10 março 2015

Noite per...feita de golos fan...tásticos

Golos maravilhosos num jogo de ovo excelente do FC Porto a culminar com goleada histórica atendendo a nunca antes ter obtido um 4-0 na fase pós-grupos da Champions e que atira a equipa de Lopetegui para o patamar de uma das mais goleadoras em prova além de manter o percurso, de 10 jogos com pré-eliminatória, sem derrotas, o que é notável e a par da qualificação para os "Melhores 8" ou 1/4 final dá uma dimensão à equipa e ao clube que o futebol perfumado em bola corrida tem confirmado ultimamente - rematando uma série difícil de jogos com a cereja no topo do bolo.
 
Já era, atrás de Barça e Bayern com 63%, a terceira equipa com mais posse de bola (60%) da fase de grupos e o FC Porto soma já 24 golos em 10 jogos, começando este a desfazer o Basileia da forma que carimbou o apuramento para os grupos com golos de Herrera em Lille e de Brahimi de magistral livre directo com os franceses a abrir a conta no Dragão. Agora foi Brahimi a confirmar não ser obra do acaso a sua perícia à Madjer e reavivando a folha seca de outros tempos em que se contava ainda com Sousa para essas proezas balísticas. E Herrera fez mais um excelente golo a arrumar a questão que Casemiro, de novo de livro à moda de Barcelos, e Aboubakar, ao jeito do tiraço ao Shakhtar, arredondaram impiedosamente.
 
Nem a lesão, felizmente, sem consequências além do susto do choque e o aparato da queda com a cabeça no relvado de Danilo, tirou brilho a uma festa que encheu o Dragão com 41 mil. Até Samuel, de novo poupado inexplicavelmente no início com falta para amarelo à entrada da área, passou desta vez sem ser expulso, pois logrou bater em Aboubakar mesmo sem bola e não terminar a partida como fez na 1ª mão de forma infame.
 
O choque Fabiano-Danilo podia ter corrido para o torto se a atrapalhação fizesse a bola sobrar para Ghazi marcar e igualar a eliminatória. Mesmo o 2-0, se permitido o 2-1 a seguir, levanta dúvidas se o 2-2 não pode deitar tudo a perder. Mas o FC Porto fez uma partida notável de concentração e só com 3-0 permitiu situação de golo para defesa de Fabiano, a um Basileia de tracção atrás e pelo qual Paulo Sousa não revelou desempenho especial para tanta fama de que vinha rodeado.
 
Foi tudo bom, do bom público ao bom futebol e golos de boa distância e boa calibragem nos remates indefensáveis, uma barrigada de futebol de alto nível que eleva o nível de confiança da equipa que tem até meados de Abril (14/15) tempo para respirar e aliviar a pressão europeia, podendo concentrar-se no campeonato e na semifinal da taça da treta sem perder de vista o jogo decisivo com o Benfica. A Champions regressará logo antes da ida à Luz em finais de Abril mas sempre será um mês de alguma folga competitiva e que dará para recuperar jogadores como Jackson e Danilo, sem esquecer Adrián Lopez, além de Oliver, hoje no banco, estar já em vias de regressar.
 
Um mês perfeito passado, a dizimar Sporting, Braga e Basileia, um mês por vir com algum desafogo ainda que imponha a perseguição ao líder na Liga, quando a equipa ganhou coesão defensiva, transpira e respira melhor no meio-campo, vê saltarem soluções do banco a contento seja para titular (Evandro na raça para cimentar a coesão do miolo) ou para entrar e ajudar a sério (Quaresma, Aboubakar), provando-se a profundidade/extensão das soluções do plantel de forma muito satisfatória.
 
Mesmo o sorteio, só no final da próxima semana, ajudará a descomprimir da pressão de "quem vem lá" pelo que tudo serviu, confirmando-se o bem-estar de Danilo quando se temia o pior, para uma grande noite. Digna de Champions. Com bênção do Dragão. Bom para os fãs, boa noite para os golos, feita para delirar e sonhar. Do melhor.

Sem comentários:

Publicar um comentário