07 fevereiro 2010

Recuperar terreno de forma confortável

FCPORTO 3 - 0 NAVAL
Marcadores: Tomás Costa ( 39´), Falcao ( 79') e Varela ( 88´)

Equipa:
Helton; Fucile (Miguel Lopes, 82), Rolando, Bruno Alves e Álvaro Pereira; Tomás Costa, Belluschi (Guarin, 64) e Rúben Micael (Valeri, 82); Mariano, Falcao e Varela.

Jesualdo Ferreira no lançamento desta partida, num exclusivo para um jornal, (aqui abro um pequeno parêntesis para questionar o porquê desse mesmo exclusivo não ter sido no site oficial do clube, aumentando a sua interactividade em vez de dar exclusivo a apenas um jornal ? ) revelou que o segredo da vitória passaria pelo FCPorto saber como desmontar a estratégia, que se previa defensiva, do seu adversário.

Nesta partida o FCPorto cumpriu aquilo que se pretendia, interpretando da melhor maneira o pedido do seu treinador. A equipa portista soube ser paciente, jogando de forma rápida nos processos ofensivos, sempre na procura do golo, sendo, sobretudo, inteligente, conquistando uma vitória expressiva e confortável. E vão 14 golos nas últimas 4 partidas.

É de realçar a tranquilidade e confiança que as últimas vitórias deram à equipa portista, contribuindo, e muito, para a segurança com que a equipa se mostra no campo.

Também a subida de forma de alguns jogadores contribuiu para a melhoria das exibições da equipa, não foi só a plena integração de Ruben na equipa que correu bem, também Falcao se está a destacar, cada vez mais, como um autêntico avançado, muito trabalhador e quase sempre oportunista, Tomás Costa sente-se muito bem na posição de trinco, não se dando por falta de Fernando, Varela e Mariano têm sido os alas ideais para uma equipa que joga em ataque continuado, Belluschi cresceu defensivamente.

Mas o destaque maior na equipa vai para Álvaro Pereira, um autêntico “ Formula 1 “, com um poderio e uma agressividade, no bom sentido, ofensiva que lhe permite criar inúmeros desequilíbrios na defesa adversária.

Quanto à partida, o FCPorto, como disse atrás, foi paciente e conseguiu de forma tranquila esperar pelos momentos certos para dar as estocadas no seu adversário. A partida começou equilibrada, o Naval mostrou que não vinha jogar estacionando o autocarro, mas o FCPorto, perto dos 15 minutos, começou a tomar conta do jogo, empurrando a equipa da Figueira da Foz para trás.

Sentia-se que o golo iria aparecer, mais cedo ou mais tarde, e aconteceu num lance de bola parada, Tomás Costa, embora com a sorte da bola ter embatido num jogador do Naval, concretizou um livre indirecto com sucesso.

Curioso constatar que esse livre indirecto fez-me recordar um lance, bastante semelhante, numa outra partida realizada em Leiria, em que o árbitro transformou num pontapé de grande penalidade, aqui se demonstra a diferença de critérios entre duas equipas do mesmo campeonato.

Na segunda partida, o FCPorto baixou o ritmo e deu mais espaço à equipa do Naval, que não se fez rogada, tentando ser mais atrevida. No entanto, a equipa do Naval nunca ameaçou a baliza portista, com a excepção a um lance, aos 76 minutos, em que, efectivamente, a equipa da Figueira da Foz poderia ter marcado, valendo uma grande intervenção de Heltón.

Como resposta, e mais uma vez de bola parada, o FCPorto matou a partida, com Falcao a mostrar o seu instinto de matador empurrando a bola para o fundo da baliza deserta.

Até ao fim, deu tempo para mais um golo, desta vez de Varela, rematando forte e sem hipóteses ao guarda-redes do Naval, isto depois de um grande trabalho de, quem mais, Falcao que serviu, de forma exemplar, o seu companheiro, depois de um trabalho impecável no meio dos defesas adversários.

Para já, o FCPorto consegue encurtar distância sobre um adversário directo, e numa altura em que está, claramente, a subir de forma isso acaba por ter uma relevante importância.

Neste carrossel imparável de jogos, e em que a equipa parece disfarçar bem o desgaste físico, agora segue-se a Académica, para tentar o apuramento para a final da Taça da Liga.




20 comentários:

  1. Por acaso pensei o mesmo no lance do 1º golo: expliquem-me lá porque diabo jogo perigoso na grande área num jogo do slb dá penalty e no nosso é livre? Escapou-me alguma coisa?
    Espero sinceramente que algum paineleiro faça essa pergunta ao vivo e a cores...

    Sobre o resto do jogo, achei que especialmente 3 jogadores se destacaram: Alvaro Pereira verdadeiramente fantástico! Não sei como aguenta tanto tempo com sprints infindáveis. Em segundo Falcão que não só pelo envolvimento nos 2 golos mas porque cada vez mais parece ter um pouco do que sentia falta com a saída do Lisandro: além de ser um rato de área, é um lutador a tempo inteiro. Muito bom. E por fim, Tomás Costa: um jogador também pertencente ao clã dos mal amados mas que hoje, na minha opinião, encheu o campo. Esteve incansável a defender e a atacar e, ao contrário de Fernando, mostrou capacidade e qualidade ofensiva. Claro que o Fernando dá mais garantias no processo defensivo (que é o prioritário para um trinco) mas parece-me que o Tomás Costa é também uma boa alternativa. Espero que o Jesualdo tenha encontrado a sua posição e esqueça os Prediguers...

    Achei que a partir do meio da 2ª parte começaram a aparecer sinais de fadiga e ainda bem que apareceu o 2º golo.

    Noto mais atitude na equipa e mais vontade em ganhar jogos. Espero que continuem!

    Falta-nos ganhar mais um pontinho aos lampiões para dependermos de nós próprios. Quanto ao Braga, esse ou muito me engano ou o braço direito do slb na liga já tratou, o que é pena.

    ResponderEliminar
  2. É curioso, mas volto a ter uma ideia diferente do jogo, porque fujo sempre ao resultado.

    Não achei um bom jogo do Porto, e até me enervou. Porque aceitando que a equipa está a acusar sobrecarga de jogos e o adversário apareceu muito defensivo, claramente a equipa andou a passo na 1ª parte, onde Jesualdo viu uma boa exibição mas o FC Porto não criou qualquer situação de golo e marcou num ressalto e de livre indirecto.

    Depois, com 1-0, a frouxidão e displicência foi de tal ordem que a Naval quase empatou. A 16 ou 17' do final seria o bom e o bonito, porque a equipa relaxou demasiado, amaciou a bola e não rompeu.

    Claramente, muito visivelmente, havia cabeça pesada e pernas cansadas nos homens que golearam o Sporting. Varela, Fucile, Belluschi, mesmo Ruben e até Falcao, todos estavam fatigados e o jogo demorava a sair, o tempo de reacção era curto nas jogadas de futebol de triangulações que o jogo de passa e repassa da Naval obrigou.

    Eu aceito, compreendo que os jogadores apareçam cansados, mas não podem aparecer relaxados e isso ia saindo caro se a Naval marcava. Para cúmulo, Bruno Alves que não jogou na 3ª feira parecia um pastelão e notou-se nessa jogada de envolvimento da Naval que deixou um homem isolado ante Helton.

    Aquele que esteve ao seu nível foi o tal Fórmula 1, Álvaro. Mas esse parece infatigável mesmo. É impressionante.

    Se noutros jogos a equipa ganhou à justa (Leiria) e até empatou (P. Ferreira), acho que jogou muito mais e melhor do que hoje. Mas como este 3-0 aparece assim, dá a impressão que foi tudo menos uma vitória muito trabalhada, a obrigar a jogo defensivo, paciente, envolvente mas com raras situações de golo e dois a nascerem de bolas paradas. Por mérito defensivo da Naval, sem antijogo (à parte o irritante g.r.), mas por falta de penetração sem pernas dos portistas virados para a frente.

    Várias vezes gritei para os jogadores "acordarem" na 2ª parte e tive de assobiar, a contragosto, quando a Naval perdeu a oportunidade do empate. Porque o 1-0 é sempre um risco, até pode haver uma g.p. nop último minuto que isto hoje está muito perigoso... A equipa relaxou demasiado, Jesualdo fez depressa e bem as substituições para retirar homens claramente desgastados.

    E o 3-0 não pode supor que foi tudo fácil. Foi custoso. Futebol q.b. mas sem penetração, sem génio, só em velocidade de cruzeiro, baixa, porque há mais confiança, apesar de maus passes em precipitações desnecessárias.

    Em suma, gostei mais noutros jogos cujos resultados foram mais traiçoeiros à vista e mais injustos pelo jogo desenvolvido então. Mas isto é a minha maneira de ver.

    ResponderEliminar
  3. Santos,
    o lance de hoje foi correctamente avaliado, o de Leiria é que não.

    Só queria concordar em absoluto com a imagem que associaram ao Alvaro, um bólide !

    Dos contactos que tive hoje com benfiquistas notei uma quebra de confiança abismal.
    o jogaço do Porto para a taça está a produzir efeitos para lá do Dragão.

    ResponderEliminar
  4. expliquem-me lá porque diabo jogo perigoso na grande área num jogo do slb dá penalty e no nosso é livre? Escapou-me alguma coisa?

    Santos, as coisas com o benfas são sempre muito esquisitas, saem sempre à casa e parece que ninguém quer suspeitar.

    Hoje, o livre indirecto é bem marcado. O Álvaro tentou jogar com a cabeça, a um nível mais baixo do que a cabeça costuma jogar. Mas o defesa da Naval levantou o pé mais alto do que o admissível, atendendo a que Álvaro jogou primeiro à bola e de cabeça. No estádio nem vi se houve contacto. Creio que não houve contacto. Logo, há jogo perigoso activo e livre indirecto. O defesa da Naval tenta jogar a bola mas não derruba o adversário. Pode ser que na tv, ao pormenor, a perspectiva e a realidade sejam diferentes do que pude observar in loco, à distância.

    Quanto ao Benfica, como já expliquei, não se aplicam as Leis do Jogo. Só o favor do arbítrio. Tal e qual como na CD da Liga. Portanto, é inutil explicar a uma criança, por exemplo, o que é ou não é um penálti e uma sanção disciplinar a um benfas.

    Espero ter correspondido.

    ResponderEliminar
  5. Confesso que me deu um particular gozo o FC Porto ter ganho este jogo... È que agora a tremideira vai tomar conta da equipa da Luz e nem as ajudas, nem os favorzinhos da Liga Portuguesa de Futebol os safarão.

    Com Micael o FC Porto é outra coisa, pois a bola chega á frente em condições e há uma coisa que não havia desde que o Dragão começou a temporada: Organização.

    Até Falcao parece ter melhorado, pois deixou de ser um Farias 2 para ser uma especie de Lizandro. E com a bola a ser-lhe bem colocada a coisa é outra. Habemos matador, e se o deixarem teremos nas fileiras Portistas o Melhor Marcador desta temporada.

    Varela para mim esteve em grande apesar de ter falhado golos de uma forma impressionante.

    Segue-se agora o jogo das meias finais da Taça dos Treinos. Jesualdo que aproveite para rodar os Jogadorese, dar ritmo aos menos utilizados, pois o que interessa vem a seguir contra o Leixões e o FC Porto x Arsenal é já ali ao virar da esquina.

    Grande abraço e saudações Portistas!!!

    ResponderEliminar
  6. Zé Luis,
    Não diga isso do BA, pois o mesmo quer ser parte da solução e não parte do problema...Mais uma demonstração que existiam problemas dentro do balneário, após a confusão do túnel da luz. Vejam as imagens e em nenhuma delas aparece o capitão a defender os seus colegas.
    Para alguns isto não foi muito bem aceite.
    Capitão que se preze tinha dado um valente berro ou empurrão e não tinha deixado que os seus colegas se envolvessem na casca de banana colocada.
    Se calhar os cânticos dos Super o tenham despertado para o jogo, e este tivesse subido ao 2º andar para cabecear para o 2º golo.
    Foi um alerta.
    Atenção que não está em causa a minha opinião pessoal sobre a enorme qualidade de BA enquanto jogador.
    Acho que esta a esticar demais a corda para sair e isso nunca funcionou muito bem com PdC.
    Quanto ao jogo. Excelente pois a pressão de ganhar também prejudica a acutilância e a certeza no último passe. Em muitos momentos do jogo quisemos jogar ao 1º toque quando deveríamos ter um pouco mais de calma e ser mais inteligente na procura dos espaços.
    É nesta altura do ano que os bermelhos começam a decrescer a sua intensidade de jogo.
    Se os apitadores não derem uma ajudinha vai ser o inicio da descida deles e a nossa recuperação virá a fazer a diferença no final, rumo ao penta.

    ResponderEliminar
  7. Zé Luis,

    Concordo contigo, não foi uma exibição deslumbrante e até nervosa até ao 2º golo apesar de, em boa verdade, a Naval fez muito pouco por merecer um golo. Em termos de oportunidades adversárias, tremi mais com o Leiria do que ontem, embora pudesse de facto acontecer o empate a qualquer momento.

    O Porto é uma equipa que assume sempre as despesas do jogo e isso tem um preço. Ainda para mais quando tivémos um jogo intenso na 3ª.

    Achei que tanto o Micael como o Varela perderam ontem mais bolas do que é normal, possivelmente devido a algum desgaste. Já o Alvaro dei comigo a pensar que é um caso onde o 'roubo' ao slb nos trouxe grandes proveitos.

    O slb joga muito no limite, quer fisico quer psicológico. Achei estranha a afirmação do jesus no dia do jogo: "estão com muito medo do benfica". Porquê? Estão à frente e a crença generalizada é que vão ganhar, quer pelas manobras no cd da liga quer pela passividade e permissividade dos árbitros e quer, ainda, pela qualidade do jogo, porque é que haverá alguém com medo?? Medo poderão ter os da frente dos que vêm atrás... ou estou a ver mal?

    Não acho que de facto tenha caido bem no seio benfiquista (interno e externo) a exibição do FCP no jogo da taça. É que, apesar de serem (eram) 6 pontos de avanço, não dá jeito nenhum o FCP voltar à ribalta. Se se recordam, depois da boa exibição do Porto em Guimarães, o slb também perdeu pontos (ficando nós na altura a apenas 1) e parece-me a mim que essa pressão junto da equipa não resulta muito bem (para eles...). Ao contrário de outros anos acho que, se este ano o slb não for campeão, é verdadeiramente catastrófico. Por tudo: pelo investimento financeiro, pelo investimento emocional (acham-se os maiores deste e do outro mundo) e por todas as aldrabices e 'dificuldades' que têm 'aparecido' a dragões e agora bracarenses.

    Ainda assim, acho a nossa vida muito difícil. Temos agora Leixões fora, depois braga e sporting fora. O segredo vai estar em saber quem vai perder mais pontos nestes confrontos, não esquecendo que o slb joga nestes dois casos sempre em casa.

    ResponderEliminar
  8. Habemos matador, e se o deixarem teremos nas fileiras Portistas o Melhor Marcador desta temporada.

    Blue One, eu prognostiquei 20 golos do Falcao no início da época, mal o vi em dois jogos. Já lá estão em toda a época. Mas eu penso só no campeonato e espero 20 golos no campeonato.

    Quanto ao Varela, não concordo. Pareceu-me dos mais cansados e, por isso, dos menos lúcidos. Idem para o Rúben, com menos chegada à área e quando lá chegou fê-lo em ritmo mais lento.

    Natural, há que reconhecer, mas não adianta dourar a pílula.

    Toda esta gente terá de ser substituída na 4ª feira. É inevitável. O problema é quem jogará. Porque temos lesões e castigos nas alas.

    ResponderEliminar
  9. "a Naval fez muito pouco por merecer um golo".

    Santos, pois... Mas quando entram, quem se lembra disso? Quando o Paços marcou, quem se lembrou disso? Quem argumenta que não era merecido e poupa a equipa portista a desabafos do que chamo o "mal do adepto"?

    Se merece ou não é irrelevante. Porque, depois, faz-se a ideia do jogo pelo resultado. Daí eu não ter concordado com as críticas feitas nos jogos com Leiria e Paços, porque o Porto podia ter goleado e fez muito mais por isso.

    É sempre bom não olhar para as coisas de uma forma definitiva, pela aparência, e entender o contexto e as vicissitudes que um jogo encerra. Repito-o sempre por aqui.

    É claro que a vitória foi justa, nem esteve em causa. Mas estaria se aquela bola entrava, o Simplício é que já chegou "roto" ao momento de finalizar.

    A equipa estava relaxada, apesar de concentrada no jogo. Eu estava nervoso e só à espera de uma coisa. Ao 2-0 vinha logo embora. Foi o que sucedeu. Já ouvi o 3-0 no carro a sair do Dolce Vita com o bruá do estádio.

    Sinceramente, nem me lembro de uma clara situação de golo e perigo para o g.r. da Naval. Na 1ª parte não houve. Ao contrário, houve algumas que por manifesta infelicidade não entraram frente a jogos que muitos criticaram, como com o Belenenses (depois do 1-1), Leiria, Paços.

    Mas basta o resultado ser curto, ou negativo, para se fechar os olhos ao que se passa mesmo em campo e onde os próprios adeptos esquecem as oportunidades de golo, os golos mal anulados, os pontos não ganhos por flagrantes erros de arbitragem.

    Eu, ontem, não apreciei, vi a equipa cansada e lenta. Percebo que teria de jogar com calma, até pela cortina defensiva da Naval, uma equipa que também fez 3 jogos em 8 dias...

    Uma coisa é perceber como aquilo se passa, outra é criar uma realidade diferente só porque o resultado é gordo ou magro, para além de avaliar com realismo e objectividade o que a equipa fez em campo.

    Muitos optam pela subjectividade da qualidade de jogo. Quando convém.

    Espero muitas dificuldades para 4ª feira, não tanto no sábado com o Leixões.

    ResponderEliminar
  10. Sobre o livre indirecto, já dei a minha opinião.

    Obviamente, aproveitadores/especuladores como alguns que persistem em insinuar-se por aqui e continuarão a ficar à porta, pegaram o caso do penálti fantasmagórico de Leiria para o Benfica.

    Naquele lance não houve falta, o defesa cortou a bola, com tempo e espaço, sem promover sequer o contacto com Aimar. Este, a lançar-se para a área, chegou tarde ao lance e nem aproveitou, a não ser pela benevolência do árbitro que até estava a ver as costas dos jogadores e só podia intuir ter existido contacto, a possibilidade de provocar a falta metendo o corpo à bola.

    Foi uma falsidade tremenda que a máquina de propaganda vermelha tenha esmiuçado a Lei XII para aferir que houve falta e era penálti.

    Quando há um corte de carrinho, por exemplo, com o defesa a dar na bola, pode suceder posteriormente um contacto que não agrava a situação, porque os contactos são frequentes e normais no futebol mas não são todos em falta.

    Já o clássico penálti do detentor da bola tocá-la, nem que seja para sair pela linha de fundo, sendo derrubado por uma ínfima fracção de segundo de um defesa a fazer-se ao lance, dá precisamente o clássico penálti por reacção tardia de quem defende e derruba, mesmo sem necessidade nem por receio de haver uma situação de golo.

    No caso do Aimar, que esse parolo do "Luís" quis fazer ver em mais um comentário que caiu no lixo, aquele penálti foi inexistente por não haver falta (nem livre indirecto era), apenas corte na bola sem poder evitar-se o contacto, para além de inexistente foi falso porque o árbitro não viu, intuiu, mirando só as costas dos jogadores e sem ver que o defesa tinha mesmo chutado a bola para muito alto porque jogou-a apenas.

    Só por má-fé ou puro desconhecimento das Leis do Jogo pode haver similitude nestes lances descritos.

    Idem para os dois lances de pé em riste que Rodriguez sofreu com a Leiria e o Belenenses, eram apenas livre indirecto porque não existiu derrube e a bola foi jogada no alto com defesa e atacante a jogarem em igualdade de circunstâncias. O grave foi que nem falta foi marcada em qualquer dos casos. E, mesmo assim, o caso com o Leiria (Elmano) ainda me pareceu mais gravoso do que o sucedido no Restelo (Olarápio), mas aceitava perfeitamente livre indirecto em ambos.

    ResponderEliminar
  11. Flecha, sem desfazer do jogador e grande capitão BA, o que vi foi isso mesmo e já li por aí reparos idênticos. Já quanto aos problemas do balneário, não comento porque 1) não sei e 2) não os presumo nem logro tirar essa conclusão.

    O que se terá passado no treino é normal, em todos os clubes, com montes de jogadores.

    Deve é enaltecer-se a atitude de Jesualdo em deixar BA de fora com o Sporting. E isso ninguém fez.

    Quanto ao resto, volta a normalidade. Excepto a pasmaceira do BA que quase permitia o empate ontem...

    ResponderEliminar
  12. Concordo com o Zé Luis, não foi um bom jogo do Porto, apesar do resultado enganador. A equipa jogou sempre a um ritmo muito lento (cansaço?) e chegou mesmo a enervar na segunda parte. Se aquele contra-ataque aos 75 minutos dá golo para a Naval, ficariamos em apuros.

    Agora continuando a saga das coisas pelo outro lado teremos logo à noite uma prova de fogo à capacidade de Bruno Paixão, como verdadeiro artista. Ora vejamos, por um lado terá que prejudicar o Braga para acalmar os encornados que já não dormem em condições, por outro lado terá que penalizar o Belém com cartões, já que o próximo jogo deles é na Luz. Um verdadeiro teste de fogo a Bruno Paixão....

    Um abraço

    ResponderEliminar
  13. Fantástico!!

    Diário Económico
    8-2-2010

    O campeão dos túneis
    João Marques de Almeida

    O génio criativo do nosso país ofereceu um novo desporto à Europa e ao mundo: o “tunebol”. Explico. Quando as duas equipas de futebol se encontram nos túneis que ligam os balneários ao relvado, após provocações de figuras contratadas para o efeito, inicia-se uma cena de pancada entre os jogadores.

    O vencedor será aquele que não reagir e que, portanto, mais pontapés e murros levar. Convém lembrar que o "tunebol" está limitado aos clubes que lutam pelo título nacional. Ou seja, quem chegar a Dezembro/Janeiro em condições de ser campeão, participa no "mini-torneio" de "tunebol", para se clarificarem posições para a segunda metade da época. O campeão do "tunebol" ficará numa óptima situação para ganhar a liga.

    De acordo com o seu estatuto de clube com mais títulos em Portugal, este ano o campeão do "tunebol" foi o Benfica. E não julguem que foi fácil. Exigiu muito trabalho e uma fina psicologia por parte de Jorge Jesus. Foi necessário repetir vezes sem conta, desde o início da época, aos seus jogadores: "se levarem um murro, dão a outra face para levarem um estalo". Imaginam o que deverá ter custado aos seus jogadores ouvirem, "se o Sapunaru te der um pontapé, vira a outra nádega para o Hulk te dar outro"; ou "se o Mossoró te der um estalo, dás a outra face para o Vandinho te dar um murro". E resultou.

    Os jogadores do Benfica tornaram-se um exemplo de boa educação, de auto-controlo e de pacifismo. São já um exemplo para toda a Europa. Houve mesmo um jornal inglês que afirmou: a "Inglaterra deu o ‘greenpeace' ao mundo; e o Benfica deu o ‘redpeace'". Contaram-me que nas paredes do balneário, há cartazes do Dalai Lama por todo o lado. O presidente do Benfica estará a pensar convidá-lo para assistir ao jogo do título, para o apresentar como a grande inspiração da "nação pacifista". Já há mesmo quem diga que a única maneira do Sá Pinto e do Bruno Alves se emendarem é através de um estágio na Luz.

    Mas o "tunebol" não se fica pelos provocadores e pelos jogadores; exige igualmente membros na Liga de Futebol com "olho de falcão", como se costuma dizer no nosso país. Pensam que é fácil olhar, através de gravações, para um molho de dez jogadores e vinte braços e perceber que foi o Hulk ou o Vandinho os únicos a agredirem. Experimentem ver as imagens e vejam se é fácil. Por fim, não há datas para terminar o mini-campeonato do "tunebol". Se um dos olhos de falcão voltar às imagens daqui a três meses e perceber que afinal o Helton, ou o Hugo Viana também agrediram, far-se-á então justiça. Nunca é tarde para punir quem bate. "Glorioso, glorioso, nos túneis és poderoso"; eis o novo grito das claques benfiquistas.
    ____

    João Marques de Almeida, Professor universitário

    ResponderEliminar
  14. Gostei muito deste nosso Porto.
    Espero que continue assim: a crescer.
    O Alvaro é potente, o Ruben é craque e o Falcao é letal.

    ResponderEliminar
  15. FORÇA PORTO!

    vejam também o http://www.zonadesportiva.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  16. "Curioso constatar que esse livre indirecto fez-me recordar um lance, bastante semelhante, numa outra partida realizada em Leiria, em que o árbitro transformou num pontapé de grande penalidade"
    No jornal O jogo, 2 em 3 árbitros conseguem dizer que a falta seria ao contrário, ou seja o Álvaro Pereira é que a fez!

    ResponderEliminar
  17. "Agora continuando a saga das coisas pelo outro lado teremos logo à noite uma prova de fogo à capacidade de Bruno Paixão, como verdadeiro artista. Ora vejamos, por um lado terá que prejudicar o Braga para acalmar os encornados que já não dormem em condições, por outro lado terá que penalizar o Belém com cartões, já que o próximo jogo deles é na Luz. Um verdadeiro teste de fogo a Bruno Paixão...."

    eheheh... tá mto boa esta :)

    Donnie Darko, com a sua permissão presumida ;) vou copiar esta parte para o "mar salgado" (citarei a fonte obviamente).

    eheheh

    ResponderEliminar
  18. Tripeiro,

    fantástico, realmente.

    p.s. - ontem faltaste à apresentação do livro do João Queiroz...

    ResponderEliminar
  19. Caro Zé Luís, eu confesso que olhei com desconfiança a vinda do Falcao. Mas o rapaz tem mostrado que estou errado e que não passo mesmo de um reles Treinador de Bancada.

    Pelo que tenho visto nos últimos jogos o Radamel melhorou muito porque deixou de ser pouco móvel para começar a movimentar-se mais. Parece o Lizandro no seus bons tempos. Vamos acreditar que o Colombiano vai melhorar ainda mais e que vá ser o melhor Marcador da Liga. Só que não nos podemos esquecer que há quem ande a fazer pelo outro lado...

    No que toca á minha escolha de Varela para o Melhor em Campo, como consta da Crónica no Mística, eu ia colocar o Tomás Costa, mas pelo esforço e garra que o Drogba da Caparica tem e o facto de este deixar sempre tudo em campo fez com que eu lhe desse esta nomeação.

    Mas há um facto para o qual chamaste a atenção: O Cansaço.

    È mais do que evidemte que os melhores Jogadores do nosso Porto começam a mostrar cansaço... E o Jesualdo tem a mania de os levar aos extremo no que toca á sua utilização.

    Mas olhando para o banco, que alternativas decentes o Prof. tem? Orlando Sã parece ser uma das melorzinhas, mas o resto...

    È como eu tenho dito, o Jesualdo que aproveite a Taça dos Treinos para fazer descansar os elementos mais importantes do Plantel, pois o jogo com o Leixões e com o Arsenal são muito mais importantes.

    Um abraço e saudações Portistas!!!

    ResponderEliminar
  20. Estamos numa fase em que todas as vitórias são importantes, face ao atraso na classificação.

    Mais que as exibições, os resultados são determinantes.

    Por isso, o meu grau de exigência é um pouco menor, satisfazendo-me com as vitórias, condição única para alimentar o sonho do bi-pentacampeonato.

    Não tendo sido uma exibição de encher o olho, como contra o Sporting, a exibição portista frente à Naval, foi diversa, alternando momentos de futebol pouco apelativo com outros de fulgor futebolístico.

    Frente a equipas demasiado defensivas, as dificuldades são mais evidentes. Contudo, devo realçar a atitude da equipa que, inteligente e pacientemente pôs em prática o rolo compressor que haveria de aniquilar a réplica adversária.

    Nos últimos jogos, coincidentes com a inclusão do maestro Ruben Micael, os Dragões vêm evidenciando uma melhoria prometedora.

    A ambição está intacta e a esperança sobe.

    Um abraço

    ResponderEliminar