lá na frente. O Carrijo parece-me melhor que o Cardozo, mas enfim...

    Mariano tentou abrir na direita, mas a imprecisão dos passes, arriscados em tentativa de jogar de primeira e largo, demasiado largo para tão poucas linhas de ruptura, complicou. Foi importante na 2ª parte, já com um 4x2x4 mais assumido, e a prova do 2º golo foi importante, tal como a presença do Fernando em posições mais avançadas (passe para Farias no 1º golo). Tudo porque o Setúbal não se contentou em jogar atrás, quis jogar ainda mais atrás.

    A questão da substituição do Bruno Gama e do Leandro Lima merece as leituras que se quiserem, mas a verdade é que eles já não esticavam o jogo como na 1ª parte porque não aguentavam partir de tão longe para chegar a bola à frente e apoiar o Carrijo. Era preciso sangue fresco, se o Setúbal quisesse ter veleidades de esticar o jogo como antes fizera. Mas às vezes também releva a tentação de defender mais e mais, até porque era notória a ansiedade portista e criar-lhe mais obstáculos com 2/3 do jogo passado era uma alternativa.

    Mas dificilmente o FC Porto não venceria o jogo, até porque Lisandro mostrou, apontando para a cabeça servir para pensar, como se desmonta uma teia defensiva que, a bem do resultado conveniente para uma facção que não chega lá ou faz as coisas por outro lado, nunca quer combater denunciando o antifutebol que se pratica com a conivência dos críticos da tanga que querem é ver o FC Porto a não ganhar.

    ResponderEliminar
  5. O vitória jogou apenas com 5 centrais de raiz. 3 no centro, o zoro na esquerda e o Hugo a trinco. Depois o Bruno Gama é susbtituido por um defesa direito que foi jogar para médio... Não foi um autocarro foi uma carruagem à frente da baliza. Foi dificil, mas lá conseguimos. Bem o professor, sem grandes alternativas no banco, a mexer as peçs que estavam em campo (Lisandro mais próximo de Farias) e a conseguiur derrubar a carruagem. Agora é ganhar na Madeira

    ResponderEliminar
  6. Digo: uma teia defensiva que muitos não querem combater.

    ResponderEliminar
  7. meirelesportuense disse: "Desisti de ver os programas da noite sobre o Desporto."

    Eu já desisit há muito, mesmo que tenham Poncios ou Aguiares ou tipos de gravatas berrantes e cabelos oleosos.

    Só lá vou espreitar um bocadinho quando as coisas correm mal para os lados das gayvotas. Aí farto-me de rir com tanto desespero!

    ResponderEliminar
  8. Para quem segue os jovens do FCP, aqui fica mais um grande golo do Ukra(emprestado ao olhanense),

    http://www.tvgolo.com/futebol.php?subaction=showfull&id=1240785340&archive=&start_from=&ucat=39&

    ResponderEliminar
  9. Embora o jogo não tivesse sido muito bom, com um autocarro daqueles é difícil jogar e há que ter paciência, o que inacreditávelmente, alguns não tem e lá começaram os assobios. É triste registar este facto.
    Depois do 1-0 passou-se a apoiar de forma diferente e com entusiasmo mas ... depois de se ester a ganhar.
    Há que reflectir...
    Agora ... 4 jogos muito difíceis, o próximo com o Marítimo vai ser muito complicado, se ganharmos acho que damos o passo decisivo.
    É uma final sem dúvida...

    Lixa e Sissokho com um belo jogo.
    Farias muito útil, sem grande jogo na área mas decisivo nas aberturas para golo.

    ResponderEliminar
  10. Totalmente de acordo sr. Aragão, é irritante a postura do público do Dragão que começa logo a assobiar sempre que a equipa sente dificuldades em chegar ao golo, é uma tristeza, apoiar mesmo é quando a equipa precisa e não quando está já aberto o caminho da vitória. Estamos na fase decisiva do campeonato e não podemos dar tiros no pé. Até parece que é fácil ser tetracampeão para essa gente. Quanto a programas desportivos na TV só consigo ver os resumos dos jogos, o paleio dessa gente não me diz nada porque não são isentos e vão todos com a camisola vestida.

    ResponderEliminar
  11. Indo de encontro às palavras do Jorge Aragão, penso que se bateram mais palmas nos 60 segundos da homenagem a Virgílio, do que nos 90 minutos seguintes.Como a noite estava fria ( e estava mesmo MUITO frio) é mais fácil assobiar do que tirar as mãos nos bolsos.

    ResponderEliminar
  12. Adeptos do Dragão, ponham os olhos nos adeptos do Liverpool... Ou se é pedir muito, voltem ao que eram no estádio das Antas. O estádio do Dragão não é nenhuma sala de teatro por isso podem fazer barulho!!!! E contra mim falo, mas quando dou 2 berros no meio do povão fica tudo a olhar para mim muito incomodado e a pensar este tipo é maluco!!!! Acho que tenho de começar a ver os jogos junto aos Super.

    ResponderEliminar
  13. O caso da noticia só é caso porque o Porto permite que jogadores seus emprestados, defrontem a nossa equipa. É um escândalo, na minha opinião, o Porto pagar a jogadores para depois serem os melhores jogadores das equipas adversárias contra nós. Para acabar com estas noticias é simples, querem jogadores emprestados levem, mas não jogam contra o Porto, senão somos presos por ter cão e presos por não ter..

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  14. Oh Hugo, mas o problema é exactamente esse, o FC Porto é sempre preso por ter cão e preso por o não ter.
    Quando o Porto não permitia que os seus jogadores emprestados o defrontassem era acusado por essa corja de invejosos e animais, agora que permite é na mesma acusado.

    Eu acho esta polémica da substituição dos dois jogadores do Estrela emprestados pelo FCP o cúmulo do desespero a que chegaram estes cavalos, é que já não há pachorra.

    ResponderEliminar
  15. PCOS disse:
    «E contra mim falo, mas quando dou 2 berros no meio do povão fica tudo a olhar para mim muito incomodado e a pensar este tipo é maluco!!!! Acho que tenho de começar a ver os jogos junto aos Super».

    Aaaaaaaaaaah. Então eras tu. :)

    ResponderEliminar
  16. A equipa está ainda a adaptar-se à ausência de Lucho e Hulk. Pareceu-me que Jesualdo colocou Lisandro a jogar como 10 nas costas de Farías, porém ele não tem rotinas nem apetência para essa posição, segura demasiado a bola. Melhor na 2ª parte como avançado.

    Não achei que fosse uma má exibição, se os cruzamentos tivessem mais precisão podíamos ter ido para o intervalo a ganhar.

    Alguém sabe porque o Fucile não jogou?

    ResponderEliminar
  17. Não sei (Fucile), mas não me repugna admitir que, vindo de prolongada lesão e uma época conturbada a nível clínico, Jesualdo tenha querido poupá-lo.

    O jogo era mais de atacar e Tomás Costa não comprometeria a defender (mais do que auxiliar o ataque, algo que não fez muito apesar de ter rematado).

    Os próximos jogos são mesmo decisivos, requerem outros atributos defensivos (proibido perder!!!) e Fucile estará lá.

    Parece-me razoável, louvável e correcto.

    Os jogos passarão a ser de domingo a domingo, sem sobrecargas além do stress normal, pelo que Fucile começou a adaptação à competição com um jogo que estava, na Amadora, ganho à partida.

    ResponderEliminar
  18. Aristodemos, eu nem sabia que o Fucile estava no banco, mas podia acontecer uma lesão e a alternativa exista.

    Era pior se, como frente ao Rio Ave quando Fucile se lesionou, Jesualdo mandasse Fernando para lateral e Tomás Costa para trinco.

    Não há nada como não inventar...

    ResponderEliminar
  19. Penso que o Fucile está à beira de um jogo de suspensão pelo 5.º amarelo.
    Assim, além das boas razões apontadas pelo "Zé Luís", creio que o Jesualdo não quis arriscar-se a perde-lo para o próximo jogo com o Marítimo, o que acho correcto!

    ResponderEliminar
  20. Michôm cumprida e mai'nada!

    Inicio da tarde por Fânzeres, com as aventuras recambolescas do Lucho e do Estilhaço, mais logo, na primeira pessoa do singular do ainda "Lucho"... aguardem :D

    Chegada ao Dragôm, conBersa puxa conBersa com a malta do costume, desta vez com o Zé Miguel (gand'Abraço Amigo), mas tb com o Dragão 66 que andava a faltar muito aos treinos... no resto, a malta do costume... fora o VilaPouca que não apareceu desta vez.

    Quanto ao jogo propriamente dito, foi mais ou menos assim:

    1. primeira parte lenta, mastigada e com poucas, muito poucas soluções;

    2. segunda parte, com maior rapidez na circulação de bola e movimentações que deixavam a defesa contrária descompensada; e

    3. o regresso de Lisandro, o Super Lisandro aos bons velhos tempos... em 5 minutos, cheque-mate na defensiva... de 5 centrais!

    4. depois, gerir e relaxar bastante porque o tempo estava a andar demasiado pró meu gosto, e golos, nem vê-los... tudo acabou bem, por isso, que mais pedir?

    Faltam 3 bitórias, 3 simples bitórias... desde que os calimeros não se "enterrem" até lá :D

    ps - de primeira parte, pensava que já tinha bastado Coimbra... afinal, enganei-me... brinquem, brinquem, depois queixem-se!!!

    ResponderEliminar
  21. a minha opinião sobre a presença do Fucile no banco:
    no próximo jogo o treinador quer usar o Sapunaru como titular, se jogasse o Fucile contra o Setúbal a seguir teria que lhe explicar porque o tirava da equipa.

    assim, o treinador usou o argumento de falta de ritmo e/ou ser um jogo em casa mais virado para o ataque para o exluir.

    ResponderEliminar
  22. HULK Onze milhas disse:
    «Penso que o Fucile está à beira de um jogo de suspensão pelo 5.º amarelo.
    Assim, além das boas razões apontadas pelo "Zé Luís", creio que o Jesualdo não quis arriscar-se a perde-lo para o próximo jogo com o Marítimo, o que acho correcto!»

    Como eu entrei no estádio já com o jogo a decorrer também não reparei que o Fucile estava no banco.

    Nesse caso a poupança faz todo o sentido. Podia era ter feito o mesmo com o Meireles depois do 2º golo, até porque nos últimos 30' ele arrastava-se pelo campo.

    ResponderEliminar
  23. Nobigdeal disse:
    "a minha opinião sobre a presença do Fucile no banco:
    no próximo jogo o treinador quer usar o Sapunaru como titular, se jogasse o Fucile contra o Setúbal a seguir teria que lhe explicar porque o tirava da equipa.
    assim, o treinador usou o argumento de falta de ritmo e/ou ser um jogo em casa mais virado para o ataque para o exluir."
    Meu caro:
    Eu ando mais por aí, parece-me que o Professor "deu" o lugar ao Sapunaru e meter o Fucile é "correr o risco" de mostrar quem o possa suplantar, portanto o melhor é negá-lo aos olhos do público e para a semana entra o Sapunaru em grande!...Só assim se entende que em Coimbra tivesse jogado o Sapu todo roto e o Fucile na esquerda...

    ResponderEliminar
  24. No fundo a ser verdade e eu espero que não seja, é isso que eu contesto!...

    ResponderEliminar
  25. Leram o artigo do Público sobre o jogo de ontem?...Incrível como existem jornalistas daquela cepa, só vêm confirmar o que eu dissera no início deste Post, sobre os Programas Televisivos...Num deles o Coroado -FDP- estava a fazer a cama ao Bruno Alves -analisando um lance completamente igual ao que deu a anulação do golo Verde no jogo de Guimarães-, estava a preparar de forma descarada e vergonhosa, o terreno para ele ser castigado logo que possível. O desespero destes enormes sacanas é grande, e vai aumentando à medida que o tempo se vai esgotando...Ontem dentro do campo, a caça virou-se contra o Lisandro. Foi sempre a malhar...

    ResponderEliminar
  26. Da primeira parte nem é bom falar porque o FC Porto, o verdadeiro, só entrou no segundo tempo.

    Jesualdo deve ter puxado algumas orelhas!

    A equipa recente-se naturalmente de duas ausências importantes como são a de Lucho e Hulk. Mas também do desgaste que o mês de Abril obrigou.

    Apesar disso, o FC Porto logrou manter-se na crista da classificação e não cedeu qualquer ponto, dos quatro de vantagem que já dispunha, o que tem provocado alguma azia dos rivais.

    Lisandro é agora o próximo alvo a abater. Pancadaria não tem faltado, ainda ontem voltou a ser bombo da festa. Só nos faltava perder mais este baluarte.

    Seguem-se dois jogos de grandes dificuldades, contra adversários que nos costumam surpreender.

    Só considerarei o campeonato ganho quando matematicamente estiver garantido. É que a irregularidade exibicional pode trazer dissabores.

    No entanto, se o Porto trouxer da Madeira os três pontos o objectivo estará muito mais perto.

    O fim deste ciclo arrasador de dois jogos por semana contribuirá certamente para um desempenho mais regular. Assim o espero.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  27. Muito bem visto adezivo - O Ukra tem grande potencial e bem que pode substituir o Tarik na proxima época.
    Foi dos jogadores mais importantes do Olhanense , num campeonato muito competitivo.
    Em tempo de crise chegou a hora de apostar no(s) miudo(s).

    ResponderEliminar