07 fevereiro 2010

Lembrar Calabote, antes da Naval

O livro com toda a documentação do famoso caso de 1959 é hoje apresentado às 17.30h, na Bertrand, Dolce Vita junto ao Dragão, bem antes do Porto-Naval. Autor o jovem João Queiroz que rebuscou a Imprensa da época e explica o caso da irradiação do famigerado árbitro alentejano patife que nem o proteccionismo do Estado Novo evitou que tal infâmia fosse abafada.
O revisionismo histérico do benfas nunca conseguiu apagar o episódio sórdido dos 7-1 à CUF que, afinal, não chegaram, mesmo com um guarda-redes submisso que os colegas cufistas pediram ao treinador para substituir e um treinador do Benfica a orientar o Torreense para ver se travava o FC Porto e cujo 3-0 chegou, por um mísero golo, para o título que esteve ameaçado por episódios "da época" como a repetição de um Belenenses-Benfica antes da última jornada desse campeonato.
Os nossos confrades Pobodonorte e Reflexão Portista, durante o ano passado em que se comemorou o 50º aniversário desta infâmia, publicaram dossiês conclusivos sobre a matéria, é bom não esquecê-lo, mas esta estória chegar a livro agora pode ser um dos últimos resquícios de Liberdade que, infelizmente, restem neste País podre e pobre de mentecaptos benfiquistas que quiseram desvalorizar e subverter a sordidez de tudo o que se passou com Inocêncio Calabote.

1 comentário:

  1. Marcar 2 golos, sofrer 1 e levar um ponto.

    Coisas que acontecem a quem defronta a agremiação corrupta.

    Não esquecer o que se passou com os defesas André Pinto e Ney que foram expulsos e o médio defensivo Sandro viu o quinto cartão amarelo e por isso estavam impedidos de participar na partida desta noite.

    Evidentemente, a "isentíssima" comunicação social nem sequer repara nestas "coincidências"...

    http://oantilampiao.blogspot.com/2010/02/marcar-2-golos-sofrer-1-e-levar-um.html

    ResponderEliminar